1. Spirit Fanfics >
  2. Lugar Seguro - Taekook >
  3. Correr ou morrer

História Lugar Seguro - Taekook - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Cheguei com mais um capítulo galera... Acabei de betar ele e já corri pra postar. Esse capítulo serviu mais para a apresentação do esquadrão e pra deixar marcada a vibe da fanfic. Como será o Hobi a correr no racha, resolvi colocar a capa dele no início do capítulo (e pqp, ficou mt gostoso esse Hoseok).

Enfim, espero que gostem, vejo vocês no final. Boa Leitura *-*

Capítulo 3 - Correr ou morrer


Fanfic / Fanfiction Lugar Seguro - Taekook - Capítulo 3 - Correr ou morrer

Não importa se foram 10 centímetros, ou 10 quilômetros.

Vencer é vencer” – Velozes e Furiosos

 

Às duas e quarenta e cinco da tarde Hoseok estava jogado no chão da oficina girando uma chave de fenda no dedo indicador, tampando o rosto diante dos raios solares fortes que eram barrados pela sombra de seu bucket verde. O homem observava Taehyung se desfazendo dos apetrechos de seu carro com toda a calma e habilidade do mundo. O Kim estava com uma bandana vermelha que impedia que seus fios escuros e teimosos atrapalhassem sua visão. Era possível ver o brilho em seus ombros amorenados e expostos pela camiseta branca úmida de suor, as calças jeans claras, surradas e sujas de graxa. O all star que antes chegava a brilhar, agora parecia ter sido pisoteado inúmeras vezes pelo próprio Taehyung, que às vezes embolava os pés no meio da bagunça em que a oficina se encontrava.

Do lado de fora, era um dia normal no Brooklyn. Crianças brincavam animadas, pulavam corda enquanto cantarolavam alguma música típica da brincadeira, outras corriam de bicicleta para lá e para cá – Hoseok, que prestou atenção nelas por alguns minutos, constatou que eles fingiam estar em um dos famosos rachas que eram polêmica entre os moradores do bairro.

- O que pretende fazer? - Hoseok perguntou impaciente e sentindo-se incapaz de ficar por mais de dois minutos em silêncio. Esse era um dos requisitos para observar Kim Taehyung trabalhar, não atrapalhá-lo. Não ouve resposta do moreno. - Porque só falta retirar as portas do Sol.

Taehyung bufou antes de encarar o alaranjado, que demonstrava a curiosidade no olhar. Hoseok também sabia de carros, mas não tanto quanto o mais novo, por isso se aproveitava dos talentos do amigo. Ele só não esperava que Taehyung não fosse aproveitar pelo menos uma coisa que já estivesse no carro, estava mudando tudo.

- Vou montar ele com minhas últimas peças, deveria agradecer e ficar quieto. - o mecânico finalmente preencheu o lugar com sua voz grossa. - Precisa diminuir o peso do carro se quiser ganhar alguma coisa.

- É… tem razão. - Hoseok concordou esperando o Kim continuar seu discurso educativo sobre automóveis enquanto andava de um lado para o outro com pequenas peças em mãos, que Hoseok não soube identificar bem quais eram. - Você manda.

- Bom… não adianta diminuir o peso… - ele disse cruzando os braços na frente do corpo e observando o carro com atenção. Pensando no que fazer. - Seu motor é potente, mas não usa toda a capacidade pra colocar essa potência nas pistas.

Hoseok parou para pensar por um momento também, interpretando a fala do amigo, que esperava que ele lhe desse a resposta correta. Taehyung parecia superior a qualquer um com aquela pose toda e sabedoria sobre as máquinas. Não era à toa que as adolescentes escandalosas do bairro fingiam parar para conversar exatamente na porta da oficina.

- Isso quer dizer, que mesmo sem o peso, quando eu correr, as rodas se prenderiam ao chão? - respondeu hesitante.

Taehyung abriu seu sorriso quadrado, tirando toda a sua pose máscula e dando lugar ao rosto angelical e adorável que se hyung tanto gostava.

- Isso mesmo, hyung. - ele falou positivo. - Tá na hora de darmos um trato nos pneus.

Hoseok se animou, levantando-se de onde estava para ajudar o Kim com os pneus.

Jungkook ouvia atentamente Heejin reclamando sobre seus problemas familiares. Era raro a garota se estressar tanto, então ele logo imaginou que a situação era séria e resolveu apenas ouvir os desabafos da namorada. O casal estava encostado em uma das paredes que davam acesso ao ginásio enquanto Heejin mantinha um bico manhoso nos lábios.

- Acredita que ele está pensando em adiar nossa viagem para Paris? - ela reclamava do pai. Jungkook se pôs a beber o suco de uva de sua garrafinha que ele sempre trazia de casa, com os grandes olhos pousados na garota. - Ele anda tão chato e… indiferente a nós.

- Como assim chato? É só uma viagem, você pode fazer depois.

- Kookie! - a garota exclamou pelo namorado ficar contra si. - Está do lado dele?

Jungkook respirou fundo antes de ousar falar algo. Era só o que lhe faltava, a garota ficar com raiva de si por falar algo real.

- Não é isso. - respondeu – É que você já fez tantas viagens em outros momentos de sua vida. Não acha que está exagerando um pouco?

- Não, não acho. - ela persistiu. - Ele tem descontado todo o estresse em mim e na mamãe, por isso cancelou minha viagem de 21 anos.

