1. Spirit Fanfics >
  2. Lust For Life >
  3. The Greatest

História Lust For Life - Capítulo 30


Escrita por:


Notas do Autor


Depois de demorar muito, eu sei, finalmente voltei :)
Estava com um bloqueio criativo horrível, então preferi pular um pouco a história.
Enfim, boa leitura :)

Capítulo 30 - The Greatest


"Acho que estou exausta depois de tudo."

Michael Jackson e Lisa Presley chegaram a uma lanchonete duas vezes mais rápido do que geralmente chegariam. O local era de um ex funcionario da casa dos Presley e Lisa sempre gostou de ficar por lá porque sabia que o dono sempre gostou dela e respeitava seu espaço.

-Com licença, aqui está os dois cafés que pediram, o com leite e o sem.-A garçonete de vinte e poucos anos anunciou ao colocar as duas xícaras com seus pires. Ela mantia um sorriso absurdamente aberto no rosto, totalmente incapaz de desviar o olhar diante do homem sentado na poltrona do estabelecimento. Lisa revirou os olhos.

Quando a jovem saiu, ambos bebericaram suas bebidas quentes.

-Então...-Jackson começou, observando Presley diante dele. Ela, por sua vez, olhava para a janela que dava para a rua.

-Então o que?

-Viemos aqui para conversar, certo?

-Sim, pode começar. Você que veio até mim.

-Não precisa ficar na defensiva.

-Eu não estou na defensiva!

-Tudo bem, tudo bem...-Ele a interrompeu, tentando manter a calma.-Olha, eu só quero que entenda o meu lado também. Eu sei que posso ter dito algo que você não gostou...

-Você disse.

-Ok, ok... Eu disse coisas que te magoaram. Mas você também disse. Quem quer ser chamado de capricho, Lisa Marie?

-Eu só escolhi as palavras erradas, não quis dizer aquilo.-Pela primeira vez na noite sua voz não era mais de alguém enfurecido, e sim de vergonha.

-Então por que não me disse isso? Você não me procurou, sequer ligou, não fez nada!

-E você teria aceitado falar comigo? Claro que não!-Michael abriu a boca para refutar, mas logo desistiu. A garota estava certa.-Eu preferi esperar o momento certo, mas ele nunca chegou.

-Aquilo me magoou, Lisa. -Seu olhar desceu para a xícara de café diante dele.

-Me desculpe.

O silêncio voltou a dominar o local, nenhum dos dois se olhando. Michael mantinha seus dedos entrelaçados sobre a mesa, os polegares se esfregando, denunciando seu nervosismo. Presley deu mais um gole em sua bebida quente, no intuito de não parecer tão desconcertada.

-Acho que nós dois erramos.

-Sim, somos dois idiotas.-Lisa concordou quando Jefferson, dono do estabelecimento, apareceu com um prato cheio de donuts.

-Não quero atrapalhar, só vim deixar um presentinho por conta da casa.

-Valeu, Jeff. Você é ótimo!-Lisa sorriu para o homem de meia-idade, em forma de agradecimento.

-Não precisa agradecer, se precisar de algo é só chamar. Eu e Amy estaremos na cozinha.-Ele respondeu, se despedindo. Não queria incomodar Lisa e muito menos o convidado de honra, que poderia voltar outro dia.

-Tudo bem, obrigada.-Presley pegou um dos donuts, após o senhor se retirar.-Pegue um, é o melhor da cidade.

Comeram em silêncio, ambos se perguntavam o que dizer e quem deveria começar. Michael decidiu dar o primeiro passo, quando engoliu em seco e começou:

-Fico feliz em estar falando com você. Acho que podemos... Nos reaproximar, certo?

-Sim, claro. Eu gosto de ter você na minha vida. Eu quero que as coisas sejam como eram.

-É, somos bons juntos.-Michael sorriu pela primeria vez desde que chegaram naquela lanchonete.

