1. Spirit Fanfics >
  2. Luta pela Liberdade II - O novo mundo >
  3. Frustração

História Luta pela Liberdade II - O novo mundo - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Frustração


Lucy

Quando cheguei a casa pousei as minhas coisas num canto e fui buscar a minha lacrima de comunicação, fiz a chamada para a minha mãe e esperei que ela atendesse. Não demorou muito tempo para eu ver uma mulher loira e olhos castanhos a olhar para mim.

-LUCY - ela gritou feliz - FINALMENTE! Você andava me evitando ou alguma coisa parecida? - ela perguntou brava

-Claro que não - eu respondi - é só porque há tantas missões, tanta coisa para fazer então quando volto de uma missão pego logo noutra

-Não pode ser Lucy - ela disse com um tom reprovador - você também tem que descansar e se divertir, a vida não é só trabalho - eu acenei que sim - não me acene assim que eu sei bem o que está pensando “fale para aí, mas assim que desligar vou trabalhar” - ela me conhece bem demais - Lucy - ela me chamou com uma voz séria - eu estou a falar a sério, por favor não se enterre em trabalho, você tem amigos, é jovem e linda, devia sair, namorar um pouco, se divertir, por favor viva um pouco, promete?

-Eu sou feliz a trabalhar mãe - eu respondi com um sorriso - eu gosto de toda a gente na guilda, mas eu não me lembro da amizade que tinha com eles e namorar… Nem penso nisso sequer

-Se não conviver com eles é que nunca mais vai ter amigos a sério - ela respondeu - e namorar, mais uma vez, se continuar a se afundar em trabalho também nunca vai ver os pretendentes que você tem!

-Na verdade - eu comecei a rir - fui pedida em casamento durante esta última missão - eu disse a rir

-O QUÊ? - ela gritou - O NATSU PEDIU VOCÊ EM CASAMENTO?!

-O NATSU? - eu gritei sem perceber - PORQUE HAVERIA O NATSU DE ME PEDIR EM CASAMENTO? E já agora como é que você sabe que o Natsu foi na missão comigo?

-A Erza me disse quando liguei para tentar falar com você - ela respondeu - e por isso é que falei nele, ou foi com mais algum garoto?

-Não - eu respondi - mas encontramos lá pessoas de outras guildas, e foi um tal de Hibiki que me pediu em casamento

-Tsc - ela fez um som com a língua eu comecei a rir

-Alguma coisa contra em eu me casar com um loiro lindo? - eu perguntei a provocá-la

-O QUÊ? - ela gritou - Pelo amor de Deus Lucy, você não me diga que aceitou! O Hibiki não é homem de uma mulher só! Pede todas em casamento, aquele garoto não é material para assentar está ouvindo?!

-Eu sei que não - eu comecei a rir - estou a brincar com você, claro que não aceitei casar com ele, eu percebi logo o tipo de homem que ele é - ela suspirou de alívio - mas não haveria mal em aproveitá-lo para namorar um pouco não é? Já que você está tão preocupada com a minha vida amorosa

-A vida é sua - a minha mãe respondeu seco - mas acho que devia namorar com alguém que lhe queira bem e que só a queira a você

-Eu sei - eu sorri para ela - eu não tenho interesse no Hibiki, não se preocupe - ela sorriu para mim - como andam as coisas por aí?

-Estressantes - ela respondeu chateada - tentar pôr pessoas a concordar na mesma coisa é esgotante, estou a ficar sem paciência para isto. Olhe uma coisa, não quer vir cá este fim de semana? Já disse que tenho saudades suas e preciso de ajuda para não matar pessoas? - ela ri

-Posso claro - eu disse - afinal alguém me disse que tenho que me divertir mais e trabalhar menos, estou a ponderar seguir o conselho

-Acho que essa pessoa é muito sensata

-Apesar de querer matar pessoas que não concordam com ela - eu digo a rir

-Toda a gente tem defeitos - ela respondeu a rir também - traga o Natsu também, o pai dele também está com saudades

-Vou ver se ele quer - eu respondi - nos vemos daqui a uns dias mãe, amo você

-Eu também amo você filha

Natsu

Quem vai entender essa maluca da Lucy?! Primeiro quer ir já noutra missão, eu me preocupo por ela querer sair mal chega de outra missão, mas depois é o Jellal que a convence a não ir logo. E pior que tudo, eu tenho a certeza que ela me chamou de burro.

-Está aí com essa cara porquê? - Erza perguntou-me. Eu, ela, Jellal, Gray e Juvia estávamos todos sentado na mesma mesa

-Por nada - eu respondi bufando

-Porque a Lucy o chamou de burro - Jellal disse calmamente

-Então chamou mesmo, não chamou? - eu perguntei

-Ainda tem que perguntar? - Jellal arqueou uma sobrancelha

-Merda - eu bufei

-Como estão as coisas entre vocês? - Juvia me perguntou

-Que coisas? - eu perguntei

-Sabe o que eu quero dizer - ela disse a corar - estiveram juntos novamente?

