1. Spirit Fanfics >
  2. Lucky Strike >
  3. Cinquantanove

História Lucky Strike - Capítulo 59


Escrita por:


Notas do Autor


*Essa fanfic é de autoria minha, e plágio é crime.
*Se houver erro de gramática, sinalizem.
*Sugestões e críticas construtivas são sempre bem vindas.
*Os capítulos terão sempre esse tamanho, em média.
*Comentem, deixem a opinião de vocês, porque ajuda bastante.
*A fanfic será atualizada, pelo menos, uma vez por semana. Sem dia certo.
*Qualquer dúvida é só perguntar.
Aproveitem :)

Capítulo 59 - Cinquantanove


Fanfic / Fanfiction Lucky Strike - Capítulo 59 - Cinquantanove

Point of View Alessia Sarri
Laguna Larga, Argentina - 22 de dezembro de 2021

Após pouco mais de 15 horas de viagem, finalmente chegamos em Laguna Larga. Visitar, pela primeira vez, o lugar que Paulo nasceu e passou uma parte da vida é muito especial. Meu noivo não conseguia disfarçar a emoção e animação, me fazendo rir dele a cada minuto. 

- Finalmente vocês chegaram! - Alicia diz saindo de dentro da enorme casa assim que Paulo buzina mostrando que nós chegamos. 
- Eu mal via a hora de chegar aqui! - digo sincera sorrindo para ela, que me olha animada. 
- Temos muitas coisas para ver nesses dias aqui… - ela diz e eu sorrio concordando animada. - Seus pais estão lá dentro junto com Gustavo e Mariano ajeitando o almoço. - ela diz e eu sorrio feliz.

Depois de falarmos com a minha sogra, entramos na imensa casa e fomos direto para o quintal, onde todos estavam organizando o almoço. Abraçamos e cumprimentamos cada um e fomos deixar nossas coisas no quarto que ocuparíamos durante esses dias. 

- Eu estou muito feliz de vocês chegarem! - Alicia diz e eu sorrio para ela enquanto subimos as escadas juntas. 
- Eu também estou! Não fazia ideia que aqui é tão grande. - confesso surpresa e ela sorri. 
- Mas não era. Paulinho me deu essa casa de presente assim que teve condições, mesmo quando eu falei que não precisava. - minha sogra diz e eu sorrio emocionada para ela. 

Eu e Paulo ajeitamos nossas coisas rapidamente e descemos as escadas nos juntando à nossa família. Minha filha já estava grudada em Gustavo e Mariano apenas observava a cena com ciúme, o que obviamente me causava uma crise de risos. 

Como você se sente sabendo que em 7 dias estará se casando? - Mariano me pergunta enquanto fingia ser um repórter. 
- Me sinto nervosa… - digo e ele ri junto com todos. 
- Sério? - Paulo pergunta enquanto faz uma careta, me fazendo revirar os olhos. 
- Não sei o motivo da sua pergunta. Você é o mais nervoso. - eu digo sincera e nossa família cai na risada, fazendo meu noivo bufar. 

Passamos o dia comendo churrasco enquanto conversávamos sobre tudo. Depois de não encontrarmos nenhum local como nós sonhamos, decidimos casar em casa mesmo. Seria apenas uma pequena cerimônia civil para nossa família, que não é tão grande. 

- A decoradora deve vir amanhã para conversar com vocês e ajeitar os últimos detalhes. - Mariano avisa e eu concordo. 
- Estou nervosa, mas estou ansiosa… - eu digo sincera e eles riem junto comigo. 
- E o bolo? - minha mãe pergunta sobre um dos impasses que tivemos na última semana. 
- Finalmente conseguimos decidir tudo com uma confeiteira brasileira, que mora em Buenos Aires. - eu digo e eles sorriem animados. - Eu nem fazia tanta questão porque vai dar muito trabalho, mas Paulo fez questão de que o bolo e todos os docinhos fossem brasileiros. - eu digo e Paulo revira os olhos. 
- Lógico… São os melhores do mundo. - ele diz e eu dou de ombros. 
- Sou obrigada a concordar. - eu digo e todos riem. 
- Ou seja, teremos bastantes doces? - Gustavo pergunta animado e eu concordo. 
- Sim! Acho que o Paulo encomendou doces suficiente para um casamento com 40 pessoas. - eu digo e todos olham para meu noivo, que sorri culpado. 
- Eu quero que todos nós possamos comer sem nenhum problema. - ele diz e todos riem. - O que sobrar a gente divide e cada um leva pra sua casa. - finaliza e eu dou de ombros. 
- E a cerimônia de junho? - Alicia pergunta e eu suspiro. 
- Então, já tem muita coisa decidida. Precisarei que vocês cheguem em Madri um mês antes. - digo e todos concordam. - Terei muitas coisas para fazer e resolver. - digo sincera e eles sorriem. 
- Podem contar conosco. - minha sogra diz e Paulo sorri. 