-Eu só acho que somos muito melhor... Como... Amigos.-Lisa Marie procurou as melhores palavras para dizer algo que também a doía. Estava na hora de parar depois de tudo.

A feição de Jackson mudou drasticamente, seu sorriso fugiu dos lábios e seus olhos piscaram algumas vezes. Tentou disfarçar seu desapontamento, torcendo para que não estivesse parecendo um idiota. Ela não o queria, por que estaria surpreso?

-Ah... Claro! Isso não... Daria certo.

-Isso é o melhor pra gente. Mike, eu te amo!-Ela buscou pela mão dele sobre a mesa.-E você tem tanta coisa acontecendo na sua vida, seu trabalho e tudo que isso carrega. Acho que somos mais úteis um para o outro sendo amigos.

-Tudo bem, eu entendi.-Forçou seu melhor sorriso.-Você realmente não está errada.

-Amigos?-Ela por fim estendeu a mão.

-Aperto de mão?! Qual é, Lisa Marie, isso é tão idiota...

-Ah, vai se fuder!-Resmungou fazendo-o explodir em risadas.

Comeram e conversaram sobre coisas aleatórias. Michael falou sobre seus planos para o ano que chegava, em breve viajaria com sua equipe para gravar um clipe em Nova York. Lisa sabia o que aquilo significava, aquele homem tinha uma vida louca e claramente não haveria espaço para ela.

Já passavam das 3 da manhã quando Lisa deixou Michael na porta de sua casa. Se despediram com um simples "até logo" e ele saiu do veículo sem olhar para trás enquanto Lisa o observava. Era o fim deles? Não era justo, foram meses sem contato algum e simplesmente acabou?

Presley sentia que estava vendo tudo se esvair de suas mãos, como fumaça. Ela não sabia que tinha tudo com ele, mas ninguém te avisa isso até chegar a queda, certo? Até pensou em tomar alguma atitude, mas logo desistiu. Ainda estava um pouco bêbada e sabia bem o quanto costumava fazer besteiras nessas situações. Deu partida no seu carro e seguiu pela rua escura. Michael observou a garota se asfaltar em seu Mustsng branco e sua vontade era de pedir para que ela não fosse embora, precisava dela sendo a pessoa que lhe mandava a real. Sabia que o sentimento que o dominava naquele momento talvez nem fosse tão grande como parecia, mas era como se estivesse encarando a maior perda de todas.

(...)

Faltavam poucos dias para que o primeiro single do álbum Bad fosse lançado. Jackson procurou por meses algum nome feminino de peso para participar da canção, mas decidiu por fim investir em Siedah Garrett, sua backing vocal. Ainda gravaram mais duas versões, em espanhol e francês.

Durante os últimos 6 meses Michael viveu entre Flórida, Califórnia e Nova York, gravando vídeoclipes e fechando acordos de divulgação. Sua vida pessoal praticamente não existia, tudo se resumia ao seu trabalho e Marie estava cada vez mais distante. Ele sentia falta dos seus momentos com ela. De Long Beach e a conversa que tiveram lá, das danças desajeitadas em seu apartamento, do bar dos "Beach Boys", como Lisa chamava porque achava careta demais, foi lá onde eles se consolaram após terem seus corações partidos.

-Hey Mike, todos nós vamos sair para comemorar, você vem?-O diretor-assistente do set perguntou ao colocar a cabeça para dentro do camarim de Michael. Eles tinham acabado de terminar as filmagens para The Way You Make Me Feel e o elenco, junto com a equipe, estava saindo para jantar e beber.

-Ah... Não, na verdade tenho outros planos. Mas obrigada.

-Você sabe que Tatiana está indo junto.-Ele disse com um sorriso malicioso. Ficou claro para todos durante as gravações, que ela gostava de Michael.

-O que? Quem?-Perguntou, sem realmente ouvir. Estava ocupado demais vestindo sua jaqueta.