- Ele adiou, Heejin.- a corrigiu - Passou pela sua cabeça que ele pode estar passando por problemas financeiros, ou algo assim?

A garota pareceu não ter argumentos contra aquilo, pelo menos não algum argumento que não a fizesse parecer uma mimada. Preferiu dar de ombros e ficar calada.

- Bom… fora isso. Não tem ideia do porquê seu pai possa estar tão estressado? - Jungkook ficou confuso, já que as coisas pela delegacia andavam melhores do que nunca. Provavelmente era um exagero da garota. - Ele não tem problemas há um bom tempo, pelo menos não com o trabalho.

- Não sei. Não faço a mínima ideia, é como se ele nos excluísse completamente de seus planos, isso nunca aconteceu. - ela tinha razão. Jared nunca deixara de comentar com a família sobre o que se passava em sua profissão como procurador. Isso era quase impossível, já que vez ou outra ele estava na televisão dando informações de seus casos, já que eram de interesse público. Ele também confiava em Jungkook, ajudava o garoto com a faculdade e de bônus recebia uma ajuda do genro em algumas situações, então também teria falado hora ou outra para o Jeon.

- De qualquer maneira, ele provavelmente comentará comigo hoje. - disse enquanto guardava a garrafinha – agora vazia – de volta na mochila grande. Em poucos segundos Jungkook notou Min Yoongi se aproximando a passos lentos, com o bom humor diário, para não se pensar o contrário.

Yoongi e Jungkook eram amigos desde o ensino médio, assim como ele e Heejin. O trio sempre fora muito unido e isso não se abalou com o começo do namoro ou a ida para a faculdade. Era comum que Yoongi chegasse reclamando de não ter sido informado sobre a “reunião” que eu e Heejin criávamos no fim das aulas. Sempre tínhamos que estar esclarecendo se aquilo era um problema da parte do namoro ou que pudesse ser compartilhado. Yoongi preferia assim, que fosse poupado dos detalhes sórdidos do caso amoroso dos dois amigos.

- Eaí pestes. O que tá rolando? - ele perguntou quando parou diante de nós com as mãos dentro dos bolsos da jaqueta escura.

- Ela tá irritada. - Jungkook implicou com a garota que lhe lançou um olhar ameaçador. Yoongi fez uma careta de medo, da maneira mais debochada que pudesse.

Aquilo era comum entre o grupo de amigos. Os dois garotos sempre procuravam implicar com Heejin de alguma fora, era divertido e a aura infantil dos amigos era poupada graças a isso.

- Ual, cuidado campus, a Heejin pode destruir a universidade com seus um metro e meio.- Jungkook gargalhou da fala do amigo e os dois deram um soquinho de mãos.

Heejin revirou os olhos e bufou.

- Você não está muito longe de mim, Yoongi.- ela disse o olhando de cima a baixo – Vão se foder.- E saindo com raiva logo após, deixando os dois garotos assustados com seu estresse repentino.

- A coisa foi séria? - o Min perguntou deixando o sorriso abandonar o rosto após presenciar aquela cena rara, que era Heejin falando palavrão.

- É o que eu quero saber. - ele disse antes de gesticular para os dois irem embora. Jungkook e Yoongi pegavam o ônibus juntos para Manhattan, em direção à delegacia.

Trabalhavam lá em meio período para bater a carga horária de estágio. Jungkook e Yoongi estavam no quarto período da faculdade, enquanto Jungkook queria ser delegado, Yoongi esperava que conseguisse pelo menos alcançar seu desejo de ser advogado criminalista. Jared – o sogro de Jungkook - , como procurador da União, era um grande exemplo para os garotos. Era de grande confiança do governo e uma pessoa admirável. Jungkook tinha sorte de ter o homem como guia, era como Yoongi pensava.

Enquanto andavam em direção ao ponto de ônibus não muito distante do campus, os dois amigos deixaram de perceber o par de olhos e ouvidos atentos à conversa que se instalara posteriormente.

- Taehyung! Ele está incrível pra cacete. - Hoseok exclamou passando a mão pelos novos adesivos de seu carro. O amigo havia colado decalques alaranjados em forma de chamas nas laterais de Sol e o carro parecia novo em folha. Quando ligaram a grande e luxuosa máquina para ouvir o motor, o Kim se sentiu satisfeito pelo trabalho. Se Hoseok se esforçasse, poderia conseguir um bom dinheiro com o carro. - Cara, eu já posso sentir a grana em minhas mãos.

- Já se inscreveram no pega? - o mais novo perguntou enquanto acendia seu cigarro e andava para a porta da oficina com Hoseok em seu encalço. Parecia interessado e só pelo assunto de rachas passar pela sua mente, sua expressão mudava para ansiosa.

- Qual é Tae! Não pode correr. - ele se pôs a falar rapidamente dando um empurrãozinho no amigo que começou a rir desacreditado da expressão chateada de Hoseok. - Quer me foder de vez?

- Ei ei ei, o que é isso? - o garoto perguntou após soprar a fumaça entre seus lábios, sentindo seu corpo acalmar instantaneamente. - Não se garante, hyung?

- Com você? - perguntou. - Não?

Hoseok falava como se fosse óbvia a sua perda se o Kim participasse da corrida contra si.

