História Máfia Liones - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias The Seven Deadly Sins (Nanatsu no Taizai)
Personagens Arthur Pendragon, Ban, Elaine, Elizabeth Liones, Escanor, Gelda, Gowther, Guila, Hauser, Hawk, Helbram, Jericho, King Liones, Meliodas, Merlin, Personagens Originais, Zeldris
Tags Melizabeth, Zelda
Visualizações 188
Palavras 1.058
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Musical (Songfic), Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiie gente, vou postar o capítulo mais cedo hoje, espero que gostem, desculpe o capítulo pequeno!

Capítulo 11 - Carta, Defunto...Convite?!


Fanfic / Fanfiction Máfia Liones - Capítulo 11 - Carta, Defunto...Convite?!

-Desgraçados._Acabo me irritando e jogo a carta na mesa, Gelda observa meus movimentos.-Demônios.

-O que houve?._Gelda se assusta com meus gritos e caminha até mim pegando a carta.-Queridos Liones, espero que gostem dos presentes, fizemos questão de deixar ele ficar em deconposicao para vocês, comprimentos da Máfia Demon._Ela finaliza.-Mais que grande saco de bosta.

-Mande analisarem o corpo para saber a quem pertenceu e depois enterrem essa merda._Falo calma.-Se eu pego esses amaldiçoados, sou capaz de mata-los._Sou interrompida por um dos guardas, ele carregava uma carta, ou melhor um convite?! Ele me entrega e se retira silenciosamente assim como entrou, olho para Gelda que da de ombros, abro a carta e leio em voz alta.-Liones, estamos honrados em convidar os senhores para uma festa de gala que ocorre todos os anos, o local será a casa dos Demons, espero que compareçam. Assinado Demons._Leio e jogo a carta para Gelda que a pega e analisa.-Merlin nunca nos falou nada sobre essa festa anual._Murmuro.

-Vai ver não e importante._Gelda diz.-E então vamos ou não?._Ela pergunta.

-Não sei, talvez não tenhamos tempo, precisamos começar a trabalhar nos nossos negócios._Respiro fundo.-Nos erdamos muitas coisas da Merlin, temos que cuidar do patrimônio que agora nos pertence._Gelda bufa.-Okay, vamos falar com a Diane para ver o que rola nessa festa._Digo.-DIANE._Grito assustando Gelda que cai no chão, a morena logo aparece trajando um pijama laranja e um balde de sorvete, ao seu lado Elaine com um pijama branco de renda e uma colher cheia de chocolate._O que sabem sobre essas festas dos Demons?._Diane larga o pote que cai no chão, ela corre em minha direção e puxa o convite o lendo.

-ELAINE OLHA ISSO._Ela chama a companheira que observa o papel.

-HAAAAAAA._Elas gritam junto.

-Podemos ir?._Elaine pede.

-Primeiro me diga o que sabe sobre esse convite._Esbravejo.

-Okay, bom, Merlin recebia esse convite todos os anos, mas ela nunca foi, eu e Eliane sempre queríamos irmã, mas Merlin dizia que não deixaria ninguém dos Liones ir até os Demons, então nós nunca fomos, podemos ir?._Ela pede.

-Vamos Elizabeth, vai ser legal._Gelda diz batendo palminhas.

-Não sei não, vai que esses Demons sejam uns velhos tarados._Reviro os olhos ao falar.

-Deixa de ser fresca amiga, somos mulheres poderosas e sabemos nos defender, não somos mais crianças._Gelda blefa.

-Está bem, está bem...Nós vamos._As garotas gritam com minha fala.-Essa festa será daqui três dias, então comprem logo os vestidos, e não se esqueçam de levar armas e facas._Digo e elas reviram os olhos._Essa e a condição para irmos, levem suas mini-armas e suas facas._Digo.

-Okay._Elas falam em uníssomo.-Ja mandou o corpo para a análise Gelda?._Pergunto atraindo a atenção da morena.

