1. Spirit Fanfics >
  2. Mais Uma Outra Chance - Imagine Jeon Jungkook >
  3. O que é viver?

História Mais Uma Outra Chance - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 22


Escrita por:


Capítulo 22 - O que é viver?


Porque ela resumiu viver em palavras, mas ainda não viveu elas.


                                      > Myanniek <


- Mike também não é cofiável. -foi isso o que Halley disse após guardar o baú no seu devido lugar. E pelo tom da sua voz, ela demonstrou estar bem decepcionada. - Eu não tenho ninguém nessa pra me ajudar... -lamentou levantando-se da sua cama, bastante pensativa. - O que eu vou fazer-


- Você sabe que você tem.


Rowgson deu um breve pulo, sentiu seu estômago revirar e seus pelos se arrepiarem ao ouvir outra voz além da sua no quarto. Levou uma mão até seu peito sentid seus batimentos cardíacos acelerados, mas ainda assim, olhando raivosa para o rapaz causador de seu susto.


- Mas que... Porra! Eu não disse pra você sumir e não voltar mais?


O rapaz franziu ergueu suas sobrancelhas parando para analisar a face zangada de Rowgson. Olhos inchados pelo sono, roupa amarrotada, cabelos bagunçados.

Ela tinha acabado de levantar.


- Não foi exatamente isso que você disse e... Não. Você não está sozinha. -Cokie afirmou, indo se sentar na cama bagunçada do quarto de Rowgson. - Você tem as bactérias. -dito isso, ele praticamente pulou na cama de Rowgson se acomodando melhor entre os lençóis e travesseiros.


- O quê? -Rowgson virou o rosto na hora para fitar o rosto do rapaz. Ela não acreditou ter ouvido o que ouviu. - Bactérias? Você tá zuando com a minha cara? 


- As bactérias estão por toda a parte. -simplista, colocou suas mãos por debaixo da sua cabeça olhando apenas um momento para Halley para dizer. - São nossas secretas companhias.


Rowgson cruzou seus braços, negando com a cabeça soltando um riso soprado.


- E isso só afirma que você não está nem aí pra mim. -buscou pelos olhos escuros dele. Tentou. - Isso tudo pra você é divertido?


- Você... Descobriu algo? -Cokie ignorou sua pergunta já não olhando nos olhos da mesma.


Rowgson deixou seus braços caírem para os lados de seu corpo e respirou fundo também indo se sentar na cama, porém um pouco afastada. 

- Descobri que o Mike também não é confiável, ou seja, eu estou sozinha. -Cokie segurou um riso.


- E qual é a novidade nisso?


- A novidade... -Rowgson hesitou ao perceber o que ele havia dito, e semicerrou seus olhos o olhando de forma questionadora. - Espera aí, você sabia que ele-


- Eu preciso lembrar? -Cokie a cortou a olhando de forma óbvia.


O olhar tedioso que o rapaz a lançava era provocante demais. Ele fala como se fosse obrigado, suspirava como se estivesse cansado. Ele parecia estar fazendo pouco de tudo.


- Eu queria poder confiar em você. -Rowgson declarou, olhando desinteressada para o teto. - Mas não confio.


- E o quê a impede? -Halley virou o rosto para ele sorrindo lento e com sarcasmo.


- A lista é bem grande. 


- Eu não me importo. -Cokie deu de ombros, curioso. - Eu estou ouvindo. -a mulher zombou, virando seu rosto e tendo como campo de visão o cantinho escuro do seu quarto. 


- E o pior é que eu não tenho ninguém pra recorrer. Afinal, quem iria acreditar que eu vejo um cara invisível? -entortou os lábios desviando o olhar, mas no mesmo instante, voltou a olhar para o rapaz, intrigada. - Espera, onde estão suas estrelas?


- Isso é uma pergun-


- Tá! Seu chato. -virou o rosto, emburrada. Ela odiava isso nele. Odiava que ele ignorasse suas perguntas. 


