1. Spirit Fanfics >
  2. Mafiosamente >
  3. Dias escuros

História Mafiosamente - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


Espero que gostem. Está muito perto do final e estou triste por estar terminando ela ;-;
Tem notas finais <3

Capítulo 21 - Dias escuros


Nunca fui de acreditar que iriamos um dia para o céu ou inferno. Sempre acreditei que, quando morrêssemos, teríamos o nosso merecido descanso. Vejo a morte como um sono profundo sem sonhos. A pessoa apenas deixa de existir neste mundo. Talvez Deus as guarde em sua memória e um dia, quando houver uma ressurreição (se realmente isso acontecesse), as pessoas iriam viver novamente em um lindo lugar.

Só que por um segundo eu achei que havia morrido e estava experimentando o sabor do inferno. Meu corpo todo está quente e meus olhos estão tão fechados que chego a pensar que nunca mais conseguirei abri-los novamente.

Mas eu sei que não estou no inferno.

Estou em um lugar mil vezes pior que o inferno.

Terra.

Sinto um corpo se mexer embaixo de mim fazendo com que eu desperte. Eu morri? Não sinto nenhuma dor e não sinto sangue escorrer no meu corpo. Certo, eu não levei um tiro e estou orando para que o tiro não tenha acertado Yoongi porque se isso acontecer, eu juro que não saberei o que fazer. Sinto meu corpo balançar para frente e para trás e meus ombros estão sendo tocados por mãos frias, tão frias que por um segundo achei que era gelo nas pontas.

E eu tenho medo.

Medo de abrir os olhos e ver o pior.

O movimento não para até que eu finalmente tomo coragem e os abro. É Yoongi quem está me sacudindo. Eu devo estar sonhando ou tendo alucinações, pois Yoongi se levanta e aponta a arma para Jackson que está jogado no chão sangrando. Eu não vi o que aconteceu e nem sei quem foi que atirou nele, mas desta vez, eu tenho absoluta certeza que não é mentira. Ele realmente levou um tiro.

Vejo Jimin se aproximar de Jackson devagar e se abaixar próximo ao seu corpo. Lentamente, como se estivesse receoso de alguma reação, Jimin calmamente direciona seus dedos no ponto vital do seu pescoço. Quando o vejo balançar a cabeça, sei que acabou. Tudo o que tivemos que passar chegou ao fim.

Jackson está morto. Ele realmente está morto na minha frente. E de novo, de novo tenho que passar por esta situação devastadora que é perder alguém.

Apesar de todas as coisas ruins que ele me fez, desde o momento em que ele fingiu a morte até a perseguição, a invasão na nossa casa até aqui, sinto-me completamente frustrada por as coisas terem terminado desse jeito. Eu sei que tudo o que passamos juntos não passou de uma mentira, mas ele vai continuar sendo o ex-namorado que já amei muito um dia. Na minha cabeça, ainda guardo aquela imagem dele sorrindo para mim. E eu quero acreditar que tudo não passou de um mal entendido e que Jackson fora corrompido pela maldade. Infelizmente, grande parte de mim sabe que nada disso é verdade e eu sou a única que não consegue admitir isso.

Agora ele não está mais neste mundo conosco. A sensação que tive quando o vi morto em frente a minha casa é a mesma que estou sentindo agora.

Eu continuo a olhar seu corpo esparramado no chão e entro em pânico. Eu quero gritar, mas nenhuma voz sai. Quero correr para o mais longe, mas sinto minhas pernas travadas bem ali.

Um fantasma. Jackson parece um fantasma que nunca vai morrer. E se ele realmente não morreu? Eu estou ficando louca.

- Hae – Yoongi me chama e eu, sem entender nada, continuo chorando – Hae, olha pra mim – e com os olhos embaçados e inchados, olho para o homem que me fez perder o mundo, para aquele que eu achei que estava morto nos meus braços – está tudo bem. Acabou.

Olho para frente, desviando minha atenção de Yoongi, e vejo homens e mais homens rodeando-nos. Alguns vestem casacos preto de capuz e seguram armas. Todas elas apontadas para Jackson. Parecem tão cansados quando Jimin e Yoongi.

- Vocês conseguiram? – pergunta Jimin, saindo de perto de Jackson e caminhando até eles.

