1. Spirit Fanfics >
  2. Madness >
  3. Chapter fifteen - HAPPY BIRTHDAY, DICK!

História Madness - Capítulo 16


Escrita por:


Capítulo 16 - Chapter fifteen - HAPPY BIRTHDAY, DICK!


-> Capitulo 15 - Feliz Aniversário, Dick!

POV AUTORA.

   Dois dias depois e Violet ainda não tinha superado o que aconteceu. Foram longas horas com seus pais, ouvindo ameaças vindo do seu pai e no fim vê-lo algemado era uma sensação indescritível. Mas ainda sim havia aquele pingo de culpa por ter deixado sua mãe fugir. Ela estava errada mas ao mesmo não podia presenciar o helicóptero cair e a possível morte da Arlequina.

   E foram esses dois dias que Violet não saiu do seu quarto, acreditava que todos naquela casa de alguma a culpavam, mesmo não falando com eles sobre tal assunto. Bruce tinhas as duas bombas de Gotham presos e de repente apenas um, por culpa da garota. A culpa vinha unicamente dela. Mas o que ela podia fazer? Aquela mulher, mesmo sendo o que é, continua sendo sua mãe, com tudo o que ela fez, Violet podia enxergar a mulher ingênua que anos atrás Harleen já foi, podia enxergar uma mãe carinhosa e seleosa pela filha, que com toda certeza Arlequina teria sido.  

    Nesse meio tempo, a moça tentou evitar de todas as formas as pessoas da casa. Cancelou os treinos com Dick e até os momentos que passava com os outros meninos. Não ficava nem com Jason, que era, de todos, o mais próximo dela. Obviamente, ela não fazia isso de propósito, mas era como se precisasse desse tempo apenas para si mesma. Muitas vezes, Alfred era visto entrando e saindo do quarto dela com uma bandeja, ele não deixava de levar as coisas que a moça gostava de comer.

    Violet aproveitava momentos em que os meninos estavam fazendo ronda ou apenas na Bat-caverna para poder deixar o quarto e ir para um dos únicos lugares da casa em que ela tinha silêncio e estava rodeada de coisas que adorava: A enorme biblioteca da mansão Wayne. Dois andares de estantes lotadas de livros de todos os tipos e gêneros. Violet podia facilmente passar horas e mais horas sentada lendo um bom livro.

    Naquela tarde, Violet havia deixado o quarto. Ela se encontrava exatamente na biblioteca, sentada em uma das poltronas. Uma conversa profunda com Alfred que limpava uma das estantes.

- Você acha que eu sou má, Alfred? - perguntou ela, pensativa. 

-Se a senhorita está se referindo ao momento em que deixou sua mãe escapar, tenho absoluta certeza de que você não é má - disse o mordomo com seriedade - O que a senhorita fez foi exatamente o que todos fariam. Afinal Arlequina é sua mãe, não é? Ninguém gostaria de ver a mãe presa.

-Mas eu quero ver o meu pai preso, é errado? - a garota olhou para o mais velho com a sobrancelha erguida. 

- Bem, se tratando do Coringa não vejo nada demais.

   Violet soltou uma risada fraca e se acomodou ainda mais na poltrona, os dois pés em cima da almofada e os braços ao redor de suas pernas. Obervava enquanto o mordomo organizava alguns livros.

-Sr. Todd gosta de ler mas não gosta de organizar - comentou ele.

-Falando mal de mim pelas costas, Alfred? Que coisa feia - a voz reconhecida por eles disse - Esperava isso do Dick não de você. Estou bem decepcionado.

-De alguma forma, que não sabemos, ele puxou isso do Patrão Bruce - Alfred disse despreocupado - Nem filho biológico ele é.

-O drama? - Violet brincou.

-Exatamente.

-Legal, vou me sentar aqui e ouvir o que vocês têm para dizer sobre mim. Continuem, o assunto vai render - Jason sentou na poltrona ao lado da moça.

-Como eu disse, dramático - Alfred sorriu.

    Violet mordeu o interior da bochecha na tentativa de interromper sua risada. O mordomo não ficou muito tempo por ali, depois que terminou a limpeza deixou os jovens sozinhos.

- Achei que não ia sair do seu quarto nunca mais - Jason murmurou 

-Eu não fico o tempo todo lá - suspirou - Quando vocês estão fazendo ronda ou na bat-caverna, eu venho até aqui.

- Não quer mais ver a gente? - sugeriu o garoto em voz baixa 

- Eu não disse isso - Violet olhou para ele - Eu só precisava de um tempo sozinha.

- Bem, talvez hoje você não queira ficar sozinha - disse ele casualmente. - Hoje é aniversário do Dick e todo ano o Alfred prepara um bolo e todos nós fazemos uma pequena festinha em família 

- Isso parece divertido - Violet disse.