Point of View Alessia Sarri
Laguna Larga, Argentina - 23 de dezembro de 2021

Acordo com Paulo me chamando lentamente, me fazendo resmungar. Viro para o outro lado da cama e ele continua me chamando, me fazendo bufar ainda de olhos fechados. 

- A decoradora chegou… - ele diz e eu abro os olhos rapidamente enquanto sento na cama um pouco assustada, fazendo ele rir. - Calma… Ela disse que não precisa correr. Ela está lá embaixo conversando com a mamá. - Paulo diz e eu concordo em um suspiro. 
- Já vou… - eu digo e Paulo concorda. - Chiara já acordou? - pergunto e meu noivo solta uma pequena gargalhada, me fazendo olhar para ele na mesma hora. 
- Linda… Já é quase meio dia. - ele diz e eu arregalo os olhos. 
- Já levantei! - digo dando um pulo da cama, fazendo ele rir. 

Tomo um banho rápido para despertar, faço minhas higienes e coloco uma roupa apresentável. Desço as escadas com meu celular na mão e sorrio ao ver todos sentados na sala conversando. 

Mamá! - minha filha grita enquanto corria em minha direção, me fazendo sorrir feliz. 
- Buenos dias, mi amor… - eu digo enquanto abraço-a fortemente, fazendo ela rir. 

Cumprimento todos e vou junto com Paulo e a decoradora para os fundos da casa, onde seria a cerimônia. Nós havíamos conversado com ela apenas por FaceTime para podermos decidir tudo, mas parar e imaginar como tudo seria já dava um friozinho na barriga. 

- Aqui a gente coloca a mesa com bolo e doces. - ela diz e eu concordo enquanto Paulo apenas fica quieto pensando. - Aqui vai ter um painel, como vocês pediram. - ela diz e nós concordamos. 

Paulo deu várias sugestões e eu amei cada uma delas. Meu noivo não é o tipo de noivo que não participa de nada, apenas paga as coisas e vai no dia. Paulo faz questão de participar de cada detalhe e cada decisão. Lógico que existem coisas que eu prefiro ter a palavra final, como a cor das flores. E existem outras coisas que ele tem a palavra final, como as bebidas do bar. 

Eu nunca vi um casal tão apaixonado como vocês… - a decoradora diz e eu sorrio para ela. 
- Obrigada… - eu agradeço e ela sorri. 

Depois de conferirmos os últimos detalhes, ela vai embora e nos deixa ali. Paulo me abraça e juntos ficamos imaginando como seria tudo no dia. 

Point of View Alessia Sarri
Laguna Larga, Argentina - 24 de dezembro de 2021

Celebrar o Natal me deixa extremamente feliz e empolgada. Esse ano, pelo segundo ano consecutivo, tive a sorte de poder comemorar com a família que estou construindo e isso me deixa ainda mais animada e ansiosa. 

