História Luz Negra - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Madara Uchiha
Tags Drama, Hinata, Hyuuga, Madahina, Madara, Medo, Policial, Recomeço, Romance, Sequestro, Songfic, Uchiha, Violencia
Visualizações 250
Palavras 1.400
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Hentai, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Esse é o último capítulo. Semana que vêm eu posto os dois bônus, o primeiro com o hentai e o segundo com o casamento.
Obrigado por terem me acompanhado, pelo incentivo e por tudo. Sei que era pra ir até o 16, mas é que eu não quero ficar enrolando, sem contar que eu tenho vários planejamentos de bônus pra essa fanfic, então creio que terá 16 capítulos mesmo kkkkkkk
tentando não chorar.
Foram mais de três meses escrevendo ela.
Obrigado por tudo! Fiquem com o último capítulo da minha primeira MadaHina.

Capítulo 14 - Luz XII - Epílogo.


Fanfic / Fanfiction Luz Negra - Capítulo 14 - Luz XII - Epílogo.

Luz XIII.

Aiko.

Ela é a sua música, apesar de ser a nossa pequena canção de amor.

Eu já estou sem as minhas unhas da mão, eu já as ruir tanto que sobrou pouco delas para contar a história. Já tem quase seis horas que a minha princesa inventou que queria nascer, ela poderia ter esperado um momento melhor, quem sabe um momento mais apropriado, todavia assim que notou que eu iria sair do país quis nascer! Eu mal entrei no avião e tive que sair às presas, não queria perder o nascimento dela, não queria perder nenhum momento dela, pois quando ela mexeu pela primeira vez eu estava a trabalhar.

Ando de um lado para o outro, meus cabelos se encontram mais bagunçados que o habitual, tudo em mim se encontra fora do lugar, desde o meu emocional ao meu louco temperamento. Hinata poderia ter sido caridosa e permitido que eu entrasse para ver a mesma, mas a mesma pediu para que eu entrasse somente quando ela estivesse quase nascendo.

Com os últimos acontecimentos eu acabei não escolhendo o nome dela, Hinata deveria ter sido aquela a nomear a menina, contudo resolveu deixar essa complicada tarefa para mim; por nunca ter me imaginando pai de uma criança eu acabei nunca pensando em como seria escolher o nome para uma. Não posso improvisar e nem ligar o modo fodasse para isso. É a minha filha, a bebê na qual eu estou esperando a nascer há seis meses, afinal eu só descobri a existência da mesma há poucos meses.

Coração se acalme, não está na hora de eu morrer ainda, afinal eu não posso deixar a Hinata e nem a bebê que eu ainda não escolhi o nome desamparadas. Kakashi se encontra ao meu lado, Ino é aquela que está a surtar junto comigo, a loira já tentou entrar no quarto de forma sorrateira, mas ao escutar os gritos de Hinata rapidamente mudou de ideia.

Hashirama é aquele a me impedir de invadir a sala e de ficar ao lado dela, estou nervoso demais e isso somente atrapalha em vez de ajudar, nem tive como argumentar com ele quando o mesmo me disse essas palavras, tenho que ficar calma e pensar da forma mais racional e justa possível, todavia é difícil… bem difícil!

Desisto de esperar, dando a desculpa que irei comer algo começo a andar sem rumo pelos extensos corredores, Hashirama caminha atrás de mim. Ainda estamos meio brigados, afinal as palavras que ele disse feriram a mulher que chamo de amor, é isso é algo que não se pode perdoar tão facilmente, pelo assim penso eu.

- Madara? - ele me chama, saindo do enorme prédio eu vou até a área de fumantes. Não creio que depois de anos irei voltar com esse hábito, mas o cenário pede por isso, apesar de saber que ele não irá relaxar em nada, só irá me deixar um passo mais perto de adquirir um câncer no futuro. O cigarro tem aquele nostálgico e familiar gosto de nicotina e os seus outros elemento químicos.

Acendendo o mesmo eu me sento, Hashirama se mantém em pé, parado a minha frente. O jaleco branco combina com ele, sempre combinou afinal fazer trabalho de mocinho sempre foi com ele.

Enquanto eu sempre me dei melhor com o papel de vilão, como aquele que faz tudo de errado, que nunca faz nada certo e que raramente fica com a mocinha. Que acaba se dando mal no fim e que nunca tem final feliz, esse sempre o papel que Uchiha Madara fez, agora que eu tenho a chance de mudar isso eu não sei o que fazer. Nunca pensei encontrar um amor, jamais passou pela minha cabeça ser pai e me apagar há outras pessoas que não fossem da minha família.

Hinata é a minha família, ela e a minha menina são o meu final feliz.