-Não - eu respondi - ela não me vê dessa forma, e eu sinceramente não sei como a vejo - eu disse pensativo - eu sou apaixonado pela Lucy, e vê-la chorar quando atacou o Hibiki me deixou fora de mim, mas eu estou apaixonado por outra Lucy, tudo isto é muito confuso

-Dê tempo ao tempo, as coisas vão acabar por ficarem mais claras - Juvia disse com um sorriso

-De que é que você está reclamando? - olhamos para o lado e vemos Lucy.

Ela estava linda! Tinha uma saia tão curta que qualquer movimento em falso daria para ver mais do que o recomendado, uma blusa que sobressai os seios fartos dela, o cabelo num rabo de cavalo com uma madeixa de cabelo a cair por cima do ombro e tinha uma maquilhagem muito leve. Porra, o que eu faria com ela se pudesse.

-De como você está sempre a querer sair para trabalhar - eu respondi engolindo em seco e evitando olhar para ela, porque se eu continuasse a olhar iria atacá-la.

-Eu não entendo o problema que vocês têm todos em trabalhar - ela disse pondo as mãos na anca, e que porra de anca que ela tinha - é você, o Jellal, a minha mãe… São todos uns preguiçosos

-Você é que não conhece meio termo - Jellal disse a rir - com você é sempre tudo à frente. Tem que apreciar a vida, sabe que eventualmente ela acaba certo?

-E é por isso que devíamos aproveitar todos os momentos para ajudar os outros - ela disse firme - mas pronto, eu prometi à minha mãe que ia começar a me divertir mais, passar mais tempo com vocês e talvez arrumar um namorado

COMO É QUE É? Olhamos todos para ela. Se havia algo para me fazer parar de admirar o quão linda ela estava, foram aquelas palavras. Arrumar um namorado? Merda

-Até logo - eu disse a levantar-me para ir embora, precisava de partir coisas, matar alguém, fazer alguma coisa, mas aqui eu não posso ficar

-Já? - ela perguntou mas eu não olhei para ela, não podia olhar para ela - Olhe eu vou até Crocus, a minha mãe quer que vá lá passar uns dias com ela. Ela disse para você ir também, o seu pai também tem saudades, quer vir? Eu vou amanhã de manhã

-Não - eu respondi seco - e já que vai faça-me um favor, diga ao meu pai para ir à merda - eu disse e saí da guilda. 

Estou irritado, estou muito irritado. A mãe da Lucy a fazer força para ela arrumar um namorado, o meu pai que foi o culpado de a minha Lucy se ter sacrificado, que vá tudo para o inferno, eu devia ter morrido na luta contra o Acnologia, se soubesse como a minha vida se ia tornar tinha deixado que ele me matasse.

Perdi tanto nesta guerra de merda, perdi a Lucy, o amor da minha vida. Perdi o meu pai, porque eu não o perdoo por ter posto a ideia na cabeça dela. Perdi os meus primos que agora estão sempre a ter aventuras sem mim, Gajeel só quer saber da Levy e a Wendy do Romeo. Perdi a minha casa, com o governo único o reinado dos dragões acabou assim como os outros, então não tinha casa para voltar porque cada um foi para seu lado. Perdi a minha forma de dragão para poder sair e voar por aí quando estou assim irritado. Estou cansado, estou irritado, estou frustrado.

-Natsu - eu ouço uma voz a chamar-me, era a Erza - O que posso fazer para ajudar você? - ela perguntou

-Lute comigo - eu respondi estranhamente calmo - preciso libertar alguma frustração

Por instinto desviei-me, olho em frente e vejo uma espada mesmo em frente ao meu rosto, olho para o lado e vejo a Erza com a sua armadura de imperatriz do fogo. Dei um sorriso e criei uma chama no meu punho e soquei a espada e dei um salto para trás. Olhei para a Erza que me estudava, ela estava em posição de ataque. Eu libertei as minhas chamas e o meu corpo ficou coberto por elas, saltei para cima da ex-Rainha e tentei socá-la mas ela desviou-se. 

A Erza saltou e pôs os pés em cima dos meus ombros e fez um movimento para a espada cair e tocar nas minhas costas, eu segurei os tornozelos dela e atirei-a para longe, no entanto ela caiu com graciosidade. Eu atirei-me contra ela e ela defendeu cada soco com a sua espada, ela encontrou uma abertura e deu-me um soco no rosto fazendo-me dizer mais alguns palavrões.