Continuo a prestar atenção na conversa deles para tentar entender do que eles estavam conversando, mas Yoongi me chamou novamente e eu não pude ignorá-lo.

- Hae – Yoongi segura meu queixo fazendo com que eu olhe para ele.

Eu estou tão perplexa com tudo o que aconteceu que não tenho forças. Novamente me vejo sem chão. E eu sei que não teve escolha a não ser matar Jackson. Jackson não hesitaria em matar Yoongi se desse tempo de ele atirar antes mesmo de atirarem nele.

E neste momento, estou sentindo seus dedos tão gelados e urgentes em minha pele quente pela adrenalina, tentando fazer com que eu recupere os sentidos e me conecte ao mundo. Estou olhando no fundo dos seus olhos e tentando perguntar o que aconteceu de fato. Estou olhando para o homem que eu senti medo de perder hoje, senti medo de viver um mundo onde não há Min Yoongi e, mesmo tendo pouco tempo para nós, mesmo o Yoongi sendo esse tipo de cara que não hesitaria em matar se fosse necessário, eu não quero perde-lo.

- Você... – o analiso por completo, da cabeça aos pés. Sua camisa ainda está suja de sangue, o sangue eu estava tentando estancar, o sangue que agora está em minhas mãos e que provavelmente está pelo meu rosto porque não consigo parar de chorar e a tentativa de secar as lágrimas está falhando cada vez mais. – Você estava morrendo! Como...?

E como se isso fosse uma coisa bem óbvia, ele abre sua blusa e mostra seu colete a prova de balas e várias bolsas que pareciam ser sangue espalhadas pelo colete. Seus cabelos estão bagunçados e com o vento forte, é difícil mantê-los parados. Yoongi parece cansado, mas vivo. Ele realmente está vivo? Eu não estou mais no inferno ou no céu? Será que isso é apenas uma ilusão porque eu quero que Yoongi esteja vivo?

Minha mente está uma confusão completa, e, mesmo com as respostas bem na minha cara, eu não consigo compreender.

- Eu estou bem, meu amor. Olhe – ele pega a minha mão e a coloca em seu peito, fazendo com que eu sinta seu coração pulsar - eu estou aqui.

Desvio meu olhar para Jackson, mas Yoongi entra na minha frente.

- Não... Você...

Eu estou em choque.

- Vamos sair daqui. Você já presenciou coisas demais para o seu tamanho – disse ele tentando fazer graça, mas ele parecia tão devastado quanto eu e sei que deve estar sendo muito difícil.

- Mas... – insisto e, sem dizer mais nada, Yoongi me pega no colo deixando todos para trás, ele me coloca no carro. – Você...

- Fique quietinha – ele coloca umas mechas atrás da minha orelha – eu disse que iria te proteger, não disse? Apenas feche os olhos.

E quando o fecho, eu não consigo mais abri-los.

Todas as minhas energias foram embora e até agora não consigo distinguir o que é real ou apenas alucinação.

**

A primeira coisa que pensei quando acordei foi se eu estava sonhando. A primeira coisa que perguntei para Yoongi quando o vi foi se tudo o que aconteceu foi real. A primeira coisa que toquei foi nele e apenas nele. Eu precisava sentir o calor emanar pelo seu corpo e ouvir sua voz chamando meu nome, pois eu ainda estava pasma pelo que aconteceu. Imaginá-lo morto, sangrando, com certeza foi uma das piores coisas que já presenciei na minha vida.

Eu passei dias deitada na cama sem fazer absolutamente nada até ter forças o suficiente para perguntar a Yoongi do ocorrido. Eu pensei que se não falasse sobre isso, iria parecer que nunca aconteceu. Mas eu estava enganada. Isso me assombra todas as noites antes de dormir. Yoongi dorme ao meu lado, claro, pois com os pesadelos constantes, chega a ser difícil estar sozinha neste quarto. Só que eu preciso superar essa fase, sabe? Preciso seguir minha vida adiante. Não é como se Jackson não merecesse meu luto. Eu não estou apenas de luto por causa dele.

Eu estou assim por tudo que aconteceu nesses dias, em todos esses anos da minha vida. Eu não tenho esperanças de recuperar minha memória mais e, segundo os médicos, provavelmente elas nunca voltarão. Quando olhei para Yoongi, ele tentou disfarçar sua tristeza, mas era nítido o fato dele estar tão decepcionado quando eu. Eu queria poder compartilhar das mesmas lembranças que Yoongi, mas isso nunca será possível.

