História Luxúria - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Capitão América, Homem de Ferro (Iron Man), Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Anthony "Tony" Stark, Clint Barton, Dr. Bruce Banner (Hulk), Maria Hill, Natasha Romanoff, Nick Fury, Pepper Potts, Sam Wilson (Falcão), Sharon Carter (Agente 13), Steve Rogers, Thor
Tags Casamento, Intrigas, Las Vegas, Natasha Romanoff, Romanogers, Stasha, Steve Rogers, Stevenat
Visualizações 140
Palavras 4.473
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


COEEEEEEEEE SEUS GOXSTOSO
VOLTEI RAPIDÃO PORQUE EU NÃO PUDE AGUENTAR A IDEIA DE DEIXAR VOCÊS COM APENAS UM PROLÓGO STARON - blewrgh -
eu não vou enrolar muito(porque todo mundo sabe que se eu começar a falar livre solta essa nota nunca vai acabar) e também eu to atrasada 2 horas pra um role já tão me mandando mensagem querendo arrancar o meu cool

Whatever, informações d+ como sempre -alguém controla a porra da minha lingua pfvr-


Tenham uma boa leitura e aproveitem o capitulo ( ͡° ͜ʖ ͡°)
*As frases em itálico tem objetivo de passar o pensamento dos personagens e dar ênfase.
Nos vemos lá embaixo =]

Capítulo 2 - Capítulo 1



Steve acordou como qualquer outro dia, mas ele tinha uma sensação muito estranha sobre hoje. Ele correu como de costume antes de voltar para tomar um banho e preparar o café da manhã para eles. Ontem à noite Sharon chegou em casa quase meia-noite e estava extremamente exausta, então Steve provavelmente a surpreenderia com o café da manhã na cama.
Tudo correu bem quando ouviu Sharon chamá-lo de seu quarto. Ele levou a bandeja de café da manhã para cima e a cumprimentou com um sorriso brilhante.
— Bom dia, querida.—  Ele disse e sentou a bandeja na frente dela.
— Hey. — Ela disse e se sentou antes de puxá-lo para um beijo rápido.
— Você dormiu bem.  — Ele observou desconfiado.


— Foi muito cansativo ontem. O bufê é uma verdadeira dor no saco, mas eu posso lidar com isso. — Sharon disse a ele — De qualquer forma, Emily fará seu mensageiro deixar algo para nós hoje. Você pode ficar em casa e esperar que seja entregue?
— Claro.


Sharon teve que ir trabalhar hoje. Até o pai lhe dissera que ela não precisava trabalhar até voltar da lua de mel, mas Sharon não podia ficar parada por mais de um dia. 
''Bolsas não se compram sozinhas, querido.''

Então, Steve estava sozinho em sua casa e isso marcava o primeiro dia desde cinco meses atrás que não havia nada relacionado ao casamento para incomodá-lo, então Steve se trancou em seu estúdio e começou sua arte.
O mensageiro chegou à sua porta por volta das 11 da manhã. Quando Steve saiu para pegar o pacote, alguém apareceu atrás dele, colocou um saco na cabeça e o arrastou para dentro do carro, em seguida, pressionou algo contra suas costas.


— Não se mexa. —  O cara sibilou em seu ouvido.—  Ou eu vou atirar em você.
— Tony? — Steve reconheceu a voz.
— Mas que desgraça, será que não dava pelo menos pra fingir? Para de estragar a diversão. — Tony choramingou.


Alguém tirou a bolsa da cabeça de Steve e revelou que eles estavam dentro da limusine de Tony. Thor, Clint e Bruce estavam sentados em frente de Tony e Steve.


— Que diabos vocês estavam pensando? — O loiro exclamou irritado e confuso.
— Aperte os cintos, Rogers! Nós estamos indo para Vegas!!


Steve arregalou os olhos.  
 
— De jeito nenhum! Eu prefiro a morte do que a lidar com vocês bêbados em Las Vegas! 
 
— Tudo bem eu encomedo o seu caixão, podemos celebrar a sua morte no dia do casamento, assim não tem casamento. — Tony sorriu.
— Eu te odeio.
 
                                                                         ***
 
Las Vegas, dia 1
 

Steve estava choramingando até o aeroporto, mas não pôde fazer nada porque Thor e Clint o empurraram para dentro do jato de Tony e o amarraram na cadeira.