- Relaxa cara, não vou correr. - ele quase pode escutar o alívio em forma de suspiro vindo de seu hyung. - Quero estar lá, torcer pra você.

O Jung logo abriu um sorrisão, animado pelo apoio do moreno. Confirmou rapidamente com a cabeça enquanto tirava o celular do bolso fazendo menção de mostrá-lo para o amigo.

- Aqui. Jimin me mandou ontem, assim que você me deixou em casa. - Taehyung jogou o cigarro no chão e pisou, dando atenção ao ruivo. - Vê?

Hoseok mostrava o print de um anúncio do grupo de rachas, que estava em suas fotos. Lá estava a hora e o dia, assim como o valor que o vencedor receberia.

- Hm. Dez mil? - Taehyung perguntou com uma das sobrancelhas arqueadas. Normalmente, naquele lado da cidade, onde era ainda mais perigoso do que em qualquer outro lugar normal, rolava mais dinheiro do que aquilo ali. - Não acha isso estranho?

- É meio incomum no Bronx né? - ele falou encarando o celular por um tempo e depois deu de ombros de repente. - Mas não importa, grana é grana. Será às uma, depois que a delegacia fechar. Só terão guardas nas ruas.

- Fechado. - e então eles fizeram um toque de mãos. - Estarei lá.

Depois de um tempo, Hoseok resolveu ir para casa e se ajeitar para a corrida mais tarde. Todos foram avisados sobre o pega. O esquadrão não concordava em andarem por aí em um menor número, então sempre eram avisados quando participavam de algo, assim o resto do grupo ficava bem informado. Bogum foi o primeiro a confirmar presença e aquilo fez Taehyung sentir algo no baixo ventre, eram nessas situações que ele acordava na manhã seguinte com alguém ao seu lado. Nos últimos meses, era o líder o do grupo e mesmo que soubesse que aquilo era meio perigoso para si, não conseguia deixar de se sentir atraído pelo Park

O moreno continuou se divertindo enquanto mexia em seu Toyota, turbinando-o assim como fez com o carro de Hoseok. Logo ele ia querer estar nas estradas de novo, sentia isso e precisava se preparar antes, para voltar a ser o Taehyung dos rachas que todos conheciam.

Lá pelas nove da noite, Taehyung decidiu tomar seu banho e lavar seus fios negros que grudavam de suor do dia trabalhoso. Após se lavar, o Kim amarrou a toalha na cintura e sacudiu os cabelos úmidos na frente do espelho, decidindo deixá-los secar naturalmente, já que ainda faltava algum tempo para a corrida.

Ainda com a toalha enrolada, o moreno foi até seu guarda roupas, decidir o que iria usar para despertar olhares e desejos naquela madrugada, para variar. Uma calça jeans escura e rasgada nos dois joelhos, um blusão estampado em formas aleatórias nas cores branco e preto e uma bandana que combinasse com a blusa. Nos pés, coturnos pretos que provavelmente desmaiariam uma pessoa se lhe fossem lançados na testa.

Taehyung tinha sempre aquele cheiro fresco. Gostava de loções, deixava sua pele macia e parecia que o cheiro nunca desgrudava de si. Aquele frescor amadeirado, era como se Taehyung tomasse banho a cada dez minutos, pelo menos era assim que se sentia e as pessoas pareciam gostar muito. Após pegar sua carteira e a chave de sua máquina – agora mais veloz que nunca – Taehyung saiu do apartamento rumo ao Big Harry’s não antes de se lembrar de algo e retornar o caminho rapidamente, após posicionar o objeto em seu devido lugar, saiu finalmente. Comeria alguma coisa e encontraria Soojin antes de irem em direção ao Bronx, juntos.

A garota vestia uma saia grudada ao corpo na cor rosa e um top branco por baixo da jaqueta que combinava com a parte inferior. Seus cabelos com as típicas ondas e que agora possuíam algumas mexas misturadas em pink e vermelho. As botas de Soojin, apesar de longas, nunca tinham um salto grande pelo fato da garota sempre estar em sua Suzuki Hayabusa, que lhe pedia mais conforto.

Soojin gostava de carros, como todo o resto do grupo. Se divertia nos rachas e às vezes até participava. Mesmo assim, sua paixão eram as motos e ela se conectava com as mesmas muito bem. A suzuki da garota era considerada a segunda moto mais rápida do mundo e estava personalizada de forma que ficasse a cara da mesma. Taehyung a ajudara a colocar luzes led que refletiam um pink na coloração branca da motocicleta. A personalidade de Soojin era escancarada em tudo o que ela tinha. Muitos a olhavam e logo pensavam em como a pequena seria delicada e frágil. Mal sabiam essas pessoas que Soojin era a melhor lutadora do esquadrão e seu poder de persuasão deixava qualquer um bem abaixo de seus pés.

- Que entrada espetacular. - Taehyung disse sorrindo enquanto beijava a testa da amiga. Os dois se sentaram nos banquinhos do balcão e logo viram Harry se aproximar para anotar os pedidos.

- Alguém como eu não pode passar despercebida. - ela disse ajeitando a franjinha que dançava pela testa pálida graças ao vento forte que entrara no local.

O Kim e a mais baixa fizeram seus pedidos – uma fatia de pizza e refrigerante para a garota e um hamburguer big Harry para Taehyung, que parecia não ter fundos – e se puseram a conversar sobre a corrida que se aproximava a cada minuto.