- Está pronta, linda? - Paulo pergunta e eu sorrio para ele enquanto termino de passar batom em meus lábios. 
- Quase… - eu digo e passo duas camadas de rímel nos cílios. - Agora sim, estou pronta! - aviso e ele sorri. 
- Você está tão linda… - ele diz e eu passo os braços pelo seu pescoço. 
- Você também, meu amor. - eu digo e ele sorri enquanto deposita um beijo calmo em minha testa. 
- Te amo… Estou ansioso pro dia 29. - ele confessa baixinho e eu sorrio nervosa para ele. 
- Eu também estou… Mas tenho certeza que vai ser incrível. - digo confiante e ele concorda na mesma hora. 
- Eu também… Só a gente e nossa família. - ele diz e eu concordo. 
- Obrigada por me dar uma família… - eu digo baixinho e ele sorri enquanto me aperta em seus braços. 
- Vamos combinar algo? - ele pergunta e eu concordo, dando de ombros. - Não vamos fazer votos nessa cerimônia. - ele diz e eu arqueio as sobrancelhas. 
- Por que? - pergunto sem entender e ele respira fundo. 
- Prefiro fazer na cerimônia religiosa. - ele explica e eu dou de ombros, em um sinal de concordância. 
- Tudo bem… - eu digo e ele sorri. 

Depois do nosso pequeno momento de casal no quarto, descemos às escadas e nos reunimos para celebrar o Natal com nossa família. Jantamos enquanto conversávamos sobre Madri, sobre o casamento, a Copa do Mundo e sobre Chiara. Depois de tudo isso, nos reunimos na sala e decidimos jogar mímica, mas lógico que Gustavo teria que estragar tudo. 

- Cansei! Vocês roubam demais. - ele diz e nós começamos a gargalhar. 
- Por que? - eu pergunto em meio às minhas risadas. 
- Estamos jogando em dupla. Eu e Mariano contra você e Paulo. Vocês sempre acertam tudo. Que saco! - ele diz revoltado, me fazendo rir ainda mais. 
- E aonde nós estamos roubando? - pergunto sem entender e ele bufa impaciente. 
- Em nada, Alessia. A vingança é um prato que se come frio. Já estou te avisando. - ele diz e é a vez de todos nós gargalharmos da cara dele. 

Depois do nosso jogo de mímicas, trocamos presentes. Para variar um pouco, Paulo exagerou completamente nos presentes. Minha sogra ganhou um carro novo, que chegaria em alguns dias, meus cunhados ganharam uma viagem para passarem o ano novo em Ibiza e meus pais ganharam uma viagem de cruzeiro para comemorarem o ano novo. 

- Eu pensei que fossemos passar o ano novo aqui. - eu digo e Paulo nega. 
- Não… Nós vamos passar em Madri, mas depois eu explico o motivo. - ele diz e eu concordo. - E os presentes de vocês estão lá em casa. - ele diz e eu sorrio enquanto dou de ombros. Ele sabe que não precisa comprar presente pra gente, mas mesmo assim faz questão. 

Trocamos presentes e Chiara acabou dormindo no colo de meu pai, que fez questão de colocá-la no quartinho que foi todo organizado para a chegada dela. Depois disso, minha mãe decidiu se recolher e foi junto com ele. Alicia também se despediu de nós, me deixando apenas com o trio problema: Paulo, Gustavo e Mariano. 

- Você trouxe as alianças, né Paulo? - Mariano pergunta para confirmar, me fazendo rir. 
- Sim… - meu noivo diz e revira os olhos, me fazendo rir mais ainda. 
- Conseguiram entrar em um consenso quanto a isso? - Gustavo pergunta, já que nas últimas semanas nós percebemos que tínhamos opiniões diferentes quanto à aliança que gostaríamos de usar após o casamento. 
- Seu irmão disse que nós vamos usar aquele modelo que ele gostou até o casamento religioso e depois vamos trocar. - eu digo e reviro os olhos, fazendo ele rir. 
- Por que essa frescura toda? - Gustavo pergunta sem entender. 
- Porque ele gosta de complicar as coisas. - respondo e meus cunhados gargalham da cara que meu noivo faz. 
- Não… Eu só quero fazer assim. - Paulo diz enquanto dá de ombros, nos fazendo rir. 

Ficamos conversando na sala por mais alguns minutos e depois fomos dormir. Natal é definitivamente meu feriado preferido. 

Point of View Alessia Sarri
Laguna Larga, Argentina - 25 de dezembro de 2021

Acordo com beijos em meus ombros e sorrio sabendo quem é o responsável por me acordar enquanto depositava beijos em mim. Paulo é o homem mais carinhoso e atencioso que eu conheço. Puxo-o para um abraço e ele me aperta em seus braços. A sensação de segurança que Paulo me passa com um simples abraço é surreal. Puxo-o para um beijo e nossas línguas batalham por um espaço, enquanto nossas bocas dançavam em perfeita sincronia. 