— Eu não trouxe nenhuma roupa. — Steve tentou argumentar.
— Não se preocupe, cara. — Tony respondeu — Sharon já arrumou tudo para você e te deu permissão para fazer o que quiser, uma última vez antes de colocar as algemas do casamento.


— Uma coisa que eu não vou fazer é dançar ou fazer sexo com uma pessoa aleatória que eu não conheço. — Steve deu de ombros — Eu não quero me sentir culpado, por trair Sharon. 


 — Então a culpa é a única coisa que te impede? — Clint riu malicioso. — Parece que o nosso garoto já pensou em trair a Barbie Los Angeles. — O sorriso de Barton aumentou ainda mais ao assistir Steve corar e gagueijar. Mas antes que ele pudesse encontrar palavras foi interrompido por Stark.


— Eu sabia que você diria isso, mas dado que temos três semanas longe das garotas com a permissão para fazer o que quisermos, eu sugiro que você deixe esse medo e foda um hotel inteiro.


— Você é um filho da puta.  — Steve suspirou —  Eu odeio todos vocês.


— Amigo Steven, não seja um estragador de momentos.  Até Lady Jane me permitiu fazer o que quisesse.


Steve franziu a testa enquanto o outro riu da declaração de Thor. Eles chegaram ao aeroporto de Las Vegas 30 minutos depois. Todos pareciam bem em seus ternos, mas Steve vestia apenas sua calça de moletom.
Tony disse que eles iriam checar o hotel primeiro, pelo menos para tirar Steve de seu constrangimento, já que desde que desceram do carro todos na rua mantinham sua atenção no loiro sem camisa.
O mordomo pessoal os levou para a cobertura que Tony reservou para eles. Havia cinco quartos, uma piscina infinitamente grande, uma cozinha, jacuzzi e uma varanda de 360 graus com uma vista magnífica de Las Vegas.
Tony empurrou Steve para dentro do quarto principal para se transformar em algo mais apresentável. Assim que Steve saiu do quarto, Tony levou o grupo ao cassino no andar de baixo.


— Bem, estamos apenas nos aquecendo. Hoje é quando a verdadeira diversão começa. — O bilionário disse a eles.
— Eu estou disposto á tudo stark, e você sabe disso. — Clint era o único solteiro do grupo então ele estava muito animado com isso. — livre igual um passáro sem me preocupar em perder o patrocínio dos pais da minha namorada.


Todos riram enquanto Steve mantinha sua carranca. 


— Por que eu sou o único que acha que isso vai acabar mal?  — Steve suspirou.


— Não estrague o momento, cara. Ficamos livres por três semanas para fazer o que quisermos, sem que ninguém nos diga o que fazer. Nessa cidade nem nossas mães tem controle sobre a gente.


— Se considerarmos que ninguém aqui tem uma mãe viva... — Clint começou mas foi interrompido por uma cotovelada de Bruce. — Autch! Qual é cara, eu só tava falando.


Apesar da insensibilidade de Clint, Tony sabia que suas palavras finalmente entraram na cabeça de Steve. 
Depois de quase cinco meses sob controle de alguém, Steve finalmente se sentiu livre pela primeira vez.

— Tudo bem, vamos fazer isso.
Os caras aplaudiram e entraram no cassino.
 
                                                                 ***
 
Todos puderam ver Steve relaxando e voltando ao seu estado normal pela primeira vez em muitos meses. Também é a primeira vez que Steve realmente deixa passar. Ele nunca foi um para um jogo, mas ele foi tudo nesse tempo e não se importou se ele perdeu seu dinheiro ou não. 
Eles passaram a tarde inteira no cassino antes de jantarem. Depois disso, voltaram para a cobertura para serem extremamente martelados. Steve recuperou o controle e tentou não ficar bêbado como seus melhores amigos.


Tony Stark também tinha um plano para esta noite para Steve, para que ele pudesse ver que se casar com Sharon era uma ideia estúpida. 
Tony estava bem com Steve namorando Sharon, mas não se casando com Sharon. O casamento era uma ideia estúpida na sua concepção. Ainda mais com uma mulher que só fingia escutá-lo. 
Ele adorava Steve e ele já via como ele estava miserável. 
O bilionário também viu onde esse casamento seria no futuro - direto ao inferno. 
Steve sendo Steve tentaria consertá-lo e tentar resistir, mas acabaria com um divórcio. 
Então Tony faria qualquer coisa para fazer Steve perceber que ele poderia encontrar alguém que estivesse realmente interessado nas mesmas coisas que ele.  Ele sabia que Pepper aprovaria seu papel de cúpido, ela sabia que Steve e Sharon eram um casal asquerosamente desproporcional. Obviamente devido a amizade com a loira, sua pimentinha nunca falaria isso em voz alta.
Os garotos estavam se divertindo muito até a campainha tocar. 

