1. Spirit Fanfics >
  2. Lucky Clover >
  3. Banheiro dos monitores

História Lucky Clover - Capítulo 16


Escrita por: Sam_Corvina

Notas do Autor


Declaro aberta a porta do cabaré 🔥 KKKK

Capítulo 16 - Banheiro dos monitores


Fanfic / Fanfiction Lucky Clover - Capítulo 16 - Banheiro dos monitores

 

Draco estava na minha frente na mesa do salão principal aquela manhã, seu olhar desconfiado encarava o pote de escamas de murtisco receoso se iria ou não provar aquilo, ri quando ele preferiu buscar alguns alcaçuz e deixar aquela ideia para lá.

 

Mal tinha colocado suco de abóbora no copo quando as corujas voaram por todo salão, era dia de correio em Hogwarts.

 

Pansy se esticou para buscar um pacote dourado e bateu os pés no chão emocionada, era sua fantasia para a festa de Halloween daquele ano. Draco recebeu uma carta tão formal dos pais que pensei comigo quanto tinha custado só o envelope preto com o brasão dos Malfoy no verso. Edwiges esticou a perna na minha direção assim que pousou na mesa, entreguei a ela alguns biscoitos mas a coruja não parecia feliz só com aquilo.

 

- Mais tarde subo no corujal e te levo alguns vermes, agora preciso comer - disse para ela que nem ao menos me deixou fazer um carinho em sua cabeça e logo levantou voo - ahhh não! - engoli em seco quando vi o envelope vermelho lacrado.

 

- O que foi? - Draco franziu o cenho e um grupo de meninas começou a rir na minha direção

 

- Olha só gente, o Potter recebeu um berrador! - Leticia Mcmailan riu junto com outras garotas mas logo parou quando Draco lançou a ela seu pior olhar 

 

- Abra logo, Harry. Eu ignorei o da minha mãe e me dei mal… - Zabini coçou a cabeça desconcertado.

 

Por que meus pais me envergonhariam dessa forma? Abri o berrador ainda trêmulo, aquela não parecia uma boa decisão e percebi tarde demais que não era mesmo a melhor delas.

 

‘’ Harry!! Ei como você tá garoto? Nunca mais deu notícias, pensei que sua mãe tivesse te enfeitiçado para não abrir mais a boca igual sua irmã’’ Daisy ficou extremamente vermelha na mesa a frente se encolhendo enquanto as gargalhadas de Sirius iam aumentando.

 

‘’ Comprei aquela moto dos trouxas da nossa rua, posso te ensinar a pilotar garoto, vai fazer sucesso com as garotas de Hogwarts com ela’’ Draco cuspiu o próprio suco quando ouviu aquilo e Pansy escondia uma risada com as mãos.

 

‘’ Sabe, pensei que você pudesse… QUEM É? REMUS ABRE A DESGRAÇADA DESSA PORTA, QUEM TEVE FILHO FOI A TONKS E NÃO VOCÊ!!! LEVANTA DESSE SOFÁ SEU FILHO DA…’’ meu rosto queimava de vergonha enquanto a mesa inteira da sonserina ria descontroladamente

 

‘’  OU MÁ GÓ! OU MÁ GÓ! COÉ SIRIUS?? COÉ SIRIUS BLACK??? EQUISPELIARMANS! OHHH LUPIIN!!’’ a voz do meu pai foi o fim para até mesmo a mesa da grifinória entrar em colapso seguida da corvinal e a lufa lufa.

 

- Porque seu pai está falando assim? - Draco agora limpava as lágrimas que escorriam de tanto rir

 

- Uma mania idiota deles - revirei os olhos

 

‘’ Sai dai vocês três!! Harry, querido’’ reconheci a voz da minha mãe enquanto meu pai e Sirius pareciam cantar ao fundo junto de Remus que gritava ‘’ a fralda ta suja, a fralda ta suja’’ ‘’ Harry querido, queria te enviar uma carta mas Sirius insistiu que fosse um berrador e pela votação, eu fui a única que não quis te envergonhar, sinto muito.’’ do outro lado do salão, Severo Snape tentava se esconder entre os professores.

