História Mabill - I can't decide - Capítulo 37


Escrita por:

Postado
Categorias Gravity Falls
Personagens Bill Cipher, Candy Chiu, Dipper Pines, Mabel Pines, Pacifica Northwest, Waddles
Tags Mabel X Bill, Mabill
Visualizações 537
Palavras 1.513
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Hentai, Magia, Misticismo, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 37 - A brincadeira


Fanfic / Fanfiction Mabill - I can't decide - Capítulo 37 - A brincadeira

Que cochilo agradável, infelizmente só não durou muito porque ela não esta aqui, dormir junto dela se tornou um vicio que eu não conseguiria largar tão cedo.

Falando nisso, onde ela esta? Já deveria ter chegado, esta tão tarde, talvez esteja lá em cima. Hm, onde esta o meu livro? Juro que ele estava em minhas mãos, e pelo que eu saiba, livros não saem andando sozinho.

Deve ter sido ela, me sinto mais aliviado.

Subi as escadas, e adentrei o quarto dela, que agora era nosso, encontrei algumas sacolas no chão do quarto, tratei de ver o que a menina havia comprado, e lá tinham roupas, roupas, e mais roupas.

Ela podia ter comprado um livro para mim, resmunguei sozinho.

-Estrela, você esta no banheiro? -Perguntei batendo na porta do banheiro do corredor.

-Sim, estou -Ouvi ela falar.

-E meu livro esta ai com você? -Falei desejando estar errado.

Meu precioso livro sendo usado no banheiro, e se ela estivesse..

-Sim! Esta! Agora vai indo para o quarto, quero privacidade -Ela gritou um tanto zangada.

Nããão!

Isso que dá se casar com uma humana, essas criaturas não tem higiene alguma, e não percebem o valor de um livro, mas o que fazer, não é como se eu pudesse me livrar dela nessa altura do campeonato.

Fui para o quarto e me joguei na cama frustado, eu mal pude saber o final, sabia que deveria ter aguentado firme, mas não, tive que ter essa fraqueza humana de pegar no sono!

Fechei meus olhos um pouco e suspirei.

Assim que os abri, me deparei com a cena mais sexy do maldito universo, minha estrela cadente, vestia uma daquelas roupas sensuais de empregada, ela estava parada na porta, observando minhas reações, chuto que eu estava de boca aberta até agora, mal conseguindo respirar.

-O que houve, senhor? Um gato comeu sua língua? -Ela questionou se fingindo de ingênua.

-Senhor? -Perguntei engolindo um seco.

Ela sorriu, um sorriso sapeca.

-Claro, afinal você é meu mestre, senhor -Ela disse colocando as mãos na cintura.

Só havia uma explicação lógica para o que estava acontecendo.. ainda estou cochilando no sofá, e isso é obviamente um sonho, faz todo sentido, só pode.

-Tem razão, então que tal vir aqui? -Pedi, ou mais perguntei, com ela vestida dessa forma tão picante eu mal conseguia soar rude ou persuasivo.

A menina andou em direção a cama, a forma com que ela caminhava era lenta e provocativa, quando pensei que a teria em minhas mãos, ela se desviou da cama, e virou de costas.

-Perdão mestre, mas agora eu devo trabalhar, não quero perder o emprego -Ela virou o rostinho e me lançou uma piscadinha.

Perder o emprego!? Do jeito que ela estava, poderia jogar água fervente na minha cara, que eu ainda estaria caído de joelhos por ela.

Tratei de me sentar na cama, eu precisava ficar de olho em seus movimentos, o que será que essa menina ia aprontar? 

Ela se ajoelhou no chão, e empinou o traseiro, me dando uma bela vista de sua calcinha branca, lambi meus lábios lentamente, era torturoso ver essa bela estrela e não poder prova-la.

-Mestre, poderia pegar um pano para mim? Eu preciso limpar o chão -Ela disse mordendo o lábio superior.

Levei meio tempo para entender seu pedido, ela já estava ficando impaciente com minha demora, pois ela franziu a testa e fez bico, e caramba, quando ela fazia essa carinha, eu ia a loucura.

-Pano, ah.. -Sem perder tempo, usei meus poderes para invocar um pano, me levantei da cama e fui até a menina, uma oportunidade perfeita para me aproximar dela.

Ergui o pano até a menina, ela o pegou e sorriu satisfeita, afinal eu já estava entrando em sua brincadeirinha.

Ela começou a passar o pano no chão, sei que estava fazendo só para me provocar, afinal, a estrela cadente odeia fazer limpeza, e ela mal sabia fazer da forma correta, ela se curvou mais ainda, me dando uma vista graciosa de suas nadegas.

Não pude me conter, me abaixei um pouco de forma silenciosa para que ela não notasse, e por fim, passei minha mão sobre sua bunda, ouvi ela resmungar baixinho com meu toque repentino.

-Mestre.. não pode fazer isso, é errado -Ela disse soando uma menina inocente, porém eu sabia que era atuação.