- Eu achei estranho. - Taehyung começou. Soojin o encarou confusa e ele continuou sua fala. - Dez mil dólares é pouco para uma corrida no Bronx, não acha?

- Dez mil? - ela exclamou surpresa e depois olhou para os cantos observando as pessoas que saíam e entravam a todo momento.

O Big Harry’s sempre estava movimentado naquele horário. Normalmente ocupado por estudantes que saíam da faculdade e iam direto para ali beber, ainda mais sendo sexta feira.

- Mas lá é sempre tão movimentado. É praticamente o centro de confusão. - ela afirmou e o moreno confirmou com a cabeça enquanto dava uma golada no refrigerante de Soojin. - Tem coisa aí, Tae.

- Talvez eu já imagine o que é. Talvez seja apenas parte do prêmio. - ele disse fazendo a garota se sentir curiosa sobre o que se passava em sua mente misteriosa. - Mas não vamos tirar conclusões precipitadas, veremos ao chegar lá.

- Ainda bem que nos preparamos bem, sermos pegos de surpresa logo quando voltamos à ativa, abaixaria meu ego. - a garota fez um biquinho e Taehyung riu balançando a cabeça

- Não se preocupe, está tudo sob controle. - Taehyung disse antes de dar mais uma mordida em seu enorme lanche. Você vai acompanhar Hoseok hoje?

- Sim, Aisha disse que não está muito no clima. - Soojin respondeu simplista.

- Quando ela está?

Naquela noite, Jungkook resolveu ficar até um pouco mais tarde. Queria se provar eficiente no trabalho e acabou adiantando o arquivamento de alguns papéis para segunda feira. Eram onze da noite quando ele pegou um táxi. Jungkook poderia pegar o metrô, que seria mais barato, mas por algum motivo – ou para tornar diferente algumas coisas de sua rotina – quis passar pela ponte que interligava Manhattan ao Brooklyn. Ele nunca andara pelo Brooklyn, desde que chegara a Nova Iorque, seu caminho era sempre onde estavam situados a universidade e agora o trabalho. Por não conhecer muito cada canto de Nova Iorque, ficou curioso.

A ponte do Brooklyn é considerada uma das mais antigas pontes de interconexão de Nova Iorque. Muitos turistas sempre visitavam-na, como Jeon nunca teve interesse? Gostava de conhecer coisas novas, devia ser por isso que sua vida monótoma o irritava tanto.

Com a cabeça para o lado de fora da janela observava o trajeto com os cabelos castanhos ao vento. Podia sentir o olhar do motorista em si, devia estar achando o Jeon completamente maluco, mas pelo menos não disse nada que o envergonhasse. Sentiu vontade de gritar para o céu escuro e sem estrelas. Não tinha a cor azulada escuro que Jungkook tanto gostava, também gostava quado tinham pequenos pontinhos brilhantes, ele amava olhá-las. Mas naquela noite, as nuvens escondiam os pontos brilhantes, o céu parecia um tanto silencioso, escuro demais, causavam calafrios em Jungkook.

Demorou um bom tempo até que atravessassem a ponte, afinal ela tinha 1834 metros de extensão. Sempre demorava muito, mas Jungkook havia se acostumado, afinal, valia a pena com o salário em sua conta, no fim do mês. O táxi fazia várias curvas nas ruas pouco movimentadas. O Jeon sentiu-se bem observando as árvores que acompanhavam as calçadas do distrito, imaginava como aquele lugar deveria ser de dia.

E então ele viu.

Sua mania de ser tão atento e curioso ao mesmo tempo, lhe impediram de desgrudar os olhos da movimentação da lanchonete chamativa à sua frente. O táxi começou a andar um pouco mais devagar devido às pessoas que transitavam em meio às ruas. A lanchonete que o garoto tanto encarava tinha um enorme letreiro em neon indicando que o nome do lugar era Big Harry’s. Ao lado do letreiro havia um boneco em animação, vestido com um avental e segurando um grande hamburguer, sorridente. O lugar chamava a atenção, parecia funcionar a julgar pela quantidade de gente que saía e entrava.

Com o tempo, pôde se desconcentrar do lugar, já que o motorista conseguira se desviar do monte de jovens que antes o atrapalhava. O Jeon encostou a cabeça na porta, fechando os olhos por alguns segundos, mergulhando em seus pensamentos sobre o que poderia fazer no fim de semana, para distrair Heejin e principalmente, fazê-la tirar da cabeça aquela ideia de que o pai estava a negligenciando.

Mal conseguiu pensar em algo. Seu corpo deu um pulo de susto ao ser desperto dos pensamentos por barulhos de motos e motores rangendo atrás, nos lados e na frente do táxi.

- É garoto, péssimo dia para decidir pegar um táxi e vir por aqui. - foi a única coisa que o motorista disse desde que saíram de Manhattan. O mais jovem não entendeu, a boca estava entreaberta e a testa franzida em confusão. Os olhos negros atentos ao retrovisor, arregalados em curiosidade.

- Uh? Porque? - indagou

O motorista apenas gesticulou com a cabeça para frente. Jungkook não havia notado que ficara tanto tempo pensando – ou quem sabe em um cochilo, não sabia – até perceber que não estaria em casa nem tão cedo. Chegaria se o bairro que agora era um obstáculo, não estivesse interditado.

O táxi parou bruscamente e Jungkook deu um solavanco para frente, olhando feio para o motorista que xingava freneticamente.

