1. Spirit Fanfics >
  2. Make us never happen >
  3. Forever

História Make us never happen - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


I'm back! Aqui está a atualização e vou responder todos os comments amanhã <3

Song: I'll still have me - Cyn / Carinhoso - Marisa Monte (essa song é muito cute e sad)

PS: Ainda preciso revisar, erros podem ser encontrados

Capítulo 5 - Forever


Fanfic / Fanfiction Make us never happen - Capítulo 5 - Forever

Khione

—O que está fazendo? Você chama isso de dança? -Resmungo com desdém

—E o que é dança pra você? -Wooyoung retrucou sorrindo 

—Deixe com a especialista aqui. Eu fiz balé por quinze anos! -Argumento 

Era mentira. E Wooyoung percebe quando ele coloca uma música clássica no seu celular e vê minha imitação ridícula do meu suposto balé de quinze anos. É claro que eu deixava minha coreografia mais ridícula, o que o fazia rir como uma hiena escandalosa, mas fofa hiena. 

E era impossível se concentrar no meu papel enquanto ele ria daquela forma. Eu rio junto e ele muda a música e a gente apenas dança feito dois loucos, sem coreografia, misturando todos os estilos possíveis e apenas rindo. 

Quando cansamos, eu me sento no banco encostado na parede e Wooyoung senta no chão, entre as minhas pernas, me dando liberdade pra afagar seu cabelo, fazer uma trancinha ou duas, fazê-lo inclinar a cabeça apenas para beijar sua testa, até que ele estivesse descansado e pudesse realmente treinar.

Também passei a fazer algumas visitas ao treino após aulas de Wooyoung, quando não tinha estágio. E às vezes, mesmo com estágio, eu passava na sala de vidro apenas para vê-lo terminando a aula e acenar para ele, que sempre acenava de volta sorrindo e jogava beijos em resposta. 

Obviamente, ainda me encontrava insegura quanto a este relacionamento. 

Um dia, após o estágio, decido passar no club onde Wooyoung ainda trabalha. Aquele lugar não tão decente, tocando música alta, homens de cueca servindo bebidas, homens tirando a roupa no palco com coreografias ensaiadas...Me pergunto quando Wooyoung tem tempo para aprender essas apresentações.

Fico mais afastada, esperando ver Wooyoung entre os mascarados no palco, mas não o reconheço entre eles. E não é porque usam máscara, eu reconheceria Wooyoung sem problemas algum! Quero dizer...não que eu tenha decorado o corpo dele ou o formato do rosto ou...okay, talvez sim.

Olho tão distraída em confusão para os mascarados, que não notei a pessoa se aproximando de mim, eu só acordo pra realidade, quando sinto tocarem minha cintura e beijam meu pescoço. E com a surpresa (quase susto), óbvio que me viro e acerto bem em cheio o rosto do tarado.

Tarado que não era ninguém mais ninguém menos que o fofo do Wooyoung. 

—Oh, my! Woonie! -Exclamo surpresa com o que fiz 

O garoto toca a bochecha atingida chocado com o ataque, de olhos arregalados e boca aberta em incredulidade, seria cômico se não fosse trágico. 

—Desculpa desculpa! Eu pensei que fosse um bêbado tarado! Eu sinto muito! -Resmungo preocupada e toco suas bochechas, as massageando quase que desesperada por ter machucado o coreano 

—Kiki...tá tudo bem. -Ele resmunga com um bico nos lábios já que eu apertava suas bochechas 

—Sério? Eu usei um pouco de força… -Falo soltando suas bochechas

—É só beijar que sara. -Ele sorri e volta a se aproximar de mim, me abraçando de novo

E dessa vez eu não dou um karatê no garoto. Porque ñ era um tarado bêbado me atacando. Beijo sua bochecha e me mantenho abraçada a ele por um tempo. 

—Desculpa… -Digo 

—Tudo bem. -Ele encerra o abraço, mas mantém seus braços na minha cintura, não se afastando de mim -Estava esperando me ver tirando a roupa pras tias? -Ele ri

—Esse era seu trabalho, não era?!

—Eu mudei de área. -Ele sorri, voltando a me abraçar -Minha namorada não gostava do que eu fazia. Acho que ela tinha medo de alguma tiazinha se apaixonar por mim e me roubar dela ou algo assim.