 

‘’ Querido, não respondeu minha última carta e fiquei preocupada’’ Draco estava com os cotovelos apoiados na mesa encantando com a minha mãe ‘’ Bem, quero dizer que estou com saudade seguida dos marotos...’’ ouvi os três gritarem ‘’ isso ai reuri potty’’ ao fundo me fazendo rir ‘’ E também para dizer que sua carta de Harvard chegou, você foi aprovado meu amor. Sua carta de aprovação está junto do envelope te mandei, é seu sonho e tenho certeza que vai dar pulos de alegria. Nós te amamos, Harry’’


 

Não consegui ouvi mais nada e logo puxei o envelope branco rasgando as fitas que o cercavam, as mãos trêmulas.


 

‘’ Prezado senhor Harry James Potter.

 

Temos o prazer de informar que sua inscrição para o nosso curso de medicina foi aprovado. 

 

Desejamos sucesso nessa sua nova jornada.

 

Atenciosamente, Elizabeth Corlis

 

Universidade Harvard.’’


 

- EU PASSEI!! PASSEI!! - me levantei da mesa com a carta na mão e somente cinco alunos do salão pareciam surpresos, incluindo Hermione que batia palmas para mim - PASSEI, MIONE!!

 

Puxei os ombros de Draco o abraçando por cima da mesa enquanto todos não pareciam entender o que estava acontecendo.

 

- O que é Harvard? - ouvi quando Draco perguntou para Pansy ao se virar

 

- Deve ser uma pessoa. - ri quando ela respondeu aquilo

 

Minha emoção estava grande demais para explicar aos dois o que significava aquela carta. Resolvi apenas ignorar os olhares e continuar abraçado com Draco que parecia mais confuso que qualquer outro.

(...)
 

- Harry tem alergia a peixe, e também não gosta de pipoca caramelizada… - Daisy estava ao lado de Draco no salão comunal da sonserina e ela citava meus defeitos - Ele também não gosta de pentear o cabelo!

 

- Isso eu já percebi… - Draco piscou para mim assim que me viu parado na escada com os braços cruzados - olha ele ali! 

 

- Harry! - Daisy correu na minha direção me abraçando com os olhos brilhantes, aquilo era a prova que ela havia aprontado - Contei seus doces preferidos e suas alergias para o loiro com cara amassada ali! - disse apontando para Draco - expliquei também sobre Harvard e o que você quer ser…

 

- Perfeito, assim não preciso explicar mais nada né? - ergui as sobrancelhas na direção dela

 

- Já to indo para o salão da grifinória seu chato!! - fez um bico enorme e saiu pisando firme até o quadro negro - Tchau, loira! - Daisy acenou para ele e saiu do salão 


 

Draco estava jogado na sua poltrona com o suéter da sonserina que ficava magnífico com sua franja loira. Algumas garotas conversavam em volta dele, mas chutou metade delas quando me aproximei, me colocando no seu colo e fazendo metade delas subir chorando para os dormitórios.

 

- Daisy não tem limite e você ainda dá ibope - revirei os olhos e o loiro me apertou ainda mais contra seu corpo alisando meu cabelo.

 

- Gosto dela. É divertida coisa que você não é

 

- Engraçadinho!

 

- Então você quer ajudar os trouxas com a medicina, hein? - suas sobrancelhas se ergueram na minha direção - Por que não ser curandeiro no nosso mundo?

 

- Sinto que meu lugar é ajudando pessoas que nem sempre tem a chance de se recuperar como nós - encostei minha cabeça em seu ombro me deixando sentir seu perfume 

 

- Não sei como você consegue se relacionar com eles, são preconceituosos e violentos…

 

- Disse o garoto que taca pedra na cabeça dos outro

 

- Tacava, Harry. Não faço mais isso - revirou os olhos entediado - mas vamos mudar de assunto então. A noite está boa, o que quer fazer? Não vou monitorar os corredores hoje…

 

- Quero transar! - disse sem rodeios o fazendo piscar rapidamente

 

- Tem certeza disso? Digo, é sua primeira vez… 

 

- Draco, estamos nisso a semanas. Quero transar, é sério!


 

O rosto do loiro tombou para o lado abrindo um sorriso malicioso enquanto pensava em algo, sabia que ele estava imaginando um lugar e me surpreendeu quando não disse ‘’ dormitório'' como alternativa.

 

- Busque sua capa na mochila… - senti quando ele deixou uma mordida no meu pescoço me apertando contra ele - Vamos dar uma voltinha!

  

(...)