— Ei, picolé, você abre a porta? — Tony perguntou a Steve. 
— Sim.


Tony não pôde deixar de sorrir quando viu Steve caminhar em direção à porta. 
Steve abriu-a e, a julgar pelo completo silêncio da porta, o plano de Tony estava de alguma forma funcionando se pudera deixar Steve sem palavras.

Você é Steve Rogers? —  Uma voz sexy soou da porta. 


Clint levantou-se do seu lugar. Thor quase quebrou o pescoço enquanto girava para dar uma olhada no dono da voz, mas a grande estrutura de Steve bloqueou a vista. Bruce franziu a testa, mas o sorriso de Tony se alargou. O bilionário jurou que ouviu Steve engolir em seco antes de responder um  “Sim, eu sou.” 

— Ouvi dizer que você é um pintor.
— Sim, senhora. —  Steve engoliu em seco novamente quando ela passou por ele e entrou na cobertura.  Suas mãos arrastaram em seu peito e ela bateu o cílio para ele. Steve a seguiu para trás.


Foi a primeira vez que os caras a viram, mas talvez não Tony, porque o bilionário parecia estar extremamente orgulhoso de si mesmo quando viu as reações de todos a ela.
A bela, sexy e misteriosa mulher com cabelo vermelho flamejante entrou na sala de estar. Seu pequeno corpo estava coberto com uma túnica de seda que Steve poderia dizer que não havia nada embaixo dela. Seus quadris balançavam enquanto ela andava da maneira mais sedutora, era como se eles dançassem no ritmo de uma música que implorava pra que Steve dançasse.
Ela virou-se bruscamente para Steve e isso o fez esbarrar nela. Steve a pegou agarrando sua cintura, apenas para encontrar a curva perfeita de seu corpo sob o toque dele. Eles estavam de pé perto demais e o jeito que ela olhou para cima para encontrar os olhos dele fez Steve prender a respiração.
Sua mão percorreu seu peito, segurando seu olhar em suas órbitas azuis. 


— Então você é o solteiro? —  Ela perguntou e Steve não deu nenhuma resposta. — Pronto para a noite da sua vida comigo?
— Não...— Ele pareceu acordar se afastando.


Antes que Steve pudesse dizer qualquer coisa, Thor e Clint vieram até ele e trancaram os braços antes de forçá-lo a entrar em seu quarto. 
Tony levou Natasha para dentro primeiro e os meninos trancaram Steve junto a ela.


— Isso não é nada engraçado, Tony!
— Como ela disse, sorvetão! Você terá a melhor noite da sua vida. — Tony riu maliciosamente.


Talvez ele fosse um cúpido mesmo. Um maligno cúpido, porém um cúpido.
 
 
Steve tentou sair do quarto, mas seus amigos o bloquearam de fora. O homem suspirou e se virou, apenas para perceber que ele tinha companhia e havia esquecido completamente e agora ela estava ali, coberta de tinta corporal com seu roupão estava no chão.
O queixo de Steve caiu, pois ele não conseguia encontrar as palavras para dizer qualquer coisa, admirado pela mulher à sua frente. Ele viu um monte de mulheres nuas ao longo de sua linha de trabalho como artista, mas ele poderia dizer que ela era a única que estava perto da palavra perfeição.
Ela era perfeita, exceto por uma coisa.


— Essa pintura é horrível. Dói toda a fibra da minha arte. — Ele disse, balançando a cabeça e se afastando —  espero que você não tenha pago muito a quem pintou você.


— Mesmo? Não sou cega e vi você me encarando por uns bons cinco minutos. — a ruiva sorriu zombeteira. Um sorriso que o deixou sem folêgo.  Steve estava seriamente pensando em se tacar da janela.
Aquela mulher era o diabo. Pronta para faze-lo pecar e o arrastar paras as profundezas do inferno.