—Corvo idiota! -Resmungo rindo 

Agora, com três meses de relacionamento, Wooyoung não era apenas meu namorado, mas meu melhor amigo, e quase colega de apartamento, porque algumas madrugadas, ele surgia cansado na minha porta depois de um dia e noite exaustiva, pedindo desculpas mas que ele precisava de abraços. E obviamente, com a recente fraqueza por esse corvo descoberta, ele dormia comigo por três ou quatro horas restantes pra começar o dia de novo. 

A única diferença ao seu lado é que, nos últimos meses, eu não pude deixar de notar muitos pequenos detalhes sobre ele e sobre o comportamento dele, e então, eu simplesmente pensava demais nas pequenas ações dele durante o dia, em como ele me oferecia uma garrafa de água do nada e gritava "FIQUE HIDRATADA KIKI" ou mesmo como ele sempre perguntava como havia sido a aula.

Às vezes eu me sentia um pouco tola demais quando nossos horários não batiam e estávamos muito ocupados, e então ele ligava ou enviava mensagens quando eu estava saindo do estágio a noite (e nesse horário ele estaria trabalhando), e pedia que eu enviasse mensagem quando chegasse, pra saber que estava tudo bem. 

Em suma, aquele sentimento que eu estava tentando controlar e evitar, tinha dominado minha vida. Eu estava apaixonada pelo corvo idiota escandaloso e eu não podia fazer nada a respeito disso.

Minha agenda estava especialmente agitada ultimamente e meus dias eram caóticos, e tudo isso porque as provas e avaliações e projetos estavam próximos e a sensação de fracassar ainda mais na vida era terrível. Nos seus dias de folga, Wooyoung me ajudava a estudar e me mantinha acordada na madrugada enquanto ele assistia algo no celular e se movia pelo pequeno espaço do meu quarto, e isso ajudava.

E hoje, uma noite de sexta-feira, já às 12h40, eu ainda estudava e entediada até ouvir uma batida na porta do meu quarto. Meus olhos estavam pesados ​​pela necessidade de dormir, mas eu respondo com um baixo “pode entrar, corvo”, (ele era minha única visita e ele sempre manda mensagem quando está chegando, então apenas deixo a porta encostada e espero). 

Virando a cabeça em direção à porta, vi um Wooyoung cansado, com sua camiseta branca e calça de moletom, com um pequeno sorriso genuíno no rosto. Sinto meu coração bater mais alto ao perceber o quanto realmente senti sua falta nos últimos dias...

—Podemos passar algum tempo juntos, por favor? Eu realmente preciso disso.

—Claro, Woonie... eu estava prestes a parar aqui de qualquer maneira, não posso mais estudar hoje à noite.

Ele  fechou a porta com um clique suave. Sentando na minha cama, ele cruzou as pernas como uma criança e olhou para mim, ainda sentada a minha escrivaninha, sem dizer uma palavra. Olhando para ele, sorrio.

—É assim que você quer que passemos tempo juntos? Uma competição de quem pisca primeiro ou o quê?! 

—Ok, mas venha aqui primeiro.

Suspiro e caminho até ele na cama, sendo recebida com um abraço reconfortante. 

—Senti sua falta hoje. -Ele diz baixo

—Eu não senti a sua. 

—O quê?! Como você é ruim! -Ele resmunga já sorrindo 

Me sento sorrindo mas mal tenho tempo para reagir, o coreano me ataca da forma mais cruel possível: com cócegas.

Uma risada surge quando deito e me contorço abaixo dele. Apesar de ser um demônio completo no palco do clube ou nas suas aulas de dança, ele sempre mostra seu lado suave. Isso me faz sentir especial, mas aqui estou, presa embaixo dele enquanto ele, não tão graciosamente, passa as mãos pelos lados do meu corpo, fazendo cócegas. Minha risada devia ser escutada lá fora no corredor, sem dúvidas. 

Wooyoung para o ataque, me permitindo recuperar o fôlego. Isso levou a sorrisos e risos suaves, e então Wooyoung estava deitado em cima de mim, sua cabeça descansando levemente em meu estômago enquanto seus braços abraçam minha cintura. 

Minhas mãos afagam seus cabelos macios, massageando o couro cabeludo, as unhas coçando a cabeça levemente. Wooyoung suspira em resposta, fechando os olhos enquanto ele aparentemente aproveita a atenção. Depois de um breve momento, ele se levanta, me fazendo resmungar baixo pela perda de calor na metade inferior do corpo. Woo se move para cima, braços de cada lado da minha cabeça, mantendo seu rosto apenas a poucos centímetros do meu. Ele rapidamente dá um beijo em meus lábios, seus olhos se fechando enquanto murmura um baixo “eu te amo” entre cada selinho.