Nosso beijo tem um encaixe tão perfeito, que parece até mentira. Sua mão foi direto para a minha bunda, enquanto uma fazia carinho em meu rosto. Minhas mãos estavam em seu peito e nosso beijo estava maravilhoso. 

Quando o ar estava faltando, desci os beijos para o pescoço dele, fazendo com que ele suspirasse e apertasse ainda mais a minha bunda. Dei um chupão em seu pescoço e ele fez o mesmo no meu.  Paulo se virou com cuidado e deitou-se em cima de mim. Meu noivo voltou com os beijos para meu pescoço e eu passei a mão em seus cabelos.

Ele tirou minha camisola e sorriu safado ao ver que eu estava sem sutiã. Meu namorado deixou um beijo em cada seio e foi descendo os beijos pela barriga até chegar na calcinha. Paulo sorri ao ver uma calcinha minúscula de renda preta, arranca-a com violência e na mesma hora começou a me chupar, fazendo com que eu tentasse controlar os meus gemidos. Ele chupava minha vagina enquanto me olhava com um olhar penetrante, fazendo com que eu gemesse e apertasse meus seios. Depois de poucos minutos, não me aguentei e acabei gozando. Meu noivo sorriu satisfeito enquanto limpava toda minha intimidade com a sua língua maravilhosa. 

Inverti a posição e tirei sua calça, encontrando um enorme  volume em sua cueca. Sem conseguir me controlar, sorri safada. Fui para cima dele, e comecei a distribuir beijinhos em seu pescoço, e comecei a descer pela barriga, logo chegando a barra da cueca. Olhei para meu homem e sorrio ao ver que ele me olhava com os olhos brilhando. Tirei sua cueca boxer preta da Calvin Klein e comecei a estimular seu membro que estava enorme. 

Depois de alguns poucos segundos, dei um beijinho na cabecinha de seu membro e comecei a chupá-lo com vontade, fazendo com que ele gemesse satisfeito e me desse ainda mais incentivo. Depois de um tempo, Paulo gozou seu líquido e eu engoli tudinho, limpando com a língua algumas gotinhas que caíram para fora, fazendo ele sorrir ainda mais para mim. 

Ele inverteu as posições novamente e enfiou seu enorme e grosso membro dentro de mim, fazendo com que nós dois gemêssemos ao mesmo tempo. Paulo caiu de boca em meus seios. Enquanto ele chupava um seio, massageava o outro e assim fazia revezando toda hora. Depois de um tempo, invertemos as posições e eu comecei a rebolar em seu colo, enquanto ele segurava em minha cintura. 

Não demorou muito para nós dois gozarmos juntos. Caí cansada ao lado dele, que me deu um beijo calmo e tranquilo me fazendo sorrir satisfeita. Ficamos um tempo deitados sem falar nada. Paulo me puxou para perto dele e nos cobriu com um fino lençol de seda que havia na cama. 

- Feliz Natal… - ele diz e eu gargalho envergonhada. 
- Te amo… - eu digo e ele sorri enquanto me aperta em seus braços. 
- Eu te amo mais, minha linda. - ele diz e eu sorrio. 

Ficamos mais alguns minutos deitados na cama e depois disso fomos direto para o banheiro. Tomamos banho juntos, apenas trocando carinhos, e assim que saímos, trocamos de roupas e descemos as escadas. 

- Bom dia! - eu digo e todos sorriem nos olhando. 
- Bom dia! - todos respondem e eu sorrio ao ver Chiara concentrada enquanto brincava com o tio. 
- Oi filha… - eu digo e ela me olha sorrindo e logo volta a dar atenção a Gustavo. 
- Foi trocada… - meu cunhado cantarola, me fazendo revirar os olhos. 

Nosso dia de Natal foi incrível. Passamos boa parte do tempo brincando com Chiara, que amava ser o centro de atenções de toda família. Almoçamos uma comida maravilhosa feita por minha sogra e comemos de sobremesa um delicioso pudim de leite condensado feito pela minha mãe.

