História Mais que amigos - Capítulo 26


Postado
Categorias Histórias Originais
Visualizações 3
Palavras 1.183
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Hello! Olha quem voltou
Pra vida de vocês
Mais uma vez
Com um capitulo xadrez!
(Ignorem! estava querendo rimar e não deu certo)

Bom... Eu recomendo uma música em uma parte do capítulo, caso quiser ouvir:
KALEO - Way Down We Go

Boa Leitura!

Capítulo 26 - Acordando do Coma


Fanfic / Fanfiction Mais que amigos - Capítulo 26 - Acordando do Coma

Capítulo (1/3)

 

Ana P.O.V

Escuro, Dor, Medo, Pânico, foi tudo que eu senti quando apaguei dentro da ambulância, e desde então parece que estou sonhando sempre, a primeira vez foi em seguida que desmaiei, aquele sonho foi aterrorizante, eu perdi todos que amo para a Giovanna, e não consegui fazer absolutamente nada a respeito, eu fui fraca. O segundo sonho foi bem melhor, apesar de só escutar e não ver nada, esse sonho era Nick cantando uma música linda para mim, e meus amigos chegaram, até, quando falam para o Nick que eu com certeza gostei, eu apertei minha mão e o sonho acabou, mas parece que outro estava vindo. Está completamente escuro, exeto por uma luz em cima de mim e uma porta aberta muito longe, eu dou um passo e escuto uma voz:

 

“ Querida... eu sei que consegue me ouvir... bom... volta para a gente... eu sei que é difícil, mas você consegue, eu sinto isso... Estou do seu lado sempre, ouviu? ... Eu te amo” era a minha mãe, dou mais um passo e escuto outra voz “ Oi minha princesinha... sinto sua falta... volta pra gente... Papa te ama mi Cariño” Acabo sorrindo com sua fala, e começo a andar e mais vozes apareciam, amigos, familiares, colegas, etc. Eu estava quase chegando a porta quando um penhasco apareceu entre eu e a porta, parei e procurei algo para conseguir passar, mas não tinha nada que me ajuda-se, o único jeito era pular, fui para trás para pegar impulso, quando me preparo, uma luz se acendeu em cima de mim, mais forte que a primeira, e uma voz arrepiante começou a falar:

 

“Você acha que consegue? Justo você! , que nem para proteger o próprio filho consegue! E seus amigos? Sempre acabam se machucando, seja físico ou emocionalmente! Você abandonou sua Família, deixou seus Pais sozinhos cuidando das tuas irmãs, sem falar que elas cresceram sem a irmã mais velha”

 

- Isso não é verdade! Eu tive que ir embora para protege-los!

 

“Você foi por quê é covarde! Foi embora e deixou teu filho sozinho naquele orfanato! Você quebrou o coração do Nicolas sem se importar, como ele ficaria! ”

 

- PARA!

 

“Você mentiu para todos por anos! Escondeu quem é você de verdade! ”

 

- PARA! POR FAVOR!

 

“Você quer misericórdia?! Você não merece 1 terço dela! Deve viver sozinha e para sempre nessa escuridão” eu estava sentindo minhas forças dissipar-se de mim, estava sendo fraca novamente, uma perdedora de primeira, mas antes que tudo acabasse, veio aquela voz, a voz das pessoas que eu tanto amo.

 

“Mama... Oi! ... Papa eu não sei fazer isso! ... Tábom... Oi Mama, e-eu... eu quero que a senhora saiba que eu te amo tá?! E quero que a senhora seja forte e acorde, por quê... e-eu preciso da senhora aqui, eu e o Papai! Nós te amamos muito e estamos te esperando... ficou bom? ... YEEEEEEEEEEEEEE... Desculpa Mama por ter gritado... Papa vai falar agora”

 

“Oi Ana... Eu tenho muitas coisas para te falar... Antes disso, preciso te dizer uma notícia muito boa... Eu consegui vender meu apartamento! E já coloquei minhas coisas na sua casa... Comprei um Husky siberiano, na verdade uma, é fêmea, ela é totalmente branca, e Tobi está completamente caidinho por ela... Voltando o foco, eu estou junto contigo nessa, ouviu?! Nós vamos vencer juntos! Eu, Você e o Nathan, os cachorros podem entrar também... Leve o tempo que quiser, eu estou tomando conta daqui até você melhorar... Ah, seu amigo Guilherme, uhum, queria te ver, mas ele vê depois, agora sou eu... só vou sair daqui quando você acordar, lógico que eu não falei isso a ele, mas é a vida... Eu te amo, não se esqueça disso querida... I Love You Aninha! Mi pequenita!”

