1. Spirit Fanfics >
  2. Make me believe - Bakugou Katsuki >
  3. A new beginning

História Make me believe - Bakugou Katsuki - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


me perdoem se ter erros, postei na pressa e nem corrigi, porém quando eu ter tempo novamente os erros serão corrigidos

Capítulo 2 - A new beginning


[ A música retrata tudo o que seus "pais" lhe disseram todos esses anos, a obrigando a se portar como uma "dama", dizendo coisas absurdas e machistas para a garota. ]
 

My momma use to say

(Minha mãe costumava dizer)
"Baby make me proud
("Baby, me deixe orgulhosa)
You've got such a pretty face
(Você tem um rosto tão lindo)
But such a dirty mouth"
(Mas uma boca tão suja")
 

 

--Meses depois--

(Obs: A mãe de Katsuki resolveu passar as férias naquela cidade para comemorar que no ano seguinte o filho iria para a U.A. Aquela cidade era conhecida por ter praias muito belas.) 

 

É, mais um dia onde ela chega em casa e sua "mãe" e seu padrasto ficam a diminuindo e perguntando como ela pode ficar fora até tão tarde da noite. Não era nada de novo eles fazerem aquilo, porém naquele dia ela não estava nada bem. A ficha acabou caindo com o estado ainda mais grave do irmão, e ao invés de seus "pais" ficarem preocupados com a piora dele, eles preferem ficar gritando consigo e enchendo seu saco. 

Além disso tudo ela ainda teria de ir à uma seção de fotos, de acordo com a cobra- ops de acordo com sua "mãe" aquilo era o passe para a carreira de estrela da moda dela, mas não era isso que a garota queria. 

 

Estava cansada. 

De tudo. 

E é por isso que vai fugir. 

 

[ ... ]

 

Estava em seu quarto - que não era nada seu estilo por ser a sua "mãe" que o arrumou -, arrumava uma mala que tinha de baixo de seu guarda roupa e colocava tudo o que podia dentro. 

 

A viagem não seria um problema, até porque sua individualidade ajuda muito, porém convenhamos que é meio estranho uma garota praticamente voando pelo céu, tomara que ninguém notasse. Terminou de guardar as roupas e alguns pertences e trocou de roupa, colocou um moletom com capuz, um short e um tênis, tudo preto para não chamar atenção, quem sabe até ficasse camuflada por ser de noite e realmente não chame atenção. 

 

Pegou a mala - que estava super pesada por sinal - e subiu na janela de seu quarto, ficava no segundo andar da casa então a sua "mãe" não a veria sair. Ativou sua individualidade e fez com que vento se acumula-se abaixo de seus pés a fazendo flutuar junto com a mala. 

 

 

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 

Nome: (S/N) (S/S) 

Individualidade: Wind Element. (Elemento do vento) 

 

Algumas informações: Como já diz o nome, ela controla um dos elementos: O vento. 

Podendo fazer redemoinhos, furacões etc, ela costuma ser bem criativa, então criou as "asas de vento", isso, ela tem asas que são feitas de vento pela sua individualidade, também tem outros truques na manga. 

 

Consequências: Usar muito seu poder pode fazer com ela desmaiar por dias para recuperar as forças, mas somente quando é realmente muito forçado, sim, ela pode entrar em coma. Quando não é muito forçado, acontece uma reação normal; o cansaço e também algumas dores no corpo. 

 

 

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 

Seria uma aterrissagem cansativa por estar usando a individualidade, mas só de pensar que seria livre do casamento arranjado que sua mãe disse que teria, já estava pensando que todo o esforço valia a pena. Ah sim, não contei? Sim, ela seria obrigada a casar com um garoto de uma família rica que ela nem ao menos conhece, parece que voltamos a alguns séculos atrás com tradições exageradas e bem merdas.

 

But how come when I tell you
(Mas como é que quando eu digo)
What's on my mind like men do
(O que eu tenho em mente como os homens fazem)
I'm called crazy?
(Eu sou chamada de louca?)
Crazy

(Louca)

 

 

Parou em uma cidade onde havia uma escola de super heróis muito renomada: U.A, seu pai quando ainda vivo falava daquela escola e dizia que já estudou lá por um tempo, então a garota quer recomeçar pelos paços de seu pai. 

Porém ela se sentiu fraca um pouco antes do que devia, e acabou que ela parou em uma floresta que ficava ao lado do que parecia uma indústria abandonada ou algo assim. Ouviu vozes e sons de luta mais a frente, pensou em dar meia volta e correr, porém viu que alguém foi empurrado com força em sua direção. 


