História Lux - Capítulo 8


Escrita por: e jjkx_


Notas do Autor


Obrigado a todos que favoritaram e a todos que comentaram, vocês são todos incríveis <3

Capítulo 8 - Seja Mais Acolhedor


Fanfic / Fanfiction Lux - Capítulo 8 - Seja Mais Acolhedor

Jimin estava exausto. 

Seu final de semana havia se resumido em ir de um lado para o outro, trabalhando como louco. Mal tinha comido ou descansado e muito menos contactou o Jeon. Mal tinha parado em casa também. 

Chegou no colégio por fim, agarrando levemente a alça de sua mochila, estava claramente cansado, tal fato estampado em seu rosto. Foi até seu armário, pegando alguns livros que tinha deixado em tal, guardando estes em sua mochila, até ouvir seu celular vibrar, desviando sua atenção. 

Ergueu a sobrancelha e pegou o aparelho, vendo uma mensagem do Jeon. 

[Jeongguk: Resolveu dar as caras então, uh? Você tá mais acabado que o normal, Park.]

Revirou os olhos diante aquilo, fechando seu armário e se encostando ali, procurando com os olhos o mais velho. 

[Jeongguk: Para de me procurar. Quero conversar com você, sério. Me encontre no terraço do colégio, exatamente agora.]

O menor mordeu os lábios. O que menos queria era ter uma discussão com Jeon, estava cansado demais. 

Ajeitou a mochila em suas costas e caminhou até a escada, que levava para o terraço. Olhou em volta vendo se alguém estava prestando atenção em si e logo subiu. 

Não era um lugar que os alunos podiam frequentar, por essa razão, tinha que ser cuidadoso. Subiu as escadas e abriu a porta, sentindo a brisa gelada atingir seu corpo frágil e miúdo, se sentindo arrepiar por inteiro. Respirou fundo e “entrou”, fechando a porta com cuidado. 

— Jeongguk? — abraçou o próprio corpo, olhando em volta, procurando o maior. 

— Ora, ora. — se arrepiou ainda mais ao que ouviu a voz grossa e os passos se aproximando de si. — Resolveu dar as caras, Park Jimin? 

Se virou para o Jeon, vendo este de braços cruzados, com uma expressão séria. 

— Jeon… 

— Nem tente. Deveria ter me mandado pelo menos uma mensagem, Jimin. — passou a mão por seus fios, irritado. — Meus pais vão voltar semana que vem e mal fizemos alguma coisa. Como quer que eu te pague se der tudo errado? 

Park suspirou, coçando sua nuca. Admitia que tinha pisado na bola com o mais velho, mas foi algo inevitável. 

— Me desculpa, Jeongguk. Eu não teria feito isso se não fosse necessário… eu só, preciso muito do dinheiro, tudo bem? Eu estou treinando o que me ensina, estou aplicando no meu dia-a-dia. — disse sincero o encarando. — Só que as coisas estão complicadas… 

O acastanhado revirou os olhos encarando o menor. Bom, ele parecia sincero e sua postura havia melhorado também; o encarou de cima abaixo e ergueu uma sobrancelha, curioso. 

— Me diz, o que ‘tá acontecendo? — perguntou, se aproximando. 

Jimin por sua vez recuou um pouco, se lembrando do dia em que quase se beijaram, aquilo fôra inevitável de não se lembrar, devido aquela aproximação. 

Passou a língua entre os lábios, pensando se deveria ou não contar. Seu orgulho falava mais alto, mas sua preocupação em relação sua tia também… deveria a ajudar, deveria pedir ajuda, não deveria? Suspirou, se encolhendo. 

— Eu estou prestes a perder minha casa… muitas dívidas no banco. Então… eles querem tomar a casa para quitar parte dessas dívidas. — disse, encarando os olhos do mais velho. — E, bem, eu preciso trabalhar para tentar não perder a casa.

Após dito isso, Jeon arqueou as sobrancelhas, ainda um pouco confuso. 

— E seus pais? Eles não trabalham? — cruzou os braços mais uma vez. 

— Eu vivo com a minha tia. — murmurou, não querendo se aprofundar naquele assunto com Jeon, este que ficava cada vez mais intrigado. 

