História M a r r y : (Dahmo) - Capítulo 33


Escrita por:

Postado
Categorias TWICE
Personagens Chaeyoung, Dahyun, Jeongyeon, Jihyo, Mina, Momo, Nayeon, Personagens Originais, Sana, Tzuyu
Visualizações 166
Palavras 1.038
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 33 - 33.33


Não estava me sentindo bem para ir para a empresa. Meu corpo doía eal conseguir dormir de procuração com mais uma carta daquela louca.

Deliguei o despertador e cobri minha cabeça com o edredom e tentei dormir, mas era em vão. Logo agora que estamos bem, aparece isso! Droga!

Ouvi a porta sendo aberta, era Hirai e estava muito perfumada.

— Amor, não está se sentindo bem hoje? — Ela perguntava preocupada e logo se sentou ao meu lado e me descobriu, fazendo eu olhar em seus olhos. — Está acontecendo alguma coisa?

— Sim, não... Tá! Aí, eu já não sei. — Choramingo me deitando em seu colo. Ela começa a acariciar meus cabelos e meu rosto.

— O que foi Tofu?

— De novo... Aquela carta anônima. — Disse baixo,mas ela ouviu. 

— Não se importe ok? Eu não vou permitir que algo te aconteça! — Momo disse seriamente me abraçando e logo me dando um beijo no topo da cabeça. — Eu te amo, não vou te perder amor.

Ficamos por muito tempo assim, até ela receber uma ligação que deveria vir depressa para a empresa, sócios estavam lá. Ela não insistiu para que eu fosse, apenas me deixou deitada, me beijou e saiu. Disse que era para ligar se algo estivesse errado.

Depois eu me levantei e fui tomar um banho, preparei meu café e fiquei estudando bastante tempo. As horas não se passavam, então liguei para mamãe e fiquei bastante horas no telefone, ela me passou algumas receitas que eu deveria fazer para Momo e eu gostei e fui fazer uma.

Hirai Momo (POV)

Kim estava me preocupando e essas cartas que eu sei bem de onde vem. Tzuyu está passando dos limites e isso está me irritando, eu sei que eu sou humana,mas eu não suporto afrontas desse tipo. Dahyun é só uma jovem, ela já tem vinte e dois e age como uma adolescente mimada.

Tive de ir para a empresa, deixei Dahyun mas a preocupação era grande. Cheguei rápido na empresa, já sendo convocada para uma reunião.

Fiquei uma hora e meia ali dentro, minhas costas doíam, como Dahyun não estava, tive que contar com Rosé que me ajudou muito. Não fui almoçar,não estava animada para nada. Liguei para Dahyun e ficamos conversando bastante tempo.

Por quê alguém teria coragem de machucar minha esposa? Eu sei que Tzuyu não superou o término,mas não sabia que ela era desse jeito, toda agressiva e posicopata. Eu amava Tzuyu, não a amo mais e ela tem que entender que sentimentos por mais difíceis e longos,eles terminam.

Pela tarde eu não via a hora disso tudo acabar e eu ir para a casa ver minha mulher, minha doce e adorável Dahyun.

Quando terminei, me despedi de Dahyun e entrei no carro. Mas não iria para casa antes de me acertar com uma pessoa.

Eu dirigir com muita pressa e raiva até a casa de Tzuyu. Ela abriu a porta animada e eu já fui entrando, empurrando ela sem nenhum pingo de educação.

— Nossa Momo!

— Nossa nada! Cala a boca! Quem você pensa que é pra chegar a esse ponto? — Eu apertava seus braços. Queria esmurrar a cara dela. — Meu Deus eu me pergunto como eu fui capaz de te amar um dia.

— Eu não estou te entendo.

— Vai se fazer de desintendida agora? — Apertei seus braços. — Talvez isso resolve! — Não pensei duas vezes antes de dar um tapa bem dado em seu rosto. Ela me olhou colocando a mão na face, sem acreditar. — Se lembra? Ahn? — Eu dei mais outro tapa e cai em cima dela, começando a bater nela. — Você pensa que é quem para mandar cartas anônimas ameaçando a minha mulher? Hein? Você se esqueceu quem eu sou? — Eu estava brava, eu gritava enquanto batia nela que so sabia gritar e chorar.

— Você chegou a esse ponto por causa daquela vagabunda?!

— Ela não é vagabunda! Não chama ela de vagabunda! — Eu gritei puxando seus cabelos. — Eu vou te ensinar a ser mulher de verdade.

Eu dei tantos tapas em seu rosto que estava vermelho e com marcas de minhas mãos. Ela gritava, eu não conseguia parar. Ele merece, merece por estar machucando alguém importante para mim.

— A única vagabunda é você! Estúpida! Não é assim que se consegue um amor! Acabou! — Eu estava cansada, mas eu não conseguia parar.

— ME LARGA! ME SOLTA MOMO! SOCORRO! — Ela gritava entre o choro.

Alguém batia na porta várias vezes como se fosse arrombar a porta.

"Abram a porta! É da polícia! Eu exijo que abram a porta"

 Alguém havia denunciado. Eu só parei porque a polícia estava lá fora. Eu não me importo de ser presa. A louca é ela, não eu.

Me levantei e Tzuyu ainda permanecia no chão acabada com ematomas pelo rosto e braços. Respirei e abri a porta arrumando meus cabelos.

— Oi. 

— Vocês estavam discutindo?

— Essa vadia eu acabei com ela..ela mereceu.

— Vocês terão de ir para a delegacia e esclarecer isso. — O oficial disse sério me algemando. Um outro homem fardado caminhou até Tzuyu que fez o mesmo, ela não conseguia nem andar.

Chegando na delegacia tivemos que esclarecer o porquê da briga. Expliquei tudo e ela como sempre negando.

— Fala a verdade! Fala que você estava mandando cartas anônimas para a minha mulher a ameaçando de morta! Assuma seus erros. — Eu estava nervosa. Se não estivesse algemada eu mataria ela. — Eu não acredito que eu tive a coragem de me envolver com você.

— Foi por amor!

— Não! Foi por loucura sua! Você deveria ir se tratar.

O delegado nos liberou depois de nos dar uma fiança grande como paga de nossa liberdade e disse que na próxima iriamos ser pressa. Eles nem mesmo questionaram a carta e nem suspeitaram de nada.

— Você irá se arrepender Hirai Momo, e sua namorada, vai pagar! — Ela disse antes de entrar no carro e sair em alta velocidade.

Agora mais do que nunca eu teria de ter cuidado com Tzuyu e Dahyun. Ela não está brincando, às vezes eu chego a pensar que ela tem problema psicológico.



Notas Finais


Eita

Erros de ortografia me perdoem

Kiss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...