Ativou sua individualidade e empurrou de volta a pessoa que foi lançada em sua direção, viu que havia várias outras ao seu redor, mas logo viu que pessoas a rodearam, pelo que ao parecia eles não iriam a machucar. Será que era um confronto entre vilões e heróis? Ah não, como ela tem esse dom de sempre acabar nessas situações? Foi quando percebeu que era realmente um confronto entre heróis e vilões, reconheceu Shota Aizawa, um velho amigo de seu pai que já trabalhou junto dele nos trabalhos noturnos.

Não conhecia muito sobre heróis e muito menos sobre vilões, só conhecia Aizawa por causa de seu pai, ele já fora em sua casa quando seu pai estava vivo, ainda era criança mais lembrava bem que o moreno parecia ser durão mas no fundo era um tio coruja, era assim como seu pai o chamava quando aparecia com brinquedos novos para a garota toda vez que ia visitá-los. 

Mas, não era mais uma criancinha e queria ajudá-los, para falar a verdade, só queria que eles reconhecessem o talento que não tem e dessem um lugar para ela passar a noite. Concentrou vento em seus pés e deu um impulso, ainda estando no ar mirou nos vilões que faziam um círculo cercando os heróis - que estavam bem machucados, enquanto isso vilões pareciam ficar mais fortes a cada segundo - e jogou uma rajada de vento na direção deles. As vezes o vento que ela controlava, se dado na medida certa, poderia machucar bastante quem o pegasse de frente, os danos seriam bem mais que alguns arranhões. 

Percebeu o olhar surpreso dos heróis, se estivesse em sua forma normal estaria se fingindo de tímida e por dentro estaria pensando no quanto era incrível e talentosa, porém aquela rajada de vento custou muita força para quem viajou de uma vários e vários kilometros usando a individualidade, então suas pernas falharam, nunca conseguiu durar muito tempo utilizando sua individualidade então era agora que ia conseguir, o que não era bom para os seus planos de última hora de conseguir impressionar um herói ou heroína e elx dar um lugar onde passar a noite. 
Sentiu ser banhada pela escuridão a medida que seus olhos fechavam e ela desmaiava.

 

This is not a love song
(Essa não é uma canção de amor)
This is not a sing along
(Essa não é um canto junto)
But ladies, are you with me?
(Mas senhoritas vocês estão comigo?)
I know that you're with me
(Eu sei que vocês estão comigo)
 


Abriu os olhos e logo uma luz a cegou, fechou os olhos rapidamente e abriu eles devagar até se acostumar com o brilho do lugar. Percebeu que estava em uma cama branca, olhou ao redor e percebeu que estava em um hospital ou algo assim. Levantou da cama e viu que estava tomando soro, pegou o equipamento de soro e levou junto consigo até a saída daquele quarto. 

Ouviu vozes assim que saiu do quarto, reconheceu duas pessoas de ontem a noite, uma delas Aizawa. Falavam com um médico, e como a curiosa master que é resolveu escutar a conversa. 

 

-Ela está bem, ela ter desmaiado mostra que ela usou a individualidade demais, uma das nossas hipóteses é que ela usou para chegar até aqui e logo depois usou para se proteger daqueles vilões. Ela não parece conseguir durar muito tempo usando a individualidade, mas ela tem talento. - disse o homem, que parecia ser um médico.

 

-Eu conheço a garota. - se pronunciou Aizawa com um tom desanimado de sempre. 

 

-Conhece? De onde? - questionou uma mulher que tinha uma roupa um tanto... Provocante? 

 

-É a filha de um falecido amigo. GravitationalPull. - disse Aizawa. 

 

-O herói que ficou marcado na cabeça de muitas pessoas por morrer salvando inocentes?! - disse a mulher e Aizawa assentiu - Ele mudava o peso das coisas certo? Podia mudar de pesado para leve e de leve para pesado. 

 

-Sim. Na verdade, ele era o meu irmão. - revelou o moreno e (S/N) soltou, ou melhor, gritou um "oque?! " involuntário. - Você acordou. 

 

-M-m-meu p-pai é seu irmão? E-eu pensei que eram amigos pelas lembranças... 

 

-É impressionante que você lembre de alguma coisa, você era só uma criança na época. - disse Aizawa. - Sim, eu e seu pai somos irmãos. Sua mãe não disse nada? - questionou chamando de mãe por não saber se a garota sabia que aquela mulher não era sua mãe de verdade.