-Estou falando de Tatiana! Tenho certeza que ela está esperando que você esteja lá.-Michael riu, um pouco envergonhado pela atenção dela não ter passado despercebida por quem estava no set. 

-Bem, talvez da próxima vez...

A verdade era que ele não estava interessado. Jackson nunca costumou se envolver com as mulheres com quem trabalhava, além do fato dele simplesmente não estar atraído por ela. Ela era muito bonita e gentil, mas nada que fosse capaz de prender sua atenção por muito tempo. Não queria que ela entendesse errado, por isso manteve uma postura muito profissional.

-Tudo bem, apareça se seus planos mudarem.

-Claro. -Michael concordou. Ele terminou de juntar suas coisas e foi para o carro. Estava cansado e só queria voltar para casa.

-Michael.-Alguém o chamou. Ele se virou e viu Tatiana caminhando em sua direção, com seus cabelos encaracolados e esvoaçantes. -Você vem conosco?

-Não, eu... Eu tenho outros planos.

-Oh...-Parecia desapontada. -Eu esperava que pudéssemos sair um pouco. Você talvez quisesse fazer outra coisa, apenas nós dois?-Perguntou, recuperando a esperança.

Merda, ele pensou. Odiava quando as pessoas o colocavam em uma situação incômoda, principalmente em uma que ele não pudesse sair sem se sentir rude. Sempre é desconfortável quando se tem que, gentilmente, decepcionar alguém. 

-Na verdade, não posso me livrar desse compromisso.-Mentiu. -Mas talvez outra hora.

-Estou ansiosa por isso.-Disse ela se aproximando.

Oh inferno, ela acha que eu vou beijá-la?ele pensou, angustiado. 

-Eu... Tenho que ir, mas foi ótimo trabalhar com você. Nós entraremos em contato, você sabe, caso necessitarmos de algo mais.

-Tudo bem, tchau.-Respondeu um pouco desanimada, mas com um pouco de esperança.

Ele se afastou, aliviado pela conversa ter finalmentr acabado. Enauanto Tatiana caminhava de volta para o set, ele entrou no carro vinho, onde seu motorista o esperava. Agora tudo o que ele queria era voltar para casa e ligar para Lisa. Fazia algumas semanas desde a última vez que se viram, quando ela havia aparecido em Hayvenhurst para visitar Janet. Eles se falaram algumas vezes por telefone, mas o rapaz realmente queria tentar vê-la novamente antes que a vida ficasse muito agitada.

(...)

Kath escutava Lisa falando sobre Michael, enquanto elas desembalavam as caixas da mudança. Muitas coisas haviam mudado nos últimos meses. Ela estava cada vez mais focada em seu trabalho no espólio do pai, o que agradou Priscilla, que, por sua vez, permitiu que filha morasse sozinha. Foram muitas conversas e negociações até a mulher permitir que Lisa comprasse uma bela casa em Bel Air, localizado em um condomínio de classe média alta. A casa não era luxuosa, mas também não era comum. 5 quartos, 2 salas, cozinha, 3 banheiros, piscina e jacuzzi. Algo mais que suficiente para uma jovem que caminhava para os seus 19 anos.

Obviamente Priscilla possuía cópias das chaves e escolheu uma empregada a dedo para os afazeres domésticos, ela ainda tinha o controle da situação. Mas isso era o que menos importava para Lisa, ter seu próprio lugar já era um grande passo, algo que ela imaginava que demoraria muito para conseguir. Apesar de tudo, ainda se sentia um pouco entediada com a própria vida. Sentia falta de suas viagens a Nova York, principalmente depois de Jackson começar a ir para lá com bastsnte frequencia. Também sentia falta do rock and Roll com seus amigos, mas estava dispostas a ficar longe de confusão.

