História Mais Que Vingança - Capítulo 28


Escrita por:

Postado
Categorias Ally Brooke, Anna Kendrick, Camila Cabello, Cole Sprouse, Dinah Jane, Hailee Steinfeld, Halsey, Harry Styles, Lauren Jauregui, Liam Payne, Little Mix, Louis Tomlinson, Niall Horan, Normani, Shawn Mendes, Tyler Hoechlin, Zac Efron, Zayn Malik
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Allybrooke, Camilacabello, Camren, Dinahjane, Laurenjauregui, Normani
Visualizações 17
Palavras 4.329
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Era pra ser uma maratona, mas a internet tá péssima porque aqui tá chovendo. Os capítulos não estão carregando como eu queria, então tô fazendo de tudo pra postar. Tem mais 2 esperando a internet parar de graça

Capítulo 28 - 2.8


Fanfic / Fanfiction Mais Que Vingança - Capítulo 28 - 2.8

Glass House, Riverdale, CA - October 27, 2018. 02:19 AM.

— There's always gonna be somebody smarter, someone prettier who works a litte harder, someone that who ain't afraid to take it further and everytime I feel like I ain't really worth it, then you say I'm perfect...

— Que música é essa? - Harry caiu sentado ao ouvir a voz de Emily atrás de si, sentindo seu coração disparado. - Levanta daí.

— Caralho, Emily. Não poderia fazer pelo menos um barulho? Ainda bem que não sou cardíaco.

— Eu acho que são quase três da manhã, não é hora de fazer barulho.

— O tanto que essas pessoas beberam, ninguém vai acordar nem se a casa cair.

— Não preciso beber para dormir igual eles.

— Imagine quando começar a beber. Chega de conversa, mãos a obra. Mas eu não sei em qual quarto todo mundo ficou.

— Isso não é bebida, é amnésia.

— Claro que não, só estou naqueles dias. - Os dois se olharam e riram cobrindo a boca, aquilo nunca perdia a graça. - Vamos começar logo com isso, ainda quero dormir antes da gritaria começar.

— Quando eles quiserem se vingar da gente, eu não vou dar conta de correr de todos eles.

— Nem eu, mas a vida é assim. Quais são os quartos?

— Tirando os dois quartos principais que ficam no final do corredor, onde suas mães e a Verônica estão, podemos atacar todos os outros.

— Não vi o Zayn sair do quarto do Liam depois da briga, então sobra um quarto. - Harry subiu na frente de Emily, decorando os quartos que não deveria entrar. - Até agora não entendi aquela briga deles.

— Eu também não, tirando suas mães e a Verônica, todos estávamos dançando juntos. Não sei como a briga começou.

— Isso já aconteceu, mas nunca tiveram que sair de perto para terem uma conversa. Muito menos sair e não voltar para uma festa.

— Quem perdeu foi ele. Vamos fazer isso logo que eu quero ir dormir.

— Falando nisso, quem ficou com o chão? Você ou a Iglesias?

— Eu que sou de casa, né. Não poderia deixar ela dormir no chão.

Tinha como ser mais óbvias que Verônica e Emily? Até tinha, mas não era de propósito. Tirando Anna e Brittany, Niall e Liam, cada um tinha ficado com um quarto, Emily só não esperava que sua prima Mackenzie ligaria para ela e horas depois elas estivessem dividindo um quarto.

O clima entre Mackenzie e Niall havia esquentado, tanto esquentou que Emily foi convidada a sair do quarto que estava. Ela tinha duas opções: dormir com seus amigos ou com Verônica, e claro que ela escolheu a segunda opção alegando que na hora que foi expulsa do quarto, só a professora estava por perto.

— Cadê os baldes, Hazza?

— Então... - Harry coçou a nuca sem jeito, fazendo Emily cruzar os braços. - Eu estava pensando que vai molhar tudo, não podemos fazer isso porque as minhas mães vão pirar.

— Você que teve a ideia e agora não quer mais?

— É que eu não tinha pensado nos colchões, nos móveis e nas minhas mães. Vamos fazer outra coisa.

— Como você é frouxo, Harry. O que quer fazer agora?

— Antes da confusão acontecer, eu fui atrás de tintas, baldes e qualquer outra coisa que poderíamos usar nesse momento. Achei tudo isso e mais um saco com vários tipos de bichos de plástico que ficou aqui da última festa. Baratas, aranhas, morcegos e assim vai.

— Não faço ideia quando foi a última festa, mas deve ter sido de Halloween ou das bruxas.

