1. Spirit Fanfics >
  2. Lucky Strike >
  3. Quarantadue

História Lucky Strike - Capítulo 42


Escrita por:


Notas do Autor


*Essa fanfic é de autoria minha, e plágio é crime.
*Se houver erro de gramática, sinalizem.
*Sugestões e críticas construtivas são sempre bem vindas.
*Os capítulos terão sempre esse tamanho, em média.
*Comentem, deixem a opinião de vocês, porque ajuda bastante.
*A fanfic será atualizada, pelo menos, uma vez por semana. Sem dia certo.
*Qualquer dúvida é só perguntar.
Aproveitem :)

Capítulo 42 - Quarantadue


Fanfic / Fanfiction Lucky Strike - Capítulo 42 - Quarantadue

Point of View Alessia Sarri
Turim, Italia - 18 de janeiro de 2021

Minha mãe e meu pai fazem aniversário com uma pequena diferença de dias. Pra ser mais exata, 8. Sempre amei essa pequena diferença de dias, porque significa bolos e doces durante quase uma semana inteira. 

- Feliz Aniversário, mamãe! Você é tudo pra mim e pra Chiara. - eu digo abraçando-a vendo ela sorrir.
- Eu amo vocês, meus amores! Muito obrigada por tudo. - minha mãe diz, ainda abraçada na neta. 
- Feliz Aniversário, sogrinha! Você é uma pessoa incrível só de ter aturado Alessia por 25 anos… - meu namorado diz, fazendo meu pai e minha mãe rirem enquanto eu revirava os olhos. 

Depois da sessão de abraços e beijos, nos sentamos à mesa para tomarmos café da manhã. Minha mãe, diferentemente de meu pai, sempre amou comemorar aniversários e sempre planejou tudo do jeitinho que ela gostava. E esse ano não seria diferente. 

- Então nós vamos sair para jantar mais tarde e depois cantaremos parabéns aqui? - eu pergunto para confirmar, vendo a aniversariante sorrir empolgada. 
- Sim! Tudo certo já. A reserva está marcada para às 20 horas. - ela diz e eu concordo sorrindo para ela. 

Tomamos café da manhã enquanto conversávamos sobre amenidades. Paulo e meu pai discutiam alguma coisa sobre a premiação que aconteceria em alguns dias, enquanto eu e minha mãe sorríamos ao ver Chiara tentando comer pão de queijo. 

[…]

- Você já conversou novamente com o Paulo? - minha mãe pergunta e eu nego rapidamente. 
- Não… A gente conversou aquele dia sobre tudo o que eu te contei e eu prometi que iria pensar. Mas a gente não se deu um prazo e nem determinou uma data para conversar novamente sobre o assunto. - eu digo e ela concorda entendendo. 
- Você não está enrolando ele, né? - ela pergunta em dúvida e eu gargalho negando. 
- Nossa, muito obrigada pela visão que você tem de mim. - eu digo e ela ri fraco negando. - Mas não… Não estou enrolando ele. - eu digo e ela concorda. - Só realmente não tivemos tempo suficiente para conversarmos novamente sobre isso com calma. - eu digo e ela concorda. 

Depois dessa pequena conversa com a minha mãe, meu pai, Paulo e Chiara aparecem na garagem com as chaves do carro, já que eles acharam que nós havíamos pegado as chaves antes, para irmos jantar. O dia havia passado rapidamente. Paulo e meu pai foram para o treino após o café da manhã e retornaram após o almoço. 

Prendo Chiara na cadeirinha do carro de Paulo e verifico se ela realmente estava presa. Como havíamos dormido na minha casa na noite passada, essa noite dormiríamos na casa de Paulo. O caminho até o restaurante foi rápido. Chegamos antes de meu pai e minha mãe e fomos direto para a mesa reservada para a gente. 

A noite foi extremamente agradável. Apenas nós cinco. Chiara ficou o tempo todo em meu colo, mesmo com todos insistindo para que eu colocasse-a na cadeirinha para crianças. Paulo até tentou ficar com ela, mas minha filha estava extremamente grudada em mim. Depois de jantarmos, meu pai pagou a conta e voltamos para a minha casa, para cantarmos parabéns e comermos bolo. 

