História Máfia Karasuno - Capítulo 31


Escrita por:

Postado
Categorias Haikyuu!!
Personagens Akaashi Keiji, Asahi Azumane, Bokuto Koutarou, Chikara Ennoshita, Daichi Sawamura, Hajime Iwaizumi, Kei Tsukishima, Kenma Kozume, Koushi Sugawara, Personagens Originais, Ryuunosuke Tanaka, Shouyou Hinata, Tadashi Yamaguchi, Tetsurou Kuroo, Tobio Kageyama, Tooru Oikawa, Yuu Nishinoya
Tags Daisuga, Haikyuu, Iwaoi, Kagehina, Máfia, Shipps Diversos
Visualizações 81
Palavras 2.818
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 31 - Perguntas


Fanfic / Fanfiction Máfia Karasuno - Capítulo 31 - Perguntas

21:04

APARTAMENTO DOS AGENTES DO GOVERNO

- UMA CÔMODA, UM GUARDA ROUPA, TRÊS PORTAS, DOIS COPOS, BURACOS POR TODA PARTE, BATENTE DE PORTA DESTRUÍDO..... VAMOS LÁ! TENHO CERTEZA QUE SE EU FUÇAR MAIS UM POUQUINHO EU ENCONTRO UM BURACO NO TETO TAMBÉM!!! 

Quase arrancando os cabelos, Goshiki berrava incrédulo para todos os mafiosos que, reunidos na sala de estar, ouviam a bela bronca do agente do governo. Ele andava de um lado para o outro, irritado, furioso e agitado. 

Tendou- O corrimão da escadaria está bom ainda Goshiki.. - sorriu, enquanto balançava o metal 

 

 

Um parafuso soltou-se na base.

 

 

Tendou apenas soltou, afastou-se e a enorme e pesada estrutura tombou devagar e caiu, quase acertando Yaku, Lev, Sugawara e Kunimi que estavam apoiados na parede bem abaixo do corrimão. Os quatro jogaram-se para frente, a estrutura caiu, fazendo um estrondo, quebrando duas mesinhas e diversos bibelôs na queda; os mafiosos ficaram no chão, assustados ainda. 

 

 Todos levaram um susto daqueles, levantando-se de onde estavam, ou afastando-se. 

Tendou ficou imóvel e receoso levou o olhar para o amigo que pálido, não respirava e olhava para aquela bagunça tentando processar tudo aquilo. 

 

Tendou- Fudeu... - olhou preocupado para Goshiki

 

Ennoshita- Ele parece que vai surtar.. - sussurrou para Halley ao seu lado 

Um olho do agente do governo tremia, ele apertava os punhos com força e sua respiração ficou descompassada. 

Ushijima- Goshiki, calma.... - já previa o que estava por vir e foi até o agente, segurando-o nos ombros

O rapaz de cabelos negros, ainda arfava e ficava vermelho. 

Halley- Goshiki-kun.. Calma.. Calma... - ela pegou nas mãos do agente e juntou-as com as suas, fazendo-o olhar para baixo, para si- Respira comigo. Vamos lá. Inspira, expira, inspira, expira. - ela representava os procedimentos e era seguida pelo rapaz trêmulo 

Kenma- Caham. É.. Como a ideia foi minha, eu.. An... Nós- pegou Kuroo pelo braço- nos responsabilizamos e pagaremos pelo conserto de tudo que foi avariado durante o nosso treinamento surpresa

Goshiki- Eu... Acho.. Bom...Mesmo... - dizia ainda com os olhos arregalados e acompanhando o exercício de respiração da Halley 

Kuroo- Nós vamos? - sussurrou para Kenma, levando logo depois uma cotovelada no abdômen do mais baixo, seguido de um olhar fuzilante - Cof Cof.. Vamos, com certeza. É claro! - recobrou a postura e afirmou em voz alta para Goshiki 

Yaku pensamento- De onde nós vamos tirar o dinheiro pra isso meu Deus? - olhou com várias gotas na cabeça para Kuroo, que entendendo o que o outro pensava, apenas deu de ombros e olhou para Kenma ao seu lado. Yaku meneou a cabeça prevendo que ia sobrar para alguém

Goshiki sentou-se na poltrona perto dele, com ajuda da Halley e de Ushijima. 