-Nenhum pouco - Jason balançou a cabeça - O Dick não é divertido.

    Eles riram e entraram em um constrangedor silêncio. A garota brincava com a capa de um livro que descansava sobre suas pernas. A capa velha e de coro quase não dava para enxergar o nome da obra. Se não fosse por juntar algumas letras aqui e outras ali, Violet não saberia que aquele era uma da obras famosas de Shakespeare: Hamlet.

-Naquela noite…- começou Jason - Quando estávamos na Ace Chemicals, eu e a sua mãe pendurados…Caso o Bruce não estivesse, quem você escolheria?

    Violet olhou do livro para o garoto. Era uma pergunta que nem ela saberia responder, porque quando tudo aconteceu, a garota não conseguiu escolher nenhum nem outro. Jason subiu na plataforma por conta própria e o Batman conseguiu pegar a mulher à tempo.

-Olha eu não vou ficar bravo se você disser que escolheria sua mãe - Jason levantou as mãos para cima - Eu entendo. Quero dizer, Arlequina pode ser o que for mas ela realmente parece gostar de você.

   Violet continuou calada, parecia pensar e considerar o que o rapaz havia dito. Ele estava certo quanto a isso.

- Eu acho que eu teria escolhido você - a castanha franziu a testa enquanto falava - Minha mãe sobreviveu uma vez naquele tanque…e ela não é nenhuma santa.

-Então eu seria sua primeira no opção - Jason disse com um sorriso arrogante

- Não me faça mudar de ideia, Jason - ela revirou os olhos ainda com um sorriso no rosto 

-Desculpe interromper, seja lá o que vocês estejam fazendo, mas o patrão Bruce quer todos na sala de jantar para o aniversário do Sr.Grayson - Alfred informou aparecendo na porta da biblioteca e depois saindo

    Os jovens se olharam brevemente e então gargalharam. Não havia um motivo real para isso, mas acharam engraçado a forma que Alfred havia falado. As poltronas que ambos estavam sentadas era uma do lado da outra, tanto é que quando os dois levantaram, acabaram ficando de frente um para o outro com apenas alguns centimetros de distância.

-Sobre o beijo…- Jason murmurou

-O que tem ele? - Violet disse em voz baixa.

- Eu queria me desculpar…- a garota abriu a boca mas foi rapidamente cortada por ele - Não que eu me arrependa, mas foi inesperado e em um momento não muito propício.

-É, e você nem tinha me levado para um encontro primeiro - Violet piscou o olho e então se virou para a porta da biblioteca.

   A mansão Wayne parecia deserta sem as vozes dos meninos. Violet supôs que, com exceção de Jason, o resto estava na Bat-caverna e Bruce não havia voltado da empresa.

   Havia uma única coisa diferente no meio da decoração antiga: Uma árvore de Natal gigantesca, repleta de enfeites de todas as cores e uma enorme estrela prateada no topo. Alfred havia montado-a um dia antes. Seria o primeiro Natal que Violet passava ao lado deles, depois de tantas datas comemorativas dentro do orfanato ou no seu atingo apartamento.

- Violet!

    A garota espiou por cima do ombro e encontrou com Tim saindo da cozinha com um bolo em mãos.

-Se importa de levar o bolo? - perguntou ele - Eu disse ao Bruce que iria avisá-lo quando chegasse o momento.

-Claro - Violet balançou a cabeça concordando. - Quando que eu preciso levar para a sala?

-Pode levar agora, Damian ficou encarregado de levar o Dick até lá - disse o moreno 

-OK.

     Tim sorriu agradecido e saiu em disparada para o andar de cima, preparado para avisar Bruce. A garota andou em passos cuidadosos com medo de derrubar o bolo. Tinha duas velinhas, ambas de números 2 e 3. Dick comemorava 23 anos.  Violet ficou esperando pela chegada dos garotos. O que não demorou muito, as vozes deles eram ouvidas pelos corredores, Jason parecia gritar ao invés de simplesmente cantar uma música. Damian foi o primeiro a entrar na sala, olhou para Violet e ergueu os polegares para cima com um sorriso.

-Feliz aniversário, Dick! - exclamou a garota quando o mais velho apareceu.

    O grupo bateu palmas e cantou alto. O rosto do moreno adquiriu uma cor rosada, das bochechas até a ponta do nariz. Ele parecia muito alegre e ao mesmo tempo um menino tímido que se mexia desconfortável.

-Faça um desejo, menino pássaro - sorriu ela.