- Esses descoupados. - ele disse após xingar palavras que Jungkook mal conhecia direito. - A polícia deveria acabar logo com essa baderna.

- Senhor? Não tem como dar a volta? - perguntou observando no seu relógio que já se aproximava de uma hora da manhã. Haviam sete chamadas da mãe em seu celular e duas de Heejin. Estava morto. Definitivamente morto.

- Não garoto, o outro lado também pegaria alguma rua do Bronx, está tudo cercado. - ele disse encarando Jungkook e esticou a palma da mão. - Isso acontece muito nos fins de semana.

- Vai me deixar aqui? - sua voz saiu um pouco mais fina do que ele desejava. A verdade era que estava apavorado. Não poderia ficar em um bairro desconhecido e claramente lotado de pessoas estranhas, mal sabia como chegaria em casa dali.

“Maldito dia em que decidi matar minha curiosidade.” foi o que ele pensou quando viu o motorista dar de ombros.

- Não posso fazer nada garoto, meu carro não voa. - sentiu vontade de socar a cara daquele homem debochado, ele mantinha uma expressão despreocupada e claramente não estava dando a foda para como Jungkook conseguiria escapar dali. Obviamente porque seria fácil para ele voltar para Manhattan dali, já Jungkook teria que seguir em frente. Mordeu o lábio inferior segurando alguns palavrões para si e abriu a carteira, dando adeus ao que restou do seu salário do último mês.

Jungkook olhou para frente e teve suas pupilas irritadas pela quantidade de faróis ligados em direção ao táxi. Havia uma parede de carros em variadas cores e aparentemente muito caros, era impossível passar por ali mesmo. Saiu do transporte e fechou a porta com força. Estava puto e louco pra acabar com aquela palhaçada, porém os caras mau encarados pareciam não estar muito afim de finalizar aquilo tão cedo.

O Jeon ainda estava com as roupas da faculdade, sua calça jeans claro, blusa de botões na cor branca e seus timberlands. A mochila enorme estava jogada sobre um dos ombros enquanto o garoto ia para cima de uma calçada com o celular em mãos, prestes a ligar para Heejin. Não podia falar para a mãe onde estava, ela daria um treco.

- Kookie? - Heejin parecia desesperada. - Onde você está? Me diz que estava na delegacia esse tempo todo, por favor.

- Calma, Heejin. - falou calmo, mesmo que por dentro estivesse se cagando com todas aquelas pessoas passando por si - com bebidas e cigarros, talvez até drogas – como se ele fosse insignificante.

- Não me peça para ficar calma. - ela respondeu e ele suspirou. - Sua mãe me ligou.

E então seu coração disparou. Do jeito que conhecia a mãe, ela provavelmente já colocaria a polícia atrás de si.

- O que você disse a ela? - perguntou, nervoso.

- Bom… eu disse que você provavelmente acabou ficando com mais trabalho na delegacia, mas que já estava indo para casa. MESMO QUE JÁ SEJAM QUASE UMA DA MADRUGADA. - Jungkook afastou o celular da orelha por conta da voz alta da garota, mas estava aliviado pela namorada ter dado uma desculpa boa. Porque não era de todo mentira.- Onde você está?

- B-bom… eu estou a caminho de casa, mas vou demorar um pouco, pois tem muito trânsito. - falei tentando não gaguejar.

- Porque não pegou o metrô? - e então o Jeon sentiu-se encurralado. Falou qualquer coisa que lhe veio à cabeça.

- Ham… eu queria conhecer a ponte do Brooklyn, então resolvi vir de táxi mesmo. - essa foi por pouco, mas poderia melhorar. - Por favor, princesa. Liga pra minha mãe e diz que irei passar a noite na sua casa. Não sei se conseguirei chegar a tempo de ela não surtar, não quero que ela fique preocupada.

O que Jungkook estava pensando? Ele poderia muito bem atravessar aquela aglomeração a pé mesmo e chegar em casa em meia hora, correndo. Mas algo dentro de si o instigava, ficava cada vez mais a beira da adrenalina. Aquelas pessoas eram esquisitas, mas pareciam se divertir e ele queria experimentar aquilo um pouco, talvez?

– Onde você vai passar a noite? - ela perguntou e ficou em silêncio por um tempo, então respirou fundo e voltou a falar. - Kookie, isso está estranho. Vou pedir meu motorista para encontrá-lo e levá-lo para casa, sim?

- NÃO. - ele deu um grito exagerado, assustando uma garota que passava por ali e encarava-o como se fosse um pedaço de carne. Da boa. - Q-quer dizer, não precisa amor. Eu não estou tão longe...mas também não estou tão perto. Eu posso ficar em um hotel, se for preciso, mas acredito que não vá. Pode fazer isso por mim?

Jungkook ouviu a garota suspirar fundo. Sabia que o truque da fala angelical sempre funcionava, rezou para que desse certo, mesmo não acreditando muito em rezas.

- Tudo bem. Por favor, dê notícias. - ela disse e ele soltou um “Yes!” baixinho, atraindo olhares engraçados para si. Jungkook parecia uma sardinha em meio um monte de tubarões, prestes a ser devorado. - Eu te amo, boa noite.