— Eu pensei em deixar você limpar essa bagunça do seu corpo ou deveria consertar essa ''arte''. — O loiro tentou se defender olhando para os próprios pés, mas parece que não andiantaria. 


A ruiva era muito mais baixa que ele, então mesmo olhando para seus sapatos ele ainda tinha uma visão ampla de satanás o tentando.


— Qualquer coisa para você menino amante, sou sua essa noite. —  ela arqueou a sobrancelha de um jeito muito desafiador quando ele se aproximou. 
— Qual o seu nome?
— Natasha Romanoff, mas meu nome artístico é a Viúva Negra.


 E o sorriso zombeteiro ainda desliza pelos lábios de Lúcifer. pensou, Steve.


— Esse é um nome alarmante, você sabe. Sexo e depois matar.
— Garanto que não é a toa. — Ela respondeu claramente flertando, olhando para cima para encontrar seus olhos enquanto Steve fechava a lacuna entre eles.


Steve riu.


— Bem, eu deveria ficar longe de você, mas a tinta em seu corpo é tão terrível que eu preciso consertar isso. 


Steve se virou novamente e os olhos de Natasha o seguiram até o pequeno estúdio de arte na esquina de sua suíte master. Ele fez sinal para ela se aproximar.


— Por que você está aqui exatamente? — Steve perguntou enquanto preparava o equipamento.
— Eu sou uma stripper. Seu amigo me contratou para sua despedida de solteiro.
— E o que há com a pintura corporal?
— Tony Stark especificamente me perguntou com todo esse trabalho. Ele disse que você não é como qualquer outro homem e só as artes podem te excitar.  — o sorriso continua na face de Natasha.


Steve bufou.


 — Isso é um absurdo.  — Ele voltou seu olhar para ela novamente e desta vez Natasha podia ver seus olhos queimando com paixão e desejo. 
Perigoso,  a mente da ruiva a alertou mas ela estava disposta a cair no oceano azul profundo dos olhos dele. 


— Deite-se de barriga para baixo. A tinta nas suas costas é a mais horrível de todas.
Natasha teve que admitir que sua confiança foi ferida um pouco, mas ela continuou, sabendo que ele mordia a isca. Então ela fez o que ele disse, sabendo que ele ainda a olhava. Ela lentamente e tentadoramente colocou na pose mais sexy, angulando seus quadris e torcendo a parte superior do corpo para que ela pudesse vê-lo. Steve sentou-se ao lado dela e começou a examinar a pintura em seu corpo. Sua mão gentilmente arrastou as costas dela e enviou eletricidade correndo por sua espinha.


— Você não parece ser tímido por mulheres nuas. —  Natasha disse, tentando controlar a voz dela para que não ficasse rachada.
— Eu vi muitas mulheres nuas, Natasha Romanoff.  — Ele respondeu. Os olhos azuis se encontraram com os verdes e Steve teve que segurar o pincel fortemente para que não escorregasse de suas mãos.  — Minha profissão exige que eu trabalhe muito com mulheres nuas.


Uma pincelada lentamente percorreu o meio das costas dela.


— Então o que você pensa de mim?
— Você é extremamente bonita.  — Ele admitiu honestamente e pegou-a desprevenida. Seu elogio fez suas bochechas corarem um pouco. — Você é diferente da maioria das mulheres que encontro todos os dias.
— Como?
— Em Los Angeles, a maioria das mulheres anda alta, loira e plástica. Ao contrário de você, você é uma verdadeira beleza natural. Você não precisa de mais nada.


— Uau! Você disse isso em um tom tão sincero e eu quase acredito no que você disse. — E a Natasha zombeteira estava de volta quando os olhos de Steve vagaram de volta para ela e Natasha sabia que ele estava falando a verdade.

— Porque é a verdade, Natasha. — Sua voz era tão baixa quanto um murmúrio. Ela sentiu sua respiração em seu ombro quando ele se inclinou para mais perto dela. — Seu cabelo tem três diferentes tons de vermelho que eu nunca vi antes. — Sua mão levemente enfiada através de seus cachos carmesim macios. —Seus olhos são tão brilhantes quanto estrelas cheias de esmeraldas.


Natasha se sentiu desconfortável por um segundo. Tony não havia avisado á ela sobre a lábia de Rogers.


— Steve, você poderia ter qualquer garota em sua cama só por causa de suas palavras doces.
— Já me disseram isso também. — Ele respondeu com um sorriso juvenil.—  é parte da minha encanto. — Ele brincou.


