História Luísa! - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags As Aventuras De Poliana, Luisa, Poliana
Visualizações 30
Palavras 941
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


É apenas um capítulo introdutório, pretendo colocar mais caso haja algum interesse de leitores

Capítulo 1 - Prólogo


Algum dia na escola de Poliana, em um evento importante..

Luísa nunca quis que seu irmão Durval tivesse ou soubesse de Poliana, ela sempre acreditou que as responsabilidades dele tinham acabado, quando a deixará naquela mansão enorme e "vazia" quando se foi mais preciso.

- Que droga, como não previ que a Poliana iria ler a cápsula da mãe? Durval se tornará um problema enorme! - Pensava Luísa

- Vai Afonso! Usa Buzina - Luísa gritou

- Calma, você nem queria estar lá - Disse Afonso confuso

Ah Luísa, sua sobrinha fora uma das melhores coisas que te aconteceu em anos, a felicidade dela deveria ser o mais importante, mas olha para você agora, tentando negar isso a ela, e até para você mesmo, todos entendemos a mágoa e pelo o que passou durante alguns anos, onde apenas o leal senhor Antônio estava ao seu lado, mas não estaria o destino apenas realizando um capricho?

- Olha a Luísa chegou! Vem abrir uma de suas cápsulas - Disse Claudia, sua amiga

- Desculpa meninas, porém preciso achar o Durval - Fala Luísa

- Nadinha disso toma aqui e leia pra nós - Claudia insiste

Luísa e Marcelo leem suas cartas constrangedoras, onde promessas de amor eterno foram seladas, nisso Luísa escuta o anúncio..

- Gostaria aqui de chamar Poliana, filha de uma ex-aluna para ler a cartinha, já que a mesma já não está entre nós - Anuncia a locutora

- Mass mass, porque essa moçinha leria a carta da da da - Gagueja Durval

- Porque eu sou filha dela! - Corta Poliana fazendo tal afirmação

Após ouvir isso Luísa em passos rápidos vai até os fundos, decepcionada, como se tivesse falhado com ela mesmo ou com Poliana

- Mas que negócio é esse Luísa, quem é Poliana? Mentis-te para mim isso?! - Grita incredulamente Durval

- Não menti, apenas omiti essa informação! - Virada de costas para Durval, chegando quase no ponto de derramar uma lágrima

- Como tiveste coragem de fazer isso com seu irmão! Esconder a minha sobrinha? Não podias fazeres isso! - Questiona Durval

- Poliana, me espera lá fora! - Ordena Luísa, ainda de costas, entretanto dessa vez escorrendo uma lágrima

- Mas tia esse é meu tio? Isso é tão bom! Não é?- Poliana se alegra

- Agora Poliana! - Reafirma Luísa

Poliana saindo da sala sem entender o que acontecia, para e decide ficar escutando por atrás da porta, onde estava presente também Marcelo e a diretora da escola de Poliana

- Durval você nunca ligou pra nossa família, que diferença faria você saber disso hoje ou ontem? - Se vira Luísa com uma lágrima escorrendo

- Ahh novamente esse papo, sempre a mesma história, nunca teve coragem de sair de casa e agora culpa-me - Durval se irrita

- Como é? Quer ser racional? Vamos ser então! - Faz uma pausa e engole seco Luísa e fala - Sair como de casa? Se a responsabilidade do tirano do nosso pai, da casa, da nossa mãe doente, e dos negócios vieram parar nas minhas costas! Até hoje Durval ainda espero uma carta sua perguntando como eu estava ou pedindo desculpa pelo longos que eu perdi enquanto você realizava seus sonhos na Europa, coitadinho de você, sofreu demais!

- Eu tive que ficar aguentando anos nosso pai bebendo e jogando o dinheiro da família fora, o dinheiro do qual eu passava horas trabalhando pra conseguir, pra depois ter que voltar pra casa e ver a nossa mãe reclamando de dores o dia inteiro! Mas nada disso me desanimava, pois olha pra ele - Aponta pra Marcelo - Ele sempre esteve do meu lado não esteve? Errado! Na primeira oportunidade de me deixar sozinha ele o fez, acreditou num boato e sumiu no mundo.

Sem reação Durval continua ouvindo e Marcelo olhava pros lado, enquanto a diretora da escola tentava acalmar os ânimos em vão, pois Luísa continuava a falar.

- E quando fiquei sozinha, ninguém além do Antônio estava lá, ninguém nunca perguntou nada, nem mandou cartas e tudo mais, isso me jogou numa depressão pesada, onde eu não tinha vontade pra mais nada, fiz várias coisas ruins nesse momento, mas consegui passar por isso, e nisso apreendi a não confiar em ninguém, ninguém!

Luísa já sem fôlego, se sentava de cabeça baixa, mas ainda com uma voz alterada, continuava a dizer

- Resolvi jogar todo meu passado fora, tudo! Mudei até de área de profissão, não queria me lembrar de nada , não queria lidar com arte nunca mais, por isso decidi ser uma matemática e graças ao meu próprio mérito e esforço, o exército me alistou, pela primeira vez na vida me senti viva e parte de algo e me dediquei!

Levantando a cabeça, mas já de voz mais calma, ela concluía

- E tudo isso mudou quando de repente, recebo um telefonema literalmente do passado, avisando que eu tinha uma sobrinha e que eu deveria cuidar dela, isso caiu como uma bomba, mas diferente de você Durval, não fugi da família e das minhas responsabilidades, e aceitei a Poliana que mudou minha vida atual... - Luísa finalizando com um pequeno sorriso entre as lágrimas.

Poliana ao escutar isso, escorre uma lágrima de seus lindos olhos e sai correndo, com os pensamentos de que é um fardo para sua tia

- Me senti viva mais uma vez, e quase completa pela a primeira, no início fui um pouco resistente, mas ela, é incrível, e cuido como se fosse uma filha que não tive e amo muito.. não te odeio Durval ou Marcelo, apenas não vejo vocês como eu via anos sombrios atrás...

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Espero que gostem dessa pequena introdução ao passado de Luisa, peguei um trecho original da novela e modifiquei e adicionei coisas e deixei um pouco mais dramático..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...