1. Spirit Fanfics >
  2. Mais do que uma conexão. (Draco Malfoy) >
  3. Cap 29 (Alguém da um lencinho pra Murta?)

História Mais do que uma conexão. (Draco Malfoy) - Capítulo 29


Escrita por: TheRavenclawWitch

Notas do Autor


Oioi, dscp sumir

Capítulo 29 - Cap 29 (Alguém da um lencinho pra Murta?)


Fanfic / Fanfiction Mais do que uma conexão. (Draco Malfoy) - Capítulo 29 - Cap 29 (Alguém da um lencinho pra Murta?)

- Iremos falar sobre o fato de que Esther fez um show na frente de todos?? - Oliver se senta na cama de Esther quando todos já estão no quarto de Esther.

- Sim, foi incrível!! - Pansy bate palmas.

- Não foi não! - Theo bufa.

- Eu não queria causar um show mas o Harry me irritou!! - Sento em minha poltrona.

- Agora todo mundo sabe que você e o Harry são ofidioglotas... - Draco senta no tapete.

- Uma hora ou outra iriam saber - me levanto.

- Não precisava ser desse jeito! - Theo coloca as mãos nas têmporas.

- Qual é, vão brigar só por algo bobo agora? - Oliver reclama.

- Ele ta certo - Blaise, que ate agora não havia falado concorda.

- Ok, se falarem algo ruim de você, me diga que eu acabo com a pessoa. -Theo se levanta, me da um abraço e sai.

- Vamos dormir Oliver - Draco se retira de dentro do cômodo com Oliver e Blaise atrás.

- Não entendi a briga - Pansy pega suas roupas e vai pro banheiro.

- Nem eu... - sussurro me sentando em frente a penteadeira, coloco a cobra em cima da penteadeira e ela logo dorme. 

O mais interessante é que no dia seguinte só havia a pele dela lá.

------------------------

Na manhã seguinte, a neve que começara a cair de noite se transformara numa nevasca tãodensa que a última aula de Herbologia do período letivo foi cancelada: A Profa Sprout queriapôr meias e echarpes nas mandrágoras, uma operação melindrosa que ela não confiaria a maisninguém, agora que era tão importante as mandrágoras crescerem depressa para ressuscitarMadame Nor-r-ra e Colin Creevey.

Eu estava passeando pelo castelo bem de tardezinha, pensando em lugares que eu não gostasse do castelo... "(...) um lugar onde você detesta é a porta da Câmara..." a voz de Salazar ecoava repetidas vezes em sua cabeça. Ela estava quase desistindo e voltando para a comunal da Sonserina quando foi ouvida a voz de Pirraça:

- ATAQUE! ATAQUE! MAIS UM ATAQUE! NEM MORTAL NEM FANTASMAESTÃO SEGUROS! SALVEM SUAS VIDAS! ATAAAAAQUE!

Foi ouvido todos correndo para o local de onde a voz de Pirraça gritava, Esther curiosa correu o mais rápido que pode.

- Mais um ataque do Potter - as crianças sussurram mas paravam quando Esther os olhava feio.

A Profa McGonagall veio correndo, seguida por seus alunos em suacola, um dos quais ainda tinha os cabelos listrados de preto e branco. Ela usou a varinha paraproduzir um alto estampido e restaurar o silêncio, e mandou todos de volta para as salas deaula. Nem bem o corredor se esvaziara um pouco quando Ernie, o garoto da Lufa-Lufa,chegou, ofegante, à cena. 

– Apanhado na cena do crime! – berrou Ernie, o rosto lívido, apontando dramaticamentepara Harry. 

– Agora já chega, Macmillan! – disse a professora rispidamente. 

Pirraça subia e descia no ar, e agora sorria malvadamente observando a cena; adorava ocaos. Enquanto os professores se curvavam sobre Justino e Nick Quase Sem Cabeça,examinando-os (pois os dois haviam sido atacados), Pirraça começou a cantar:

Ah, Potter, podre, veja o que você fez,Matar alunos não é nada cortês... 

