História Mad Hatter - O Conto de uma Azulada - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jeff The Killer
Personagens Jeff, Personagens Originais
Tags Amor Psicopata, Anyel, Creepypasta, Jeff The Killer, Lenda Urbana, Terror
Visualizações 161
Palavras 2.496
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bem a gente não vai enrolar muito ~Dra. Creepypasta
.
Então por favor leiam as Notas Finais antes de começar a ler o capítulo ~The X
.
Até porque não da pra colocar link aqui ;-; ~Dra. Creepypasta
.
E também tem alguns imagens que vocês precisam ver, para terem uma pequena noção de lugares ~The X
.
Boa Leitura ~Dra. Creepypasta
.
.

Capítulo 2 - Capítulo 2: Segundo contato


Fanfic / Fanfiction Mad Hatter - O Conto de uma Azulada - Capítulo 2 - Capítulo 2: Segundo contato

P.O.V Jeff

.

(4)

.

No dia seguinte eu acabei dormindo a manhã inteira e acabei não indo seguir e vigiar a azulada, mas pelo menos eu sabia onde ela morava e que horário ela chegava em casa. Depois de ter tomado meu banho e colocado uma roupa um pouco melhor do que as outras, eu sai de casa e voltei a andar pelo caminho que me levava até a cidade, andei pela cidade sem rumo apenas olhando as coisas, até que eu vi a azulada, achei que ela estivesse em casa a essa hora, não que eu estivesse curioso mas eu segui ela para saber onde ela iria. No final chegamos a um beco ao lado de um restaurante, fiquei parado olhando ela andar pelo beco sem nenhum medo, até que algumas garotas a cercaram...eu tinha ideia do que iria acontecer, mas não fiz nada, pelo menos não ainda, se alguém me descobre estou muito fodido, mas alguma coisa dentro de mim dizia para eu ir lá, apenas ignorei e fiquei olhando, a azulada não fez nada, mesmo tendo porte para acabar com as 5 garotas que estavam cercando ela

.

.

> Que garota idiota, ela não vai fazer absolutamente nada, patético nem sei porque não matei ela ontem a noite < - Pensei ainda olhando a cena

- Isso é por você ficar roubando a atenção do meu namorado - Eu escutei uma loira falando e ela deu um soco sem quase nenhuma força na cara da azulada

- Você nunca deveria ter chego na nossa escola seu monstro - Vi uma morena baixinha falar de chutar a azulada a derrubando no chão

- Fica vendo essas coisas de terror, essas coisas horríveis como aquele tal de Jeff - Uma garota de cabelos platinados falou e começou a chutar a azulada que nada fazia para se defender, mas...ela estava falando de mim? Com certeza não é idiota, você é o único Jeff que causa terror nesta cidade

- Você nunca deveria ter nascido, seus pais deveria ter te jogado em um lixão - Disse uma garota de cabelos rosa. Todas elas começaram a chutar a azulada no qual já estava sem forças para fazer nada por causa de chutes que ganhava na cabeça

- Monstros nunca devem se misturar com as pessoas, porque ele são monstros - Por fim falou uma garota de cabelos vermelhos que deu u chute forte no rosto da azulada, para mim foi o fim da picada, eu saquei minha faca e fui até elas, parti para cima de cada uma não deixando nenhuma viva, no final nenhuma era tão forte assim como queriam demonstrar

.

.

Depois de ter matado elas eu olhei para a azulada que estava caída no chão, de seu rosto escorria sangue e tinha várias partes de seu corpo que estavam vermelhas ou roxas, seus olhos estavam praticamente fechados, eu dei um passo para começar a andar até ela, mas logo parei de andar quando vi ela se mover e tentar se levantar, mesmo fraca daquele jeito, sangrando e com possíveis dores ela não iria parar por ali?Ela se levantou com dificuldade e se virou pra mim, seus olhos agora estavam realmente fechados então ela não me via

.

(2)

.