Halley- Shimizu, pega uma água pra ele por favor? 

Shimizu- Claro 

Silêncio

Halley- O resto, vai procurar o que fazer pelo amor de Deus! Ele vai surtar de vez se vocês continuarem na vista dele!! - falou quase que desesperada

Ela nem terminou a frase, todos começaram a sair apressados da sala, logo pegando vassouras, baldes, sacolas e luvas para ajudar na limpeza. Aquilo seria beeeem trabalhoso. A noite seria longa pelo visto. 

 

Já passava das 23:30 quando todos deram uma pequena pausa. 

O apartamento já estava praticamente todo limpo, apenas com as falhas nas paredes de gesso, nas portas e os batentes, que não poderia ser consertados de uma hora para outra; ainda mais por ser tão tarde da noite e não haver estabelecimentos abertos para repor peças ou comprar materiais de construção. 

O corrimão pesado, foi retirado por Bokuto, Asahi, Kuroo, Iwaizumi e Ushijima, que juntos conseguiram colocar a estrutura em pé, apoiada na parede. Eles chegaram a conclusão que não era viável tentar recolocar o corrimão no lugar pois além de amassada, a base de metal da estrutura estava arrebentada com alguns parafusos faltando, os quais ninguém conseguiu encontrar. 

Já era tarde e todos estavam cansados devido aos sustos, troca de tiros, limpezas, etc. Por isso, logo que todos terminaram- era quase 01:00- de arrumar e limpar, cada um se acomodou em algum lugar e dormiu. 

As meninas estavam levando o lixo para baixo, enquanto Kageyama e Hinata guardavam os materiais de limpeza. 

Hinata- Shimizu-senpai, mais alguma coisa? 

Shimizu- Não Hinata, acho que esse era o ultimo balde. Podem subir, tomar um bom banho e irem dormir. 

Kageyama- Você está bem? 

Shimizu- ? - ela olhou para sua barriga- Ah, isso.. Sim, estou. Asahi pega pesado quando quer, mas eu também não, não é com apenas um soco que eu vou perder não- ela piscou 

Hinata- Shimizu-senpai, você é tãoooo legal!! - falou com seus olhinhos brilhando 

Shimizu ficou surpresa com o elogio, e sorriu em seguida, afagando os cabelos do Hinata: Hahahah Obrigada Hinata. Descansem, ok? - ela disse serena, levando os ultimos dois sacos para o elevador e descendo. 

Hinata recebeu um tapa na cabeça, desequilibrando-o, quase levando o rapaz ao chão. Ele olhou furioso para trás e viu Kageyama com um olhar de superioridade para si. 

Hinata- POR QUE FEZ ISSO?? 

Kageyama- Porque fez a Shimizu-senpai ficar sem graça com um elogio inesperado desses, seu idiota! - falou irritado 

Hinata-Kageyama, seu desgraçado! - irritou-se, já fechando o punho 

-Parem!! 

Os dois voltam-se para a cozinha, de onde Yachi sai segurando um pano molhado torcido. Ela dirigia-se para a varanda, afim de estender o tecido recém lavado. 

Yachi- Vocês dois estão imundos! Vão tomar um banho logo e parem de brigar! - ordenou, visivelmente irritada

Hinata e Kageyama perderam a irritabilidade e baixaram a cabeça, assentindo para a loirinha e subindo as escadas para o quarto designado a eles. 

A menina colocou a mão na cintura, vendo suas silhuetas sumirem pelo corredor do segundo andar. 

Yachi- Francamente... - suspirou, encaminhando-se para a varanda 

- Você leva jeito para controlar aqueles dois... 

Yachi leva um susto que a faz pular meio metro e soltar um gritinho. 

-Calma, calma, calma! Sou eu! Kuroo!

A garota olha para o lado, vendo o capitão da máfia Nekoma, sentado numa cadeira de descanso na varanda, com um caderno e lápis na mão. Ele usava óculos no momento e a meia luz da lanterna amarelada na varanda, seu semblante que já era charmoso, ficou ainda mais atraente. Yachi sentiu suas bochechas esquentarem e logo virou o rosto. 