Rio, movendo os braços para que eles estivessem em volta do seu pescoço. O puxei para mais perto de mim e Woo se move para o meu pescoço, minha respiração se tornando um pouco mais descompassada que o normal enquanto ele avança, deixando beijos ao longo da minha mandíbula. Nossas risadas desapareceram e se transformam em beijos e respirações trêmulas.

As mãos dele entrelaçadas com as minhas. Parecia ótimo. Cada mordida, beijo, suspiro, fazia um pequeno calafrio percorrer minha espinha e meu rosto esquentar.

Eu e Wooyoung estamos juntos a pouco tempo, muito tempo no caso dele, que não passava de duas semanas com alguma garota na sua época de fuckboy. O máximo que já tivemos foram beijos. Não foi ele quem disse não, eu que evitava levar as coisas um pouco mais longe. Porque eu estava nervosa, com medo dos riscos e como seria. Eu já ouvi histórias de horror do tipo “o fuckboy só queria uma noite” tipo de coisa e não estava prestes a experimentar a tragédia por mim mesma. Eu tinha a teoria do quão ruim as coisas podiam acontecer e que tudo podia dar errado instantaneamente. Pelo menos foi o que pensei, mas Wooyoung me fez sentir que tudo ficaria bem. 

Ele se afasta, se sentando afastado na cama rapidamente, como se ele tivesse uma revelação terrível em mente. Me sento também, confusa. Algo estava errado?

—Woonie? Está tudo bem? -Pergunto, o próprio também estava corado, mas ele parecia perdido em pensamentos. -Vamos lá... você pode me dizer… -Digo, esfregando seu braço enquanto me sentava ao lado dele. 

—Não é nada, Kiki. -Ele retruca, beijando minha bochecha rapidamente, um sorriso suave em suas feições. Eu o conhecia melhor que isso. -Eu só não quero te pressionar a nada. E também, você merece um momento bem mais especial que isso e talvez eu até nem seja a pessoa mais especial pra você e eu não quero machucar você e-

Ignoro seu raciocínio confuso, me movendo e sento no seu colo, surpreendendo o coreano um pouco demais enquanto passo a mão livre pelo cabelo dele.

—Você fala demais, corvo idiota. -Digo sorrindo -E se preocupa demais. 

Ele sorri em resposta, levando suas mãos na minha cintura, me puxando para mais perto. 

—Você tem certeza? Eu não quero te machucar... -Ele parece ronronar enquanto suas mãos deslizam por baixo da minha camisa levemente. Solto um suspiro leve, balançando a cabeça em afirmação. Ele sorri de forma tão adorável, que quase esqueci que o motivo do seu sorriso não era algo fofo e inocente. Inocente, algo que Wooyoung nunca seria. 

Em resposta, ele segura minha cintura e no segundo seguinte, eu estava deitada na cama. Solto um suspiro de surpresa quando bato no colchão, com a pressa alheia e começo a rir. 

—Porque a pressa?! -Pergunto rindo 

—Pra você não mudar de ideia! Faz ideia do quanto me segurei por você, Kiki?! -Ele resmunga emburrado, e não perde tempo em agarrar a barra da camisa, puxando-a em um movimento rápido, bem na minha frente. Eu só podia encará-lo com a boca ligeiramente aberta enquanto se aproximava de mim, porque uma coisa era eu ter visto ele tirar a roupa bem longe de mim, outra é eu ver isso em HD e 3D onde eu posso simplesmente tocar essa criatura perfeita! -Porque está me olhando assim? -Ele pergunta rindo

—O quê? Como?

—Você é tão fofa, Kiki. -Ele sorri

—Fofa? A falta de respeito- 

Wooyoung me beija novamente, me fazendo calar a boca. Sua respiração estava quente e seu corpo estava tão perto do meu que estremeci sob o toque dele. Levo minhas mãos no seu cabelo enquanto meus lábios se separaram o suficiente para a língua dele deslizar para dentro e tornar o beijo ainda mais profundo. Uma das suas mãos, que estava na minha coxa, desliza até minha cintura, e logo ele puxa minha camisa, basicamente perguntando se eu podia tirá-la para ele. Encerro o beijo, minhas mãos tremendo enquanto me sento um pouco e levanto a camisa sobre a cabeça. Os olhos de Wooyoung olhavam diretamente para a minha pele exposta, as mãos dele lentamente deslizando pela minha cintura e depois pelas minhas costas. 