- Eu agradeço pela ajuda que me deu, mas não deveria se meter nos problemas dos outros, você pode ficar com problemas por minha causa...Mas mesmo assim obrigada - Ela se virou e começou a andar com bastante dificuldade para o outro lado do beco, eu comecei a andar atrás dela - É impressão minha ou você está me seguindo?

- ... - Eu fiquei relutante em responder qualquer coisa, mas no final eu acabei respondendo, uma mentira, mas respondi - ... Vi aquelas garotas lhe seguirem, achei que tinha algo estranho, quando eu cheguei elas já estavam te batendo

- Elas te machucaram? - A azulada perguntou preocupada?

- Não! Não me machucaram - Eu respondi e ela voltou a andar e eu voltei a seguir ela. Passamos longos minutos sem falar nada, eu parei de seguir ela e a mesma deve ter notado pois parou de andar quando estava a uns 3 metros a minha frente, nos estávamos na esquina da casa dela

- Quer entrar? Eu sei que meus pais vão reclamar de um levar um garoto pra casa, mas eu gostaria de lhe agradecer por me ajudar - Ela falou calmamente

- To de boas - Eu respondi dando de ombros - E também já cheguei na minha casa, mas eu vou te acompanhar até sua casa depois eu volto - Eu respondi dando uma resposta escrota, mas ela apenas fez um sinal com a cabeça para que eu a seguisse e assim o fiz. Quando chegamos a porta da casa dela, eu fiquei parado na entrada da casa a olhando, ela se virou pra mim

- Obrigada por me ajudar e......ter me livrado da minha irmã....Jeff The Killer - Ela abriu a porta da casa e entrou sem chance de eu poder dar respostas

.

.

Ela sabia que era eu? Ok isso não era de se esperar ela estava com os olhos fechados......a não ser que eles não estavam fechados totalmente, ah caralhos eu vou me fuder muito nisso, estou fudido vou ser preso, não deveria ter ajudado ela, nem sei porque ajudei ela....melhor eu voltar de noite e matar ela logo, não vou deixar ela abrir o bico. Ei sai dali e fui pra minha casa, quando cheguei fiquei pensando naquela garota "Obrigada por me ajudar e ter me livrado da minha irmã....Jeff The Killer" fui pro banheiro, tomei um banho e coloquei um pijama, apenas uma calça de moletom preta, deitei na minha cama e fiquei olhando o teto, acabei dormindo com ela em meus pensamentos e aquela frase escoando na minha cabeça

.

.

P.O.V Anyel

.

(1)

.

Depois de ter entrado em casa eu recebi um olhar mortal dos meus pais, ele ficaram me dando sermão sobre me meter em brigas por um longo tempo, depois de me liberarem e me porem de castigo sem poder sair por 2 semanas eu fui para meu quarto, separei uma roupa e fui ao banheiro, tomei um banho e lavei meu rosto sujo de sangue, depois de longos minutos na banheira sai, me sequei e dei uma ajeitada em alguns cortes, depois voltei ao quarto e coloquei a roupa que eu separei, deitei na cama e acabei apagando, dormi com a imagem do Jeff na cabeça, ele era realmente real ou isso era uma pegadinha da minha mente?

.

.

Eu acordei e estava de noite era umas 18:15 da noite, eu dormi a tarde toda, melhor eu levantar e me arrumar, novamente me levantei fui ao banheiro, tomei outro banho, depois voltei ao quarto e coloquei uma roupa qualquer, uma camiseta regata preta, um suéter vermelho e preto por cima, uma calça jeans preta, um all star preto, depois arrumei meu cabelo e botei uma peruca por cima, dei um ajeitada nos curativos do rosto, depois sai do quarto e fui para a cozinha, fiz a janta, depois meus pais e eu jantamos, e o resto já sabe né? Lavei, sequei e guardei os pratos como todos os dias.

.

(3)

.