- Hae? – ouço Yoongi bater na porta do banheiro.

- Estou saindo – respondi, colocando rapidamente minha roupa e penteando meus cabelos.

Finalmente consegui sair da cama sem Yoongi implorar por isso. É um avanço, certo?

- Vem logo. Estou te esperando aqui – ele me apressa e não deixo de sorrir um pouco.

Yoongi está sendo gentil demais e está sempre me perguntando se estou bem.

Yoongi, que está sentado na beira da cama mexendo no celular, levanta o olhar para mim assim que saio do banheiro e sorri fraco. Ele estende o braço e me chama para que eu sente ao seu lado e faço isso.

- O que aconteceu? – perguntei para Yoongi.

Ele me analisou e franziu o cenho como se estivesse tentando identificar o que minha pergunta se referia.

- Eu achei que você não queria falar sobre isso.

- Acho que estou pronta para ouvir. Você pode ser direto, eu aguento.

- Certo – ele ficou uns segundo em silêncio até começar a falar - A policia está investigando a empresa dos Wang – ele explica pegando na minha mão e aproximando ela de seu rosto - Eu dei um jeito para que todas as câmeras de segurança fossem apagadas e não houvesse nenhum registro nosso pela área para não ocorrer suspeitas. Jimin está resolvendo tudo e sua “mãe” está sendo investigada como suspeita de participar do grupo e por acobertar a morte do próprio filho. Seu pai está cuidando de tudo para que você não seja chamada para depor. Não se preocupe porque vai dar tudo certo. Mas e você, como está?

- Estou bem não. – confesso, já sentindo vontade de chorar novamente, mas tento não chorar. Não sei por que, mas tenho essa péssima mania de engolir o choro. Isso sempre me fez muito mal, contudo, não consigo me expressar desta forma e, quando isso acontece, sei que estou no meu limite – está tudo tão recente, sabe.

- Eu sei – ele me abraça e retribuo. Com o nariz próximo ao seu pescoço, sinto seu cheiro e sei que ele está usando um perfume de lavanda que estava dentro da minha mala – mas eu estou aqui para te dar apoio. Eu sei que ele foi alguém muito importante na sua vida e saber que desta vez ele morreu de verdade não será fácil.

- Eu sei que foi o certo a se fazer. Ele iria te matar com certeza e, viver sem você seria mil vezes pior.

- Sério? – ele se afasta de mim para me olhar nos olhos – sei que não é um bom momento para isso, mas eu também não viveria sem você, Hae. Na verdade, nem sei o que seria da minha vida sem você. Sinto muito por tudo que te fiz passar.

- Não precisa se desculpar – passei minha mão em seu rosto e Yoongi se entrega ao meu carinho – Você salvou a minha vida e eu serei grata por isso pelo resto da minha vida.

Lentamente, ele se aproxima seu rosto do meu e me beija com calma, passando seus dedos pela minha nuca, fazendo com que eu me arrepie por eles estarem gelados. Faz muito tempo que não nos aproximamos desta e forma e sentir seus lábios nos meus fez com que quase toda a tensão se esvaísse por um momento.

E eu sei o que eu exatamente sinto por ele.

- Eu te amo, Yoongi – digo, olhando fixamente para seus olhos pretos, enrolando seus fios pretos nos meus dedos.

- Eu também te amo, Hae – ele novamente me beija e sinto como se as coisas fossem realmente ficar bem e, mesmo que seja difícil, sei que Yoongi vai estar ao me lado, apoiando-me nos dias escuros. – Você tentou me proteger com o seu corpo. Você por acaso perdeu o juízo? – diz ele em um tom indignado, mas sei que ele está brincando.

- Não. É que você já estava machucado e aí pensei que dividir o dano seria melhor. E eu não queria que você morresse. Eu não sei o que pensei na hora, Yoongi. Eu só queria te proteger e foi o que eu fiz – levantei os ombros como se estivesse me desculpando e Yoongi me puxou para mais perto dele, fazendo com que a gente caísse para trás e ficássemos deitados na cama. – Você sempre me protege e eu queria retribuir.