- Eu amo tanto o Natal… - digo e minha mãe e minha sogra sorriem para mim. 
- Ano que vem estaremos passando em Madrid. Pós Copa do Mundo. - minha sogra diz e eu concordo. - E com mais um bebê a caminho. - ela diz e eu gargalho. 
- Vamos com calma… - eu digo e ela ri. 
- Por favor, Alessia… - minha mãe pede e eu rio. 
- Gente… Vamos com calma! Temos um casamento daqui a 4 dias. Depois teremos um casamento em junho. Copa do Mundo no final do ano. - eu digo e elas riem. - Prometo que vou pensar… - eu digo e elas batem palmas animadas. 
- Pensar em que? - Paulo pergunta enquanto senta-se ao meu lado. 
- Em passarmos o Natal do ano que vem em Madrid com um bebê a caminho. - eu falo e Paulo ri. 
- Vamos ver… Sem pressa! - meu noivo diz para nossas mães que sorriem murchas. 

Quando anoiteceu, eu e Paulo decidimos sentar para assistir um filme com Chiara. Óbvio que ela ainda não entende tudo, mas é legal para ela ver os desenhos.

Point of View Alessia Sarri
Laguna Larga, Argentina - 28 de dezembro de 2021

Se eu disser que estou tranquila sabendo que amanhã é o dia do meu casamento, estarei mentindo. Georgina e Cristiano chegam daqui a pouco e eu aproveito que acordei cedo para confirmar que tudo estava pronto para a chegada deles. 

- Acordou cedo… - minha mãe diz e eu sorrio para ela. 
- Estava ansiosa… - digo e ela ri. 
- Georgina e Cristiano já estão chegando, né? - ela pergunta e e concordo. 
- Sim. Pela hora, o voo deles deve estar aterrissando. - digo e ela concorda. 

Após alguns minutos, Paulo desce as escadas com Chiara no colo e eu sorrio ao ver a carinha de sono da minha filha. Pego-a no colo e vou com ela em direção à cozinha para ajeitar seu café da manhã.

- Cadê a princesa da dinda? - minha amiga pergunta enquanto entra na cozinha, me fazendo sorrir ao ver Chiara olhar animada para ela. 
- Dinda! - Chiara grita e Georgina agarra-a, fazendo minha filha gargalhar animada. 
- Meu amor, dinda sentiu sua falta! - minha amiga diz enquanto esmagava minha filha em beijos. 

Depois de esmagar minha filha em beijos, Georgina veio me cumprimentar. Minha amiga me apertou forte em seus braços e eu sorri ao ver o quão incrível ela é. Falo com ela e depois vou até a sala falar com Cristiano. Me surpreendo ao ver Jr com Maria Dolores no colo e falo com os dois, aproveitando para pegar minha afilhada no colo. 

[…]

Eu e Georgina passamos o dia conversando. Minha amiga me atualizou das fofocas do Natal com a família do melhor jogador do mundo enquanto eu contava como foi o nosso Natal. Depois disso começamos a conversar sobre minha afilhada e lógico que nos emocionamos quando ela comentou que, na última consulta, o médico disse que ela era muito saudável e forte e que nem parecia ter nascido prematura. 

- Eu tive muito medo dela ter algum tipo de sequela, amiga. Ou de acabar sofrendo, né? - Georgina diz e eu concordo. 
- Eu sei… Eu imagino. - digo realmente me lembrando de como aqueles dias foram tensos para todos nós. - Mas o que realmente importa é que ela é super saudável. - digo e minha amiga concorda toda babona. 

Depois disso, Cristiano e Paulo se juntaram à nós. Falamos sobre o Real Madri, sobre o casamento, sobre a Juventus e sobre filho. Quando você começa a namorar, te perguntam sobre casamento. Quando você está casando, te perguntam sobre filhos. Vai entender… 

- Vamos dormir porque amanhã é o grande dia… - minha amiga avisa e eu concordo enquanto sinto a ansiedade começar a tomar conta de mim. - - Já está ansiosa? - ela me pergunta e eu dou de ombros enquanto sorrio envergonhada. 
- Ai amiga… Eu não consigo controlar. - digo e ela ri concordando. 
- Estou percebendo… - ela comenta e eu reviro os olhos. 