O rapaz enigmático sorriu soprado, enquanto olhava para a mulher, que ainda estava com sua cabeça virada

A verdade era que nem lá no quarto a senhorita Rowgson estava mais. No momento, ela viajava em sua mente na tentativa falha de tentar lembrar de alguma coisa relacionada ao rapaz deitado em sua cama. Ela queria tentar iniciar uma conversa, mas ela não tinha "nada" para conversar e o que veio em sua mente naquele momento foi que o rapaz enigmático é bonito demais para não ter ao menos uma ficante. Ou talvez ele tivesse uma namorada na sua vida passada, ou ainda na sua vida presente. Isso despertou a curiosidade da senhorita Rowgson.


- Então... -ela se virou cautelosamente se surpreendendo por já ter atenção do olhar penetrante do rapaz para si. Halley quase desistiu da sua pergunta. Mas apenas quase. Também vacilou nos olhar, mas depois conseguiu o encarar de novo. - É... Você... -pigarreou engolindo saliva arrependendo-se em seguida, já que teve um breve ataque de tosse. - Você... tem... ou tinha... namorada? -em meio a tosse, ela conseguiu fazer a pergunta, mas o que conseguiu do rapaz foi o olhar sério intimidador e o silêncio, silêncio esse que durou apenas alguns segundos, mas o suficiente para Halley não olhar mais nos olhos escuros dele e, em seguida, tudo o que ele fez foi soltar uma risada pouco alta deixando Rowgson mais irritada do que já estava. Se não fosse pelo sorriso bonito, ela já teria o insultado por diversas vezes.


- Você poderia ser menos curiosa? -divertido, Cokie se mexeu na cama cruzando seus braços e em seguida, sem deixar de olhar para a face da mulher, passou a língua nos lábios cautelosamente. Ou maliciosamente? - Por que você quer saber?


- Porque... Porque -meio desconcertada e já com a tosse controlada, Rowgson tentou achar alguma palavra para responder o rapaz, mas o que conseguiu foi apenas sorrir sem graça,  arrancando mais risadas do mesmo.


- Ah Halley, você é tão engraçada às vezes. -foi parando de rir aos poucos. - Mas sinceramente, eu não entendendo esse negócio de namoro. -Halley o fitou confusa.


- O quê? -ele lambeu os lábios antes de abrir a boca para falar.


- Me diz você Halley, por quê as pessoas se beijam? -ela apenas virou os olhos, calada e pensando.


- Pra alguns é por diversão e pra outros é uma forma de demonstrar amor. Eu acho. -deu de ombros, despreocupada.


- Existem tantas formas de demostrar amor. -Cokie comentou baixo. Rowgson o olhou meio irônica.


- E lá vem ele dizer besteiras. -entortou os lábios, olhando para a parede. - Pensa no que vai dizer, cara. Pensa. -ele deu risada balançando levemente os ombros.


- Acho que se apaixonar deve ser horrível, né? Ainda mais se você não ter a pessoa pra si. -agora quem deu risada foi a Halley, só que uma risada confusa.


- Eu não sei o que é estar apaixonado pra concordar com você se é ou não é horrível.


- As músicas, o clima e as lembranças não ajudam muito em uma hora dessas.


- Lembranças? -de testa franzida, Rowgson repetiu em dúvidas. 


- Há pessoas que se apaixonam por outras sem ao menos ter vivido momentos bons, momentos esses que logo seriam lembranças. 


Nada. Nada foi o que Halley entendeu.


- Agora me diz você, o quê você quer dizer com isso?


- Todo mundo tem um par só seu, às vezes dois, às vezes três ou até mais, mas é sempre um só. Nunca ninguém fica sozinho. -Rowgson evitou ter que soltar uma risada, mesmo que fosse nasal, ela estava bastante em dúvida com as declarações confusas do rapaz, então procurou tentar entender ao invés de perder tempo rindo ou fazendo mais perguntas.


- Você não pode afirmar nada.-ela protestou. - Muitas pessoas morrem sem ao menos ter a chance de viver um grande amor, casar, ter filhos. Para de falar besteiras.