-Você está destreinado - ela disse calmamente - a sua raiva e frustração estão a cegá-lo, esqueça tudo isso, viva a sua vida como sempre viveu

-A minha vida acabou - eu gritei frustrado partindo para cima dela e continuar a tentar dar-lhe socos e chutes, ela defendeu alguns e recebeu outros, no entanto ela sabia os que queria receber, eram aqueles que criavam aberturas para ela me atacar e me causar o maior dano possível. Alguns cortes foram abertos na minha pele mas eu não queria saber, sentia-me vivo pela primeira vez em seis meses. - tudo o que eu tinha se foi. TUDO!

-Nós continuamos aqui - ela disse, aquela mulher não estava nem um pouco ofegante, era como se o que eu lhe tinha acertado não tivesse feito dano nenhum - nós estamos aqui com você Natsu

-Eu quero a minha vida de volta - eu respondi irritado, criei fogo no meu punho e corri para ela - quero a minha casa, a minha família, o meu poder de volta! Não quero esta vida!

-Não quer é a dor - ela respondeu a defender-se e dando-me um pontapé no meu flanco - ultrapasse isso de uma vez! Foi por isto que lutamos!

-EU LUTEI PARA TER UMA FAMÍLIA! NÃO FOI PARA ISTO! MERDA

-Pode não ser a família que você tinha imaginado, mas continuamos a ser a sua família - ela respondeu com um sorriso - não desista da vida que você conquistou Natsu, a mudança nunca é fácil, mas nós estamos aqui ao seu lado - senti lágrimas a caírem pelo meu rosto. Levanto o meu punho com fogo para atacá-la

-O que é que estão a fazer? PAREM! - olho para o lado e vejo-a, Lucy - PAREM IMEDIATAMENTE - ela põe-se entre mim e a Erza - O QUE PENSAM QUE ESTÃO A FAZER?

-A lutar um pouco - a Erza responde calmamente - já não temos uma boa batalha à algum tempo - ela volta a reequipar-se com a sua armadura básica

-O QUÊ? - Lucy gritou confusa - Estão a lutar um como o outro só porque sim?

-Sim - eu respondi a limpar rapidamente as lágrimas - precisamos de nos manter fortes e ultimamente não tem havido nenhum desafio nas lutas

-Vocês são doentes - a Lucy disse cruzando os braços - olhe para você, cheio de cortes - ela disse a olhar para o meu braço - deviam ter mais cuidado 

-É, acho que nos empolgamos um bocado - Erza disse com um sorriso - eu vou indo, mande um beijo à sua mãe Lucy

-Vocês não são normais - Lucy disse a olhar-me brava - vai me dizer o que se passa com você? Acha que aquilo é mensagem para eu mandar ao seu pai? - ela cruzou os braços por baixo do peito fazendo-os ficar ainda mais volumosos, ela quer me matar - Está ouvindo?

-Estou - eu engoli em seco - Eu só não falo com o meu pai, está bem?

-Não, não está - ela respondeu - ele é o seu pai, resolva as diferenças que tem com ele. Eu daria tudo para conhecer o meu - ela disse triste - dói não me lembrar dele, mas pelo menos a minha mãe disse que eu me dava bem com ele, então tenho a consciência tranquila, você tem que fazer o mesmo! Resolva as coisas com o seu pai Natsu, venha comigo a Crocus.

Eu olhei para ela, aqueles olhos, aqueles olhos sempre tiveram um enorme poder. Lembro-me de Jude e do sacrifício dele para eu viver. Se ela algum dia soubesse que foi por minha causa que ele morreu ela me odiaria. Lembro-me das últimas palavras dele “Eu lhe confio a minha filha, faça com que sorrir seja o estado natural dela”.

-Você ficaria feliz se eu fosse? - eu perguntei a olhar para aqueles olhos

-Isto não tem nada a ver comigo - ela respondeu - é você que tem que saber se ficaria feliz em fazer as pazes com o seu pai

-Você ficaria feliz se eu fosse? - eu voltei a perguntar, queria uma resposta para aquela pergunta, queria saber se eu ainda a conseguia deixar feliz de alguma forma

-Natsu… - ela começa a dizer

-Você ficaria feliz se eu fosse?

-Sim - ela respondeu a corar - mas eu não…

-Eu vou - eu respondi por cima dela - amanhã de manhã vou buscar você para irmos - virei costas e fui para casa. Ela ficava feliz se eu fosse com ela. Vou sempre fazer com que sorrir seja o estado natural dela, Jude.


Notas Finais


Próximo cap: Ida a Crocus

Então gente boa, não se se lembram que eu falei no fim da 1º temporada que tinha tido uma ideia para uma fic nova... Comecei este Domingo a publicá-la :) Por isso quem estiver interessado em ler está aí: https://www.spiritfanfiction.com/historia/a-ultima-maga-celestial-18519920

Até sexta gente!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...