 

- Estamos em qual corredor? - perguntei enquanto o loiro se encolhia embaixo da capa atrás de mim

 

- Quase lá, continue andando… - disse no meu ouvido deixando um beijo na minha bochecha


 

Tivemos que cortar caminho pois a gata do filch, madame nora, parecia nos enxergar até mesmo debaixo da capa. Bizarro. Draco queria jogar uma azaração nela mas não deixei, aquilo era demais até para mim.

 

Depois de quase dez minutos andando por corredores escuros, paramos em frente a uma porta de madeira que se abriu assim que Draco tocou nela.


 

- Bem vindo, Draco Malfoy! - a voz grave disse e franzi o cenho

 

- Onde estamos? não me lembro de ter vindo aqui antes… 

 

- Não veio… - assim que o loiro fechou a porta retirou a capa arrumando os cabelos - É o banheiro dos monitores. Lumos! - Draco girou a varinha fazendo o banheiro se iluminar.


 

Confesso que fiquei impressionado assim que vi o lugar. Paredes claras com lenços pendurados em algumas partes, um sofá grande iluminado por um pedestal de mármore com uma estátua segurando uma tocha. Era uma sereia e parecia se mover assim como o quadro ao fundo que pulava em uma piscina e depois retornava se secando, fez isso diversas vezes até eu notar que na minha frente o teto só estava se refletindo pois uma gigante banheira sem borda e com uma água que mudava de cor começava a soltar fumaça, Draco estava na outra ponta retirando seu uniforme.

 

A gravata verde seguida da capa e logo após os sapatos. Engoli em seco quando ele piscou para mim com um sorriso de lado enquanto desabotoava a camisa. 

 

- Vem, vamos relaxar um pouco você parece… tenso - indicou com a cabeça a banheira


 

Minhas mãos tremiam à medida que me dava conta que sim, ia acontecer essa noite. Decidi não pensar nisso e nem deixar o nervosismo me dominar, puxei a gravata desabotoando a camisa enquanto Draco mergulhava na banheira e voltava à superfície ajeitando o cabelo bagunçado.

 

O loiro estendeu a mão para mim quando chegou na ponta da banheira onde eu estava parado, imóvel. Sorri buscando sua mão e entrei na banheira, a água quente deixou que metade das minhas inseguranças para fora dali e resolvi apenas focar no corpo de Draco que estava agora muito colado ao meu, suspirei quando seus dedos alisavam minhas costas enquanto sua outra mão me mantinha minha cintura bem firme a ele.

 

- É bem funda para uma banheira, não é? 


 

- Feitiço de extensão, os garotos costumam fazer isso


 

- Só monitores podem entrar aqui? - perguntei observando ao redor o privilégio que eles tinham

 

- Sim. Monitores e professores, é a maior vantagem desse cargo - sorriu enquanto deixava alguns beijos no meu pescoço - com medo, Harry?


 

- Um pouco… - resolvi não mentir, não adiantaria de nada 


 

- Podemos deixar isso para outro dia…


 

- Não! - respondi depressa sentindo algo pulsar em mim - Eu quero.

 

Draco me analisou por um segundos e depois de procurar qualquer sinal de desistência da minha parte e não encontrar me beijou.

 

Foi um beijo calmo e percebi que ele estava fazendo isso para que eu relaxasse. Suas mãos me puxando mais contra si enquanto acariciava sua nuca, deixando aquele beijo mais intenso e mais molhado à medida que os movimentos iam aumentando.

 

O loiro desceu uma das mãos até meu pênis o massageando enquanto eu arfava, deitando minha cabeça sobre seu ombro. Resolvi fazer o mesmo e agora nós dois soltamos suspiros longos seguidos de gemidos.

 

Draco estava tendo o cuidado de deixar aquilo o mais natural possível, sem forçar absolutamente nada. Foi um dos pontos mais importantes, eu estava fazendo ali o que sempre fazíamos escondidos pela escola, nada fora do que já estava acostumado.


 

- Vamos para lá? - disse entre beijos apontando para o sofá 

 

- Tem certeza? - o loiro também disse entre beijos - Não quero te forçar… 

 

Afastei meu rosto erguendo as sobrancelhas na direção dele, aquele idiota estava achando mesmo que eu não estava aqui por pura vontade?

 

- Draco, estou totalmente duro aqui morrendo de vontade de você me foder, acha mesmo que está me forçando? 

 

O loiro sorriu afastando uma mecha com meu cabelo molhado da testa. Nos equilibramos para sair dali e realizei um feitiço para que nós dois ficássemos secos.