A nova propriedade já era mobiliada, só faltava colocar seus pertences pessoais no lugar e isso ela preferiu fazer por si só. Odiava a ideia de desconhecidos bisbilhotando suas coisas e não queria que nenhum estranho abrisse suas caixas. Kath ofereceu ajuda, o que facilitou mais ainda o seu trabalho. Já estavam quase terminando e Lisa ainda falava sobre Michael e suas últimas conversas.

Kath estava um pouco preocupada com o fato da amiga parecer realmente levada por ele. Por um lado, eles supostamente estavam em sitonia, e por outro, Michael Jackson era uma mega estrela e ela realmente não achava que ele tivesse tempo para Lisa, sendo ela a filha de Elvis ou não. As chances dela sair machucada eram gigantescas.

-Fico feliz que vocês estejam bem como amigos, mas e a sua mãe?

- E minha mãe... Bom, ela não tem motivospara se preocupar. Quero dizer, eu sei o que minha mãe quer, mas que problema tem mantermos uma amizade?

- Ah, certo... Para você isso não é problema. Mas vamos lá, Lise, você sabe o que acontece quando sua mãe não gosta de alguma coisa.

-Bem, pretendo me encarregar da minha vida para variar. Inclusive, eu já conversei com Branca, o nosso advogado, sobre obter acesso ao meu dinheiro. Ele falou que tenho direito a uma mesada maior, mas que só receberei o valor completo da herança quando tiver 30 anos.

-Bom, isso já é alguma coisa...- Comentou Kath. Ela ficou pensativa por um segundo enquanto esvaziava a caixa com alguns quadros e porta-retratos, mas logo continuou.- Então me diga, Michael parece meio... assexual. Qual é a dele? Deve ter rolado alguma coisa naquele tempo de "quase namoro".

-Ah, eu sei o onde você quer chegar. Não, nós nunca transamos. Mas é claro que já tivemos momentos mais íntimos e posso dizer que ele não é nada do que dizem por aí. Ele sabe fazer as coisas...

-Bom, se o que você está dizendo sobre Michael é verdade, é melhor ter cuidado, Lisa. Tenho certeza de que você não é a única mulher por perto, se é que me entende. 

-Isso não é mais da minha conta, somos somente amigos.-Começou Lisa. -Mas sinceramente não acho que seja assim. Quero dizer, ele parecia realmente sincero no tempo em que estivemos juntos. Nunca tentava passar do ponto.

-Isso porque não deu tempo...

-Estou falando sério.-Rebateu Lisa. -Eu sei que isso vai parecer muito brega e clichê, mas há algo sobre a maneira como ele olhava para mim. Eu... Eu nunca tive alguém olhando para mim assim - Disse quase para si mesma.

-Olhe, apenas tenha cuidado. Eu odiaria ver você se machucar. Vocêa são apenas amigos, mas você ainda gosta dele.

-Acho que ele nunca faria nada para me machucar.

-Espero que você esteja certa.-Kath sorriu quando se recostou no sofá, observando a amiga desmontar as caixas e reuní-las em um amontoado de papelão. Ela ainda tinha uma pontada de preocupação, Lisa, apesar da pose de garota durona, era realmente insegura e um coração partido não ajudaria muito.

(...)

Michael jogou as chaves na mesa e sentou-se no sofá, feliz por estar em casa. Ele olhou para o relógio. Não era muito tarde, apenas 7:22 PM. Pegou o telefone na mesinha ao lado do sofá e digitou o número da residência de Lisa, anotado na agenda guardada em uma das gavetas do móvel.

-Alô?

-Lisa? Você está ocupada?-Ele perguntou, feliz que ela respondeu.

Presley sorriu assim que ouviu a voz dele. Não esperava por uma ligação sabendo que ele estava ocupado terminando o vídeo. -Não, na verdade, eu estava apenas sentada, terminei de desembalar tudo hoje. Não achei que tivesse notícias suas esta noite.

-Por que não?-Perguntou, tirando os sapatos e recostando-se no sofá.

-Bem, imagino que gravar um videoclipe leva muito tempo. Provavelmente havia muito o que fazer.