—Céus, você é tão linda, Kiki... -Ele murmura próximo ou meu ouvido, voltando a beijar meu pescoço, mordiscando, sabendo do meu ponto fraco e que eu derreteria com isso -Prometo nunca machucar você... -Ele para e volta sua atenção a mim, me olhando de uma forma tão amável e sincera -...posso ficar com você pra sempre?

Não deixo de sorrir com o que ouço. 

—Claro, o corvo nunca abandonou a Malévola, lembra? -Sorrio 

Ele ri em resposta e volta a me beijar, me fazendo deitar novamente, o tendo sobre mim. 

—Te amo, Kiki...

 

[...]

 

—Quais os planos para o terceiro mês de namoro? -Lisa pergunta sorrindo 

—Uh...nada especial. -Digo indiferente, atenta no pdf que leio no celular de uma das aulas

—Não, ele sempre prepara algo especial pra vocês. Me fala o que é, Kiki! -A garota sentada no lugar a minha frente, no banco do refeitório, resmunga ansiosa

Desvio meu olhar do celular para a garota curiosa e acabo sorrindo. 

—Eu não sei, juro. Ele não me contou nada. Provavelmente vamos assistir The Office e comer pizza. 

—Ainda é um plano incrível. -Ela diz desapontada -Eu preciso encontrar logo alguém pra curtir um pouco.

—Jennie tem vários contatos. E ela e Irene estão preparando uma grande festa em um mês, lembra? Pode ser sua chance. -Comento atenta a minha leitura de novo

—É verdade. Vou aproveitar essa festa como se fosse a última! -Ela ri empolgada -Ah! Kiki, eu preciso encontrar a Jennie no auditório, a organização da semana de moda, sabe?! 

—Okay, mando mensagem depois. -Digo a olhando 

—Tenha um bom dia no estágio, Kiki! -Ela diz sorrindo de forma adorável e joga um beijo antes de se apressar pegando a bolsa e quase correr na direção da saída

Apenas sorrio em resposta e quando a vejo sair, volto a minha leitura. Mas logo checo a hora e preciso começar a me apressar para chegar a tempo no estágio. Arrumo minhas coisas na mochila e compro um lanche para Wooyoung, sabendo que ele ainda estava em aula, ou treinando e ele nunca sai pra comer nada quando treina. 

Compro o lanche e fico mais ao lado, dando espaço para os próximos clientes na fila, e coloco a mochila no balcão, ocupada voltando a guardar o dinheiro na mesma. É quando escuto a conversa na mesa próxima, não por ser intrometida e curiosa a ponto de prestar atenção em conversa alheia, mas porque escuto meu nome. 

—...ele só está com ela pela aposta. Todo mundo sabe! -A garota que percebo ser Ryujin fala 

Paro o que faço e me atento à conversa.

—Mas eles parecem um casal de verdade, e muito fofos juntos pra ser honesta. –Uma das suas amigas diz

—Os amigos de Wooyoung me contaram, fizeram uma aposta pra ver quem levaria a “estrangeira impossível” pra cama. Wooyoung aceitou o desafio e por isso estão juntos. -Ryujin argumenta

Paraliso no lugar, surpresa com o que ouço. Não…

—Okay, ele está com ela pela aposta, mas a aposta inclui o tempo de suposto namoro também? Que eu saiba, os fofinhos estão há quase três meses juntos. 

—Eu durmi com o Gyu ontem, a gente conversou, ele garantiu que Wooyoung nunca fica com uma garota por mais de quatro meses, apenas espere, ele vai cansar dela. 

Eu precisava imediatamente de uma resposta real. Eu não podia acreditar nisso até Wooyoung dizer isso. Fecho a mochila e me afasto do local o mais rápido possível, ainda chego a correr um pouco pelos corredores até a sala de treino da turma de dança.  

Empurro a porta sem hesitação alguma, Wooyoung assistia a algo com Yunho e San no banco. Haviam outras pessoas no local, em pé conversando sobre algo. Cada passo que eu dava em direção a Wooyoung parecia doer mais em mim. 

—Wooyoung! -O chamo a atenção parando em frente a eles 

—Espere, estamos assistindo um vídeo engraçado! -Ele diz sorrindo 

—Jung Wooyoung, é verdade que você está namorando comigo por causa de uma aposta? -Pergunto o mais direta possível

Todos na sala voltam sua atenção a mim, inclusive ele, que me olhava em pânico, surpreso.

