1. Spirit Fanfics >
  2. Lúcida Loucura >
  3. Noite Perfeita

História Lúcida Loucura - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Capítulo fresquinho, acabou de sair do forno.
Foi um desfio escrever isso, porque não costumo escrever cenas de sexo com tanta leveza e romantismo, sempre tive uma pegada um pouco mais selvagem. Portanto, espero que gostem, meu amor e eu nos esforçamos pra trazer uma coisa bacana pra vocês.
Aproveitem.

Capítulo 9 - Noite Perfeita


Noite Perfeita

Pvo Max Thunderman

Phoebe esperava minha resposta com certa expectativa, e eu sem ter mais porque negar acabei assentindo e confirmando sua indagação.

“É, eu sou virgem, apesar de me gabar por ficar com várias garotas a verdade é que eu nunca fui até o fim com ninguém, nem mesmo com Allison.” – falei baixo, estudando suas feições, mas não conseguindo ler nada.

“Max, deixa de ser bobo, isso não é motivo para se envergonhar, não é uma coisa que precisa acontecer pra todo mundo na mesma hora, cada um tem seu tempo e está tudo bem não estar pronto.” – me ofereceu um sorriso doce enquanto acariciava meu rosto.

“Você... você já teve sua primeira vez?” – perguntei um pouco vermelho.

“Sim, mas o que conta é como vai ser especial, e ninguém é mais especial pra mim do que você, e eu vou entender se quiser um tempo pra digerir isso, te espero o tempo que precisar.” – disse simples e me deu um selinho.

“A gente pode fazer isso, eu só não quero decepcionar com meu desempenho, quero que seja bom o suficiente pra você, meu amor” – falei sincero.

“Como eu iria me decepcionar tendo uma noite de amor com o homem da minha vida? Eu também não sei muito, descobriremos juntos como fazer e sei que será bom porque vai ser com você.” – terminou calma.

“A cada minuto que passa eu me apaixono mais por você.” – a beijei apaixonadamente, apenas me separando o suficiente para recuperar o fôlego. “Quero você, apenas lamento não ter nossa primeira noite em um lugar um pouco mais bonito e aconchegante que esse.”

“Calma aí, não tá achando que a gente vai fazer isso em cima de um carrinho velho, não é?” – a olhei confirmando e ela apenas gargalhou, e aquele se tornou o meu som favorito no mundo. “Não, vem comigo que eu tenho uma pequena surpresa para você.” – saiu do meu colo e começou a me puxar pra onde ficava a roda gigante, o que será que essa garota estava aprontando?

Chegamos à roda gigante e ela me levou pra uma das cabines que estavam na parte de baixo, quando entrei me surpreendi com toda a arrumação que ela tinha feito. O chão estava coberto com algum tipo de manta que me parecia muito confortável, em cima algumas almofadas e mais pro canto algumas velas de led iluminando o ambiente e uma pequena caixa de som, a olhei sorrindo e lhe dei um beijo.

“Como teve tempo de fazer tudo isso?” – perguntei curioso.

“Só queria que se sentisse confortável, então pensei que se deixasse isso parecido com as cabanas de lençol que fazíamos quando crianças isso te deixaria mais tranquilo.” – explicou calma.

“Você não existe, Phoebe, eu quero tanto você.” – falei e pude sentir meu corpo esquentar com o clima que estava começando a ser criado.

“Então vem, me faça sentir não só no corpo, mas também na alma o quanto me quer e o quanto me ama.” – pediu e se deitou na manta me olhando com desejo, mas também com amor, me rendi e me deitei sobre ela tomando cuidado para não machucá-la, a olhei nos olhos e sem nenhuma vergonha lhe fiz um pedido.

“Você me ensina a te dar prazer?” – ela apenas assentiu e ligou o som, a melodia de Perfect do Ed Sheeran tomou conta do ambiente, e eu apenas sabia que seria mesmo perfeito.