— Foi das bruxas. - Harry afirmou com tanta certeza, que Emily desconfiou que o amigo já tinha estado na casa antes dela chamar. - Não me olha assim, já estive muitas vezes aqui, a última vez foi em uma festa com os Jauregui.

— Não sabia que essa casa era alugada para festas. Também não importa mais. O que você achou e pegou?

— Peguei todos os bichos que achei, as tintas que pintam a boca, o cabelo e o corpo. E o melhor de todos... Vamos sincronizar uma música metaleira no som ambiente dos quartos em uma certa hora. Claro, isso não incluí minhas mães e a Iglesias.

— Medinho, Styles?

— Com certeza. Não quero ficar sem carro antes de ganhar e não quero ser reprovado pela Iglesias.

— Então vamos logo.

— Espera. O que acha de pimenta no fundo do copo deles?

— Acho que mais tarde estaremos mortos e será uma morte horrível.

Evitando rir escandalosamente, cada um foi para um lado da casa. Harry correu até a cozinha atrás de pimenta e Emily até a sala de segurança para arrumar a música que acordaria seus amigos e sua irmã. Como se ainda fosse pouco, Emily achou mini câmeras para deixar tudo melhor.

Harry pirou quando viu o que Emily tinha achado, arrastando ela para começarem seus planos de uma vez por todas. Tinha muito o que fazer e pouco tempo para infernizar quase a casa toda.

Sem fazer nenhum barulho, os dois entraram no quarto que Louis dormia tranquilamente jogado na cama toda, instalando a mini câmera no melhor lugar. Harry se encarregou de pintar o outro garoto enquanto Emily aplicava tinta na pasta de dente com ajuda de uma seringa que nem sabia de onde tinha saído e jogava os bichos na cama e no chão.

O mesmo aconteceu no quarto de Zendaya, Bella e o de Mackenzie que dormia com Niall. Mini câmera nos melhores lugares dos quartos, todos com seus rostos pintados de cores florescentes, suas bocas pintadas de roxas, seus cabelos mais coloridos que a bandeira LGBT e os bichos jogados neles todos.

— Caralho, estou sentindo muita adrenalina, Emi. Preciso me controlar ou vou acabar pintando o cabelo das minhas mães.

— Não estraga tudo, Harry. Entra logo no último quarto que falta e tira o pé do meu sono.

Harry resmungou algumas coisas antes de entrar e quase deixar tudo cair no chão com o que viu. Emily entrou logo em seguida para colocar a câmera e quando viu o mesmo que Harry, ele cobriu sua boca e a puxou para fora do quarto com pressa.

— Meu Deus, Harry. Meu Deus.

— Também estou chocado, Emily.

— Estou falando da bunda deles. Aquelas bundas são dignas de fotos. Deu até vontade de bater e não é uma foto.

— Sério? Você só viu a bunda deles? - Emily assentiu, indo espiar no vão da porta rapidamente. - Liam por cima do Zayn não te diz nada?

— Quer dizer que só falta você e o Louis pararem de glicose anal por aqui e se assumirem mais que grandes amigos. - A boca de Harry estava aberta, ele só não sabia se era por causa das palavras de Emily ou por ter visto seu irmão e seu amigo dormindo um por cima do outro, totalmente nus. - A briga deles acabou em sexo. Vamos zoar com eles ou não? Ainda quero dormir.

— Dormir, Emily? Eu pensei que você e o Zayn...

— Não existe Zayn e eu, Hazza. Eles ficam fofinhos juntos. Olha por outro lado, agora já sabemos que eles brigaram porque estávamos dançando todos juntos, quase entrando um no outro.

— Que nojo, não quero pensar nisso. Vamos fazer isso de uma vez, tenho que arrumar a minha cama do lado da cama das minhas mães.

Emily não sabia o que aquilo tinha causado em Harry, mas sabia que algo havia mudado. Em respeito aos amigos pelados, ela não colocou a mini câmera escondida. Cobriu os dois assim que Harry entrou no quarto para fazer sua parte e ela fez a dela. Quando tudo já estava devidamente acabado e escondido, cada um seguiu para um quarto principal, trancando a porta por motivos diferentes.

— Pensei que não ia voltar mais. - Emily sentiu sua alma deixar seu corpo quando Verônica apareceu na porta do banheiro, terminando de secar o cabelo. - Emily?

— Por que já levantou?

— Porque eu devo ser a única que ainda não saiu do quarto. Você deveria ter me acordado...