—O que?

—Você está namorando comigo por causa de- 

Minha voz falhou. Eu, tão forte e insensível como todos dizem, estava prestes a desabar em lágrimas por nada, apenas por uma suposição, que poderia ser realidade supondo pela sua reação. Fraca.

—Kiki, eu- Ele se levanta vindo na minha direção

—Apenas me responda! -Exclamo recuando um passo, o fazendo perceber que eu não queria que se aproximasse e para -Sim ou não?

Wooyoung parece prestes a chorar, desolado. 

—Sim...Mas não é o mesmo agora. Por favor, Kiki, acredite em mim! Eu não estou com você por aposta, começou como, mas não mais! Eu realmente amo-

—Não diga isso! -O interrompo 

—Kiki, confie em mim! Eu amo vo-

—Não diga isso! -Repito com mais raiva: -Você não tem permissão para dizer essas palavras quando todo o nosso relacionamento é baseado em uma aposta!

Wooyoung começa a chorar, e vê-lo chorando não tornava as coisas mais fáceis para mim. 

—Isso foi real pra mim. Isso foi só uma aposta para você, mas pra mim foi real. Isso significou mais do deveria. E eu...realmente acreditei nessa relação, Wooyoung...-Não sustenho o choro, sinto as lágrimas deslizarem nas minhas bochechas. Suspiro e tento me recompor, enxugo minhas bochechas e respiro fundo, voltando a atenção ao garoto que chorava a minha frente -Eu devia ter percebido que isso nunca daria certo, que não passava de mentiras.

—Kiki, não-

—Eu preciso ir.

—Espere, Khione! Por favor, me escute! -Ele segura meu braço, me mantendo no lugar -Ok, foi uma aposta, mas não me arrependo! Estou muito feliz com você e por nada no mundo eu mudaria isso! Eu te amo, Kiki! Como nunca amei ninguém e nunca vou amar, por favor, não me deixa! -Ele quase implora em meio aos soluços, tentando salvar esse relacionamento.

—É tarde demais, Wooyoung. -Digo tentando soar o mais decidida possível -Seja honesto, não minta pela primeira vez na sua vida, e me responda algo: Sem essa aposta estúpida... você me convidaria para um encontro?

—Kiki-

—Não minta ao menos agora. 

Ele não respondeu. Ele não podia mentir de novo. 

—Honestamente, eu sou seu tipo de garota?

Wooyoung não respondeu novamente apenas continuou olhando para mim, soluçando e seu choro aumenta. 

—Foi o que pensei. -Puxo meu braço com força, me soltando do coreano a minha frente

—Mas agora você é! Você literalmente mudou meu mundo! Você é tudo pra mim agora, Kiki, é isso que importa!

Lágrimas agora estavam deslizando pelas minha bochechas, mas meu rosto continua sério, sem causar emoções. Me esforçando ao máximo para não ser afetada por Wooyoung agora. 

—Eu não posso mais confiar em você. Quão imaturo você é para brincar com os sentimentos de alguém? 

—Kiki, por favor... podemos superar isso.

—Eu não quero. -Retruco -A única coisa que quero é me afastar de você e esquecer que você existiu na minha vida.

Seu choro aumenta, o que parecia improvável, soluços mais altos e mais frequentes, eu nunca imaginei que o veria assim...

—Quanto a seus amigos -Digo o mais alto possível para que todos escutem -Espero que cresçam. 

Quando pego a sacola com o lanche da mochila, Wooyoung me pede para ficar em meio ao choro, mas o ignoro. San e Yunho se aproximam dele, para acalmá-lo um pouco. O que não funciona muito. 

—Vou deixar seu lanche aqui. -Digo colocando a sacola sobre a mesa próximo a saída -Não esqueça suas refeições ou vai acabar desmaiando, corvo idiota.

Sem me virar uma última vez, saio da sala e caminho pelo corredor vazio em direção a saída, eu ainda tinha que ir ao estágio, ainda tinha muito o que fazer. Mas assim que saio do prédio, é que desabo em um choro doloroso e impossível de controlar.

 


Notas Finais


WHAT GONNA HAPPEN NOW?! É O FIM DE KIWOO? SERÁ QUE A FIC TEM FINAL FELIZ? OR NAH? And PLEASE DON'T LEAVE ME ALONE HERE! Vou responder os comments amanhã <3
See ya!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...