A beijei com todo o amor que tinha em meu coração e ela correspondeu na mesma intensidade. Não demorou para que o beijo esquentasse, o que era calmo se tornou necessitado, os corpos antes acomodados agora precisavam de atenção urgente, pareciam febris a ponto das roupas darem a impressão que seriam incineradas se não nos livrássemos delas rapidamente. Ela tirou minha camisa com rapidez e eu espelhei seu movimento, quando vi seus lindos seios ainda cobertos pelo sutiã não pude evitar arfar e ela me provocou.

“Vê algo que gosta?” – aquele sorrisinho sacana não saia do seu rosto e isso tava minando minha lucidez.

“A sim, vejo algo que eu gosto muito” – falei tomado pela luxúria, mas ainda sem ter ideia do que fazer, eu até tinha algo em mente só não sabia se era certo.

“Vá em frente, faça o que quer fazer, deixe seus instintos te guiarem.” – me sorriu e meu medo sumiu, deixei meus instintos assumirem e acho que foi uma ótima decisão.

Comecei a distribuir beijos por seu colo, ainda meio receoso, porém, quando ouvi os gemidos baixos da minha irmã soube que estava fazendo o certo, ela arqueou o corpo e quando eu iria perguntar o que havia de errado vi que ela se livrava de seu sutiã, eu apenas sorri e tratei de dar atenção aos gêmeos, suguei com vontade o seio direito enquanto brincava com o esquerdo com minha mão, Phoebe, gemia e usava suas unhas para arranhar minhas costas e aquilo era bom, e só fazia meu membro pulsar dentro da minha box suplicando por liberação.

Já mais envolvido com o que estávamos tendo, desci minha mão pelo corpo perfeito da minha irmã e entrei em sua calça, podia sentir sua calcinha molhada e comecei a acariciar sua intimidade lentamente, mesmo sem saber muito bem como, mas a julgar pelos gemidos que ela dava, acho que eu estava no caminho certo. Estava concentrado com minha boca agora em seu pescoço lhe dando chupões que com certeza deixariam marcas, quando senti as unhas de Phoebe no meu abdômen e a ouvi sussurrar um “gostoso” para logo depois encontrar meu membro já rígido dentro da minha cueca e começar a fazer pequenos movimentos me estimulando, e dessa vez quem gemeu fui eu, ficamos nesse frenesi de prazer até não aguentarmos mais e chegarmos ao clímax só nos tocando, olhei para minha irmã depois que ela desceu de seu alto e a única coisa que vi foi um fogo que ainda não tinha sido apagado.

“Faça-me sua, Max, eu preciso te sentir dentro de mim.” – pediu quase suplicante e apenas assenti incapaz de negar qualquer coisa pra ela.

Nos livramos das roupas o mais rápido que conseguimos, e após colocar o preservativo, me posicionei entre suas pernas e a olhei precisando de sua permissão para prosseguir o que me foi dado em um aceno de cabeça, eu então fui me afundando dentro dela lentamente, quando já estava todo dentro dela nos dois gememos em uníssono pela sensação de êxtase.

“Você é grande, nunca pensei que meu irmão seria tão bem dotado” – sorriu maliciosamente. “Apenas vá devagar até eu me acostumar com seu tamanho.”

Como me foi dito fui me movendo devagar, mas firmemente, ouvir Phoebe gemer era afrodisíaco, eu mal podia me conter para não vir novamente. Depois de um tempo de gemidos que se misturavam ou morriam em nossas bocas devido aos beijos que trocávamos, já estávamos no limite, ela então pediu.

“Mais rápido, por favor, preciso que vá mais rápido e mais forte.” – eu a olhei com receio e ela logo entendeu. “Você não vai me machucar, por favor.”

Apenas atendi seu desejo, comecei a estocar mais rápido e mais forte, e o prazer me invadiu de uma maneira que eu sentia que viria em breve.

“Pheebs eu vou...” – avisei.

