História Lucky numbers - Mitw - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias TazerCraft
Personagens Mike, Pac
Tags Mike, Mitw, Pac, Tarikhael
Visualizações 80
Palavras 1.067
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Lemon, LGBT, Orange, Romance e Novela, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Me perdoem, eu sei q eu disse q ia postar um novo capítulo naquele dia, só que por algum motivo eu não escrevi ?????
Enfim, vou tentar não demorar para postar outro

CAPÍTULO NÃO REVISADO

Boa leitura 💕

Capítulo 11 - Você bravo é minha religião


Pov Mike

Após o jantar, nos despedimos de minha mãe com um caloroso abraço, ouvindo palavras confortantes para Tarik, ela o elogiou e agradeceu por ele ser tão bom comigo, quem olha assim até pensa, minha mãe costuma ser o próprio demônio com meus namorados, felizmente, foi diferente com Pac, talvez ela tenha percebido que ele é o amor da minha vida, e isso me alegra.
Seguimos até o carro, abro a porta para meu garoto, e me dirijo ao banco do motorista, me aconchegando na poltrona enquanto coloco o cinto de segurança. Sinto um arrepio e percebo Tarik me encarando.

- O que foi? - pergunto sorrindo.

- Ah, você é tão abilidoso com as mãos, Mike. - responde sorrindo bobo.

Me inclino e seguro sua cintura - já que ele estava sentado meio de lado - juntando nossos lábios em um selinho demorado, nos afasto e levo uma de minhas mãos até uma parte do seu rosto, fazendo um breve carinho ali, o vento fechar os olhos, junto nossas testas e sussurro:

- Você é tão precioso Tarik, eu amo cada parte do seu corpo, desde seus cabelos sedosos - passo uma mão em seus fios lisos. - sua pele macia - faço carinho pelo seu braço. - o jeito que você se arrepia a cada toque meu. Sexy!

Vejo suas bochechas tomando um tom de rosa, e seus lábios abrindo em um sorriso que só ele tem. Sinto que posso derreter a qualquer momento estando ao lado dele. O amor é um sentimento um tanto quanto complexo, olha as coisas que ele é capaz de fazer com o corpo, desde tremores a sensações estranhas, como borboletas no estomago, essa última realmente já virou padrão para mim.

- Mike? Está tudo bem? Você está sorrindo e parece estar encarando... minha orelha?

Rapidamente volto pra realidade, dando um riso soprado.

- Me desculpe, babe. Estava apenas pensando. - Respondo e retiro minha mão do rosto do meu pequeno humano.

- Posso saber em que? - Tarik pergunta curioso.

- Em uma coisa muito linda. - Ele inclina a cabeça para a direita, ainda me encarando. - Vulgo você.

Sua boca forma um "o", que logo se transforma em um sorriso tímido.

- Eu te amo, Linnyker.

Me inclino e lhe dou um beijo demorado e apaixonado.

- Eu amo você. Tudo em você.

Eu realmente não precisaria responder a cada"eu te amo" que ele me diz, pelo simples fato de que ele sabe sobre o sentimento mútuo, porém, eu adoro o lembrar que o amo incondicionalmente.

Me afasto sorrindo, e ele faz o mesmo, se ajeitando na poltrona beje da porshe, e colocando o cinto de segurança. Ligo o som, deixando em um volume alto o bastante para que conseguíssemos curtir a música ao mesmo tempo em que ouvimos um ao outro - mesmo que nossos passeios de carro sempre são silenciosos.

{...}

Tempo depois, chegamos na casa de Tarik, não conversamos durante o trajeto, ele não costuma falar muito em carros, e eu respeito atentamente a isso.
Estou meio apreensivo em relação a meu pai, como ele não pode aparecer em um dia tão importante? Confesso que estou preocupado, pode ser uma simples coisa de trabalho, mas ele também pode ter ficado doente, o que realmente faria minha vida virar uma bagunça.

- Amor? - Chamo por Tarik. - Qual você acha que foi o motivo de meu pai não ter aparecido? Estou definitivamente preocupado.

- Não deve ter sido nada de mais, Mike. Provavelmente foi uma viagem de negócios marcada de última hora.

- Minha mãe me diria se fosse isso.

Estou começando a ficar tenso.

- Talvez ela só não quis comentar sobre essas coisas em um jantar. Não tem o que se preocupar, vida.

Ele me lançou um sorrisinho sincero e puro, que logo se transformou em um sorriso malicioso e repleto de desejo. Isso foi o suficiente para fazer meu pênis pulsar.

- Vem, vamos tomar um banho, assim você relaxa um pouco. - Seus olhos esbanjavam luxúria. Ele veio até mim, e rapidamente levou a mão até meu membro, dando uma leve apertada. - Por favor, Mike.

Em um movimento rápido, o puxei para meu colo, suas pernas automaticamente se cruzaram em minhas costas, enquanto eu segurava firmemente suas coxas grosas. Ataquei seus lábios em um beijo selvagem, quando menos percebi, já estávamos nus, dentro do box do banheiro, com o chuveiro ligado sobre nós, Tarik prensado na parede, enquanto eu o fodia fortemente. Só restava o som da água caindo sobre o piso e nossos gemidos arrastados após um orgasmo em conjunto.
Nos secamos, fui até minha mala, e Pac foi até seu guarda-roupa. Coloquei uma calça de moletom cinza e uma meia, ficando sem camisa, e Tarik pôs uma bermuda também de moletom e uma blusa de frio do mesmo material. Me deitei de barriga pra cima em sua cama, e ele logo se deitou ao meu lado, deixando a cabeça sobre meu peito, fiquei fazendo cafuné em seu cabelo, até que começamos a procurar por algum filme na netflix.

- Que tal assistirmos "Barraca do beijo"? Todos estão falando desse filme, já me recomendaram milhares de vezes, deve ser bom. O que você acha, amor? - Pac pergunta erguendo os olhos em minha direção.

- Primeiro acho que você poderia pegar esse edredom e jogar por cima de nós. - Ele ri e faz o que eu disse. - Segundo que você deveria morar comigo, porque eu quero ter o prazer de dormir assim com você todos os dias.

Ele arregala os olhos, um tanto quanto nervoso ou assustado, e eu dou uma risada.

- Calma, estou brincando.

Ele relaxa e suspira.

- Ao menos que você aceite. - Continuo e ele volta a me olhar assustado.

Gargalho ainda mais.

- Também me recomendaram algumas vezes, babe, coloque esse filme mesmo.

Ele volta o olhar para a televisão e seleciona o filme.

{...}

- Não é justo, Mike!!!! Ela tinha que ficar com o outro! Eu não aceito isso.

- Calma. - tentei acalma-lo, mas a vontade de rir era grande.

- Para de rir, Mike, você sabe que eles nasceram pra ficar juntos.

- Mas, amor...

Ele me interrompeu.

- Mas nada, Mikhael!! Aqui está escrito que vai ter uma continuação, eles tem que ficar juntos no próximo fime.

Dou uma risada alta.

- Porra, Linnyker, para de rir caralho. Que ódio!!

- Chega, amor, você bravo é minha religião, e eu te amo muito, vamos dormir. - Respondo sorrindo para Pac.

- Certo, amo você. - Tempo depois ele continua. - E eu não estava bravo!


Notas Finais


~izzy


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...