História M A - Meu Anjo - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias O Diabo Veste Prada
Personagens Andrea "Andy" Sachs, Christian Thompson, Miranda Priestly
Tags Andrea, Miranda, Odiabo, Priestly, Sachs
Visualizações 15
Palavras 2.531
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), LGBT, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, gente, demorei porque estou em fase de prova final com meus alunos. Boa leitura!!!

Capítulo 23 - M A - Meu anjo 23


Fanfic / Fanfiction M A - Meu Anjo - Capítulo 23 - M A - Meu anjo 23

Andrea pensa...

"Minha esposa parece estar com o rosto em chamas. Sei que isso se deve ao fato de que estou falando com a jovem assistente dela e a menina me sorri.

Ela é linda, meiga, inteligente e cheia de truques. Perfeita para ficar ao lado de Miranda. Nunca imaginei algo assim. Algo como isso... Ser esposa da mulher mais poderosa do mundo.

A menina sorri. Seu doce nome parece deslizar pela boca quando falamos: Alice Demond. E ela tem o mesmo charme do nome. Miranda bufa vindo  em nossa direção e passa por nós duas ignorando. Eu rio, sei que está roxa de ciúmes.

Alice ainda não é capaz de perceber a diferença de Miranda com raiva para Miranda com ciúmes absurdos. Em breve e pelo bem da vida dela saberá a diferença.

− Andrea!− a voz dela é firme.− Quanto tempo mais você pretende me atrasar com sua conversa inútil com minha assistente? − bufou com o rosto tenso parando no elevador.

O rosto dela parecia uma geleira glacial. Estava completamente frio e nem parecia a mulher linda que Andrea conhecia.

− Boa noite, Alice, vá para casa você também. Foi um dia longo. Todas precisamos descansar!− a doçura com que dizia as palavras seria ainda mais problemática se Miranda ouvisse. Para horror completo da editora chefe só conseguia ver o balbuciar das bocas e o sorriso doce delas.

− Boa noite, senhorita Sacs! − Alice sorriu e Andrea sorrindo corrigiu a fala da jovem.

− Senhora Sachs Priestly...− piscou a ela de modo direto.

A jovem fez uma reverência e abriu mais seu lindo sorriso. Deus, Miranda bufou querendo matar a jovem. Tinha vontade de matar qualquer pessoa que sorria daquele modo para sua esposa. Andrea era capaz de despertar o riso solto em cada uma das pessoas que cruzavam caminho delas. Em infinitas ocasiões Miranda tinha presenciado a capacidade de Andrea de despertar sorrisos e olhares amorosos de pessoas que nunca tinha visto na vida.

Tal efeito poderia ser considerado uma qualidade suprema se não fosse usado todo tempo enquanto ela estava perto. O ciúme de Miranda subia no nível mais alto quando podia observar que todas as pessoas do mundo desejavam a companhia da sua mulher.

Andrea entrou no elevador com ela ainda observada pela assistente Alice e as duas não se olharam. Andrea pegou o celular e começou a conferir mensagens o que deixou Miranda mais frustrada ainda.

As duas saíram do prédio da Elias Clark e entraram no carro assim que Roy abriu a porta. Estava com um lindo sorriso no rosto e tinha sido convidado para o jantar. Ele era um bom amigo e Andrea sabia que Miranda gostava dele. Ela não permitia a presença das pessoas que trabalhavam para ela em festa das pessoais mas aquele dia era uma exceção.

Andy tinha convidado todos os próximos a ela e a Miranda. A viagem seguiu com Miranda completamente muda e a Andrea verificando seu celular. Quando a porta foi aberta as filhas gritaram e correram a elas.

Eram lindas cabeleiras ruivas que pareciam voar dos degraus da escada quando viam suas mães chegando. Andrea adorava aquele modo intempestivo das meninas de receberem as duas, mas Miranda tinha medo que que se machucassem e sempre corrigia elas.

− Mamy! Mãe!− Caroline correu abraçando Andrea enquanto Cassidy abraçou Miranda. − Por que demoraram tanto? Já arrumamos tudo!− Caro disse agarrando Andy com saudades.