Depois disso eu voltei ao quarto, fechei e tranquei a porta, quando me virei eu vi aquele ser branquelo com um sorriso macabro no rosto, eu levei um susto e acabei caindo sentada encostada na porta com a mão no coração, isso fez o garoto soltar uma risada, eu me recompus e me levantei, comecei a andar de um lado para o outro no quarto falando comigo mesma

.

.

- Olha no que deu Anyel, de tanto você ver Creepypastas você está vendo uma sentada na sua cama, segurando uma faca pronto pra te matar, vamos respira, inspira e não pira, não grite não faça nada - Eu passei as mãos nos cabelos e tirei a peruca jogando ela em qualquer canto do meu quarto, aquele ser parecia gostar do que eu estava fazendo

- Pode acreditar...eu sou bem real garota - Eu parei de andar e fiquei na frente dele, o olhando sério, não estava com medo dele, mas eu tava em dúvida sobre ser real ou não

- Mostre! - Eu falei o olhando nos olhos, aqueles olhos negros sem vida, que apenas querem ver a morte, ele me olhava um pouco espantado - Vamos mostre que é real e não uma coisa da minha mente, anda me mate - Eu falei o olhando, eu estava o desafiando, mas e se eu morrer? Não me importa não farei falta, até porque ele estaria me fazendo um favor, ele se levantou bravo, ficou na minha frente e colocou a faca no meu pescoço

- Não tem medo de morrer garota? - Ele perguntou e sorriu de forma debochada para mim, isso fez seu sorriso se alargar cada vez mais, eu o continuei encarando sem nenhum medo

- Não! Se me matar aqui e agora ninguém vai se importar, nem eu me importaria estaria me fazendo um favor - Eu falei ainda o olhando nos olhos, mas levei uma das mãos até a mão que ele segurava a faca e a segurei também, comecei a levar a mão dele e a faca para cada vez mais perto do meu pescoço, até ela realmente ficar a milímetros de distância da minha pele

.

.

P.O.V Jeff

.

.

Essa garota não tem medo de morrer, ela quer que eu mate ela? Ela realmente não se importa, senti ela segurar a minha mão e levar a faca cada vez mais perto de seu pescoço, até ela ficar realmente muito perto, sua mão era macia, e delicada, se ela não vai sentir medo e gritar não tem graça....vou a deixar vive isso não vai ser a mesma coisa, puxei a minha mão sem muita força apenas para afastar a faca do pescoço dela, eu fiquei a olhando por longos minutos em silencio, eu escutei ela soltou uma risada baixa e debochada, a olhei com raiva

.

.

- Nem para ser morta eu sirvo, tão patética que não serve nem para morrer - Ela me deu as costas e andou até a janela onde ela se apoiou ali e ficou olhando o céu estrelado - Porque? - Ela virou a cabeça me olhando sem entender - Porque me ajudou? Porque está qui? Porque não me matou? - Ela fazia muitas perguntas, mas para nenhuma delas eu tinha uma respostas

- ..... - Eu me calei por uns 5 segundos e andei até ela ficando ao lado dela encostado na janela - ......Porque você me despertou curiosidade - Eu senti o olhar dela em mim e continuei a fala - No começo eu iria apenas te matar, mas.....você me despertou curiosidade

- Porque? - Ela perguntou ainda me olhando. Que coisa chata ela só sabe falar isso agora?

- ....Eu também não sei....mas quando te vi apanhando não sei o que deu em mim....então apenas fiz o que faço de melhor...matei...Você tinha porte pra acabar com elas, mas não o fez.....porque? - Eu olhei ela iria entrar no mesmo joguinho do porque dela, ela me olhou por alguns segundos mas logo voltou a olhar o céu

- Caso eu tivesse revidado elas reclamariam a diretora que eu havia batido nelas, e eu acabaria ganhando uma punição, se eu ganhar uma punição me ferro com os meus "Pais" - Ela fez aspas com os dedos - Não importa o que eu fale, não importa o que eu diga, para a escola eu sempre vou ser o monstro que está errado, e para meus "pais" eu sou apenas uma máquina que tem que ganhar boas notas

.