-Sim, é muito trabalho, mas pelo menos está terminado.

-Aposto que é divertido, mesmo que dê muito trabalho.

-Depende. Se eu realmente gosto do conceito, e todos estão trabalhando juntos, então é divertido.

-Acho que vendo apenas o produto final, não percebemos o quanto você trabalha nele.

-Bem, talvez você possa vir na próxima vez que eu estiver trabalhando em um.-Jackson sugeriu. -Eu posso até encontrar uma parte para você.

-De jeito nenhum!-Rebateu ela.-Sou introvertida demais. Eu nunca poderia fazer algo assim.

-Claro que você poderia.-Ele insistiu. -Você disse que queria tentar cantar, certo?

-Isso é diferente. Fazer música no estúdio não é atuar ou dançar. Atuar, eu posso ser capaz, mas dançando...-Ela riu ao se imaginar fazendo uma das coreografias de Michael.

-Bem, acho que você seria ótimo em um vídeo.-Persistiu. Cuidado, eu colocarei você em um algum dia.

-Nunca.

-Vamos ver.-Sorriu. -Eu posso ser bem convincente.

-Você tem certeza de si mesmo, não é?

-Uma coisa que você aprenderá sobre mim é que, quando quero alguma coisa eu consigo.-Respomdeu tranquilamente.

-Então agora o que você tem para fazer, agora que o seu vídeo está pronto?-Ela perguntou, mudando de assunto.

-Acabando de mixar o álbum. Eu tenho algum tempo de inatividade antes que fique tudo louco. Quando começarmos a ensaiar, estarei bem ocupado - Disse com uma pitada de relutância.

Michael sempre fora um viciado em trabalho, mas agora que conhecera Lisa, estava definitivamente menos animado em jogar todas as horas de sua vida pessoal fora. Com ela tudo era mais divertido, as noites pegavam fogo quando saíam juntos, mesmo que fosse para fazer nada. Pela primeira vez o trabalho estava começando a parecer realmente trabalho.

-Ah... Eu posso entender isso.-Ela respondeu, imaginando se Michael estava tentando lhe dar a dica de não esperar que ele estivesse por perto. 

-Lise.-Ele começou. -Você acha que talvez eu possa te ver um pouco mais, você sabe, antes que as coisas fiquem agitadas demais para mim?

-Eu gostaria disso.- Concordou com um sorriso.

-Você está ocupada agora?

-Agora?-Repetiu. -Não realmente... Por quê?

-Eu também não estou muito ocupado. Eu esperava que talvez eu pudesse te ver hoje à noite. Posso ir aí, ainda não conheci sua nova casa.-Sugeriu e esperou com um suspiro de ansiedade ela responder.

-Sem problemas pra mim, apareça aqui.-Disse ela suavemente. 

-Tudo bem, então.-Concordou, já se preparando para levantar e partir para seu quarto. Ele precisava de um banho. -Você... Você não tem nenhum outro compromisso ou qualquer coisa, não é?- O que ele realmente queria perguntar era se ela esperava que sua mãe aparecesse. Ele ainda não tinha certeza do que Priscilla pensava dele e não estava com disposição para descobrir aquela noite.

-Não, sou só eu aqui esta noite.-Ela assegurou se levantando da cama e indo vasculhar seu armário, tentando encontrar algo para vestir.

-Bem, você já jantou? Eu posso levar alguma coisa.

-Na verdade, não, eu não jantei, mas às vezes, quando estou aqui sozinha, eu realmente não como.-Admitiu.

-Eu também não jantei, então vou pegar alguma coisa. O que você acha?

-Está tudo bem.-Respondeu, olhando-se no espelho. Ela precisava de um retoque rápido antes que ele chegasse lá.

-Então te vejo em breve.-Michael disse, com um grande sorriso.



Notas Finais


E aí? Gostaram?
Deixem a opinião nos comentários :)
Até a próxima 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...