— Eu não me apaixono por suas palavras doces, senhor.  — Natasha sorriu  — Eu sou imune.


Steve riu e acreditou no que ela disse. Ela provavelmente estava imune, com essa linha de trabalho que você não conseguia se emocionar toda vez que encontrava um cliente. Mas era difícil negar isso, não quando ambos sentiam as faíscas correndo através de seus corpos toda vez que sua pele entrava em contato.
Quando ele terminou de costas, ele ordenou que ela se sentasse para que ele pudesse consertar sua frente. A respiração de Natasha ficou presa na garganta. Ela sentiu sua pele queimando e ela provavelmente iria explodir em breve se ele não parasse de tocá-la. 
Finalmente, Steve se afastou e Natasha não podia mais sentir a escova ou o dedo em sua pele. 


— Ok, eu já terminei. — Ele disse. Natasha podia ver que ele agora aprovava sua pintura corporal. — Isso é mais como arte.
 
                                                                       ***
 
— Você acha que eles já fizeram?—  Clint perguntou  quando ele se inclinou contra a porta para ouvir o que estava acontecendo dentro da suíte master.
— Provavelmente — Tony respondeu.—  Bem, ela é a stripper mais cara da cidade, então sim ... Steve não deveria ser tão burro assim para não transar com ela.


— Steve tem um código moral, Tony.—  Bruce lembrou-o. — As coisas podem não sair do jeito que você quer.
— Não desta vez, Brucy. — Tony sorriu.—  Não desta vez quando ele tem a mulher mais sexy de Las Vegas em seu quarto. Eu arrumei o quarto para ele, para que ele pudesse ter o cenário como " Desenhe-me como uma de suas garotas francesas ".


— Isso provavelmente funcionaria. — Thor concordou.
— Se eles não fizerem isso hoje à noite, eu não sei o que eu farei.


                                                                     ***


Eles tiveram pequenas conversas enquanto esperavam a tinta secar. Natasha não se importou com a proximidade. Steve sentou-se perto dela na almofada em que ela estava deitada. Sua missão para hoje ainda não foi feita. Tony Stark queria que ele esquecesse suas preocupações e essa era sua especialidade: fazer os homens esquecerem o que quer que estivessem pensando e se concentrar apenas nela.
Ela aprendeu muito com a pequena conversa que tiveram. Ela sabia que ele era difícil de quebrar, mas não tão difícil. Ninguém poderia dizer não a ela de qualquer maneira, nem mesmo a autojustificada como esta. Ele tinha seu código moral, mas estava em gelo fino agora e com um pequeno empurrão, ele jogaria tudo para fora da janela e ele não pensaria em nada além de ter o seu caminho com ela.
Bem, ela nunca tinha dormido com seus clientes antes, mas estava disposta a abrir uma exceção para este.


— Seu amigo realmente pensou nisso, você sabe.  — Ela falou enquanto observava oque havia escrito no tubo de tinta em sua mão. — Pintura corporal comestível.


— Hmm? — Steve se aproximou para dar uma olhada no tubo.— Ele é Tony Stark. Você sabe como ele é. Ele realmente fez tudo isso.
— Você quer tentar? — Steve sentiu sua mão escorregar.
— Não... — Sua voz era fraca e não mais alta que um murmúrio,  Natasha sorriu ao perceber. — Não está certo.


As mãos de Natasha subiram para segurar seu rosto. 


— Apenas um gostinho. Qual é o mal? —  Seus lábios estavam a poucos centímetros dele, ela podia sentir sua respiração quente, cheia do cheiro de vodka. Hmm ... interessante, um garoto americano que gostava do sabor da vodka. — Nós só vivemos uma vez, certo?
Ele grunhiu para ela:


— Senhorita, você pode ir agora. Pagarei o dobro do que meu amigo lhe pagou.
— Bem, você me tem para esta noite, Sr. futuro noivo.  — Ela respondeu e puxou-o para mais perto até que ele estava em cima dela. — Seu amigo me reservou para o resto da noite. Eu não tenho nada pra fazer.