− Bobbseys! O que eu já disse sobre gritos? Sobre correr e poder cair? − beijou Cass e apertou sua pequena contra ela enquanto enciumada olhava para Caroline esperando seu abraço.

− Mãe, estamos felizes vamos poder ver a vovó em breve. − Cass soltou Miranda e agarrou Andy enquanto Caro fazia o mesmo.

− Minhas pequenas da Mamy...− Andy as agarrou apertando e empurrando para o sofá fazendo cócegas.

Miranda sorriu vendo a cena e Brenda surgiu com uma taça com um morrito. Bebia sorrindo e Miranda a olhou.

− Você tem três crianças.− A frase de Brenda acompanhada da imagem de Andrea brincando com as meninas no sofá e as três sorrindo como se o mundo fosse só delas era exatamente a complementação daquele sentimento. Ela era como uma criança e toda sua vida podia espalharam qualquer lugar.

Miranda sorriu um pouco mais e cumprimentou sua amiga com um abraço apertado. Depois com os olhos cheios de malícia, disse um pouco mais leve depois daquele longo dia de trabalho.

− Ela é linda, mas sei de lugares onde ela não é uma criança.− Provocou porque sabia que Brenda ia rir.− Onde a inocência dela fica para trás.− Miranda mordeu os lábios rindo.

− O sexo! Miranda você a fode com loucura e eu sei que ela adora isso. Está feliz, realizada, é satisfeita com a ninfomaníaca que você se tornou ao lado dela.− soltou uma gargalhada e Miranda bateu nela.

− Indecente! Tenta não atacar os homens de nosso jantar e por favor, os gays menos ainda!− disse rindo enquanto a amiga bebia um pouco mais.

− Me diga, como é comer uma tão nova.− disse rindo e Miranda mordeu o canto dos lábios.− Você está maravilhosa, é uma mulher linda, mas Andy é uma menina ainda que seja um mulherão.

Miranda começou a rir e pegou o copo da mão dela bebendo tudo que ainda restava. Miranda Priestly nunca divide nada! Era uma das sentenças de Emily, como ela ficaria se visse aquela cena? Miranda fez cara feia para aquela bebida e depois disse subindo as escadas.

− Você não saberá de nenhum detalhe por minha boca, Brenda!− ela sorriu e depois disse com autoridade.− Andrea... venha, precisamos nos arrumar!

− Já vou, Miranda, me deixe acabar com minhas filhas!− ela gritou sendo beijada.

Miranda subiu e Andrea ficou ali. Depois de mais alguns minutos os risos cessaram e as meninas estavam olhando dentro dos olhos de Andrea. Retiraram alguns fios de cabelo do rosto dela e a olharam fixamente.

− Você sabe que amamos você, Andy? Sabe que amamos você muito e com todo nosso coração, não sabe?− Cass disse amorosa esperando Caro completar.

− Nunca gostamos de ninguém com a mamãe, as pessoas e os namorados sempre pareciam querer apenas o dinheiro dela ou estar com ela para os outros verem. A vida toda, ela foi infeliz no amor, até você chegar.− Caro disse como se fosse entendida das coisas do amor.

− Você faz ela brilhar e nos causa tanta alegria.− Cass passou a mão no rosto de Andy que já chorava.− Quando você brigou com ela e foi embora, sabíamos que era sério porque você foi embora.

− Sentimos sua falta tanto.− Caro colocou o rosto no coração de Andy.− Pensamos que você não ia voltar. E se ela não fizesse algo para pedir desculpas, nunca mais íamos falar com ela.

− Ela não ai aguentar viver sem as BobBseys dela!− Cass sorriu e Andy as abraçou.

− Eu amo vocês, meninas, são minhas filhas, meu amores, minhas pimentinhas. Eu a amo a sua mãe, mesmo com ela sendo zangada, ciumenta e muito dura as vezes. Eu a amo como ela é. E podem ter certeza que não vamos mais nos separar.− ela alisou os cabelos das duas que estavam deitadas sobre ela no sofá.− Eu sou a Mamy de vocês para sempre e ninguém depois de mim. Eu sou o último casamento de sua mãe! Ninguém virá depois de mim!

