1. Spirit Fanfics >
  2. Madrugada Neon >
  3. Erro Interno

História Madrugada Neon - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Primeiramente, a criação do universo desse livro foi baseado em muitos livros e filmes como: Neuromancer, Blade Runner, Altered Carbon, Mona Lisa Overdrive, e outros vários exemplos, isso não é uma Fanfic, então não apresenta personagens de algum outro universo mas sim terá muitas referências. Toda a história deste livro é de minha autoria, e caso queira dar ideias ou recomendar qualquer tipo de mídia que envolva o universo "Cyberpunk", eu agradeço desde já.(Ah, outra coisa, este primeiro capítulo na verdade foi escrito em um aplicativo chamado "Medium", que para escrever eu prefiro pois tem mais opções, mas eu prometo que os próximos capítulos serão escritos no "Spirit" mesmo. ;)

Capítulo 1 - Erro Interno


Fanfic / Fanfiction Madrugada Neon - Capítulo 1 - Erro Interno

O mundo já não é mais o mesmo, as coisas estão diferentes, as pessoas não pensam mais como antes, na verdade sempre foi assim, as pessoas nunca pensam a mesma coisa que ontem, a uma década atrás ou até mesmo um ano atrás. As coisas estão diferentes, o céu que antes era azul claro, agora é apenas cinzento, o Sol que antes sinalizava quando era dia, agora é apenas uma mancha alaranjada no céu, as noites e os dias agora são iluminados somente pelos letreiros de neon encontrados em todos os cantos das cidades, o mundo agora é “colorido” mas as pessoas são cinzas, a natureza é encontrada somente em hologramas e em pinturas. A enorme quantidade de prédios cobre todo o horizonte, mas tem um local apenas em que você pode ver o horizonte, um local onde você pode ver um pouco melhor do que é aquela mancha alaranjada no céu; eu chamo esse lugar de Jardim do Sol.

Pelo o que eu saiba apenas eu conheço esse lugar, e apenas eu vou lá visita-lo todos os dias e todas as noites, pois de noite consigo ver a luz solar refletida na Lua que forma uma mancha branca naquele céu todo escuro sem estrelas e a única fonte de luz é da cidade que faz tanto barulho de longe quanto de perto; agora estou no Jardim mas vou ter que sair logo daqui, estou devendo dinheiro para um cara bem filho da puta que está querendo a minha cabeça porque não paguei a merda da faca que ele me vendeu por fiado, ele que se foda também, tô sem grana pra pagar aquele otário e o problema foi dele não ter pedido o dinheiro imediato. O problema é que esse merda junto com os seus “amiguinhos” já ouviram boatos de que eu venho para o Jardim as vezes, e não tô afim de ficar correndo riscos aqui, vou para algum hotel barato no centro da cidade para conseguir descansar e me livrar de problemas.

O Osíris, é um hotel bem merda no meio da cidade, mas é o que o dinheiro consegue pagar, e tendo cama pra deitar está ótimo para mim, paguei 20 dólares para passar a noite em um quarto qualquer e fui em direção ao meu quarto temporário, no corredor em que meu quarto se encontrava, eu avistei uma garota de cabelo curto, com olhos castanhos, com seios pequenos mas com um rosto bem marcado, uma boca linda que entrava em harmonia com seu nariz, ela estava sentada em um banco de quartzo polido; ela estava olhando fixamente para uma das portas no corredor, achei estranho mas logo percebi que ela estava conectada na Matrix, então apenas segui para o meu quarto e entrei. O quarto era pequeno, dificilmente caberia 4 pessoas ali dentro, a cama de casal que se encontrava no meio do quarto tinha lençóis brancos levemente manchados, as paredes estavam mofadas e descascadas, a única fonte de luz ali era uma fita de led roxa que passava nos cantos das paredes e atrás da cama. Me deitei na cama e achei alguma posição confortável para eu ficar, eu queria tirar a minha calça jeans, mas estava com muita preguiça então fiquei ali deitado, olhando para o teto e ouvindo alguma música, estava pensando no que eu iria fazer no dia seguinte, talvez roubar alguém para conseguir mais dinheiro, ou tomar um café na Lautte, como eu sempre faço, eu não sei o que me espera amanhã mas irei dormir agora.

                          . . . 

O despertador está tocando, são 6:20 da manhã, eu consigo ouvir as buzinas dos carros voadores daqui de dentro, minhas costas parecem que irão quebrar a qualquer momento, talvez eu deveria usar algum exo esqueleto ou algo assim mas tenho preguiça demais para isso; preciso sair logo desse quarto antes que eu precise pagar mais uma diária.

Escovei os dentes, peguei meu casaco preto que estava jogado em cima da cama bagunçada e sai do quarto. A primeira coisa que vi quando sai foi um casal se pegando no banco flutuante que fica na frente do meu quarto, e eu admito que nunca vi algo tão bizarro antes, virei a esquerda no corredor e continuei andando, o corredor era sujo, tinha latas de refrigerante por toda a parte e embalagens de camisinha, isso deve ser pelo motivo de que a maioria dos jovens vem aqui transar escondido dos pais. Chegando na recepção, coloquei o dinheiro em cima do balcão, e um holograma de uma atendente surgiu atrás do balcão e pegou o dinheiro da diária em apenas sorriu para mim antes de sumir e me deixar sozinho naquele sala suja e úmida.

Quando sai do Osíris senti as gotas frias da chuva caindo em meu rosto, o céu estava escuro, como sempre, a cidade brilhando por causa da grande quantidade de neon espalhados pela cidade inteira, os carros voadores passavam a mil por hora em cima de mim, se fosse eu a uns 25 anos atrás eu estaria surpreso com todas essas coisas mas hoje, é apenas uma rotina. A rua estava cheia de gente como sempre, mas as pessoas parecem mortas, não expressam nenhuma expressão, a não ser as putas robóticas que ficavam nas esquinas e faziam expressões tentadoras, sinceramente essas putas robóticas são uma das piores coisas que criaram hoje em dia, foram feitas para dar afeto para as pessoas carente nesse mundo fudido onde as pessoas parecem mais máquinas do que os próprios androides que você pode encontrar em qualquer lugar. É engraçado eu falar assim, com certeza sou mais carente que qualquer pessoas que já conheci nessa vida, eu sempre me apoiei nas pessoas mesmo sabendo que elas iriam me machucar mais cedo ou mais tarde, muita gente que um dia me chamou de amigo me deixou pra trás e hoje eu não passo de algo turvo dentro das memórias cheias de bosta delas. Sim eu sei, eu deveria parar de ser dependente das pessoas, mas eu não consigo, eu busco receber o amor que nunca recebi na minha vida e eu sempre acabo chorando em uma cama horrível do Osíris.




Notas Finais


Fiquem ligados porque logo logo mais capítulos irão ser escritos. :P


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...