- Mas meu bem... – sua voz sai um pouco trêmula e sinto que ele também quer chorar. Por favor, não chore, senão vou acabar chorando junto contigo. - Me desculpa por ter escondido o plano. É que achamos melhor mantê-lo em segredo – diz ele, passando a mão nos meus cabelos molhados.

- E que plano B era esse? – pergunto, e desta vez, sei que obterei respostas. – Qual seria o Plano A?

- O plano A era sair do país, mas achamos isso uma péssima ideia e sei pai achou melhor que não. Como ele é um homem sábio...

- Velho – o corrigi e Yoongi riu.

- Velho - disse ele, dando ênfase a palavra – achamos melhor seguir com o plano B.

- Que era Jackson atirar em você e achar que te matou e eu morrer de tanto chorar por pensar que perdi você?

- Garota...

- Certo, continue contando desse plano.

- O plano era o seguinte: - ele se ajeita na cama, ficando de barriga para cima e me puxando para que eu me deite em seu peito – nós sabíamos que Jackson estava por perto o tempo todo, mas queríamos que ele chegasse mais perto ainda a ponto de entrar na nossa área. Ele estava cego por causa de sua vingança e com isso, saberíamos que se esperássemos, ele viria. Seu pai apareceu lá sabendo do que estava acontecendo e, mesmo com todo aquele show de “você tinha um único dever”, - Yoongi tenta imitar a voz do meu pai e não deixo de rir - ele nunca iria te deixar sair naquelas circunstâncias. Nós deixamos Jackson saber da visita do seu pai e com isso, ele iria aproveitar a oportunidade de todos estarem reunidos para que sua vingança seja completa.

- E como vocês sabiam que ele iria cair nessa? – pergunto, levantando a cabeça para olhá-lo.

- Porque nós sempre tivemos uma pessoa dentro da empresa dos Wang que nos contava sobre tudo.

- Faz sentido.

- Seu pai entrou pela porta principal, mas o que Jackson não esperava era que havia um helicóptero a espera dele. Foi um custo para convencer ele de que o plano daria certo. Pode parecer que não, mas seu pai se preocupa muito com vocês.

- É um pouco difícil e acreditar depois de tantos anos sendo ignorada por ele, mas a gente tenta, não é? Mas continua dizendo sobre esse plano.

- Quando Jimin me disse que Jackson foi localizado, a gente já sabia que ele estava bem perto e nossos homens já estavam escondidos pela área. Nosso plano deu muito certo graças ao seu pai e Jimin. Conseguimos lidar com os homens dele...

- Lidar? – o interrompo.

- Não tínhamos escolha a não ser mata-los. Ou era a nossa vida, ou era a deles. Sabe Hae, nós não somos tão ruins assim. Demos uma escolha primeiro.

- Entendi – deito-me em seu peito novamente.

- Eu estava de colete o tempo inteiro naquele dia, por isso mal cheguei perto de você com medo das bolsas de sangue estourar e você ficar desesperada achando que vou morrer.

- Eu não queria falar não, mas essa ideia foi genial.

- Se não houvesse sangue, Jackson perceberia de cara que havia algo de errado – ao ver que eu não falei mais nada, Yoongi continua – você tem mais alguma pergunta?

Apesar de eu estar curiosa sobre esse plano, preferi negar e ficar na minha. Acho que por hoje chega e reviver esse dia não é legal. Eu só quero viver em paz daqui em diante com Yoongi e seguir a vida. Eu não sei como vai ser nosso relacionamento. Eu sinto que ele estará sempre associado com acontecimentos ruins, porém, não quero que isso influencie de maneira nenhuma. Quero superar e viver tranquilamente.

- Seu pai vai estar aqui daqui a pouco com Ahri – diz Yoongi, como se fosse uma coisa normal.

- E por que você não me avisou antes, cara? – levanto-me rapidamente, mas assim que saio da cama, a campainha toca.

- Acho que são eles – diz Yoongi, levantando e indo em direção à porta do quarto. – vamos descer logo.

- Você deveria ter mencionado antes, Yoongi.

- Pare de reclamar e desça logo.

Franzindo os olhos para ele, abro a porta e descemos as escadas.