[…]

- Finalmente! - eu digo ao voltar para a sala do apartamento de Paulo, após colocar Chiara para dormir no beicinho dela. 
- Senta aqui comigo… - ele diz enquanto bate no sofá, para que eu sentasse ao seu lado. 
- O dia de hoje foi tão incrível! - eu digo realmente feliz por ter celebrado mais um ano de vida da minha mãe. 
- Eu também gostei, mi amor. Fico feliz por ver você feliz. - Paulo diz sincero, me fazendo sorrir enquanto olhava para ele. 
- Você é de verdade? - eu pergunto e ele gargalha um pouco envergonhado. 
- Por que? - ele pergunta sem entender o motivo da minha pergunta. 
- Porque você é muito perfeito para realmente ser de verdade. - eu digo e ele cora na mesma hora. 
- Eu não sou perfeito… Tenho vários defeitos. - Paulo diz e eu reviro os olhos negando. 
- Você é perfeito. Eu amo você. - eu digo olhando no fundo dos olhos dele, fazendo ele ficar envergonhado. 
- Você é perfeita. Eu amo você. - ele diz, repetindo a mesma frase que eu e me fazendo rir. 
- Sim… - eu digo e ele me olha sem entender. 
- O que? - Paulo pergunta perdido e eu suspiro antes de soltar uma meia risada. 
- Eu aceito morar com você. - eu digo de forma clara, objetiva e sincera, fazendo ele me olhar rapidamente com os olhos esbugalhados. 

Eu realmente precisei de uns dias para pensar bem na resposta. Lógico que a minha vontade era de dizer “sim” na mesma hora que ele havia perguntado. Mas eu sempre fui uma pessoa muito emocional. De uns tempos para cá, eu diria que desde que eu pari Chiara, eu passei a ser uma pessoa mais racional. Talvez o fato de precisar pensar primeiro na minha filha e depois e mim, tenha me tornado isso. Pesar os prós e os contras é necessário em todas as decisões importantes. 

- Você está brincando comigo. - Paulo diz incrédulo e eu rio negando. 
- Eu jamais brincaria com algo tão sério assim. - eu digo sincera e meu namorado continua me olhando chocado. 
- E você me diz uma coisa tão importante assim? Do nada? Eu poderia muito bem infartar aqui. - Paulo diz e eu gargalho da reação dele. - Mas agora é sério, você tem certeza? Você não está tomando essa decisão por causa de tudo o que sua mãe e seu pai falaram? - ele pergunta e eu nego rapidamente. 
- Mi amor, eu jamais tomaria uma decisão tão importante assim pelo o que eles falaram. Eu realmente já tinha pensado nisso antes, mas não havia comentado. Saber que você pensa da mesma maneira, me deixou um pouco mais calma e tranquila. - eu digo e ele concorda me olhando atento. - Eu realmente quero dar esse passo com você. Acho que vai ser importante para Chiara ter sempre um lugar fixo e uma referência de casa. E acho que vai ser muito importante para eu crescer como mulher e para você crescer como homem. - eu digo e ele concorda sorrindo, me puxando para um abraço forte. 
- Você está chorando? - ele pergunta e eu rio fraco, separando nosso abraço e enxugando algumas lágrimas que escorriam pelo meu rosto. - Eu te amo muito, mi vida. Você e Chiara são tudo para mim e eu fico muito feliz de ver esse passo tão incrível que nós vamos dar juntos. - ele diz e eu concordo. - Se você quiser, podemos ver algum apartamento essa semana. - Paulo finaliza e eu nego rapidamente. 
- Mi amor, não precisa. - eu digo rapidamente e ele me olha atento. - Eu acho que a gente pode ficar por aqui mesmo. - eu falo e ele me olha achando estranho o fato de eu querer permanecer no apartamento dele. - Aqui tem quarto suficiente para nós dois, pra Chiara e para sua família, quando eles vierem. - eu digo e Paulo concorda pensando. - Acho que se você topar, seria legal a gente reformar algumas coisas. Fazer pequenas reformas pontuais mesmo. - eu digo e ele sorri. 
- Podemos fazer tudo o que você quiser, mi amor! - ele diz e eu gargalho com a sua empolgação. - Eu estou falando sério, Alessia. - Paulo diz e eu assinto. 
- Eu não tenho a menor dúvida, lindo. Vamos ver tudo com calma. Acho que não precisamos fazer tudo correndo. - eu digo e ele me olha em dúvida. 
- Você promete que não vai dar pra trás? - meu namorado pergunta, parecendo estar com medo, me fazendo rir. 
- Amor, não vou dar pra trás. Eu te juro. - eu digo e ele concorda. - Eu só acho que a gente pode começar a planejar o que nós queremos mudar aqui. Quando estiver tudo pronto, eu trago as minhas coisas e de Chiara para cá. - eu digo e ele me olha contrariado. 
- Por que você não pode trazer antes? - Paulo pergunta e eu rio vendo que ele realmente estava parecendo uma criança pequena. 
- Amor, é complicado adulto viver no meio de uma obra. Imagina uma criança de 1 ano. - eu digo e ele pensa rapidamente. 
- Eu não tinha pensado nisso. Desculpa! - ele diz e eu rio puxando-o para um beijo. 
- Fica calmo! Eu te prometo que em breve nós duas estaremos aqui vivendo com você. - eu digo e ele sorri apaixonado para mim. 