— Ainda não achou o seu celular? - Verônica negou, indo até a cama. - Ainda são três da manhã, Vero.

— Por que saiu do quarto essa hora?

— Harry me chamou para aprontar com todos mundo, não era para você ter acordado e muito menos ter ido tomar banho. - Emily sorriu maliciosa ao se jogar na cama, mordendo seu lábio inferior. - Que tal tirar essa toalha e ficar sem nada como antes?

— Você foi aprontar com os seus amigos e voltou nesse pique?

— Não, eu estava pronta para dormir, mas você abriu a porta e no susto eu te vi de toalha... - Seu coração disparou quando Verônica soltou as toalhas, ficando do jeito que Emily queria. - Você fica melhor assim.

— Vai ficar melhor se você ficar do mesmo jeito que eu. - Com pressa e com medo de Verônica desistir, Emily tirou tudo o que usava, jogando no canto do quarto. - Suas marcas roxas já estão saindo.

— Quer dormir, Vero? - Como resposta, Verônica puxou Emily para seu colo quando se sentou na cama, sentindo seu corpo se arrepiar todo. - Quer deixar algumas marcas novas?

— Quantas você quiser.

Uma festa particular começaria naquele quarto, diferente do quarto que Brittany e Anna dormiam lindamente abraçadas. O mesmo quarto que Harry se arrumava dentro do closet, qualquer coisa era só ele se trancar lá dentro e sair nos próximos anos.

[...]

Os últimos segundos para as nove horas da manhã se aproximavam quando Harry se cobriu inconscientemente, Verônica abraçou Emily mais forte e Anna abriu os olhos ao ouvir o celular vibrar. Não faltava muito. Nos quartos ao lado, a música começava a tocar no mais alto que os alto-falantes eram capazes de aguentar, fazendo todos os pintados gritarem de susto.

O segundo e terceiro caos, que era por causa dos bichos e as tintas, virou mais um motivo para gritos. Foram minutos até todos saírem de seus quartos irritados e com seus dentes pretos. Só faltava mais um e Harry e Emily teriam feito a maior trolagem de todos os tempos.

— Harry é um cara morto. - Niall esbravejou ao sair do quarto que era para seu irmão ter dormido. - O filho das minhas mães nem teve coragem de dormir no quarto dele.

— Ele já estava planejando isso desde a outra coisa. Vou acordar as minhas mães.

— Não, você não vai. Ninguém aqui vai acordar suas mães. - Zayn disse mais sério que o normal, deixando todos confusos. - Sem envolver elas porque sabemos que o Harry é o bebê delas.

— Posso opinar? - Todos se viraram para Mackenzie, que tinha mais tinta que todos eles juntos. - Não conheço o Harry como vocês, mas o pouco que vi, notei que ele se importa bastante com o cabelo.

— Garota, você é um gênio do mal. - Zendaya a abraçou de lado, evitando sorrir. - O ponto fraco do Harry sempre foi o cabelo, vai ser aí mesmo que vamos contra-atacar.

— Vocês querem raspar o cabelo dele? - Bella, que ainda estava sonolenta demais para raciocinar rápido, perguntou preocupa. - Acho que isso não vai acabar bem.

— Não precisamos raspar. - Toda atenção foi até Louis, que pensava desde a hora que tinha saído do quarto. - Ele pintou nossos cabelos, nada mais justo que fazer o mesmo com ele. Porém, a tinta será outra.

Louis pediu para todos descerem, assim Harry não poderia ouvir qualquer coisa de seu plano vingativo. Era simples, rápido e eficaz. Um deles iria sair para comprar as tintas e o restante ficaria fingindo que não teria volta, além de arrumarem briga.

Quando a vingança já estava planejada, Mackenzie mostrou um tutorial para devolver a cor de seus dentes, preparando para todos. Foram quase uma hora escovando os dentes com bicarbonato de sódio e ódio.

Não demorou para Brittany acordar o filho mais novo quando desceu e viu o carnaval que estava na cozinha. Harry tomou banho ouvindo suas mães falando sem parar. Desceu e ouviu mais um pouco ainda calado, mas só porque sua atenção estava nos copos sobre a mesa.

— Harry? - Liam o chamou. - Sério?

— Quanto estresse, gente. Só fizemos algumas brincadeiras com vocês, nem é tinta permanente.

— Estava pensando aqui... - Bella, que agora estava bem acordada, pegou um dos copos da mesa que Harry encarava antes. - Quem ainda não apareceu? Além da Anna e da Iglesias.