Lá estavam eles, meu pai, Ahri e Jimin. Meu pai e Jimin vestiam um terno preto enquanto Ahri estava com seu vestido azul florido e um tênis branco que dei pra ela ano passado de presente. Vê-la aqui depois de tanto tempo separadas me dá uma alegria que eu precisava. Eu realmente estava precisando dela.

- Quanto tempo, irmã – Ahri vem correndo em minha direção com lágrimas nos olhos. – Me desculpa por não ter te ligado. É que eu não podia arriscar e...

- Não precisa dizer mais nada. Eu sei que não dava – sorrio para ela e a aperto fortemente. Eu realmente estava morrendo de saudades de Ahri e achei até que ela estava com raiva de mim por eu não ter seguido o plano de fuga.

- Oi, filha – diz meu pai. Ahri se afasta e desta vez é meu pai quem me abraça. Pela minha surpresa, não o ignoro e o envolvo nos meus braços. Assim que fiz isso, meu pai parecia relaxar como se estivesse aliviado por não ter sido ignorado. – Fiquei bastante preocupado. Eu soube do ocorrido – ele me olha entristecido – sinto muito por tudo isso.

- Está tudo bem. Não havia escolha.

Ele se afasta e vejo Jimin ao lado de Yoongi, ele sorri gentilmente para mim, mas seu olhar mesmo estava direcionado para Ahri. Balancei a cabeça em negativa e ele riu.

- Nosso pai disse que você estava na Alemanha.

- Voltei ontem mesmo. Parece que meus tempos em cativeiro chegaram ao fim. – ela riu - Mas até que foi divertido.

A janela estava totalmente aberta na sala de estar e hoje o Sol estava incrivelmente forte, iluminando toda a Seul sem uma nuvem sequer pelo céu. O bom é que está correndo um vento agradável, deixando o calor um pouco suportável.

- Vamos sentar no sofá – diz Yoongi – Maria vai nos trazer um café e bolo.

Ahri, que estava ao meu lado, faz sinal para que eu me aproxime dela;

- Yoongi sempre foi assim? – Ahri cochicha no me ouvido. – Ele parece tão...

- Humano – completo a frase e ela concorda. – é eu sei. É difícil de acreditar, mas Yoongi não é aquilo que pensávamos. Ele... – desvio minha atenção para Yoongi e ele faz o mesmo – é muito bom.

Ahri franziu a testa para mim e logo espremeu seus olhos.

- Não me diga que...

- Cala a boca. Então... – sento-me no sofá e faço menção para que meu pai fale alguma coisa.

- Primeiramente, nós estávamos com saudades de vocês e queríamos saber se estão bem – meu pai novamente nos pega de surpresa com essas falas carinhosas. – Ahri me perturbou para que eu me apressasse logo.

- Padrão – digo, olhando para Ahri e rindo da minha irmã boba.

Maria chega com os bolos e xicaras de café. Sorrio para ela e ajudo a colocar em cima da mesinha de centro. Agradeço-a e logo ela some de nossas vistas.

Meu pai pega uma xicara de café e todos o acompanham. O bolo já estava cortado, então facilitou o trabalho e logo pego um pedaço. Morango com chocolate é meu preferido. Isso com certeza têm dedo de Yoongi.

Eu estou morrendo de fome e nem sabia disso. Pego o segundo pedaço e o devoro rapidamente, como se o bolo fosse fugir de mim.

- Eu sei que o senhor que dizer alguma coisa – diz Yoongi, atraindo a atenção de todo. Engulo rapidamente para que meu pai fale o que tem pra falar.

- Você está certo – meu pai concorda com a cabeça, deixando seu prato de bolo no seu colo. - Minha visita não está sendo uma visita qualquer. Estou aqui para discutir sobre você, Hae.

E conhecendo meu pai, sei que ele vai direto ao ponto.

Sinto no meu coração que ele vai querer conversar sobre meu casamento. Minhas intuições nunca falham.


Notas Finais


Eu nunca estou segura quando posto capitulo novo e acho que sempre terei esse pequeno medo. Sempre digo que é uma doideira acompanhar essa história. Sou bastante pessimista, então me perdoe kk
Confesso que eu não queria matar Jackson agora, mas o grupo de Yoongi é tão bom que o plano foi bem sucedido. Senti muita pena da Hae por ela presenciar novamente uma cena como essa.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...