[…]

Point of View Alessia Sarri
Turim, Italia - 19 de janeiro de 2021

O resto da noite de ontem foi resumido em planejar e organizar em um papel as reformas que nós gostaríamos de fazer no apartamento. Como o apartamento era realmente de Paulo e não alugado, nos possibilitava de mudar tudo que quiséssemos. Meu namorado me deu carta branca para mudar tudo que eu quisesse, mas a intenção não era essa. Eu não quero simplesmente chegar e mudar tudo, deixando do jeito que eu quiser. Eu quero que o apartamento tenha a nossa cara, a nossa essência. Por isso, decidimos resolver tudo hoje com calma. 

- Você acha que precisaremos de uma arquiteta ou decoradora? - Paulo pergunta e eu penso rapidamente. 
- Acho que não, lindo… Acho que só vamos precisar mesmo de uma equipe de obras. - eu digo e ele concorda. 

Depois de tomarmos café da manhã em família, começamos a ver as mudanças que gostaríamos de fazer. O apartamento de Paulo é imenso. Tem 5 suítes, 2 quartos, uma área gourmet no segundo andar, além de uma enorme sala de estar e uma sala de jantar.

- O quarto de Chiara a gente pinta a parede, coloca um papel de parede legal para ficar diferente. Sobre móveis, a gente pode fazer igual é o quarto dela na minha casa. O que você acha? - eu pergunto para Paulo, que segurava a filha enquanto observava o quarto apenas com o berço e umas coisas em uma cômoda. 
- Acho uma boa ideia. Podemos aproveitar, ajeitar melhor o banheiro para ela e depois o closet. - ele diz e eu concordo, dando de ombros. 
- Não tem muito o que fazer no closet. - eu digo e ele concorda pensando. - No banheiro é só colocar a banheira dentro do box. Quando ela começar a tomar banho de chuveiro, tiver um pouco maior, a gente vê se precisa fazer alguma adaptação. - eu finalizo e ele concorda. 
- Já anotei tudo. - ele diz e eu sorrio para ele. - Esse quarto é um de hóspede. Geralmente é o quarto que minha mãe fica. - Paulo avisa e eu concordo. 
- Acho que podemos deixar os 3 quartos de visita mais a cara da sua mãe e dos seus irmãos. Ninguém mais vem para se hospedar aqui e se vierem, se adaptam ao quarto que tiver. - eu digo dando de ombros e ele sorri. 
- Eu anoto depois as coisas dos quartos dos meus irmãos e você anota as coisas do quarto da minha mãe. Pode ser? - ele pergunta em dúvida e eu sorrio para ele. 
- Claro que pode, lindo! - eu digo e ele sorri. - E esse quarto que está vazio? - eu pergunto entrando em um quarto que tinham apenas caixas vazias que Paulo recebia. 
- Pensei em fazermos tipo uma brinquedoteca para Chiara. - Paulo diz e eu olho para ele rapidamente. - Não tem necessidade dela ficar brincando na sala quando tem um quarto enorme vazio. - ele diz e eu concordo, dando de ombros. 
- Tudo bem… Acho que aqui só precisamos pintar as paredes com cores legais e colocar todos os brinquedos. - eu digo observando o espaço e vejo Paulo assentir, enquanto anota tudo rapidamente no celular. 
- E nesse quarto eu pensei em fazer o quarto de games. - ele diz entrando no cômodo que tinha apenas uma cama de solteiro, me fazendo olhar para ele. 
- Quarto de games? - eu pergunto rindo e ele ri, dando de ombros. 
- Sim… Eu sei que é chato deixar tudo na sala, então pensei em colocar tudo aqui para não ficar lá na sala incomodando e ocupando espaço. Seria só colocar uma cadeira de games e trazer as coisas pra cá... E de repente pintar a parede- ele diz e eu concordo. 
- Tudo bem… Você anota tudo que falta aqui? - eu pergunto e ele concorda. 