Todos se recolheram cedo. Paulo havia deitado e apagado completamente, mas eu apenas me revirava na cama. Ser uma pessoa extremamente ansiosa é uma das piores coisas que eu poderia ser. 

- O que aconteceu? - Paulo pergunta com a voz grogue de sono, me tirando de meus pensamentos. 
- Estou ansiosa… Eu te acordei? - pergunto e ele ri enquanto me puxa para seus braços. 
- Não tem problema. - ele diz e eu nego. - Já deu tudo certo, meu amor… Não tem motivo nenhum para essa ansiedade. - ele diz e eu suspiro concordando enquanto tento me acalmar. - Não é como se houvesse a possibilidade de eu fugir e te deixar plantada esperando. - ele diz e eu gargalho com o que ele disse. 
- Eu sei… Mas eu não consigo ficar calma. - digo e ele suspira. 
- Eu sei, linda. Mas ficar ansiosa só vai te prejudicar. - ele diz e eu concordo. 
- Tudo bem… Aproveitando que estamos aqui, a gente não discutiu sobre o acordo pré-nupcial. - digo e ele franze a sobrancelha. 
- Como assim? - Paulo pergunta, sem entender nada. 
- Ué amor. Nós vamos casar com separação total de bens. Precisávamos ter visto isso antes. - digo e ele nega. 
- Só se você for muito louca pra querer isso. Não vamos casar com separação nenhuma. O que é meu é seu e o que é seu é meu. - ele diz e eu suspiro um pouco nervosa. - Eu sei dos seus medos e da insegurança que você tem, mas não vai acontecer nada do que a sua mente traiçoeira faz você pensar. Nós não vamos nos separar um dia, não vamos precisar batalhar judicialmente por nada. Eu confio em você. E eu sei que você confia em mim. - Paulo diz tudo isso de forma calma, enquanto faz carinho em meu rosto. 
- Eu sei, lindo. Mas talvez sua família fique mais confortável se fizermos um contrato desses. - digo e ele ri fraco negando. 
- Linda, nos meus dois últimos namoros eu não pensei em casar. Mas minha mãe, prevenida como sempre, deixou claro que se eu casasse com uma das duas, eu teria que fazer um contrato desses. Mas com você ela não falou disso e quando eu avisei que não faria, ela super concordou comigo. - ele diz e eu arfo surpresa com a revelação. 
- Paulo… - eu digo e ele nega. 
- Não há necessidade. Eu confio em você. Você confia em mim. Seremos pra sempre nós dois. - ele diz e eu concordo na mesma hora. - Está pronta para se tornar a senhora Dybala? - Paulo pergunta querendo me distrair e eu sorrio enquanto concordo. 
- Prontíssima… - eu digo confiante e ele deposita um beijo em minha testa. 

Nossa última noite juntos como noivos foi a melhor possível. Não, não teve sexo. Foi uma noite em que nós dois ficamos apenas juntinhos conversando, fazendo planos e rindo de momentos que já passamos juntos. Dormimos pouco depois das três da manhã enquanto conversávamos. Paulo me faz a mulher mais feliz do mundo e eu não poderia estar mais preparada para me casar.


Notas Finais


Oie! Cheguei com um capítulo super especial para vocês!

Nossa família já chegou na Argentina para o casamento e eu queria saber como vocês estão para esse evento... Eu estou mais do que preparada. Tivemos conversas sobre filhos e acordo pré nupcial né? Me contem o que acharam...

Lá no Instagram tem fotinhos exclusivas! (link: https://www.instagram.com/alessia_sarri_/ ) Obrigada a todos que seguiram e sempre interagem por lá. Espero que estejam gostando dos conteúdos que estou postando por lá.

Faltam 6 capítulos para o final de Lucky Strike. Terminei de escrever a história na quarta-feira e confesso que fiquei bastante emocionada com tudo... Meu coração está mega apertado de ver que estamos chegando ao fim, mas já adianto que a nova história não vai demorar muito a sair... Peço que comentem bastante porque estou escrevendo capítulos cada vez maiores e mais especiais para vocês. Comentários sempre incentivam a autora!

Vejo vocês amanhã (01/08)

Xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...