Aos olhos de Kuroo, ela pareceu chateada, pois seu olhar, pouco antes de virar-se, era cabisbaixo. Ele estranhou a atitude dela, então levantou-se. 

Kuroo- Desculpe. Eu não quis te assustar.- explicou-se sem graça, olhando para o lado 

Yachi- Não se preocupe Kuroo-san.. - ela disse estendendo o tecido, de costas para ele 

Kuroo- Eu te deixei chateada? Isso? 

Yachi- ? An? - ela virou-se confusa para ele. Do que ele estava falando? 

Kuroo- Seu olhar. Parece que está chateada. Foi por causa do susto? 

Yachi- Não! Eu não estou chateada com nada. Acho que você imaginou coisas Kuroo-san. - ela sorriu, voltando-se para o varal, de onde recolhia os panos já secos 

Kuroo ficou observando-a ainda, visivelmente desconfiado. Ele e a loirinha da Máfia Karasuno sempre se deram bem, mas nunca foram muito próximos, por isso não sabia se deveria perguntar-lhe algo, sem parecer intrometido. Ele resolveu arriscar, mesmo assim. 

Kuroo- Tem a ver com o Kageyama e com o Hinata?

Para olhos comuns, Yachi não apresentou nenhuma reação ao ouvir essa indagação. Mas Kuroo era um ótimo observador, ele tinha olhos de felino muito atento a tudo e todos, por isso em sua máfia, nada passava desapercebido pelos seus sensores. Graças a isso, sua fama como capitão da máfia dos felinos só ficou mais forte e temida. 

E sim, aos olhos analíticos do moreno, Yachi vacilara tanto na postura, quanto no que estava fazendo. 

Kuroo- Yachi.. - ele aproximou-se dela, sem que a mesma notasse, pegou em sua mão e parou o que ela estava fazendo- An.. - ele procurou as melhores palavras, mas era péssimo nisso, isso era uma certeza- Não somos próximos o suficiente, mas.. Eu sei que você sempre se abala com aqueles dois encrenqueiros. E isso afeta você de um jeito que poucos notam. Como você.. An... É.. uma pessoa importante para as máfias, e é.. minha amiga... Eu gostaria que falasse comigo quando se sentir desse jeito. 

Yachi- .. Que jeito?- ela sorriu, escondendo o rosto de Kuroo, olhando para baixo 

Kuroo- Desse jeito triste, chateada... - ele respondeu sincero 

Yachi apenas olhou para o lado, pesarosa. 

Yachi- É uma maldição sabe... 

Kuroo-? 

Yachi- É uma maldição da Karasuno. 

Kuroo- Como assim? - estava confuso e ao mesmo tempo assustado

Yachi- Todas as mulheres da máfia Karasuno são predestinadas a se apaixonarem por quem não devem, e obrigatoriamente sofrem em silêncio.. Porque é melhor pra todo mundo. - ela disse com raiva

Kuroo surpreendeu-se, não pela informação em si, mas por nunca ter visto Yachi com raiva antes. Passados alguns segundos, ele seu deu conta. Yachi estava apaixonada por um dos idiotas da dupla encrenca da Karasuno, e... Shimizu... Deveria estar apaixonada pelo próprio "Suga-chan", com quem ela tinha um namoro falso.

Yachi- Eu não quero que tenha dó de mim. - ela desvencilhou-se do toque do capitão da Nekoma, e virou-se de costas para ele- Eu não quero que ninguém me olhe com pena. Eu só quero que eles sejam felizes.

Kuroo nem se deu conta de quando e nem do porquê, mas sua mão segurou o pulso da loirinha, mantendo-na ali na varanda com ele. 

Kuroo- Eu não tenho dó, nem pena de você. Assuntos do coração, são um fardo que cada um carrega. Mas ficar triste, ser infeliz.. Isso tona-se responsabilidade de quem gosta de você, ajudar a melhorar. 

Yachi virou-se para ele, surpresa. 