O que será que teria acontecido com os pais de Jimin? Ele mal tocou no assunto.

O acastanhado já imaginava diversas coisas e nada delas era algo bom. 

— Tudo bem, então, sua tia, não trabalha? 

— Não. 

Jeon riu diante a resposta, negando com a cabeça, enquanto um Jimin curioso o encarava. 

— Uau, grande vagabunda ela. — zombou, em um tom de total escárnio. 

No mesmo momento flash's passaram pela cabeça do menor, todos os momentos em que sua tia batalhou e se empenhou em lhe dar o máximo de conforto, como ela lutava todos os dias para se manter viva, além de tudo o que ela já tinha sofrido. 

Aquela mulher não era uma vagabunda, definitivamente

Seus olhos se encheram de lágrimas e seus punhos se cerraram. Não permitiria que Jeongguk dissesse tal coisa desse modo, ele não a conhecia e não tinha esse direito. Então, entregue a sua raiva, Park avançou e deu um tapa certeiro no rosto do mais velho. 

Estava pouco se fodendo naquele momento. 

Jeongguk arregalou os olhos, colocando a mão sobre a região na qual havia sido agredido; olhou totalmente surpreso para o outro, analisando sua expressão chorosa e raivosa. 

— Você… não se atreva a falar assim da minha tia novamente. — os olhos brilhantes e faiscantes em pura raiva se destacavam mais que suas palavras para o Jeon. — Você pode me humilhar, me bater, dizer que seria melhor que eu estivesse morto… pode fazer ou dizer qualquer coisa, mas… sobre a minha tia você não se atreva a falar. Não dela. — apontou o dedo indicador em direção ao maior, tendo algumas lágrimas molhando seu rosto. 

O acastanhado entrou em choque ao presenciar aquela ira de Jimin, ele de fato se arrependeu de ter falado aquilo, até porque… foi a primeira vez que se identificou com o mais novo. 

— Ela é a mulher mais incrível e batalhadora desse mundo todo, lave bem a sua boca. — limpou as próprias lágrimas, porém estas não cessavam.

Ficava assim ao se lembrar de tudo pelo que já passaram, pelo que teriam de passar pela doença e… se lembrar que poderia ficar sem ela, o deixava assim, totalmente frágil e vulnerável

As estruturas de Jeongguk caíram naquele momento. Se identificava tanto com Jimin. Se falassem assim de seu irmão ficaria do mesmo modo ou até pior. Por essa razão, ao ver o estado frágil, se aproximou e o puxou para um abraço, o acolhendo em seus braços. 

— Me desculpa, Jimin. Desculpa mesmo, eu não deveria ter dito aquilo… você tem razão, eu não tenho nenhum direito. — suspirou. 

O de madeixas negras ficou surpreso diante aquele carinho todo – se é que pode se chamar assim. De todas as coisas que poderiam acontecer, essa era a última que poderia imaginar. 

Apenas ficou encolhido nos braços alheios, aproveitando para se desmanchar ali mesmo e derramar as lágrimas que precisava. Receber um abraço, mesmo que fosse o de Jeongguk, era reconfortante e o fazia ter esperanças de que tudo iria dar certo no final. 

Jeon mal se importou de o tocar, mal pensou nisso. Seu olfato logo capturou o cheiro a morangos impregnado nos fios do garoto mais baixo, era um cheiro bom, viciante. E por um momento se perguntou se a pele macia de Jimin teria o mesmo cheiro ou se seus lábios teriam um gosto a morango. 

Ficou tão inerte que seus pensamentos preconceituosos ou defensivos nem se propagaram por sua mente, tal só pensava em um nome: Jimin. O coração palpitou pela proximidade e suas mãos suaram, gestos que fizeram o rapaz se questionar sobre o que era aquilo e porque sentia tais coisas. 

— Jeongguk… — a voz doce, até melódica do menor, fez com que o citado se afastasse um pouco para o olhar. 

Não tinha prestado atenção em como seu nome saía tão bem e suave dos lábios alheios, isso fez com que um mínimo sorriso brotasse em seu rosto. 

Que porra estava acontecendo consigo? 

Era a vigésima vez que pensava daquele jeito, que se sentia daquele jeito. Então, de repente, se separou rapidamente – assim como das outras vezes. 