“Eu também, Max...” – gritou meu nome e eu senti suas paredes apertarem meu membro e eu cheguei ao ápice junto com ela, me deitei ao seu lado esperando que nossas respirações voltassem ao normal.

“Isso foi incrível, eu te amo.” – falei ainda arfante.

“Eu também te amo, Max. Você tem noção que a lua e as estrelas são as únicas testemunhas da nossa noite de amor? Parece coisa de livro ou de filme.” Falou encarando a mim e depois o céu.  

“A única diferença é que isso é real, minha linda.” – lhe dei um beijo na testa e ela se aconchegou em mim, adormecendo alguns minutos depois.

Aproveitei esse tempo para lhe fazer uma surpresa, modéstia à parte sou ótimo com trabalhos manuais e não demorou até estar pronto. Mesmo com dó tive que acordar minha irmã, pois logo iria amanhecer e teríamos que estar em casa, lhe chamei baixinho e fui lhe dando vários selinhos até ela finalmente despertar.

“Hey, temos que ir, logo será de manhã e é melhor estarmos em nossas camas.” - falei e ela concordou, arrumamos as coisas e quando ela estava prestes a caminhar pra ir embora eu a chamei, ela se virou e eu me ajoelhei, clichê eu sei, mas é só um detalhe.

“Phoebe, nunca imaginei estar vivendo isso, jamais pensei que esse tipo de felicidade era pra mim, mas aqui estou eu, desfrutando disso tudo. Você é tudo que eu nunca soube que precisava e é tudo que eu sempre quis, eu estive esperando a vida toda por você, eu desperdicei uma vida toda antes de você, não estava procurando por amor até realmente te encontrar, mas o mais impressionante é que eu não me lembro de uma época em que não estivesse apaixonado por você. Fiz esses anéis de capim enquanto dormia, são fortes como eu sei que nosso amor é, os trançados representam nossas vidas entrelaçadas a partir de agora, então aqui sob esse céu espetacular com a lua como nossa cúmplice e as estrelas como guias da nossa futura vida a dois eu te pergunto, mesmo sabendo dos riscos: “Você quer namorar comigo?”

Apenas fiquei lá esperando sua resposta, enquanto via lágrimas escorrendo por seu belo rosto, demorou cerca de dez segundos, mas pra mim pareceram dez anos até que ela finalmente falasse.

“Eu... De todos os riscos que eu corro diariamente, ficar com você é o que vale a pena, é claro que eu aceito namorar com você.”

Sorri e coloquei o anel em seu dedo e me levantei, ela colocou o outro anel no meu dedo e nos beijamos apaixonadamente, começando ali um amor que iria transcender barreiras.

Fomos para casa de mãos dadas, foi uma caminhada torturantemente curta para a vontade infinita de continuarmos juntos, chegamos embaixo de sua janela e infelizmente já era hora de nos despedirmos.

“Tenha uma boa noite meu amor e sonhe comigo, eu te amo.” – falei e lhe dei um último beijo.

“Boa noite, Max, durma bem e te encontrarei em seus sonhos.” – piscou pra mim e subiu até seu quarto com uma facilidade que me fez pensar que ela já tinha feito isso outras vezes.

Me virei para ir para o covil e a ouvi me chamar:

“Amor?” – me virei sorrindo bobo, ouvir aquilo dela me fez ganhar meu ano. “Lembre-se, estarei sempre a uma batida de coração de sentir sua falta novamente.” – se virou e entrou e eu fiquei ali parado ainda não acreditando em tudo que aconteceu essa noite, o sorriso parecia que nunca mais iria deixar meu rosto.

Depois de um tempo parado finalmente fui pro covil, me troquei e me deitei, não demorei a pegar no sono, e seria o melhor sono em muitos meses, pois sonharia com ela hoje, mas logo dormiria e acordaria a seu lado. E foi assim que nossa noite perfeita terminou, repleta de esperanças em um futuro juntos.


Notas Finais


É isso, foi mal se ficou muito grande e me desculpem se não estiver muito bom.
Até mais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...