 

[Music On]

 

Levantei do chão e aquela voz horripilante estava sussurrando no meu ouvido, forcei a minha mente a lembrar das pessoas falando comigo e corri em direção a porta, quando cheguei a ponta do penhasco pulei o mais alto que eu podia, consegui fazer com que a minha cintura ficasse no vão da porta, me apoiando nela, eu ia pegar impulso para jogar minhas pernas para cima quando começou um terremoto e a voz ficou mais potente e dizia algumas coisas para mim “Fracassada”, “Fraca”, “Perdedora”, “Medrosa”, “Você não consegue”, Com o tremor quase caí, mas consegui me segurar com uma mão, tentava a todo custo jogar meu corpo para cima, mas minhas forças estavam de novo indo embora, então pensei: “Eles precisam de mim, Ana Milena, eles precisam de você!” Levantei a minha outra mão e consegui segurar na porta, fui fazendo esforço para levantar meu corpo, mas infelizmente a dor começou a vir, pensei novamente: “Você consegue, eles precisam de você, Eles precisam de você Ana!” Coloquei minha barriga como apoio onde as mãos estavam e comecei a puxar o meu corpo, e cada vez mais a dor aumentava, quando consegui entrar por completo na porta, uma claridade tomou conta, e vários flashback’s voaram na minha mente.

 

[Music Off]

 

Abri os olhos e estava em um quarto, som de aparelhos ligados, olhei para o lado e vi os dois amores da minha vida pintando em um livro, tentei falar mas senti uma dor enorme na garganta me impossibilitando de falar algo, resolvi me sentar, péssima idéia, pois senti minha barriga queimar me obrigando a gritar de dor, resultando nos dois me olharem assustados e vierem até mim.

 

Nick: A-ana C-como... QUÊ?! ... Você... Como?! ...

 

Nathan: Papa vou chamar o médico Ok?

 

Nick: S-sim... Faça isso... A-ah... Não se mecha, você fez cirurgia e não cicatrizou... Vou pegar água pra ti... Toma... Beba devagar, você ficou meses sem abrir a boca para comer ou beber algo...

 

Dr: Oque houve aqui?!

 

Nathan: Ninguém acreditou em mim! Eu falei que ela tinha acordado, e eles disseram que era impossível!

 

Dr: Desculpe Garoto, mas realmente era impossível, pelas condições mentais e físicas da paciente, era muito longe de possível.

 

Nick: Oque a força G não faz?

 

- N-nick!

 

Nick: Desculpe, mas não fala nada, sua garganta deve estar um estilhaço.

 

Dr: Isso é maravilhoso, fizeram um ótimo trabalho ajudando-a... Vou fazer os exames necessários e veremos se pode ir embora amanhã ou só semana que vem.

 

Nick: Obrigado Doutor.

 

Dr: Não precisa agradecer, você que fez a maior parte aqui. - Disse saindo com a prancheta em mãos

 

Nathan: Nós vamos para casa!

 

Nick: Sim!

 

Nathan: Papa... Você tem que ligar para as pessoas, avisando que a Mama acordou!

 

Nick: Eu tenho uma ideia melhor... Depois eu falo, mas agora eu quero um abraço em grupo!

 

Eles vieram me abraçar e depois disso, resolvemos brincar, depois do Nathan Dormir fiquei conversando com o Nicolas, usando o mínimo da minha fala para não me prejudicar. No dia seguinte autorizaram minha saída, recolhi minhas coisas no hospital e viemos embora. Chegando em casa, Nick me ajudou a entrar em casa, parei na porta e falei:

 

- Lar doce lar... Me aguarde Giovanna, que você não se livrou de mim, Vai ter que me aturar, Logo Logo!


Notas Finais


Tchau seus lindos e até mais tarde para mais 1!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...