Kuroo- Eu repito, não sou a pessoa mais próxima a você para dizer isso, mas eu me importo com você Yachi. Como se você fosse da minha máfia. No fim das contas, somos todos uma grande familia. E te ver assim não é algo que podemos deixar passar. Então.. O que você vai fazer amanhã a noite?

Yachi corou- O.. O que? 

Kuroo- Pelo visto nada. Então, amanhã as 20:30 nós vamos sair. 

Yachi- Por que? 

Kuroo- Porque você precisa espairecer e eu sei de um lugar que você vai gostar de ir. 

Yachi- Ma-Mas

Kuroo- Vou falar com o Daichi, tenho certeza que ele não vai se opor. 

Yachi- Kuroo... Espera.. 

Kuroo- Você não quer sair comigo? Isso? - ele curvou-se, aproximando-se dela 

Yachi afastou-se um pouco e olhou para o lado, meneando a cabeça, envergonhada. Kuroo sorriu satisfeito e contente. Ele pousou a mão na cabeça dela e passou por ela, dizendo: 

Então, 20:30, me encontre no térreo do prédio. 

Yachi sentiu-se inexplicavelmente feliz e respondeu baixinho: Ok. 

 

 

Quarto Kageyama e Hinata.. 

Kageyama- Hinata, anda logo! Eu também quero tomar banho. Você já está há quinze minutos aí! 

O moreno bateu na porta, mas não obteve resposta e estranhou. 

Kageyama- Hinata???! - gritou, mais bravo - Eu vou entrar! 

Hinata- NÃO ENTRE AQUI! 

Kageyama surpreendeu-se e olhou confuso e irritado para a porta. 

Kageyama pensamento- Como é que é? 

O moreno ignora completamente o protesto do outro e abre a porta do banheiro. Entre a névoa do vapor daquele chuveiro quente, Kageyama encontrou para seu deleite inconsciente, Hinata com as mãos em seu próprio membro, com uma expressão lasciva e as pernas bambas. Foram alguns segundos para Hinata dar-se conta de que Kageyama estava no banheiro junto com ele. E quando a ficha caiu, ele ficou vermelho, completamente vermelho e paralisou. Aquilo era um pesadelo. 

Hinata- NA-NA-NÃO OLHE! - ele virou-se para a parede, com lágrimas nos olhos e o rosto completamente vermelho

Kageyama não falou nada, muito menos expressou qualquer feição, apenas retirou todas as suas roupas rapidamente e enquanto Hinata falava algo do tipo, vá embora, ou eu mandei não entrar, o moreno aproximou-se por trás e abraçou as costas quentes e definidas do menor, aproveitando para pegar no membro ereto e duro do ruivo. 

Hinata fora pego de surpresa e não conseguiu reagir prontamente. Kageyama então, aproveitou-se disso e simplesmente começou a masturbá-lo, enquanto sussurrava bem perto do ouvido do menor:

Me diz que estava pensando em mim enquanto fazia isso... 

Sabia que fazer aquela cara, só me deu mais vontade de vê-la enquanto eu te fodo? 

Você quer sentir aquilo de novo não é? 

Você quer sentir meu pau dentro de você, não quer Hinata? 

Porque eu quero sentir você de novo... Todo entregue pra mim. Pra eu te foder a noite inteira, de quatro, embaixo do chuveiro, de pé... 

Hinata apenas suspirava, enquanto sentia um prazer maravilhoso com o trabalho da mão habilidosa do parceiro, e aquelas palavras sussurradas na voz sensual e deliciosa de Kageyama. Era inevitável, que depois de tudo o que eles passaram, os dois não deram avanço nenhum, além do episódio do quarto. Nem ao menos beijaram-se novamente. 

Eles dormiam juntos, na mesma cama, nos mesmos lugares até, como por exemplo o sofá. Mas nada passava disso. E infelizmente, o tempo que passavam juntos só torturava o menor, que queria não apenas desejar Kageyama a todo momento, mas sentir-se desejado. Como no quarto daquele Hotel.... Como estava se sentindo agora. 