— Você pode simplesmente ir para casa e dormir um pouco.  — Ele estava tentando resistir. Isso foi fofo, mas Natasha sabia que ele iria quebrar em breve. — Eu não quero que isso fique fora de controle.
— A maioria das pessoas realmente não diz isso para mim.  — Ela bicou os lábios nos dele. Apenas uma provocaçãozinha para fazê-lo querer mais e ela podia ouvir sua respiração engatar em sua garganta.


— Eu não sou a maioria das pessoas.
— Não é errado, você sabe, se ela lhe der permissão e se for sua despedida de solteiro. — Ela empurrou seus quadris para cima e ela podia sentir o quão duro ele estava. Steve gemeu com o súbito atrito que era demais para suportar.  — Vamos lá,  garoto amante. Não me deixe perder a noite.


Steve gemeu em voz alta, em total frustração sexual antes de trazer seus lábios para baixo em um beijo surpreendentemente quente que deixou Natasha arqueando as costas e gemendo baixinho em sua boca. Suas mãos enfiaram em seus cabelos loiros. Sua língua escorregou e se encontrou com a sua, dançando uma com a outra até deixá-los sem fôlego.
Steve se afastou e deixou Natasha choramingando desesperadamente. Ela admitiu agora que precisava dele para tocá-la, beijá-la, fazer qualquer coisa com ela. Steve se ajoelhou entre as pernas dela enquanto seus olhos vagavam por seu corpo em apreciação, tomando toda a sua beleza até mesmo aonde ela estava coberta de tinta comestível.
Suas mãos ásperas pousaram em ambos os lados de suas coxas antes de lentamente descer e despertar sensações dentro dela. Ele manteve seu olhar ardente sobre ela o tempo todo e Natasha olhou para ele com o mesmo fogo.


— Eu quero que você me prove. — Ela ofegou quando suas mãos tentaram puxá-lo para baixo, mas ele pegou seus pulsos.—  Steve...


Ele não respondeu, mas inclinou seu corpo até que ele estava pressionado contra ela, sentindo o calor saindo de seu corpo macio. A mão esquerda dele agarrou os dois pulsos dela acima da cabeça dela enquanto os lábios quentes dele arrastavam pelo lado do rosto dela. Na parte de trás do ouvido dela. Abaixo seu pescoço. Sua língua lambeu a tinta de gosto frutado do corpo dela, fazendo-a gemer e murchar embaixo dele.


— Você tem um gosto tão bom. — Ele murmurou enquanto chupava seu decote. Dentes levemente raspando seu mamilo duro. Nat prendeu a respiração, fechando os olhos, mas arqueando as costas para encorajá-lo a colocar a boca sobre ela novamente. — Paciência…— Natasha resmungou um protesto e lamentou em voz alta quando ele se recusou a fazer o que ela pedia. 


— Steve... — Ela precisava dele para tocá-la, ou então ela iria explodir. — Pare de ser a porra de uma  provocação! — Natasha levantou os quadris apenas para encontrar o contorno duro de seu pênis, ainda confinado dolorosamente em seu jeans. 
Steve podia sentir o calor e a umidade de seu centro. Ela estava excitada ... tanto quanto ele. 
— Você está tão molhada.
— Tudo para você, garoto amante.
Aquelas palavras pareciam quebrar cada bloqueio que enjaulava o animal dentro dele. Steve gemeu quando ele trouxe os lábios para baixo para sugar seu mamilo com força. Seus dentes e língua brincavam com ela enquanto a outra mão segurava seu outro seio, beliscando seu mamilo com força suficiente para fazê-la grunhir, mas aumentava ainda mais sua excitação. Ele continuou a saborear a tinta em seu corpo, saboreando cada centímetro de sua pele macia. De seu peito, ele foi até seu estômago tonificado até chegar ao ápice de suas coxas. Ele mergulhou o dedo no centro dela, devagar, torturantemente, e Natasha não conseguiu levantar os quadris para cima e colocar o dedo mais fundo dentro dela porque ele ainda estava com a mão esquerda, liberando os pulsos dela.