Respire fundo conte até três. Abra os olhos encare os seus problemas, vença a sua ansiedade e volte a sorrir. Não deixe coisas assim te limitarem, seja sincero, levante a cabeça e siga em frente.

- O que você quer Senju. - não me encontro com humor e nem com animação para brigar com ele hoje, já que sempre que nós vemos é somente para discutir e brigar.

- Eu não vim procurar briga. - arqueio a sobrancelha. - Bem, eu queria pedir desculpas. - isso foi inesperado.

- Não é pra mim que você tem que pedir desculpas. - dou uma longa tragada no cigarro em minhas mãos.

- Eu já pedi.

- Quando?

- Quando ela me ligou pedindo ajuda. - foi ele quem trouxe ela para o hospital. - Apesar de já ter deixando claro há um tempo que eu não a odeio e que de certa forma aprendi a conviver e a aceitar a relação de vocês.

- Nunca pedi a sua aprovação. - digo severo.

- Da mesma forma que você nunca pede desculpas, nem diz como se sente e por sempre se achar o vilão de tudo.

- Eu sou o policial mal, você queria o que.

- Ela nunca te viu como policial mal, eu nunca te vi como uma pessoa má e em momento algum alguém disse que você era uma pessoa ruim! Uchiha Madara seu coração é tão grande que às vezes você acaba se ferindo sem perceber, sendo odiado e querido sem nem ao menos notar, ganhando um amor e uma família sem nem ao menos pedir.

- Eu nunca pensei que encontraria alguém que gostasse de mim.

- Eu gosto de você. - diz zombeteiro.

- Não é de esse gostar, o gostar como alvo romântico, as mulheres tinham medo de mim e ela confiava em mim ao ponto de me contar suas piores cicatrizes.

- Você contou a ela as suas. - faço um sinal positivo. - Como ela não fugiu?

- Me pergunto isso todos os dias! - balanço a cabeça de forma negativa, não entendo como ela ainda está ao meu lado, creio que as nossas partes quebradas completam as que estão inteiras.

- Você tem a sua resposta, certo? - faço que sim.

O som de um bip faz com que Hashirama comece a sorrir, o encaro sem entender ao certo o que está acontecendo. O homem pede para que eu jogue o cigarro pela metade fora, para que eu me levante e que continue calmo, pois a minha bebê estava começando a sair.

***

Não surta!

Não pira!

Fica calmo!

Calmo!

Fácil pensar, difícil colocar em prática, afinal Hinata está esmagar a minha mão. A mesma está ofegante, com o rosto vermelho e suado; a bebê ainda não saiu, apesar de estar quase saindo, falta pouco para que ela venha ao mundo.

O médico pede para que ela faça força pela última vez, fazendo um sinal positivo, a minha princesa usa o resto de sua força para colocar a bebê, que assim que sai começa a chorar.

A expressão cansada de Hinata é rapidamente substituída pelo sorriso que brotou em sua face, a enfermeira avisa somente que limpará a pequena e que logo nos entregará a mesma. Estou ansioso para ver o rostinho dela e ver se ganhei a aposta que fiz com Kakashi sobre a cor dos olhos da mesma.

- Parabéns você tem um bebê saudável de quarenta e dois centímetros e pesando três quilos e seiscentas gramas. - a enfermeira entrega a menor para a mãe. Hinata está a sorrir tanto que faz com que eu me derreta, a cena que jamais pensei presenciar se faz presente em minha vista.

- Madara, já escolheu o nome dela? - a mesma questiona.

- Aika, significa canção do amor. - a menor assim que escuta a voz minha e de Hinata, abre os olhos de forma lenta e preguiçosa, os olhos pretos como os meus, ou pelo menos um deles é preto.

- Amor os olhos dela… - a menina de cabelos pretos e olhos com heterocromia.

- Sim, uma mistura perfeita minha e sua. - beijo o topo da cabeça da mesma. - Obrigado por me dar esse presente maravilhoso. - sorrio.

- Eu que agradeço por me fazer uma mulher melhor, uma pessoa realizada. Eu te amo Uchiha Madara.

- Eu te amo Hyuuga Hinata.

Não é o fim ainda, o epílogo ainda se encontra longe.

 

Somente o momento de felicidade está passar.


Notas Finais


O que acharam? Sei que não está muito ever, não sou boa com finais, mas eu me esforcei quero agradecer a @universoo pelo nome da menina.
Agora sobre os bônus eu não sei ao certo em qual sequencia irá sair, mas creio que o primeiro será com a cena hot e o último com o casamento deles. Isso demora, por isso pode ser que não saia semana que vêm.
Beijinhos e obrigado por tudo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...