História M A - Meu Anjo - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias O Diabo Veste Prada
Personagens Andrea "Andy" Sachs, Christian Thompson, Miranda Priestly
Tags Andrea, Miranda, Odiabo, Priestly, Sachs
Visualizações 15
Palavras 2.279
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), LGBT, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Homossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 25 - M A - Meu anjo 25


− Olívia...− Andrea disse mordendo os lábios parada em frente a elas.− Você e Miranda devem ter muito o que conversar aqui escondidas!− ela bufou e mirou em Olívia que se separou de Miranda e disse nervosa.

− Andy, não é isso, eu estava...− ela tentou explicar, amava Andrea, amava aquela doçura dela e nunca queria estar longe dela. Ela era uma menina linda e queria que ela fosse sua amiga.

− Meu anjo, Liv estava apenas se recuperando da...− Miranda se levantou e tocou no braço de Andrea que a ignorou com força.

− Eu vou deixar que terminem o que começaram.− ela virou para Miranda com ódio.− Não venha atrás de mim!

− Andrea!− Miranda falou firme com ela que ignorou e saiu dali com raiva. Olívia passou a mão nervosa nos cabelos e suspirou.

− Me perdoe, Miranda, eu vou falar com ela, explicar tudo a ela e dizer que não é o que está pensando!− estava nervosa e olhou Miranda.

Miranda revirou os olhos e passou a mão nos cabelos com raiva. Aquelas coisas iam ser assim o resto da vida, elas tinham ciúmes, ela sabia que se fosse o contrário, ela teria esfaqueado a pessoa. Andrea ainda era mais educada que ela.

− Não se preocupe, eu vou falar com ela, você vai resolver o que tem que resolver.− ela abraçou a amiga e sorriu.− Se você a ama não a deixe ir. Não perca a chance de sorrir com a pessoa que você ama.− ela sentiu Olívia chorar mais e por fim perguntou rindo.− Vocês transaram ou ainda é platônico?

Olívia suspirou com o coração aos saltos e por fim confessou. Ela queria mesmo falar sobre aquilo.

− Ela é uma mulher incrível, Miranda. Eu e ela já estivemos juntas!− ela sorriu se lembrando.

− Safadas, transaram sob meu teto com toda certeza.− ela sorriu e beijou a amiga.− Vou resolver com Andrea e depois conversamos com calma.

− Você quer que eu vá embora, não quero Andy triste comigo e nem quero dar problema a você!− ela disse amorosa.

− Nada disso, Andrea te adora, ela apenas está com ciúmes.− disse amorosa.− Vá resolver com ela.

Miranda sorriu e se afastou, Quando chegou na sala estavam todos conversando e distraídos. Ela buscou por Andrea e estava na varanda, na sacada linda que dava para a piscina que elas iriam usar quando voltassem e fosse calor. Miranda caminhou sentindo o coração aos saltos. Amava, queria o sorriso dela sempre ali.

− Meu amor...− Miranda segurou os braços de Andrea e beijou suas costas.

Andrea suspirou e deixou que ela percebesse, sabia que Miranda a conhecia. Não gostava de se comportar daquele modo, mas uma coisa tão forte se apoderava dela quando pensava que alguém poderia tocar Miranda. Ela não queria isso, não podia permitir isso. Miranda foi ao ouvido dela e sussurrou.

− Eu sei que está zangada, mas eu não quero que pense nada mal. Olívia e eu somos como irmãs. Eu quero que me perdoe, mas ela precisava do meu apoio. Não sofra.

− Eu te amo!Mas não me peça para não sentir!− ela ia se afastar, mas Miranda segurou sua mãe.− Você tem ideia do que sinto quando alguém te toca? Tem ideia de como fico quando penso que você...− ela bufou e Miranda a puxou para ela.− Por Deus, Miranda, se você me trair, eu nem sei o que posso fazer.

Miranda achou aquela frase tão linda, ela estava com ciúmes, Andrea estava como ela, como ela mesma costumava se sentir o tempo todo. Miranda a beijou na boca e sorriu acariciando o rosto dela com todo amor. Ela era alguém que ela nunca trairia, Miranda não queria ninguém além dela.

− Andreahhh...− ela sussurrou com amor fazendo Andrea olhar para seus olhos depois de uma resistência.− Você está com ciúmes e isso que está sentindo, eu sinto por mil vezes mais que você. Cada vez que você sorri linda ou que toca o ombro de alguém. Eu sou um dragão, mas você, você é um doce e está sempre sorrindo para meio mundo.− Miranda puxou Andrea e a colocou contra a parede.− Você floresce, você é a pessoa mais linda que eu conheço e você reluz como um sol quando sorri.