Ele finalmente entrou nela e rapidamente colocou um segundo dedo com facilidade. Seus olhos escureceram com luxúria e causou arrepios na sua espinha, mas Natasha tinha certeza de que seus olhos também refletiam os dele. 
Um fio de russo áspero caiu de seus lábios antes que ela gritasse alto quando Steve finalmente colocou seus lábios em suas dobras.
Mas foi um erro. Natasha percebeu um momento depois que ele não estava aumentando o ritmo. Ele tomou seu tempo atormentando-a, reduzindo-a a uma bagunça choramingando, gemendo incontrolavelmente e balbuciando inocentemente. Seus dedos a abriram e lambeu a língua em seu clitóris, ganhando um grito agudo de Natasha, cujas mãos emaranhavam seus cabelos. Suas pernas jogaram sobre seus ombros, seus saltos cavando em suas costas. Steve deu lambidas rápidas e sobre seus lábios interiores, apenas interrompendo-a, sacudindo a língua sobre o feixe de nervos.
— Ah, foda-se. —  Natasha gemeu desistindo de controlar seus gemidos, seus quadris se contraindo, suas mãos empurrando seu rosto ainda mais nela. — Steve...lá ...  — Sua voz desesperada só alimentou seu desejo e Steve duplicou seus esforços para agradá-la, alternando entre fodendo-a com o dedo e a língua , lambendo seu clitóris. Ela estava perto e quando Steve olhou seus dentes sobre o clitóris, ela gozou com um grito alto e uma série de maldições em russo. A intensidade do orgasmo a fez gozar por todo o rosto e boca, mas Steve não parou até que ele conseguisse cada gota de seu doce néctar, como se sua vida dependesse disso.


Natasha se deitou no carpete, tentando recuperar o fôlego e recuperar o controle sobre seu próprio corpo. Steve ainda não parou até que Natasha o empurrou para longe dela, superestimulado, mas ele se recusou a se afastar de seu lugar entre as pernas dela. Depois que ela parou de tremer, Natasha ficou lá por um momento, tentando recuperar o fôlego com Steve entre as pernas, beijando suas coxas e fazendo-a estremecer ainda mais por isso.
Foi uma sensação nova que eles nunca haviam experimentado antes. A intensidade e conexão eram algo especial e isso os deixava querendo mais. Steve rastejou até seu corpo até que ele encontrou seus olhos meio pálidos novamente e foi para um beijo, compartilhando o doce sabor de Natasha.


— Você pode se mover? — Ele perguntou calmamente. — É melhor limpar a bagunça em seu corpo.
Natasha sacudiu a cabeça. Steve a beijou mais uma vez antes de pegá-la em seus braços. Natasha se inclinou em seu toque, os braços frouxamente enrolados em volta do pescoço. Era tudo muito íntimo, muito doce, que os dois nunca pensaram que os faria se sentir assim.
Steve a colocou gentilmente na banheira. Seus olhos estavam nele, admirando-o quando Steve tirou suas roupas e se juntou a ela. Ele se estabeleceu logo atrás dela e Natasha encostou-se no peito firme dele, fechando os olhos e cedendo enquanto seus braços rodeavam ao redor de sua cintura.


— Ei, não durma ainda.
— Eu só preciso ...para... — Sua respiração ficou presa em sua garganta novamente quando a mão dele deslizou para baixo entre as pernas.
—Hmm?
— Pare com isso.
— Você deve me ajudar a limpar ou então eu vou ter que te acordar com a minha boca novamente.
— Isso parece interessante. — Ela cantarolou sua aprovação.


Quando Steve ouviu seu consentimento, ele a colocou de joelhos com a parte superior do corpo sobre a borda da banheira. Natasha olhou para ele em confusão, tentando pensar no que ele estava prestes a fazer com ela. Steve se ajoelhou atrás dela e beijou sua espinha. Ela sentiu seu pênis duro esfregando contra sua bunda e não podia deixar de balançar de volta contra ele. Steve a acalmou com a mão grande e foi até lá atrás dela, pressionando beijos leves sobre ela.
Natasha arqueou as costas novamente quando ele enfiou a língua em seu centro e trabalhou duro em seu clitóris. Seus gemidos e gemidos ecoaram no banheiro. Não demorou muito tempo para tirá-la pela segunda vez da noite. Natasha estava tremendo quando suas pernas vacilantes ficaram moles. A exaustão tomou conta dela quando ela fechou os olhos e recostou-se no abraço dele.
Steve suspirou e limpou-a, apenas para descobrir que Natasha já estava dormindo. Ele a carregou, secou-a e gentilmente colocou-a em sua cama. Beijou sua testa, sussurrando uma boa noite antes de se deitar ao lado dela e abraçá-la em seus braços a noite toda.
 


Notas Finais


Me falem oque acharam beberes <3
Até a próxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...