— Emily. - Disseram em coro, ligando uma coisa na outra.

— Que? - Harry se fez de desentendido porque sabia que Emily iria sofrer nas mãos deles. - Do que está falando, garota louca?

— Ela não é louca, ela notou uma coisa que mais ninguém pensava. - Zayn a defendeu. - A Emily te ajudou?

— Não.

— Minha prima te ajudou assim. Primeiro você disse que só fizemos algumas brincadeiras, ela ainda não acordou porque passou a madrugada te ajudando. Quem quer apostar que ela vai sair do quarto sem nenhum pingo de tinta?

— Queridos e queridas, eu não posso falar da minha mente brilhante? Quem mais pensaria em tinta na pasta? Só eu e minha mente linda.

— Não acredito.

— Deveria, priminha. Você expulsou ela do próprio quarto para ficar com Niall. Ninguém além da Iglesias ouviu ela batendo nas portas porque não tinha onde dormir. Sabe como deve ter sido constrangedor dormir no quarto da sua professora? - Harry era bom de mentira e drama. - Emily vai sair do quarto sem um pingo de tinta porque não sou idiota de entrar no quarto da Iglesias.

— Além de ridículo, é frouxo. - Zendaya o empurrou, se assustando com a campainha. - Vai atender a porta, Harry. Será o seu castigo até irmos embora.

— Quanta falta de humor. Precisam aprender comigo, amores. - Harry correu para fora da cozinha quando Liam ameaçou avançar nele, só parando na porta. Qual abriu e ficou surpreso. - Professora Smith. Agora sim a festa começa.

— Isso é você me dizendo que eu sou o bolo da festa, Harry?

— Nunca. Isso sou eu falando que você salvou a minha pele.

HARRY.

— Viu? Eu fiz algumas brincadeiras e essas pessoas não sabem o que é levar na esportiva. E como a última pessoa que faltava chegou, a festa pode começar e eles podem me esquecer.

— Estou te livrando do que exatamente? - Natalie riu quando ouviu mais gritos vindo de algum lugar da casa. - Harry?

— Provavelmente de uma morte lenta. Pode entrar, faz de conta que a casa é sua. - Harry já estava fechando a porta quando viu Verônica se aproximando, tentando se lembrar dela saíndo. - Por onde você saiu?

— Por essa mesma porta.

— Que horas?

— Na hora que os seus irmãos e os seus amigos estavam planejando sua morte. Bom dia, Natalie.

— Bom dia, Vero.

— Estou ferrado. Preciso que a Emily confirme a minha história. Ela já acordou?

— Não sei.

— Vou ir lá acordar ela. - Verônica sentiu seu coração disparar quando Harry fechou a porta, indo em direção a escada. - Se forem tomar café da manhã, não tomem leite.

— Prefiro não saber o que você fez com o leite, mas pode deixar que eu acordo a Emily, assim eu troco de roupa.

— Dormiu com ela? - Natalie perguntou surpresa, deixando Verônica entre a parede.

— Não é como se a Iglesias tivesse divido a cama com a Emily. - Era exatamente isso que elas tinham feito.

— Dormiu ou não?

— Não dormi com ela, Natalie. Eu só não poderia deixar a dona da casa dormir na sala porque expulsaram ela do próprio quarto. - Harry havia parado de ouvir logo depois do dona da casa. Desde quando Emily era dona da casa? Ele não sabia. - Ela disse que vão dividir os quartos novamente, assim ninguém dorme no chão.

— Essa noite ela dorme comigo. - Ou não. - Pode acordar ela e dizer para me encontrar na sala de jogos antes dela ir falar com todos?

— Posso sim. Leva a Smith para trocar de roupa em algum lugar, eu já volto com a Emily. - Verônica não precisava olhar Natalie para saber como ela a olhava. Por pensar assim, Iglesias subiu na frente dos dois, qualquer um deles poderiam correr até o quarto, onde iam encontrar Emily dormindo na cama e nua. Ela só não esperava que Emily já não estivesse na cama. - Pensei que estivesse dormindo.

— Não mais. Qual você prefere? Biquíni verde ou roxo?

— Maiô preto. - Emily fez uma careta ao se virar para Verônica e sua cara assustada. - Gosto de maiô.

— A última vez que usei maiô, eu tinha sete anos. Não tenho nenhum aqui.

— Eu tenho. Quer?