Jungkook hesitou por alguns segundos. Lá estava ele de novo, o insistente e medonho “eu te amo”. O Jeon sabia que Heejin sempre esperava por essa resposta, mas ele não conseguia dar, nunca. Tentou várias vezes, mas simplesmente não saía, parecia tão errado.

- Boa noite, princesa. - sentiu-se triste pela sua resposta. Mas era o máximo que conseguia, mesmo sabendo que Heejin merecia mais. Porém, mais do que um “eu te amo” vazio.

Desligou o telefone, pensando na merda que acabara de fazer. O que estava pensando? E agora? Não tinha como dar para trás, teria que ficar ali e sanar a curiosidade que lhe importunava. Porque aquelas pessoas estavam tão animadas de estarem reunidas no meio do nada? Com nada acontecendo além de agarrações em cima dos capôs dos carros, bebidas, drogas e vulgaridade exagerada. Jungkook observava aquelas situações enquanto passava entre os carros que deviam comprar sua vida e de sua família inteira. Cada um.

Se encantou ao ver um levantar e descer, como vira em filmes que gostava, nunca presenciara nada do tipo na vida real. Esbarrava em algumas pessoas que lhe encaravam feio e não perdia tempo em pedir desculpas. Enquanto atravessava aquele mar de multidão, sentiu uma garrafa mediana ir parar em suas mãos – não sabia como – e constatou ser cerveja. Diante dos olhares confusos que recebia, quis parecer um pouco mais maduro do que aparentava por causa de seu choque de realidade. Jeon levou a garrafa à boca sem pensar duas vezes, como se fizesse aquilo todos os dias.

Saía para beber com Yoongi às vezes, mas isso eram apenas duas vezes no mês. Aquelas pessoas pareciam nem sentir o gosto do álcool, de tão facilmente que colocavam o líquido espumante para dentro. Após engolir a boa golada, arregalou os olhos e olhou para a garrafa novamente. Fez mesmo isso? O que estava pensando?

- Oh! - exclamou fazendo uma careta logo após. Mal sabia de onde saíra aquela cerveja, como pôde sair bebendo assim? Sentiu-se enojado e resolveu jogá-la fora, bem longe dali, dos olhares curiosos.

Andou até um local meio vazio, apoiou-se em um poste. Dali tinha a visão perfeita do círculo vazio que a multidão fechava. A rua na qual Jungkook teria passado com o táxi se não tivessem impedido, era uma curva para a esquerda. Logo, o círculo era um ponto de encontro de duas ruas e ele estava na parte sem saída, à direita. Mais carros e motos chegavam no lugar e o clima parecia esquentar cada vez mais, seu corpo pressentia que algo estava para acontecer e se me sentia a pessoa mais burra do mundo por ser atraído a uma coisa daquele tipo. Devia ligar para a polícia, foi o que pensou.

Taehyung seguia Soojin que pilotava a motocicleta à sua frente. Eles eram acompanhados por outras pessoas que também estavam na lanchonete antes. O local já estava bem fechado e devidamente escondido. As corridas ilegais eram perfeitamente planejadas e quando algo dava errado, era por puro descuido bobo ou coincidência azarada.

O moreno tinha uma das mãos no volante e o outro braço apoiado na janela, com a mão desocupada para fora do carro. Seus olhos felinos com o brilho dos faróis de carros alheios permaneciam atentos a cada detalhe do lugar e a cada pessoa também. O Kim umideceu os lábios com a língua, ansioso. Fazia tempo que não presenciava pegas.

- Está cheio. - Soojin disse enquanto ajeitava a franja bagunçada pela velocidade da motocicleta. Taehyung saía do carro enquanto encarava sua volta. - Dez mil é mesmo pouco para tudo isso.

- Hoseok já deve estar aqui. - Taehyung comentou e logo os dois tiveram suas atenções roubadas para os dois novos carros conhecidos que chegavam atrás de si. Soojin abriu um sorriso observando Aisha. Essa estava com o olhar cerrado e encarava tudo à sua volta de forma entediante, as duas mãos apertadas no volante e um sorriso espetacular nos lábios pintados de vinho.

O carro de Aisha era um honda s2000, azul tiffany com os detalhes da roda em violeta. Os faróis alternavam de acordo com o que a motorista queria. Naquele momento, estavam roxos. Já o carro ao lado, era de conhecimento de todos também. Bogum saiu de seu Mazda RX-7, branco. O carro já vencera muitas corridas, não mais que o de Taehyung, mas também era muito veloz.

Os irmãos chegaram juntos perto do Kim e de Soojin. Aisha de braços cruzados e Bogum com as mãos dentro da jaqueta de couro. A irmã – mais nova – trajava um short colado ao corpo, de couro preto, cropped de mangas longas da mesma cor e coturnos também pretos. Assim como Soojin, Aisha agora tinha mechas no cabelo, azuis escuro. A mesma ainda tinha lentes azuis nos olhos felinos, com toda certeza, Aisha arrancava muitos suspiros por onde passava, assim como a amiga.

Bogum estava lindo como sempre – era como Taehyung pensava –. Por baixo da jaqueta escura, usava uma blusa cinza e calças coladas, escuras. O tênis, jordans – que havia se tornado um dos acessórios em comum entre os integrantes do esquadrão – davam o charme sendo a única peça colorida no garoto. Seus cabelos penteados perfeitamente o faziam parecer algum galã saído de filmes dos anos 80.

- Que ótimo. Quanta gente. - Aisha resmungou olhando em volta, ainda desconfiada.