Depois de vermos os quartos, fomos para a área gourmet. Anotamos apenas o necessário e depois descemos para a sala. Decidimos colocar um sofá maior, já que tinha espaço na sala e mais alguns detalhes, tipo quadros e vasos. 

- Eu nem acredito nisso! - Paulo diz, quando se acomoda no sofá. 
- Nem eu! - eu digo e ele ri me olhando. 
- Estou muito feliz da nossa decisão e de ver os caminhos que estamos trilhando juntos. - Paulo diz e eu abraço-o fortemente. 
- Eu também estou, mi amor! Tenho certeza que esse é só o início da nossa felicidade. - eu digo e Paulo sorri concordando. 

Passamos o resto do dia planejando e sonhando com a pequena reforma que faríamos. Fomos jantar na minha casa, a futura casa dos meus pais, e aproveitamos para contar a novidade. Obviamente que a notícia foi recebida com festa pela minha família. 

- Eu estou tão feliz por vocês! - minha mãe diz sorrindo e eu sorrio junto com ela. 
- Obrigado, sogrinha! - meu namorado diz, abraçando-o fortemente. 
- E quando vocês vão fazer a mudança? - meu pai pergunta enquanto nos parabeniza. 
- Nossa, pai! Já quer me ver pelas costas? - eu pergunto e ele gargalha da minha cara. 
- Lógico que não, mia figlia, estou apenas querendo saber. - ele diz e eu concordo sorrindo para ele. 
- Decidimos permanecer no apartamento de Paulo. É grande o suficiente para nós três e tem quartos de hóspedes para quando Alicia, Mariano e Gustavo vierem nos visitar. - eu digo e Paulo concorda. 
- Vamos apenas fazer algumas pequenas e pontuais reformas. Como cor de parede, móveis e essas coisas. - ele diz e minha mãe sorri.
- Enquanto o apartamento estiver reformando estaremos aqui. - eu digo e eles concordam sorrindo. 

Terminamos de jantar enquanto conversávamos e ríamos sobre a reforma. Paulo contava animadamente sobre tudo o que nós iríamos mudar. Minha mãe acompanhava Paulo animadamente e dava alguns pitacos. 

- Eu amo vocês! - eu digo fofa, fazendo todos me olharem. 
- Por que você está falando isso assim do nada? - meu pai pergunta sem entender, me fazendo rir. 
- Porque vendo essa cena, nós todos aqui conversando e rindo, aquece meu coração. - eu digo sincera e eles sorriem.
- Nós também te amamos. - Paulo diz e os outros dois concordam. 

Minha família é tudo para mim. Não troco por nada nesse mundo. Estar reunida sempre com eles é uma das coisas que eu mais valorizo. E agora, mais do que nunca, é isso: Paulo e Chiara são parte da família que eu estou começando a construir.


Notas Finais


Oi amores! Cheguei com mais um capítulo bem especial para vocês!

É isso! Em breve teremos nosso casal morando juntos e cada vez mais caminhando em direção à construção da família deles, né. Confesso que estou bem ansiosa pra ver isso tudo acontecendo. Me contem aqui as expectativas de vocês pra esse acontecimento!

O pessoal do Instagram tem acesso exclusivo a fotos e vídeos da Alessia e de tudo o que acontece na vida dela, então caso vocês ainda não sigam, recomendo que sigam para conteúdos exclusivos e vários spoilers! (link: https://www.instagram.com/alessia_sarri_/ ) Obrigada a todos que seguiram e sempre interagem por lá. Espero que estejam gostando dos conteúdos que estou postando por lá.

Como o pessoal do Instagram já sabe, vamos até o capítulo 60. Estamos em uma maratona com capítulo novo a cada 2 dias. Por isso, eu peço que vocês comentem sempre os capítulos. Comentários incentivam e é ótimo ter um feedback de vocês.

Vejo vocês quinta-feira (02/07).

Xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...