Andrea gemeu de tesão sentindo as mãos de Miranda alisarem sua cintura e a boca dela tomar a sua de novo e enterrar a língua em sua boca. Ela amava beijar Andrea, amava ser beijada por ela, mas beijar era mais delicioso. Aquele segundo, aquele momento era especial. Era tudo que ela mais queria, os lábios urgentes de Andrea marcando os seus. Quando se separaram, Andrea a olhou firme.

− Você a deixou te tocar daquele modo. Você a deixou fazer aquela proximidade. Eu sei que são amigas, mas eu não gostei...− ela se afastou de novo.

− Meu amor, eu me desculpo, ela estava chorando e por isso eu a abracei bem forte, ela é importante para mim e precisa de nós, de nossa ajuda.− ela disse se aproximando e beijando os ombros de Andrea.

Andrea sabia que Miranda não era assim, não recuava, não se curvava, não ficava com ninguém sobre ela. Talvez, no mundo, depois de suas filhas, Andrea fosse a única pessoa que ela permitia ver sua fragilidade ou mesmo ser doce.

− Ela estava deitava no seu seio, Miranda.− Andrea bufou e Miranda a olhou nos olhos com amor.

− Me perdoe, ela nem percebeu e nem eu, Sweet, estávamos tensas. − ela segurou a mão de Andrea.

− Eu não quero! Não quero! O que vai ser da próxima vez? Ela sentada no seu colo? Ela beijando seu pescoço?− disse com raiva e ficou vermelha.

−  Não vai acontecer, meu anjo, não vai, eu quero que me ajude com ela.− disse calma sabendo que Andrea era uma boa pessoa.

− O que houve com Liv? Ela precisa ter um motivo muito grave para estar cheirando seu peito!− ela disse com raiva e revirou os olhos.

− Ela e Brenda se amam e estavam brigando no quarto. Foi um discussão feia e agora elas estão brigadas.− ela segurou Andrea a puxando para ela e beijando no pescoço, ia dando beijos enquanto falava.− Elas não vão dormir agarradinhas como merecem, como nós duas vamos.

Andrea olhou por cima do rosto entortando a cabeça.

−  Eu não disse que você vai dormir comigo hoje, não depois disso!− ela disse com calma e a olhou.− Elas são amantes! Deus, como você nunca percebeu?

− Eu vou dormir com você sim, no meio de suas pernas, meu amor.− ela sorriu e mordiscou Andrea que se arrepiou todinha.− Eu sou dormir depois de fazer amor, de fazer amor gostosamente com a minha mulher. Eu mereço, eu mereço ser agradada porque eu sou uma mulher maravilhosa. Eu sei!− ela viu o sorriso de Andrea se formar.

− Vamos resolver isso, mas quero deixar claro que vou fazer para que Liv nunca mais deite no seu peito, que ela tenha o próprio par de peitos dela para ficar cheirando e não os da minha mulher. Eu quero mesmo isso! Vamos resolver as duas.

Andrea sorriu e quando Miranda ia beijá-la, saiu dizendo em sussurro.

− Você será castigada! Você será!− ela disse sorrindo e rebolando na direção de Brenda.

Andrea se sentou e Brenda bebeu mais enquanto olhava para Olívia chegar na sala naquele momento. Andrea sabia o que era amar alguém as escondidas, ela tinha passado por aqueles momentos com Miranda, tinha sido platônico e complicado por tanto tempo! Ela segurou o corpo da mão de Brenda e sorriu colocando para o lado onde conseguiu apoiar o copo na mesa do lado do sofá onde estavam.

− Noite ruim? Você estava feliz! Não quero isso. Miranda se preocupa e eu também!− disse calma e Branda segurou as lágrimas, Andrea percebeu o olhar dela e o modo como sofria.

− Eu a amo, mas estou cansada de esperar que ela tinha coragem de admitir o quanto gosta de mim entre as pernas dela!− falou rude e pegou o copo bebendo mais.

− Ela precisa de tempo, se ela sentir que você está indo embora, talvez isso ajude.− os olhos de Andrea brilharam e ela sorriu maliciosa.− Nada pode ser mais poderoso que o ciúmes e o medo de perder. Se ela pensar que você desligou e seguiu em frente.

− Ela morre de ciúmes.− disse rindo e se abrindo. Era perfeito para Brenda poder falar abertamente com alguém.− Ela fica sem chão quando acha que alguém está saindo comigo. Miranda iria rir se soubesse quantas vezes brigamos por ciúmes debaixo do teto dela.

Andrea riu e disse com cautela, sabia que de onde Olívia estava, as duas eram seu ponto de visão. Andrea sabia também que Olívia poderia pensar que estava fazendo ciúmes nela pela cena com Miranda.