-Ja, o resultado fica pronto a noite._Ela diz saindo da cozinha sendo acompanhada por Diane e Elaine, fico sozinha no lugar iluminado apenas pela luz da lua, levanto da cadeira e vou para a geladeira pegando um pote de sorvete de morango, volto a sentar e puxo o vaso, meu celular em cima do balcão está desligado, o ligo e começo a jogar Clash Royale, os minutos se passaram e o pote de sorvete já estava no final, vejo minha playlist com músicas, a casa estava silenciosa.-Elas devem ter ido no shopping._Coloco apenas as batidas de uma música qualquer e acompanho cantando.-Cheio de desespero, dentro de uma escuridão
Auto-consciente e assustado, feito prisioneiro de guerra
Ficando sem ar, enterrado em uma tristeza
Quero uma maneira de sair deste mundo paralisante
Ao som dos gritos, quando um ente familiar morre
Ele ecoa através de uma sala vazia, onde uma alma jovem ainda reside
Quando a noite é fria, e você sente como ninguém soubesse
O que é ser o único enterrado neste buraco
Você pode fazê-lo até o nascer do sol
(Woah, woah, woah)
Você pode fazê-lo ao nascer do sol
(Woah, woah, woah)
Procurando uma maneira, para escapar da loucura
A extrema necessidade de mudança, porque nós lutamos por dias melhores
A mágoa e a dor, corta profundamente como uma lâmina
Segurando em um grito de amor, abandonado e com medo
.-Minha voz preenche a lugar vazio sem vida, essa casa sem a Merlin não é a mesma coisa.-Quando a noite é fria, e você sente como ninguém soubesse
O que é ser o único enterrado neste buraco
Você pode fazê-lo até o nascer do sol
(Woah, woah, woah)
Você pode fazê-lo ao nascer do sol
(Woah, woah, woah)
Eu não vou ir para a minha sepultura, até a diferença ser feita
Eu não vou ir para a minha sepultura, até a diferença ser feita
Até a diferença ser feita
Quando a noite é fria, e você sente como ninguém soubesse
O que é ser o único enterrado neste buraco
Você pode fazê-lo até o nascer do sol
(Woah, woah, woah)
Você pode fazê-lo ao nascer do sol
(Woah, woah, woah)
Eu não vou ir para a minha sepultura, até a diferença ser feita
Até a diferença ser feita, até a diferença ser feito
._Lembro do dia em que Merlin me deu minha faca, era meu aniversário de dezoito anos, ela me deu essa faca e disse que sempre que eu me sentisse só, era só olhar para a faca que eu entenderia que ela é Gelda sempre estariam comigo.-De tempos em tempos, surgem entre os seres humanos
Pessoas que parecem transpirar amor, tão naturalmente como o sol
Dando calor
._Desligo o celular o colocando no bolso e saio da cozinha deixando o pote vazio par atrás, subo as escadas e vou para a sala nos fundos, entro e vejo o cadáver embrulhado com um pano branco, olho para um papel ao lado e leio o nome da vítima.-Marmas._Murmuro. Saio da sala, ando a passos lentos até meu quarto, caminho até a sacada do quarto e observo a lua no céu, as estrelas brilhavam com intensidade.-A mamãe Merlin, porque essa angústia não sai do meu coração?._Pergunto olhando para o céu tomado pela brilhante escuridão. O vento gélido bate em minha pele causando alguns arrepios, as finas lagriamas descem de meus olhos formando uma nuvem embaçada prejudicando minha visão. Ouço alguns passos atrás de mim, olho pelo canto do olho e avisto Gelda, Diane e Elaine com um baldes de pipoca e litros de refrigerante.

-Vamos nos divertir um pouco._Elas falam e eu apenas sorrio limpando as lagriams que desciam.

-Vamos._Digo e as sigo para o lado de dentro. Um momento de calmaria.


Notas Finais


Gostaram?
Desculpa o capítulo pequeno S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...