– Já chega, Pirraça! – vociferou a Profa McGonagall e Pirraça saiu voando de costas eestirando a língua para Harry.Justino foi levado para a ala hospitalar pelo Prof. Flitwick e a Profa Sinistra, dodepartamento de astronomia, mas ninguém sabia o que fazer com Nick Quase Sem cabeça. Porfim, a Profa McGonagall conjurou um grande leque de ar, e entregou-o a Ernie com instruçõespara abanar Nick Quase Sem Cabeça até o andar de cima. Ernie obedeceu e abanou Nickcomo se fosse um aerofólio silencioso. Assim Harry, Esther e a professora ficaram a sós. 

- Estava com ele o tempo todo? - A professora pergunta a Esther.

- Não - Esther engole o vomito.

- Pois então vá para a sua comunal - disse zangada.

- Mas quero ficar! - Ela rapidamente grita.

- Va agora senhorita Snape - a olha nos olhos.

Com raiva, Esther a encara por alguns segundos, então encara Harry e sussurra um "boa sorte" e sai. Ela volta para a comunal e encontra seus amigos em rodinha no chão lendo o diário de Salazar.

- Não podemos negar que ele é um gênio - Theo diz.

- Que que deu agora? - Digo assustando todos ali.

- Estamos vendo os pensamentos dele sobre onde a Câmara poderia ser escondida - Blaise diz, me sento no meio dele e de Draco.

- Ele me disse algo sobre o lugar - sussurro lendo a página aberta.

- Disse? - Draco franze as sobrancelhas.

- Disse... A entrada está em um lugar que eu odeio.

- Diz ai, que lugar você odeia? - Oliver sorri.

- Acha mesmo que Salazar esconderia na comunal da Grifinória? - sorrio cínica.

- Outro lugar? - Theo me olha.

- Já tentei lembrar, procurar pelo castelo... Nada - suspiro.

- Serio que gosta desse lugar? - Draco diz enojado.

- Você esta aqui então não reclame - o olho e ele revira os olhos.

- Dormitório masculino? - Pansy sugere.

- Não sinto nada - brinco com a barra da minha saia.

- Banheiro masculino? - Pansy brinca.

- Só nojo - faço cara de nojo.

- BaNhEiRo FeMiNiNo - Oliver resmunga, rimos mas eu penso um pouco.

Olho pra Pansy que me olha também.

- Como não pensamos nisso?? - me levanto.

- Pera que? - Oliver se confunde todo.

Eu e Pansy caminhamos ate a porta, os meninos menos Oliver vieram atrás.

- Gente, pera é mesmo o banheiro???? - Oliver corre atrás de nós.

- Sim Oliver - digo passando por um grupo de lufanos que se afastam de mim com medo. 

- Que?

- O banheiro da Murta - Pansy suspira.

- Quem é Murta? - Oliver coça a nuca.

- Uma garota que morreu no banheiro das meninas a muito tempo, seu apelido é Murta-Que-Geme pois ela fica gemendo toda hora, sua vida era assim... Só choro. - suspiro dobrando uma esquina.

- Credo - Oliver se arrepia.

Chegamos no banheiro, a pia pingava e os choros eram claros...

- Murta? - Pansy chama alto.

- QUE FOI? - Murta grita triste e volta a chorar.

- Por acaso a Câmara fica aqui? - Oliver sendo sonso de novo... 

Murta o olha e logo para de chorar.

- O QUE ELES ESTAO FAZENDO AQUI? - Ela grita.

- Sabemos que é um banheiro feminino mas estamos apenas a procura da Câmara - Theo diz calmo.

- Igual a aquele garoto antes de eu ... - ela funga - ... morrer?

- Quem? - Blaise da um passo a frente.

- Um garoto falando algo estranho... Uma lingua estranha, eu abri a porta para manda-lo embora mas ai... BOOM. - ela grita - eu... morri.

Ela choraminga igual uma criança sem um brinquedo novo.

- Alguém da um lencinho pra Murta? - Oliver sussurra.

- O herdeiro... - Theo sussurra.

- Mas foi a muito tempo - Draco cruza os braços.

- ESTA ME CHAMANDO DE VELHA? - Murta grita.

- Não Murta, não foi isso que ele quis dizer... Mais alguém veio aqui procurar a Câmara? - me aproximo.

Ela funga - Não...

- Ok... - suspiro e saímos de lá.

- E agora? - Draco se escorra na parede.

- Podemos ler mais e ver se diz alguma coisa sobre banheiro no diário - Blaise se senta no chão.

- Já chega por hoje... Vamos dormir - coço os olhos.

E assim seguimos para a comunal, todos sonolentos.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...