- Existem vários pares espalhados pelo mundo. -Cokie continuou sem ligar muito para as palavras e os olhares de Rowgson. - Uns esperam, outros correm atrás... Alguns erram de par às vezes, mas o importante é saber que é o verdadeiro que vale. Também é uma pena saber que muitos morrem antes mesmo de encontrar seu par; mas isso não quer dizer que não vão ficar juntos. Existem outras infinitas oportunidades para isso. Porque como eu disse: nunca ninguém fica sozinho. Se não nessa vida então... -Rowgson revirou minimamente seus olhos não dando importância para o assunto e se levantou da cama, com seus olhos duvidosos no rosto do rapaz.


- Tá. E quem casar com o par errado? Huh? E os filhos que vão ter? -Cokie sorriu convencido, mas sem olhar para a Rowgson.


- A pessoa já nascer é o suficiente para saber que ela é o par de alguém nesse mundo. Fora isso, ninguém nasce por acaso. -e Rowgson zombou, zombou porque nem ela estava entendendo o porquê de dar atenção para ele e aquela conversa. Nem mesmo percebeu que eles estavam conversando civilizadamente.


- Eu vou tomar um-


Foi interrompida por uma baixa risada do rapaz, ele que a olhou de baixo a cima, prendendo mais uma risada.


- Então... O que você pretende fazer agora que descobriu sobre seu amigo? -Cokie perguntou, tentando não deixar escapar nenhuma risada. -Rowgson olhou para si mesma, bufando ao perceber o estado em que estava. Seria incrível se acordassemos do mesmo jeito que fomos dormir. Incrível. 


- Olha, se você quer rir, é melhor soltar tudo de uma vez pra não ter que passar nenhum mico na minha presença. -de forma ríspida, Rowgson caminhou até o espelho grande na parede e tentou desembaraçar inutilmente seu cabelo longo. - E o Mike não é o meu amigo... Sendo assim, eu não posso deixar que ele tome conta da minha editora. -ela afirmou. - Não posso e não vou. -soltou os cabelos irritada, desistindo de tentar o desembaraçar.


- Apenas pense no que vai fazer. -foi um comentário despreocupado, que foi mais para si do que para Rowgson, ela que andava de um lado para outro já acumulando raiva por lembrar do que leu na sexta página do Diário, e ouvir o rapaz dizer tais palavras foi a faísca para a sua pólvora chamada raiva. Ela soltou uma risada bastante sarcástica olhando para ele, que nem se importou em correspondê-la. E ele, novamente, a irritou.


- Eu cansei! -ela exclamou, raivosa. - Eu cansei de você, cansei das pessoas, cansei da minha vida, cansei de tudo!


O rapaz franziu ainda mais seu cenho, agora olhando para a  figura feminina completamente, estranhamente irritada.


- O que você-


- Eu quero dizer que vou reverter essa situação. -Rowgson anunciou após o breve grunhido irritado que soltou. - A vida está causando comigo, mas agora eu que vou causar com ela. -e sorriu minimamente, satisfeita. - E você sabe o porquê? -questionou apertando suas mãos em punhos. - Porque eu só tenho uma vida, porque eu só vivo uma vez, porque eu quero viver o agora como se não houvesse o amanhã, porque eu quero aproveitar a vida, porque eu quero curtir a vida, porque eu quero fazer a minha existência valer a pena. -Rowgson soltou tudo de uma vez, sem dar chances do rapaz ou ar tentar lhe interromper.

Depois do breve silêncio, ela respirou fundo ao imaginar o que Mike e Joyce poderiam estar planejando contra ela naquele momento e na sua editora.


- Eu, Halley Rowgson Smith, vou viver a minha vida, do jeito que eu quiser e não vou deixar que essas pessoas pisem em mim, tentem me derrubar, enganar e muito menos me fazer de otária. -esbravejou mais convicta ainda. - Não vou!


- Você não acha que está sendo severa demais? -Na hora, Rowgson lhe lançou um olhar diabólico soltando uma risada venenosa.