Jimin corou envergonhado, terminando de limpar as lágrimas em seu rosto, desviando o olhar para o chão imediatamente. 

O silêncio reinou. 

Até Jeon o quebrar, após um tempo. 

— Eu vou te dar o dinheiro que precisa. — ditou calmamente, colocando as mãos no bolso da calça. 

O garoto arregalou os olhos e voltou a o encarar, surpreso. 

— Jeongguk, você não… 

— Não, Jimin, eu vou te dar, mesmo. — o olhou sério. — Mas em troca vai ter que deixar seu emprego. — propôs. 

Como? Por quê? 

— Precisa se dedicar ao nosso trato, vai ganhar uma boa quantia, não vai? Além do que eu vou te dar agora. — deu de ombros, olhando para o céu, prestando atenção em como ele estava limpo e bonito nesse dia. 

— Mas… 

É pegar ou largar. 

Park pensou e pensou… seriam apenas três meses, certo? Teria a dívida paga por Jeon e então logo mais teria o dinheiro do trato. Não era tão ruim, definitivamente. Resolveria metade de seus problemas. 

— Tudo bem, eu aceito. — prestou atenção em cada detalhe alheio, se aproximando um pouco mais. — Obrigado… muito obrigado, você não faz ideia do quanto isso me ajuda. — sorriu sincero, tendo logo o olhar penetrante de Jeongguk em si. — Vou pedir as contas ainda hoje. 

— Ótimo, ‘pra mim já basta. — proferiu, passando a mão por seus fios. — Vou te dar um cheque quando for lá em casa hoje. — o menor confirmou. 

O sinal pôde ser ouvido, então Jimin suspirou sabendo que tinha as aulas pela frente ainda. 

— Melhor a gente ir, vai você primeiro, logo eu saio. — o mais velho empoderou. 

O garoto apenas deu de ombros e concordou caminhando até a porta de saída, no entanto, uma grande tontura o pegou, fazendo com que tivesse de se apoiar na parede. 

— Jimin, ‘tá tudo bem? — o maior perguntou, caminhando em direção ao mais novo. 

— Sim, está. — respondeu, tentando parecer firme, apenas tentando. 

Porém seu corpo vacilou, a fraqueza se apossou totalmente de si e as pernas bambearam. Jeongguk não pensou duas vezes em ir até ele e agarrar seu corpo. 

— Não, não está. — bufou, o pegando no colo e o olhando. — Você está pálido, Jimin. — arregalou os olhos. — Muito pálido e está frio também. — disse após colocar a mão sobre sua testa. 

— Não deve ser nada… 

— Como não? Você está fraco, Park. Fraco e magro. Não come nada faz quanto tempo? — perguntou seriamente. 

— Não faz tanto tempo assim… 

— Park. — o repreendeu. 

O menor revirou os olhos. 

— Dois dias. E... não é que eu não comi… eu comi sim, mas não tão bem. — suspirou pesado. 

Droga, Jimin. Por quê? Por que não está comendo? — caminhou até a porta, a abrindo. 

Jimin tentou se apoiar no mais velho, mas nem conseguiu por sua fraqueza; apenas fechou os olhos, respirando fundo. 

— Você não entenderia… — murmurou, enquanto Jeon descia as escadas. 

Entretanto, parou no meio delas, ouvindo as vozes de alguns alunos. Naquele momento se viu totalmente dividido. 


Arriscar sua reputação ao ser visto com Jimin ou o ajudar


Notas Finais


Hm, o que será que Jeongguk vai fazer? Aliás, ele é todo um babaca, né? Mas venham cá, me digam, o que acharam do pedido de desculpas e do momentinho? Valeu a pena passar raiva por causa desse miserável? Além de que, ele parece todo preocupadinho... hm, vamos ver, vamos ver.

Espero que tenham gostado, espero ansiosa pelos comentários, pelas teorias do que esse mocinho irá fazer... amo ler comentários, principalmente os de vocês hehe.
De qualquer jeito, é isto, não se esqueçam que Lux também está o wattpad se preferirem, no meu perfil @louvs_gguk, vão lá! Até o próximo, beijinhos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...