 

Sua voz estava mansa, e ela me olhava com aqueles grandes olhos castanhos, fazendo um beicinho, isso me fez sorrir de forma maliciosa, eu iria me divertir muito com minha empregadinha.

-Você é minha empregada, não deveria acatar a todos os meus desejos? -Rebati de forma convencida.

Percebi que a mesma não tinha argumentos contra aquilo, ela ficou quieta, e voltou a fingir que estava limpando o chão, aproveitei que ela estava com a bunda empinada de novo, e dessa vez a agarrei por trás, segurei seus quadris com firmeza.

-Ca..Calma.. -Ela pediu nervosa.

Esse é o problema da minha estrelinha, ela começa a provocar, mas não aguenta ser provocada, que menina levadinha, bom, ela quem começou, agora que aguente.

Esfreguei meu membro contra as nadegas da moça, eu já estava ficando ereto com aquilo, infelizmente uma boa camada de roupas nos impedia de sentirmos nossas peles.

Continuei me esfregando, me peguei gemendo baixo de prazer, enquanto a estrela se apoiava com as mãos no chão, a menina por si só já começava a se esfregar também, aproveitei que ela estava entregue e decidi explorar seu corpo.

Passei minha mão em sua coxa, deslizando devagar, pude tocar em sua meia alta, uma renda bem delicada, eu poderia facilmente rasga-la, assim como sua calcinha.

Subi meus toques até seus seios, o tecido de sua roupa era bem fino, não foi dificil perceber que ela estava sem sutiã, agarrei seu bico e apertei com vontade, arrancando um gemido alto da morena.

-Você esta me torturando -Ela disse ofegante.

-Só eu? -Questionei já não me aguentando mais.

-Me deixa brincar com o senhor também -Ela pediu.

Eu normalmente não gosto de ser dominado, mas estou curioso para ver o que ela vai fazer, acabei a soltando, permitindo ela se mexer, a menina engatinhou até onde eu estava.

Então com certa dificuldade, já que suas mãos estavam trêmulas, a morena abriu o botão e o ziper da minha calça, e com cuidado, puxou meu membro para fora da cueca, só de sentir seu toque, me arrepiei.

-O mestre esta mesmo duro.. -Ela disse massageando minha parte com suas mãozinhas delicadas de boneca.

Mordi meu lábio com força, caralho, ela fazia isso tão bem, se já me deixava assim só com suas mãos, imagina com sua boca, eu iria delirar de vez.

Senti sua língua deslizando pela minha glande, ela fazia de forma lenta, até que o abocanhou e começou a chupa-lo com convicção, ela ficava melhor nisso a cada vez que fazia, puxei um pouco seus cabelos, fazendo um carinho, afinal, ela esta fazendo direitinho.

-Mabel.. -Gemi seu nome, eu já estava suando.

-Já vai gozar, mestre? -Ela questionou provocativa.

-Não, prefiro gozar dentro de você -Falei a empurrando.

A menina sorriu e se deitou, no chão, fui com vontade para cima dela, e lhe tomei os lábios, a beijando, eu apalpava seu seio, e ela puxava minha camisa com força.

Minha língua já adentrava sua boca, provando de seu sabor, um hálito de morango, um de seus doces favoritos, e o meu se estiver junto de sua boca, ela mexia a língua com a minha, e suspirava durante o beijo, acho que já estava com falta de ar.

Senti ela tentando abrir minha camisa, dessa vez sem muita delicadeza, arrancando alguns botões, aproveitei sua distração, e avancei para seu pescoço branquinho, o chupando e dando mordidinhas fortes, ela estava muito ofegante.

Conforme a gente se mexia, meu membro se chocava contra sua intimidade, ainda coberta pela calcinha, precisava me livrar dela logo, sem um pingo de cuidado, puxei sua calcinha afim de rasgar.

-Ei! Era nova -Ela resmungou.

-Cala a boca -Pedi me posicionando no meio das suas pernas, e a penetrando.

Ambos gememos, era tão gostoso seu interior, quente e apertado, os olhos da menina estavam fechados, ela parecia de retrair um pouco, mas por fim ela pareceu relaxar.

-Bill.. -Ela disse abrindo os olhos.

Sorri para a mesma, e desabotoei sua roupa, assim eu pude ver seus seios, e mordisquei um, a estrela puxava meus cabelos com vontade, e eu lambia seu bico, que por sinal estava bem duro.

E por fim, comecei as estocadas pra valer, ela se segurava em meu pescoço, gemendo em meu ouvido.

 

-Eu não aguento.. -Ela disse arfando, alguns fios grudavam em sua testa, ela estava muito bela.

-Aguenta.. -Falei confiante, enquanto continuava a fode-la.

Não demorou muito, e acabei gozando dentro da menina, e desabei sobre a mesma, pude sentir seu coração palpitando, estava muito acelerado, assim como o meu.

-Dentro... não.. -Ela disse fechando os olhos.

Mabel sempre parecia preocupada com isso, mas eu honestamente não me vejo sendo pai, sinto que qualquer um nesse mundo consegue isso, menos eu, me sinto.. incapaz disso.

Espero estar certo.


Notas Finais


Hmm e--e


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...