— Eu acho que vai ficar melhor em você. Assim ninguém vê mais que suas pernas. O que já é demais.

— Ninguém vai me olhar.

— Todos te olham, Vero. É impossível não te olhar. - Emily mordeu seu lábio inferior quando Verônica tirou sua roupa, desejando que todos fossem embora da casa. - Preciso descer antes de te atacar de novo.

— O Harry pediu para ir na sala de jogos primeiro.

— Obrigada por avisar.

— Natalie já chegou.

— Quem?

— A professora Natalie Smith. Também conhecida como a gostosa entre os alunos.

— Não estou lembrando dela.

— Ficou interessada?

— Na parte que ela é professora do colégio e eu não sei nem a cor do cabelo dela? Sim. Que ela é gostosa? Não. Nunca a vi.

— Talvez seja porque você não faz aula de teatro, é lá que a Natalie passa o dia. - Com uma irritação repentina, Verônica terminou de se vestir, indo atrás de uma toalha. - Vou ficar falando com ela e com as mães do Harry para manter as aparências.

— Isso quer dizer que não vamos ficar juntas?

— Juntas e grudadas? - Emily assentiu. - Não. Podemos conversar perto de outras pessoas como fizemos na sua casa.

— Melhor que ficar cada uma de um lado. Agora eu já vou descer, não quero ninguém desconfiando que vi minha professora trocando de roupa.

Verônica tentava entender a expressão de Emily, mas a garota saiu assim que a música começou a tocar, deixando ela para trás. Além de não deixar ninguém saber sobre elas, Verônica não poderia ser afastada de Emily agora que estava tão perto da verdade. Por esses motivos, ela poderia fingir que não tinha intimidade alguma com sua aluna por algumas horas.

Já na sala de jogos, Harry explicava as coisas para Emily, pedindo para deixar a culpa somente para ele. Emily aceitou mesmo não querendo, dizendo que as coisas ficariam piores quando descobrissem das câmeras.

— Ninguém precisa saber, Emi. Vamos assistir e guardar só para nós dois. Agora vamos para fora, quero beber.

— Também quero. - Emily foi seguindo Harry até a parte de fora, onde a festa acontecia e onde tinha uma pessoa nova para ela. - Ela é bonita.

— A Smith? Ela é gata e disse que vai curtir muito porque está precisando. E nós dois vamos fazer o mesmo. - Harry apontou para o outro lado da piscina, mostrando Liam e Louis que se juntava a Zayn e Niall na borda da piscina. - A diversão vai começar, mas ainda estou traumatizado com o que vimos no quarto.

— Vai falar que não ficou olhando a bundinha de bebê do Zayn? Deveríamos ter tirado uma foto deles.

— Você pode fazer melhor que tirar foto. Coloca o seu celular para gravar e deixa que eu tiro foto. - Emily desbloqueou seu celular com pressa, imaginando o que ia acontecer. - Três, dois, um.

— Eles... - Emily gargalhou quando os quatro garotos abaixaram a parte de trás de suas sungas, chamando atenção do restante das pessoas. - Meu Deus, eu nunca vou apagar esse vídeo.

— Continua gravando e tira foto com o meu celular.

— Para que?

— Vem, Harry. - Louis gritou animado, nem parecia que queria acabar com o cabelo do Styles. - Anda logo.

— Eu nunca fico de fora dos sem sungas, bebê.

— Não acredito nisso. - Emily voltou a gargalhar quando Harry entregou seu celular para ela e correu já baixando sua sungas antes de parar ao lado de Niall, que o empurrou com o ombro. - Com certeza eu vou guardar essas fotos e esse vídeo.

— Se quiser eu te dou um quadro. - Emily bloqueou os dois celulares ao ouvir a voz de Verônica tão perto dela. - Deixo escolher a cor.

— Que susto, Verônica. Quer me matar do coração?

— Vai querer um quadro pequeno ou um do tamanho da parede do seu quarto? - Verônica estava enciumada e de longe Natalie percebeu, se aproximando lentamente. - Então?

— Era só uma brincadeira, não quero quadro nenhum.

— Quer brincar com a bundinha de bebê Zayn?

— Sério que estava ouvindo? - Emily riu de nervoso, sem acreditar no que ouvia. - Você estava ouvindo desde que hora, Verônica?

— Não importa. Se queria privacidade, deveria ter ido para um dos quartos.

— Por que estão brigando? - Natalie se enfiou no meio das duas, afastando qualquer coisa que poderia acontecer entre elas. - Vão me deixar falando sozinha?