− Vocês promete? − disseram juntas.

− Eu prometo porque amo vocês e amo a mãe e vocês. Não vou a lugar nenhum, só conhecer a família...− ela riu e as meninas beijaram mais ela.

Por alguns minutos Andy ainda ficou ali, depois subiu ao quarto e quando entrou ouviu o barulho do chuveiro e Miranda cantando. Andrea tirou a roupa e entrou no boxe agarrando seu amor e empurrando o corpo dela contra a parede. Miranda gemeu forte ao sentir Andrea apertando seu corpo e alisando de modo intenso.

− Eu te amo, Priestly.− a mão deslizou até a intimidade de sua companheira e roçou forte. Miranda segurou a parede com a mão espalmada e sentiu os golpes fortes dos dedos de Andrea entrando e saindo de sua vagina enquanto o outro braço prendia seu corpo como que impedindo sua fuga.

− Andrea...− Miranda gemeu forte sentindo que cada investida nela era um gozo diferente. Abriu mais as pernas ao mesmo tempo que tentou fechá-las num desespero pelo gozo final.− Eu vou cair!− disse nervosa e Andrea apertou seu corpo no dela.

Andrea era deliciosamente intensa, segurou a cintura de Miranda e fazia estocadas violentas dentro do corpo dela enquanto mordia seu ombro e beijava suas costas a ponto de Miranda perder de vez o controle. Era um desejo desenfreado, um amor sem medida. Era tudo que um amor pode desejar de outro. Miranda gemeu forte gozando e depois ficou respirando pesado com o rosto contra a parede enquanto Andy dava beijos em suas costas.

− Eu te amo, Andrea, você é um presente.− Miranda se virou a beijando na boca.

O beijo foi intenso, cheio de amor e doçura. Estava certa de que aquele beijo era tudo que elas precisavam depois daquele gozo sem precedentes. As línguas se tocavam e faziam amor unidas num balé deliciosamente intenso. Miranda foi mudando a posição e colocou Andrea contra a parede de frente para ela.

Desceu aos beijos pelo corpo molhado da senhora Sachs Priestly enquanto Andy deixava a respiração cada vez mais pesada. Miranda a beijava e dava mordidas ao longo do corpo até que ficou de joelhos e sorriu olhando a bela e rosada genital em sua frente. Salivou e os olhos azuis ficaram intensos com o desejo que sentia.

− Minha Andrea, meu anjo! − disse em posse e enquanto enterrava sua boca naquela deliciosa cavidade que poderia alimentar todos os seus sonhos.

Andrea deu um berro ao sentir a sugada forte que Miranda deu e bateu com as mãos na parede do box gemendo e mordendo a boca em desespero total.

−  Isso, amor, assim que eu adoro! Minha Miranda! − Andrea via estrelas, sabia que ia gozar em segundos porque quando Miranda queria, era isso que fazia com ela, o gozo em segundos. − Eu quero sentir com calma, amor, não corre.

− Eu preciso, Andrea, preciso sentir seu gosto, depois vamos com calma!− ela sugou mais enquanto Andrea soltava um palavrão, abria mais as pernas e gozava em seguida. Miranda se ergueu fazendo um caminho de beijos pelo corpo dela e disse amorosa.− Fique feliz, minha querida, eu não ajoelho para ninguém!− mordeu o pescoço dela colando seus corpo e entrando com os dedos em Andrea que gemeu agarrando os ombros dela.

Miranda brincou dentro da vagina de sua esposa por um tempo, ela queria um gozo lento, Miranda a torturou tamborilando os dedos em todas as partes até que depois de ser beijada com loucura por uma Andrea que lhe comia os lábios implorando que ela lhe desse o gozo final, Miranda estocou como um animal dentro dela indo e vindo. A cada estocada, Andrea gritava mais. O gozo chegou com as duas vermelhas e se abraçaram em beijos amorosos.