    Bruce chegou bem a tempo, mas não falou nada. Ele e Alfred ficaram apenas olhando, o morcego não escondia um sorriso de canto de boca. Eles haviam acabado de voltar de uma coisa que poderia ter matado todos eles; Coringa está preso, Arlequina fugiu, mas isso é o de menos, por enquanto. A risada deles escondia os problemas que os rodeavam.  Violet tinha um brilho no olhar que os meninos não viam à dois dias. A felicidade estampada neles era algo que motivava Bruce à continuar o que ele aprendeu à fazer. Eram jovens com tantas responsabilidades nas costas.

-Pedido feito, hora do meu presente - Jason falou pegando o bolo das mãos da moça e retirou as velas, deixando-as sobre a mesa.

- Jason, eu não acho que seria uma boa ideia - Violet o alertou, percebendo de primeira qual era a intensão do rapaz.

-Claro que é. Diga parabéns, Grayson.

    Jason simplesmente empurrou o bolo no rosto do mais velho.

- Jason! - exclamou Violet, levando sua mão até a boca.

-Tem outro bolo - ele olhou para as expressões sérias do demais - Não tem, Alfred?

-Na verdade, Patrão Jason…esse era o único bolo - disse o mordomo 

- Eu imaginei que isso ia acontecer então eu comprei outro - Bruce desapareceu por alguns segundos e voltou com uma caixa de uma confeitaria da cidade.

- Você realmente tem preparo - Violet comentou espantada

- Eu sabia que ele ia comprar outro, por isso eu joguei esse na cara do Dick - Jason balançou os ombros. O rosto vermelho - Eu também tenho preparo.

-É melhor o senhor ir se lavar, patrão Dick, enquanto cortamos o bolo - Alfred sugeriu.

   Dick concordou e antes de sair passou um pouco do  chantilly na roupa do Jason que exclamou surpreso. Alfred, Violet e Bruce foram até a cozinha, onde cortaram o bolo e serviram em pequenos pratos. A garota e Bruce levaram pratos prontos até a mesa. Dick se reuniu ao grupo minutos depois, agora limpo e com uma roupa diferente, ele lançou um olhar sugestivo para Jason que riu ainda que estivesse preocupado com uma possível futura vingança do mais velho.

    Os minutos foram se passando, o bolo já tinha acabado mas eles não deixaram a mesa. Eram momentos raros que ficavam dessa forma, esquecendo o mundo fora da mansão e focados apenas neles mesmos. Não havia Batman, Asa Noturna ou Robin, tudo o tinha ali eram membros de uma família comemorando o aniversário do filho mais velho. Nem Violet imaginou momentos assim, risadas altas e genuínas.

-Fico feliz que tenha saído do quarto - Damian disse à Violet enquanto os demais iniciaram uma conversa entre eles - Todos nós ficamos.

- Você realmente ficou? - perguntou ela, um sorriso surgindo aos poucos em seu rosto - Isso é um progresso, Damian.

- Eu realmente fiquei - concordou ele antes de comer seu último pedaço do bolo - Mas eu consigo entender porque preferiu esse tempo sozinha, eu também teria escolhido isso.

-Então não vai jogar na minha cara que deixei minha mãe escapar e que agora ela pode libertar meu pai? - Violet indagou enquanto cutucava o chantilly que restou em seu prato com um garfo.

-Não vou mais fazer isso, tenho que aceitar que você é parte da família e que eu não posso opinar muito - disse ele com uma risada fraca.

-Pelo contrário, Damian. Você tem que opinar - a garota falou, séria.

-Sem ressentimentos, Quinzel? - Damian estendeu a mão na direção dela.

- Sem ressentimentos, Wayne - disse apertando a mão do garoto - E obrigado por ter me ajudado na fábrica. Foi muito corajoso da sua parte.

   O Wayne menor sorriu e voltou sua atenção na conversa de seu pai com seus irmãos. Violet continuou olhando para ele por alguns segundos e logo passou, também, à prestar atenção na conversa.

   Conversa vai, conversa vem e a luz do dia foi indo embora. Não que eles se importasse, até porque continuaram no mesmo lugar, tinham muito o que conversar um com o outro. Dick se silenciou muito rápido e Violet notou isso, a expressão dele foi caindo aos poucos até deixar seus olhos fixos em suas próprias pernas, não tinha mais tanta alegria como anteriormente. Ele levantou da cadeira discretamente, sem fazer muito barulho e saiu da sala. Ninguém mais percebeu além de Violet que também deixou a sala indo atrás dele.

   Dick saiu da mansão com Violet em seu encalço. O garoto parou no último degrau da escadaria no lado de fora, sentou-se e por ali em silêncio. Violet se aproximou dele e sentou ao seu lado.