 

-Madrasta. Ela é só uma madrasta. - disse firme com um tom sério. - Aquela mulher não conta nada que me faça ter relações com meu sonho de ser heroína, é só uma ignorante que só pensa em si mesma. - disse e o silêncio se instalou naquela sala, Aizawa sabia que aquela mulher era ruim mais não tanto, privar uma adolescente de um sonho não era bom para a saúde mental. A mulher com o uniforme de puta, ops, o uniforme provocante apenas pensava no quanto a garota já havia sofrido tão nova, esse tipo de "pais" que obrigam crianças a fazer coisas na maioria das vezes optam pela violência.

 

-Você tem um lugar para ficar (S/N)? - questionou Aizawa. 

 

-Não. Eu fugi. - disse a garota. 

 

-Então agora sua guarda é minha. - disse o moreno. 

 

-An?! 

 

-A partir de agora você mora comigo. Imagino que não queira voltar para sua casa, então você vai se fingir ser minha filha. - explicou. 

 

-É...sério? Tio Aizawa é sério?! - questionou a garota desacreditada. Ela imaginava que assim que descobrissem mandariam ela voltar para casa e parar de "frescura".

 

- Sim. 

 

Add a little sugar, they say

(Adicione um pouco de açúcar, eles dizem) 

Be a little sweeter, they say

(Seja um pouco mais doce, eles dizem) 

Gotta give and take, but I say

(Tem que dar para receber, mas eu digo) 

This time it's my way, ah, my way

(Dessa vez é do meu jeito, ah, meu jeito) 

 

 


Já estava morando com Aizawa faz alguns dias, e ele vem a treinando bastante para conseguir entrar na escola que ele é professor. A garota estava evoluindo rápido e Aizawa estava orgulhoso, mesmo escondendo ele era um tio coruja, ou deveria dizer pai? 

Aquele dia era onde eles iriam até a U.A pedir para o diretor, Nezu, permitir a entrada da garota na escola, mesmo depois dos testes. Sabiam que não seria fácil, mas a garota estava disposta á aceitar qualquer desafio dado a si. Estavam dentro do carro e Aizawa dirigia atentamente para não causar um acidente, enquanto a garota mexia no celular. 

 

Desceram do carro assim que chegaram ao destino, estavam bem cedo lá, antes de todos os alunos. Quando entraram na escola foram direto para a sala do diretor, a garota ficou impressionada o caminho todo pelo tamanho da escola no caminho inteiro. Chegaram a sala e o Aizawa bateu três vezes na porta e receberam um "entre" do outro lado. 
Era a hora da verdade.

 

-Bom dia, diretor. - disse Aizawa no tom desanimado de sempre. 

 

- Bom dia, o que trás você aqui? - respondeu um animal não identificado por (S/N), que mais parecia um rato.

 

-Queria conversar com o senhor sobre a entrada de (S/N) na escola mesmo depois dos testes. - disse Aizawa. 

 

-E quem seria (S/N)? - questionou o diretor. 

 

-Minha filha. - disse Aizawa e recebeu o olhar surpreso do rato, ops, do diretor. 

 

-Não sabia que tinha uma filha Aizawa. Porém, mesmo você sendo um professor e ela sendo sua filha, aqui todo aluno é aluno. - disse o diretor, enquanto (S/N) via suas as esperanças de entrar na escola morrendo e dando adeus aos seus sonhos. 

 

-Ela não poderia fazer os testes novamente? - questionou Aizawa. 

 

-Não será preciso. Eu tenho uma proposta. - disse Nezu. 

 

- E qual seria? - questionou o moreno. 

 

-Se (S/N) conseguir uma boa colocação e um bom desempenho no Festival Esportivo ela poderá entrar na escola. Como ainda falta um dia, ela pode passar esse dia na escola até amanhã que será o festival. Feito? - Aizawa ia responder mas (S/N) o interrompeu. 

 

-Feito! 

 

 

 

[ ... ]


Be a little proper, they say
(Seja um pouco mais adequada, eles dizem) 

Speak a little softer, they say
(Fale um pouco mais suave, eles dizem) 

Gotta be a lady, but I say
(Tem que ser como uma dama, mas eu digo) 

This time it's my way, ah, my way
(Dessa vez é do meu jeito, ah, meu jeito) 


[ ... ]

 


Notas Finais


me perdoem se ter erros, postei na pressa e nem corrigi, porém quando eu ter tempo novamente os erros serão corrigidos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...