****************************************

O jantar estava animado, Doug, Nigel, Serena, Emily, Brenda, Roy estavam comendo canapés e bebericando vinhos que Miranda tinha selecionado especialmente para aquele momento. As meninas andavam o tempo todo atrás de Miranda ou de Andrea conversando e pedindo coisas.

Quando elas finalmente foram ficar com a madrinha, Miranda agarrou Andrea para um beijo delicioso na boca e sorriu ao dizer em seu ouvido.

− Você é deliciosa, Andrea.− um sorriso lindo se formava no rosto dela.

− E você é muito mais, Miranda Priestly.− mordeu os lábios de Miranda de modo leve.− Eu quero foder você com força, com muita força.

Miranda ficou vermelha e sorriu apertando os corpos.

− Com mais força do que fez hoje no banheiro?− disse rindo e apertando o seio dela com tesão.

As duas estavam lindas, Miranda usava um Channel marfim de corte preciso mostrando as lindas curvas de seu corpo e calçava um "Manolo". Tinha preferido usar um terno, mas por insistência de Andrea, ali estava ela usando um vestido impecável. Andrea vestia um legitimo Dolce vermelho e saltos Gucci nos pés lindos que Miranda tinha beijado enquanto calçava os sapatos nela.

− Muito mais! − disse rindo.− Muito mais.− ela mordiscou de novo e gemeu com o toque de Miranda em seu seio.

− Você é uma safada, Andrea!− ela sorriu e a porta foi aberta pela empregada.

Olívia vinha com o rosto tenso, outro motorista tinha ido buscá-la noa aeroporto já que Roy estava entre eles. Miranda foi até a amiga e abraçou com amor, mas meninas correram gritando.

− Madrinha! Madrinha! Madrinha!− gritaram eufóricas e agarram a mulher que estava amorosa com elas, mas o rosto estava em chamas. Andrea veio e a abraçou em seguida e ela entrou dando boa noite a todos. Os olhos buscaram todos da sala e ela sentiu o corpo tencionar quando viu Brenda.

Deus? Como Miranda não a tinha avisado? O que ela estava fazendo ali? Olívia olhou dentro dos olhos da amiga.

− Ela está aqui? − Olívia perguntou enquanto Miranda respondia que sim com a cabeça.− Por que não me disse? Eu teria ido a um hotel! Não quero incomodar e nem...

− Pare com isso! Não diga mais nada.− Miranda foi dura com ela e as duas foram ao quarto enquanto as meninas e Andy voltavam a sala. 

− Você podia ter me dito!− falou frustrada se sentando na cama enquanto Miranda a olhava nos olhos.

− Você é bem vinda aqui, assim como ela e nada de ficar trancada aqui no quarto por causa disso. Vamos descer e beber algo juntas. As meninas estão com saudades e você precisa relaxar.− disse com amor segurando no braço dela.

− Miranda, você não precisa me hospedar aqui. Apenas se me dissesse que ela...− Miranda segurou forte na mão dela e se sentou ao seu lado.

− Claro que eu não preciso, mas eu quero, gosto que minha amiga fique comigo e com minhas filhas. Minha esposa adora as suas piadas horríveis.

As duas riram juntas. E Miranda segurou a mão dela alisando com carinho.

− Vamos ter uma boa noite e amanhã, vocês podem se matar.− ela sorriu e a outra sorriu de volta.

− Está bem!− ela beijou Miranda e disse amorosa.− Você deixou Jeramy esperando na porta por que?

Miranda a olhou com o rosto sério, do que estava falando?

− Jeramy? Eu? O que?

− Ele está parado aí na porta dentro do carro dele, achei até que as meninas iam com ele. Você não viu?− ela disse diante do rosto frio de Miranda que se lembrava das coisas horríveis que ele tinha dito no restaurante.

Miranda se levantou e bufou depois de olhar friamente em direção ao nada, ia acabar com ele.

M & A - Meu anjo 23



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...