-Não devia estar lá dentro comemorando seu aniversário? - perguntou ela em tom de brincadeira, mas o sorriso que ela tinha se desfez - Você está bem?

-Estou - Dick balançou a cabeça

   Violet semicerrou os olhos, parecia estar avaliando o moreno. Não sentia firmeza em sua resposta.

- Você…pode falar comigo se quiser. Sou uma boa ouvinte - disse ela com suavidade.

- Hoje é mais um aniversário que eu passo sem meus pais - Dick começou a falar em voz baixa - Não é um dia apenas de alegria, sabe…

-E o que aconteceu com eles? - perguntou ela com cuidado - Se quiser me contar, se estiver a vontade, se não tiver não tem problema.

- Eu acho que posso confiar em você sobre isso - ele suspirou e continuou - Meus pais trabalhavam em um circo, éramos uma família de acrobatas. Uma certa vez, um chefe da máfia daquela época matou eles bem na minha frente. Tudo por causa de dinheiro.

-Sinto muito, Dick - Violet sussurrou, apoiando sua mão no ombro dele - Eu realmente sinto.

- Eu sei, obrigado, Violet.

    O sorriso que o garoto deu, dessa vez, foi mais verdadeiro. Mas ainda assim existia um brilho de tristeza em seu olhar. Um brilho que infelizmente Violet conhecia.

-Se importa de me levar até eles? Queria conhecê-los.- perguntou ela hesitante - Se você ficar bem com isso.

- Você quer conhecê-los? - repetiu ele, parecendo surpreso.

-Sim. Eu sempre achei os acrobatas um máximo.

   Dick balançou a cabeça repetidas vezes e levou a moça até a garagem. Existia vários tipos de carros, dos mais luxuosos aos mais simples, que eram normalmente usados em missões. Dick e Violet entraram em um jeep. No caminho, Violet optou em não fazer mais perguntas sobre os pais do amigo. Não tinha certeza se fizera certo em ir até o cemitério com ele, não parecia ser correto, Violet não queria empurrá-lo para algo que não o deixasse bem. Mas se ele aceitou, não havia nada de mal nisso.

   A noite caira em Gotham, a luz da lua minguante iluminava o céu que não tinha uma única estrela. Porém, ele estava limpo e ainda mais brilhante. As luzes da cidade envolviam a escuridão, casas, apartamentos, prédios e comércios iluminados. Pessoas andando de um lado para o outro, ainda fazendo as compras e os últimos preparativos para o Natal que se aproximava.

   Eles enfim chegaram ao cemitério da cidade, uma névoa completamente assustadora o envolvia. Violet ainda parecia em dúvida se devia ter feito tal proposta de irem até ali. Dick parecia um pouco mais decidido e foi o primeiro a sair do carro. A garota fechou a porta do veículo e olhou para os lados, na frente do cemitério havia uma casa simples, porém com um arbusto cheio de flores lindas e bem cuidadas, Violet fez um sinal para Dick aguentar alguns segundos e caminhou até a casa, tentando ser a mais discreta possível, Violet colheu duas mudinhas das flores, retirando cuidadosamente os espinhos e pétalas secas.

-Não posso chegar de mãos abanando, é falta de respeito - explicou ela ao notar o olhar questionador do amigo.

    Dick sorriu um pouco mais e então eles atravessaram o portão já aberto. Violet nem se preocupou se o lugar parecia um verdadeiro cenário de filme de terror, na verdade toda a cidade parecia um cenário de horror. Eles andaram até o limite do cemitério, um lugar mais afastado onde os túmulos mais antigos ficavam. No chão, havia duas lápides com o nome MARY GRAYSON e outra com JOHN GRAYSON, lado a lado. 

   Violet se abaixou e depositou as flores na frente de cada lápide.

-É um prazer conhecer vocês, sr. e sra. Grayson. Eu sou Violet, amiga do filho de vocês. Nós meio que trabalhamos juntos agora. Ele é um ótimo amigo, se querem saber, um herói muito corajoso e um excelente acrobata. Está me ajudando muito desde que apareci de surpresa na vida dele e dos outros meninos. Somos como irmãos, mas não se preocupem ele sempre será o filhinho de vocês. Eu acho que é isso.

   Violet levantou e soltou um suspiro contente. Com um sorriso infantil no rosto, ela se virou para o amigo que também sorria.

-Obrigado, Violet. - disse ele agradecido - É bom ter uma irmãzinha para falar sobre isso.

- Estou à disposição - Violet se balançou sobre os pés - Feliz aniversário, Asa Noturna.


Notas Finais


*Como nesse momento, a história se passa em dezembro eu decidi acrescentar o aniversário do Dick e também pq ontem foi o aniversário dele nos quadrinhos*

Boa leitura❣


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...