 

Os olhos azuis dele me encararam e depois com calma me pediu para deitar enquanto agitava a varinha na minha direção.

 

- Vou fazer dois feitiços, um de limpeza e outro pra você não sentir tanto… desconforto - assenti com a cabeça e ele continuou enquanto uma onda gelada me preencheu seguida de outra bem quente - Está tudo bem?

 

- Sim - disse desconfortável, queria que ele começasse aquilo logo 

 

Afastei as pernas quando ele se aproximou de mim me beijando enquanto suas mãos apertavam a parte interna da minha coxa. Nessa altura, tanto ele quanto eu já estávamos duros o bastante enquanto fazíamos o atrito ficar mais intenso, nosso pênis já umidecido.


 

O loiro puxou a varinha do canto do sofá realizando um feitiço de lubrificação o espalhando pelo seu pênis enquanto voltava a me beijar. Senti quando seus dedos penetraram me fazendo soltar um gemido baixo. Os movimentos aumentando à medida que ele inseriu outro dedo. Não consegui aguentar e quando vi já estava me masturbando e Draco puxou minha mão, parecendo não gostar daquilo.

 

- Por favor… - implorei entre suspiros e o loiro afastou minhas pernas um pouco mais 


 

Seu olhar era intenso sobre mim enquanto minha respiração se intensificava. Soltei outro suspiro quando o senti dentro de mim, aquilo era bom e desconfortável ao mesmo tempo. Draco percebeu que estava me incomodando e começou a inserir mais devagar até que parou, sabia que ele estava me deixando acostumar primeiro afinal a ardência era realmente muito chata. Depois de alguns segundos assim o loiro começou a se movimentar devagar.

 

Foi um misto de sensações que jamais tinha experimentado na vida, o incômodo já não era tão forte e o prazer era mais delicioso. À medida que a velocidade aumentava não conseguia mais me controlar, meus gemidos eram altos. Draco estava com a cabeça jogada para trás arfando enquanto aumentava um pouco mais a velocidade e a força entre nós dois.

 

Minha cabeça só conseguia repetir desesperadamente " por que não fiz isso antes?" A sensação era boa demais, não queria que acabasse. 

 

- Por que?... - abri os olhos irritado quando o loiro se afastou, rindo da minha expressão

 

- Calma… - Draco me ajudou a levantar e se deitou no sofá me deixando em pé - Senta em mim! - disse me puxando ajustando minhas pernas, cada uma para um lado.

 

Arfei quando inseri seu pênis dentro de mim, se a posição que estava a minutos atrás era maravilhosa essa era perfeita. O prazer de rebolar no seu pau era mil vezes mais intenso. Draco guiava minha cintura com o olhar ainda intenso sobre mim enquanto cavalgava nele.


 

Merlin aquilo era tudo o que eu queria! 

 

Nossos gemidos se intensificando à medida que rebolava ainda mais forte em cima dele, Draco arfava sem parar, sua mão agora me masturbando e eu sentindo que em breve ele gozaria dentro de mim, fundo o bastante para me fazer enlouquecer.

 

Senti quando Draco gozou dentro de mim e meu veio logo depois, se desmanchando nos seus dedos que ele levou até a boca, o chupando, mantendo o contato visual comigo a todo tempo.

 

Cai sobre o corpo de Draco quando a porta foi aberta furiosamente, o coração dele batendo desesperado e eu não querendo ver quem tinha feito aquilo.


 

- Senhor Malfoy! - ouvi a voz de MCGonagall e meu coração parou por um momento - Senhor Potter! Quero os dois vestidos em cinco minutos! Sala do diretor!

 

Congelei quando Draco se levantou me deixando no sofá atrás dele, parecia querer me proteger e entre seu braço vi Severo Snape conversando com Cedrico Diggory. Minha vontade foi de esganar aquele garoto idiota!


 

Ele havia nos entregado! 

 

Draco se afastou buscando minhas roupas e as dele enquanto vestiamos. Assim que nos aproximamos Severo se afastou com Diggory que parecia se divertir com a situação, os olhos brilhando de alegria.


 

- O que vai acontecer com a gente? - perguntei nervoso enquanto seguiamos até a sala do diretor

 

- Não sei, mas eu tô com você! - disse entrelaçando nossos dedos

 

Sabia que aquilo era motivo suficiente para nós dois sermos expulsos de Hogwarts mas de uma coisa eu estava seguro, Draco estava comigo.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...