Hinata- Ka...geyama... - ele gemeu, enquanto segurava na parede gelada a frente do seu corpo, o qual era explorado pelo maior, tanto com a mão em seu membro naquele frenético vai e vem, como pela outra que passava por todo seu corpo, apertando lugares indecentes e deslizando sobre sua pele- Você... An.... 

Kageyama- Eu? - ele sussurrou divertido para o outro, enquanto acelerava a movimentação no membro do menor 

Hinata- Eu... Ah, ah, ah, aaaaaah! 

Ele ficou mudo, apenas sua boca ficou aberta, enquanto ejaculava na parede a frente de seu corpo. Suas pernas perderam a sustentação e ele teria ido ao chão, se Kageyama não tivesse pegado-o em seus braços e prensado-o contra a parede, colocando uma perna no meio das de Hinata. 

Hinata estava zonzo e fraco, mas seus sentidos foram despertados assim que sentiu os lábios de Kageyama nos seus. Era um beijo calmo, saboroso e quente, que apenas o moreno sabia dar e do qual os lábios de Hinata ansiavam ha tanto tempo por uma segunda dose. Suas mãos então, foram de encontro aos cabelos parcialmente molhados do mais alto, encaixando perfeitamente seus rostos um no outro. Kageyama apertava a coxas do ruivo, sem dó, enquanto beijava-o demoradamente e com vontade. 

Se Hinata sentia-se frustrado pelo andar da carruagem deles, Kageyama estava quase pirando, a seu modo. Ele queria muito abraçar o ruivo a todo momento, mas aquilo lhe parecia tão infantil e careta que reprimia o que o outro despertava nele. O pior era que a presença de Hinata na mesma cama que ele todas as noites e todas as manhãs, só tornava tudo mais difícil. Pela primeira vez, Kageyama se viu com medo; ele não sabia a reação que Hinata teria para com ele. 

Hinata- Kag... Kage... Kageyama!- tentava falar em meio aos beijos insaciáveis do moreno que apenas queria prolongar o máximo possível, a sensação dos lábios do Hinata

Kageyama- O que? - disse, ainda olhando para a boca avermelhada e inchada do menor 

Hinata- Você... Realmente... Gosta de mim? 

Kageyama ficou em silêncio e olhou para o ruivo. 

Kageyama- Por que a pergunta? 

Hinata- Da ultima vez que conversamos sobre isso, você apenas me fez escutar a confusão que estava o seu coração, mas nunca me disse que gosta de mim, ou algo do tipo. 

Kageyama ficou em silencio, olhando para Hinata. Ele estava com medo e ao mesmo tempo com raiva. Como o ruivo poderia duvidar do que ele sentia?? Não era óbvio? A vontade que ele teve naquele momento era de provar para Hinata que ele gostava do ruivo e queria que o mesmo fosse dele, e apenas dele. Ele queria marcar o menor, queria fodê-lo até que o menor não tivesse condições de andar.... 

Mas... 

Hinata olhava-o de uma forma que algo dentro do moreno ficou confuso e quente. 

Kageyama então levantou o punho, fazendo Hinata ficar assustado e fechar os olhos, ele se assustou quando Kageyama bateu no azulejo ao seu lado. 

Kageyama- Você ta fazendo isso de propósito né? - ele disse entre dentes 

Hinata-Ka-Ka-Kageyama... Você... ia me.... 

Kageyama- Você me deixa com raiva, preocupado, irritado, confuso.... Feliz.

O ruivo sentiu seus olhos brilharem e olhou atentamente para Kageyama. 

Ele pegou no rosto do moreno, curiosamente, trazendo-o para perto de si. O ruivo sorriu, aquele sorriso lindo e genuíno dele. 

Kageyama- Sim Hinata. Eu gosto de você. Gosto muito de você. E sinceramente, espero que você sinta o mesmo. 

Hinata continuava sorrindo, mas dessa vez, algumas lágrimas brotaram do canto dos seus olhos e escorreram pela sua face. 

Hinata- Você não faz ideia do quanto. 

Kageyama- Você vai me dar muita dor de cabeça... 

Hinata- Pra isso existe remédio - brincou, puxando o moreno para um beijo carinhoso, prontamente retribuído e contente

 

 

 

Continua... 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...