- Vamos achar o Hobi. - Soojin disse e concordaram andando atrás dela. Taehyung sentiu Bogum atrás de si, mais próximo do que o normal. Logo seus pelos da nuca se eriçaram e ouviu a voz aveludada do mais velho perto de si.

- Está cheiroso como sempre, Tae. - e deu um sorrisinho sapeca antes de passar na frente de Taehyung, indo para perto da irmã.

- Valeu. - o Kim respondeu para si mesmo, ainda sim sério, já que Bogum não lhe causava tanto impacto como quando era adolescente. Permaneceu-se apenas o desejo carnal entre os dois e a amizade era preservada. Era melhor assim.

Hoseok se encontrava no meio do círculo vazio. Sol estava radiante em meio aos outros carros. Taehyung constatou que ele e o amigo fizeram um bom trabalho na personalidade do carro, combinava com o dono. Jimin estava ao lado do Jung, de braços cruzados e os inseparáveis óculos escuros. Os cabelos dourados caídos em uma franja perfeita. O Park estava tão bonito na calça de estampa militar e no blusão preto, seu visual não passou despercebido por Soojin e Taehyung notou a inquietação da amiga. Riu daquilo, mal esperava para ver como Jimin agiria diante daquela informação, já que a garota não disfarçava tão bem.

Hoseok estava com os fios alaranjados partidos no meio, a calça cheia de correntes e os tênis chamativos eram marca do Jung. Era um fato que todo aquele grupo chamava atenção por aonde passava.

- Olha! O bonde todo reunido! - Hoseok disse cumprimentando cada um na ordem de chegada, com um toque de mãos.

- É, só falta o Namjoon. - Soojin disse enquanto se colocava ao lado de Jimin, dividindo um lugar no capô de Sol. Como Taehyung imaginara, Jimin logo deu um sorrisinho de canto, tentando parecer despreocupado, o que fez o Kim segurar uma risada.

- Já já ele chega. Estava resolvendo umas coisas para mim. - Aisha se pronunciou.


 

Aisha não estava errada. Namjoon chegou minutos depois, animado com a corrida de Hoseok, como todo o resto. Quatro carros participariam da corrida e Taehyung fazia o trabalho de analisá-los com atenção, ele mal falava com os amigos à sua frente que se distraíam entre risadas e incentivos ao motorista da noite. O Kim percebeu um grupo se aproximando, não os conhecia, mas eles poderiam dizer o contrário sobre si e o esquadrão, já que vinham claramente na intenção de falar algo.

- Vocês são do Brooklyn? - o da frente tomou partida. Eram dois homens com três mulheres em volta, mas Taehyung imaginou que elas mal sabiam quem eram eles, era muito comum ali. O homem alto e de pele escura, tinha tranças no cabelo e os olhos claros, uma bandana verde contornava sua cabeça e o Kim mais novo teve de admitir que se não fossem as circunstâncias e sua intuição de que ele não estava ali com boas intenções, ele se interessara no rapaz e poderiam se divertir, se o mesmo não fosse hétero é claro.

- Sim, porquê? - foi Bogum que respondeu ficando ao lado de Taehyung, que não fazia nada além que observar as pessoas à sua frente. O moreno tinha uma postura defensiva e as expressão limpa não permitia que os caras à sua frente pudessem antecipar seus atos ou imaginar o que o mesmo estava pensando.

- Quem de vocês vai correr? - ele perguntou ignorando Bogum completamente e mantendo contato visual com o Kim. Aquilo parecia uma competição e o primeiro que desviasse, perderia.

- Eu, Hoseok. - Hobi se pronunciou passando pelos amigos e se pondo na frente, no meio do Kim e do mais velho.

A dupla à frente começou a rir como se tivesse alguma comédia diante dos mesmos. Taehyung não entendeu, ergueu uma das sobrancelhas sem piscar nem por um segundo, já Hoseok quase soltava fogos pelas narinas. O Kim não era bobo, sabia que aquela corrida já estava planejada para estarem ali, todos sabiam que o esquadrão do Brooklyn não perdia uma e já chegara aos ouvidos que estavam na ativa de novo. As pessoas ao redor pareceram achar interessante o embate silencioso dos dois grupos, logo focaram suas atenções nos forasteiros.

- Você? Não é o melhor corredor, se não estou errado. - o homem desviou o olhar para Hoseok e depois voltou a Taehyung, dando a entender que sabia da fama e dos talentos de volante do Kim.

- Está errado. - Taehyung falou finalmente. Cruzou os braços sentindo Soojin se aproximar de si e encostar a cabeça em seu corpo, observando divertida o clima pesado que pairava entre a distância do esquadrão e dos dois homens desconhecidos. - Hoseok é um ótimo piloto.

O homem deu de ombros, sorrindo de canto. Sentindo-se ameaçado pelas palavras do coreano à sua frente, deu um passo mais próximo, Jimin automaticamente se juntou ao amigo, atraindo os olhares dos demais.

- Parece que trouxeram o bando todo. - ele disse calmo. - Eu tenho uma proposta, Hoseok.

O Kim suspirou, já sabendo o que vinha pela frente. Pelo que conhecia o amigo, se aquilo acontecesse, seria a gota d’água para o mesmo.