— Não estamos brigando, Natalie. Só fiz uma pergunta para Emily.

— Do que jeito que você chegou aqui e ficou olhando ela e o Harry, eu diria que sim, que estão brigando. Deixa a menina, Iglesias.

— É, Iglesias.

— Não era uma briga, tá legal? Só perguntei sobre as bebidas que estão por toda a casa. Ela não pode beber.

— Deixa de ser careta, Vero. Os amigos dela estão bebendo, um dia só não tem problema nenhum.

— Concordo. - Emily pegou o copo da mão de Natalie, virando de uma vez. - Prazer, eu sou a Emily.

— Natalie. Você é bem diferente da sua irmã e da sua prima.

— Você acha? - Verônica questionou ironicamente. - Eu acho elas bem parecidas.

— Somos iguais só na aparência, mas a Mackenzie nem tanto. Tirando isso, somos totalmente diferente.

— Acabei de conhecer a Mackenzie. Estou me referindo a Spencer e a Hanna, as doidinhas que fazem as coisas sem pensar. Você também é assim?

— Não sou como elas, Deus me livre. Penso bastante antes de fazer alguma coisa e estou pensando agora mesmo. Não quer entrar na piscina? Eu te acompanho.

— Preciso pegar um bronze nesse corpo maravilhoso que Deus me deu. - Emily evitou olhar para Natalie, até porque já tinha visto como o biquíni cor vinho ficava bem na professora de teatro. - O que acha de silicone, Vero?

— Gosto do meu corpo assim.

— Eu também, ainda mais sem maiô. - Emily as olhou, ficando decepcionada com Verônica. - Estou falando do meu corpo, o silicone é para mim. Lembro quando você me dizia que era...

— Você já está bêbada, Natalie? Nem chegou direito. Para de falar.

— Vocês duas já se pegaram? - Emily foi direta, sua cabeça começava a rodar.

— Verônica deu muito trabalho, mas eu sou uma mulher que não desiste fácil do que quero.

— Que legal. - O choro se instalou na garganta de Emily, que tratou de colocar um sorriso no rosto. - Quanto tempo estão juntas?

— Não estamos juntas, Emily. - Verônica queria chegar mais perto dela e dizer que não tinha sido nada além de sexo. Seu coração se apertou quando Emily olhou para o chão, evitando olhá-la nós olhos. - Nunca estivemos juntas.

— Não mesmo. Sempre foi na base do sexo e depois cada uma para o seu quarto. Hoje em dia somos amigas.

— Verdade? A Verônica me disse que não tinha amigos, estou surpresa com essa novidade.

— Claro que ela tem amigos, Lauren e eu somos duas desses amigos. - De alguma forma, Emily se sentia enganada. - Foi a Vero que me levou para trabalhar lá no colégio e me chamou para morar com ela depois que vendeu o apartamento. Na verdade ela fugiu dos pais dela.

— Não fugi de ninguém.

— Quando você troca um duplex na cobertura por uma casa longe da família, eu tenho certeza que isso é fugir sim, mas voltando na amizade, vocês já conseguiram isso, ela não se mistura com os alunos e pelo que sei, essa é a segunda vez.

— Espera um pouco, fiquei perdida na parte que vocês duas moram juntas. Das vezes que estive lá, nunca te vi.

— Então você é dona dos remédios. - Era óbvio já que tinha seu nome no frasco. - Eu tenho um parque aquático e ando passando muito tempo lá para resolver alguns problemas. Na próxima vez que for lá, me espera, podemos comer uma pizza todas juntas.

— Não terá próxima vez. A Iglesias estava me ajudando com as aulas atrasadas e agora não preciso mais. Agora se me dão licença, eu vou entrar na piscina.

— Pode ir, vou ficar aqui com a Vero.

— Se quiserem privacidade, podem usar o quarto que a Iglesias está dormindo.

— Não preciso de um quarto. - Na brincadeira, de péssimo gosto para Emily, Natalie puxou Verônica para um beijo rápido, rindo ao se afastar. - Sua boca continua gostosa.

— Por que fez isso, Natalie?

— Não quero atrapalhar vocês duas.

Verônica tentou segurar Emily quando ela saiu disparada em direção a piscina, nem olhando para trás. Seus alunos estavam de boca aberta porque sabiam de Natalie e Spencer. Assim como Anna e Brittany desconfiava de Verônica e Emily. 


Notas Finais


E não ligue para os erros, a Rafa tá corrigindo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...