- Severa é o caralho! -retrucou, dando dois passos firmes à frente. - O quê que é? Você tá do lado deles agora? Quer que eu agradeça pelo que eles me fazem ou pretendem me fazer? Huh? -ela perguntou sarcasticamente. - Vai lá e se apareça pra eles. Aposto que as perguntas deles você vai responder. 


- Eu não disse algo semelhante a isso. -Cokie protestou, inclinando lentamente sua cabeça para o lado sem desviar do olhar furioso de Rowgson. 


- Eu não quero saber! Você é um deles. Não é confiável. Os Perry não são confiáveis. Aliás, ninguém é confiável. Nem mesmo eu sou confiável.


- O que você pretende fazer? -Cokie a interrompeu já demostrando estar impaciente.


Rowgson fungou de lábios franzidos se sentindo leve por um instante.


- Não que seja da sua sua conta, mas já que perguntou. -cruzou seus braços sobre o peito, olhando para qualquer lugar do quarto. - Eu não sei administrar uma editora, então acho que terei que-


- Você sabe que pode tudo, desde que esteja disposta à tentar.


- Cara, será que dá pra parar de me interromper? Eu estou falando. -Cokie levantou as mãos em sinal de rendição mantendo um sorriso de lado nos lábios. - Eu estava dizendo que não tenho motivos para querer ficar com a editora, e vender seria uma boa opção porque eu investiria em ou-


- Rowgson, você ao menos pensou se é isso que você quer?


Halley praguejou de olhos fechados, respirando fundo na tentativa de não pular em cima do rapaz e acabar com ele ali mesmo.

E outras coisas mais.


- Me dá só um motivo pra não pular em cima de você agora. -Cokie ergueu uma sobrancelha  não a entendendo.


- Pular em cima de mim? Pra fazer o quê? -Rowgson bufou. - O que quis dizer com...?


- Eu não sei nada, tá legal? -Halley declarou com seu olhar sério. - Como vou saber se o Mike está realmente cuidando da editora se nem lá eu vou? -o rapaz abaixou seu olhar, sorrindo em seguida.


- Olha só Halley, você acabou de responder a sua própria pergunta. -ela com o pensamento longe, o olhou confusa.


- Huh?


- Sinceramente, eu não sei o que mais você quer. -ele comentou se levantado da cama.


- Mas eu sei. -Halley afirmou o acompanhando com os olhos.


- Sabe?


- É. eu quero me conhecer, saber quem eu sou. -Cokie de costas, revirou os olhos e, em seguida, se virou para a mesma, que se surpreendeu recuando um pouco, já que ela tinha se aproximado dele um pouco.


- Ouça bem Halley, faça o que quiser, mas não venda a editora, ok?


- Não. -Rowgson afirmou olhando firmemente nos olhos dele e foi se aproximando ao poucos. - Eu não sei porquê eu daria ouvidos no que um fantasma fala. -e sorriu satisfeita ao ver a reação surpresa do rapaz.


- Então, você acredita que eu seja um fantasma?


- E você acredita?


O rapaz suspirou cansado. Estava incomodado com todo o sarcasmo de Rowgson, que não estava levando o assunto tão a sério. Ela estava parecendo ele.


- Será que dá pra você ficar séria? Um pouco? -ele pediu, sarcástico. - É da sua importante vida que estamos falando.


Halley bateu os braços no corpo, revirando os olhos.


- É da sua vida que... Minha vida?! -arregalou brevemente seus olhos fitando incrédula o rapaz. - Você disse minha vida?


- Veja, você disse que não confia no seu amigo Mike, mas é ele que está tomando conta da sua editora. Então, o que você pretende-


- Eu vou pra lá agora!


E num pulo, Rowgson saiu correndo em direção ao banheiro, sem dar chances ao protesto do rapaz enigmático.

Ele já estava acostumado com suas atitudes.


Por isso, formou um sorriso satisfeito nos lábios.


  




Notas Finais


.My.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...