- Não gostei do meu nome na boca dele. - Hobi sussurrou arrancando uma risada leve de Soojin. Nem em situações sérias como aquela ele deixava de ter presença. Taehyung invejava Hoseok nisso. - Sou todo ouvidos.

- Os outros corredores concordaram e ficaram animados ao saberem que o esquadrão superestimado estaria presente no nosso território. - começou. Aisha quis rir de seu comentário, mas resolveu apenas escutar. Não valia a pena puxar uma briga fora de casa.

- Nos sentimos lisonjeados. - Namjoon disse finalmente.

- O que acha de além do prêmio em dinheiro, possamos apostar também, nossos carros?- o homem perguntou e mal sabia que seus passos seriam premeditados. - Eu e você, apenas.

- Ah, mas aí eu ganharia apenas o seu carro? - Hoseok perguntou confiante e com o deboche na ponta da língua. - Nem um boquetezinho?

Sorriu simplista fazendo sinal do ato com a mão e a língua por dentro da boca. Foi a deixa para Jimin começar a rir e dar um passo para trás, se escondendo atrás de Taehyung para deixar que a pose séria se esvaísse por completo em uma gargalhada. O homem à frente do grupo parecia irritado com a provocação, se controlava ao máximo para não partir para cima do Jung.

- É bom temer, bichinha. - o cara tentou ofender.

- Eu não deixava. - Soojin sussurrou e Taehyung lhe deu uma cotovelada. - Ai garoto.

- Eu não tô pra brincadeira, jardim da infância. - o homem levou a mão até a cintura, dando a entender o que tinha consigo. No mesmo momento Bogum e Hoseok fizeram o mesmo, Taehyung apenas levantou um pouco da blusa, revelando o objeto rente à pele amorenada. - Podem querer manter a pose no nosso espaço, mas aqui vocês não são nada, não se esqueçam disso.

- Nem nós estamos brincando. Então é melhor começar a falar direito. - o Kim respondeu já enfurecido com a audácia do cara à sua frente. O outro confirmou com a cabeça, rendendo os braços como se não estivesse procurando confusão em hora nenhuma e Taehyung sorriu internamente. - Não viemos arranjar briga, só queremos correr. Pode ser?

- Claro… digo o mesmo, é que o carro do Jung me chamou a atenção. - ele gesticulou para sol.

- Tá fechado. Se eu ganhar, levo o dinheiro e seu carro. - Hoseok disse apontando para o Mustange verde escuro atrás do cara desconhecido. - Se eu perder, o Sol é seu.

Taehyung sabia o quanto doía em Hoseok dizer aquilo, mas também sabia que estava fora de cogitação que o Jung perdesse aquela corrida.

- Beleza, boa sorte Brooklyn – falou simplista e deu as costas, comprovando que Taehyung estava certo em sua intuição durante todo o tempo, se sentiu agradecido por ter turbinado o motor de Hoseok mais cedo.

- Então, vamos correr? - Soojin disse batendo no ombro do Jung, preparada para tomar o banco do carona ao lado do amigo. Hoseok lhe encarou com um olhar profundo, tomado de ódio, mas ainda sim com um sorriso no rosto. - Vocês me matam, relaxem garotos.

- Ou a gente corre, ou a gente morre. - e seguiu para dentro do carro amarelado, fechando a porta logo após e encarando a amiga ao seu lado que também entrara. - Porque eu não vou dar o meu bebê pra ninguém.

O grupo se afastou da área dos carros, que já se preparavam na linha de partida. Taehyung hesitou em sair e voltou à janela de Hoseok, abaixando e ficando cara a cara com o hyung.

- Hobi, quando achar que é a hora certa...aperta. - aponto para o pequeno botão vermelho instalado no meio do volante. Hoseok riu divertido e confirmou. Soojin dava gargalhadas e visualizou Jimin levantar os óculos escuros enquanto lhe encarava divertido. - Te vejo na linha de chegada, e é bom ser o primeiro. Amigo meu não perde corrida se eu não estiver nela.

- Sim senhor. - Hoseok disse girando a chave na ignição. O motor feroz foi ouvido rugir e Taehyung se afastou rápido, se juntando ao resto do grupo nas laterais da largada. Pode observar o cara que antes lhe ameaçava sorrir malicioso enquanto ligava seu carro.

Uma mulher loira, apenas de sutiã roxo e um short beirando à calcinha tinha um sorriso sedutor nos lábios e duas bandeiras brilhantes nas mãos.

- Atenção. - ela chamou a todos e o lugar era um completo silêncio. Hoseok encarava a rua à sua frente, sedento por correr. - Vocês darão a volta no quarteirão, duas vezes… passarão em frente ao início do distrito e então voltarão pela rua ao lado, completando o percurso.

- Isso vai ser fácil. - Namjoon disse enquanto esfregava uma mão na outra. Taehyung já acendia um cigarro, esperava mesmo que Hoseok ganhasse, o carro havia sido montado por si afinal.

- Você está pronto? - a mulher gesticulou para Hoseok após perguntar aos outros competidores.

- Pronto. - foi o que o garoto respondeu, confiante e já passando a primeira marcha. Soojin se agarrava ao banco, ansiosa e grudava a cabeça no estofado, sorridente como uma criança que experimentaria um brinquedo radical.

- Que vença o mais rápido. - a mulher disse, e então deu o sinal com as duas bandeiras.


 


 



 


Notas Finais


E então? O que acharam? Comentem e favoritem a fic, até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...