.

Ficamos calados olhando o céu por longos minutos, que para mim esta parecendo horas, e aquilo estava começando a ficar desconfortável, até de mais, foi quando eu resolvi quebrar gelo entre a gente, eu sou péssimo nisso, mas fazer o que? Não tem nada a fazer

.

.

- As vezes ser o monstro da história é bom - Ela me olhou confusa, e eu acho que eu to piorando um pouco situação

- Como assim? - Ela perguntou ainda me olhando

- Olha pra mim, eu sou o monstro da história de muitas famílias, mas é bom ser o monstro, no meu ponto de vistas - Eu dei de ombros. O que está me levando a ser assim com ela? Não sei e não me importa, mas eu vou levar ela comigo, eu só preciso de mais de sua confiança, eu escutei ela soltar uma risada baixa

- Realmente olhando pelo seu lado é realmente bom ser o monstro da história, poder matar quem bem entender, fazer o que quiser quando quiser, sem ter alguém pra te tratar como uma máquina, ser livre... - Ela apoiou o rosto na mão em quanto olhava o céu com um sorriso bobo nos lábios, ela parecia sonhar com tudo isso

- Você....já teve vontade de....ah nada esquece - Eu me desencostei da janela e fui na direção da porta do quarto dela

- Ah vamos fala ae - Ela olhou pra mim

- Você já....teve coragem de se tornar uma assassina?

- Ah....bem....já....mas nunca tive essa chance, sabe eu praticamente sou vigiada o dia inteiro, não tenho tempo para pensar na morte deles, e bem quando chega de noite eu estou muito cansada, acabo deixando de lado - Ela andou até a cama e se jogou ali

- Mas você queria isso? - Eu olhei cada passo dela

- Tudo para ter a minha liberdade - Ela falou sorrindo minimamente, ela realmente faria de tudo para alcançar sua liberdade

- Arrume 3 malas com roupas, você vai passar um tempo lá em casa - Eu falei e andei até a janela e me sentei na mesma

- O q-q-que? - Ela perguntou sem acreditar e me olhando

- Isso mesmo, eu vou lhe mostrar o que é liberdade e você vai aprender a matar - Não sei porque estou fazendo isso, mas não sei parece ser legal ter alguém que te entenda para te acompanhar

- OBRIGADA JEFF - Ela soltou um grito e veio até mim, ela me abraçou e me deu um selinho bem demorado, eu não estava esperado por isso ganhei uma leve coloração avermelhada nas bochechas, depois ela me soltou e começou a comemorar pulando no quarto

- Até mais...Azulada - Eu ia pular a janela quando ela se pronunciou pela última vez

- Anyel, mas podem me chamar apenas de Any

.

.

Depois disso eu pulei a janela e fui pra casa, quando cheguei fiquei u tempo conversando com Smile Dog, que ficava falando que eu poderia estar querendo começar a sentir algo a mais por ela, eu neguei tudo depois fui dormir, não demorou muito para que eu dormisse com ela em meus pensamentos


Notas Finais


No meu ponto de vista para ficar um pouco mais legal essa história vão ter alguns momentos onde terá um número entre dois ( ) esse número corresponde ao número da música com o nome e link que vai estar aqui
.
.
1) Nome:Undertale the Musical - Fallen Down
Link: https://www.youtube.com/watch?v=1TpbMTYgoDU
.
2) Nome: Undertale the Musical - Home
Link: https://www.youtube.com/watch?v=hUUMUsAl97M
.
3) Nome: Undertale the Musical: Animated- Your Best Friend
Link: https://www.youtube.com/watch?v=gefCxz16k2s
.
4) Nome: Krao - Winter Love Never Melts
Link: https://www.youtube.com/watch?v=a82-EebsIE0
.
.
Quarto da Anyel: https://www.zillow.com/digs/traditional-master-bedrooms-5493869786/ (É a primeira imagem só que as paredes eram negras e vinhas)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...