− Ela morreu e você não? Você não tem ciúmes dela?− disse rindo e Brenda assumiu.

− Eu mato por causa dela, mas nunca escondi, quem esconde é ela. Eu sempre mostrei isso e me admira que Miranda nunca tenha visto ou sentido nosso clima. Ela sabe como eu sou emocional!

− Eu acho que você deveria dar uma surra nela, dar com seu dedos nela até ela pedir arrego e fazer ela ficar entre suas pernas até você não aguentar mais. Arraste e faça, nossos quarto são a prova de som.

Aquela sugestão de Andrea era perfeita e fez Brenda ficar louca de desejo, o rosto mudou na hora e ela sorriu boba.

− É isso que faz com Miranda? É por isso que ela fica molinha quando olha para você?− Brenda implicou. Sabia que Miranda era insaciável e que aquele sorriso e felicidade no rosto da amiga era por conta de Andrea.− Eu quero que saiba que ela nunca sorriu assim para ninguém. Ela te ama, Andy, te ama como nunca amou ou vai amar mais ninguém.− Miranda olhou para as duas naquele momento e Brenda sorriu.

− Eu a amo muito mais! Muito mais!− ela disse com calma e as meninas correram para seu colo beijando e dizendo apressadas.

− Mamy, a mamãe não quer deixar a gente comer um pouco de sorvete!− Caroline reclamou e Miranda de onde estava fez com a cabeça que não, ela sabia que Andrea consentia tudo. Sabia como mimava as meninas.

− Mamy, ela prometeu!− Cassidy disse com o rosto triste e Brenda olhou suas afilhadas toda feliz.

− Meu amores, a mamãe não quer que fiquem doentes. Vamos, comam outra coisa.− ela beijou as duas emburradas e elas saíram de seu colo protestando que não tinham sido apoiadas.

− Eu quero ter um filho com ela.− Brenda disse com o rosto vermelho enquanto focava em Olívia que a olhava de relance.− Eu quero adotar um menino, alguma linda criança para quem dar meu amor, meu cuidado e minha atenção.− estava planejando uma vida com a outra.

Miranda veio e sentou ao lado delas duas, sorriu e colocou sua mão na perna de Andrea. Brenda sorriu de volta e disse com amor.

− Estou recebendo conselhos do anjo Sachs! − riu e Miranda alisou a perna da esposa.

− Ela é boa em tudo que faz, minha cara, ela é mesmo muito boa.− sorriu malvada e apertou a coxa de Andrea que corou, mas a encarava.

− Eu sou muito boa mesmo!− Andrea sorriu e naquele momento viu Brenda se levantar e passar por Olívia e dizer algo de modo discreto. Olívia corou e bebeu o que restava de seu corpo nervosa.

− Vai lá, amor, agora é com você, vai lá e manda ela seguir Brenda, porque eu mandei elas transarem.− Andrea confessou e Miranda a olhou com pavor.

− Andrea...− estava pasma com a declaração.− Você estava tendo esse tipo de conversa com ela? Por Deus, nada disse!− Miranda fez uma cara feia de mentira.− Você nem pode falar a palavra sexo com outra pessoa!

− Meu amor, eu apenas disse para ela pegar Olívia de jeito.− ela disse amorosa deitando a cabeça no ombro de Miranda.− Vai lá mandar ela ir ao quarto, mas nada de cheiração de peito ou eu a coloco para fora de minha casa. Tem dois peitos enormes para ela cheirar no quarto de hóspedes!

− Enormes?Hum? Você olhou!− Miranda rebateu sentindo ciúmes de Brenda. Brenda e Olívia eram mulheres lindas, não fosse o fato de Miranda ser amiga e comadre das duas, elas seriam problemas eternos entre elas.

− Ela tem um belo par de seios.− disse mordendo o queixo de Miranda.− Mas eu só gosto dos seus, são deliciosos, suculentos, lindos, cheirosos como frutas maduras.− ela apertou Miranda que gemeu baixo sentindo a excitação.

− Eu quero te foder, Andrea, quero te foder com força...− Miranda gemeu baixinho revirando os olhos.

− Eu vou primeiro e você vai em seguida. Quero que me foda na sacada do quarto.− Andrea sussurrou com tesão vendo Miranda bufar de excitação.

− Deus, como eu quero sua vagina, Andrea, como eu quero ela agora. Quente e molhada só para mim!− disse nervosa, o corpo em chamas e Andrea se levantou suspirando pesado.

− Venha em seguida, Miranda, venha me foder!− ela disse saindo dali e Miranda, ahhhh, Miranda, não aguardou nem dois segundos. Tomou uma dose de vodka e partiu atrás de sua mulher!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...