História Maktub - Capítulo 1


Escrita por:

Visualizações 67
Palavras 1.987
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Esporte, Famí­lia, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Só na ilusão mesmo. Beijos!

Capítulo 1 - Ainda tá escrito, Maktub...


Fanfic / Fanfiction Maktub - Capítulo 1 - Ainda tá escrito, Maktub...

 Eu quero nós. — Caio Fernando Abreu.

 

Ás vezes tudo se rompe. Ás vezes tudo se fortalece...

 

Barcelona 14h24min, terça-feira, sete de agosto de 2018.

 

Ousmane Pov.

 

A minha vida virou de cabeça para abaixo desse que Lela foi embora. Vou explicar mais ou menos nossa história. Eu e ela nos conhecemos no clube, logo quando ela foi contratada para trabalhar na parte de relações internacionais do Barcelona.  Desde o inicio éramos só amigos e embora eu passando a gostar dela, eu não podia tentar nada a mais por conta de Rafinha que tinha uma queda pela a mesma.

 Depois quando o mesmo desencanou eu resolvi me abrir para ela e com o passar do tempo acabamos que engatando um relacionamento, assim ficando juntos por sete meses. Ela era maravilhosa e eu o idiota. Erámos como um casal normal, tínhamos nossos desentendimentos, problemas, só que no final sempre achávamos uma solução.

 E tudo acabou por uma besteira minha...

 

 Flashback On.                

 

Mais um dia de jogo concluído literalmente com sucesso e estava voltando para a casa. No caminho decidi passar no mercado e comprar a comida de Rex, assim indo em seguida para minha residência. Estaciono o carro e adentro no lar a procura de alguma alma.

 

 - Lela? – A chamo e nada. – Rex? – O chamo e nada. – Mabel? – A chamo e nada. – Ué, onde será que estão? – Pergunto-me indo em direção a cozinha deixando ao lado da ilha o saco de ração e vou para o meu quarto.

 

 Ao entrar no mesmo ouço o barulho do chuveiro e concluo que ela esteja tomando banho e por isso não me ouviu. Deixo minha bolsa ao lado da porta e caminho confuso em direção à cama ao notar um bilhete e uma caixinha sobre o local.

 

 - Ous, que bom que chegou! – Diz ela animada com uma toalha na cabeça e outra enrolada em seu corpo. – Belo jogo, meus parabéns pela vitória, campeão. – Dizia ela vindo em minha direção e eu lhe dei um selinho demorado.

 - Obrigada liebe. – A agradeço sentando-me na cama e aponto para as coisas sobre ela. – O que é isso? – Pergunto curioso e ela agora me parece nervosa.

 - Uma surpresa. Abra. – Respondeu-me sem jeito e eu a beijei.

 

 Como pedido, li o bilhete e em seguida abri a caixinha. Quando fui tirando o embrulho, que vi o exame de gravidez e uma mini blusa do Borussia Dortmund escrito ‘’Papa’’ com o número um, não sabia o que dizer. Não era supresa que ela preferia o Dortmund ao invés do Barcelona fora do trabalho, porém seu profissionalismo era nítido.

 Minha reação de inicio foi incrédulo. Eu não esperava isso. Eu não estava preparado para isso. E não quero isso. Não agora!

 

 - O que achou? – Perguntou-me animada.

 - Você está brincando não é? – A pergunto sério.

 - Oi? Como assim Ousmane? Claro que não! – Dizia ela sem acreditar.

 - Eu não quero essa criança. Eu não posso ter um filho agora. Eu não estou preparado! – Falava eu disparado e ela me olhava pasma.

 - Você tá falando sério? – Perguntou-me.

 - Muito. Olha eu não... Não dá.

 - E o que você quer que eu faça? – Perguntou-me incrédula ainda. – Eu... Você acha que eu queria um bebê agora? Não, só que aconteceu e não posso fazer nada sobre isso. – Dizia ela nervosa.

 - Aborta. – Foi à única coisa que eu disse que me fez receber uma tapa em cheio no rosto.

 

 Aquilo foi o pico para eu pirar de vez. Discutimos feio. Eu disse coisas que não deveria ter tido e por fim a expulsei de casa...

 

 - Ousmane, eu não tenho pra onde ir, por algum acaso você já viu a hora? – Perguntou-me chorando.

 - Se vira. – A respondo saindo do quarto e a deixando ali sozinha.

 

 Flashback Off.

 

Depois disso, soube que ela tinha pedido transferência de clube e como o presidente não negaria um pedido dela, ainda mais depois que ela limpou a imagem de alguns jogadores que pareciam ser irreversíveis e outros dois escândalos envolvendo o clube, ele a negociou com outro.

 Outro esse que seria o Borussia Dortmund. Foi um dos três clubes que queria ela e por a mesma ser torcedora, creio que ajudou na hora da decisão.  Rafinha foi o único do time que sabia do real acontecido e por ser o melhor amigo dela, quase me matou. Ficou sem falar comigo por meses.

 Agora? Bem, havia acabado o treino e eu estava me retirando do vestiário, até que ouço a voz Rafinha e Coutinho conversando atrás de mim...

 

 - Eloá faz um ano hoje. – Ouço Rafinha dizer animado e fico intrigado com isso.

 - E Lela vai fazer comemoração? – Perguntou Coutinho e eu parei na mesma hora.  - Está louco Dembz? – Disse divertido.

 - Agora deu pra ficar ouvindo a conversa dos outros? – Perguntou-me sério.

 - Eu sei que me odeia pelo o que fiz com ela, só que eu preciso concertar tudo. Só me diga o endereço dela. – O respondo e ele ri.

 - Eu deveria socar a sua cara sabia? Não vou lhe dar o endereço dela.

 - Você não, porém eu sim. – Diz Coutinho digitando algo e em segundos sinto meu celular vibrar. – Agora vá arrumar a bagunça que você fez e só volte se concertar tudo. – Disse ele autoritário e eu assenti saindo as pressas.

 - Sua sorte é que temos três dias de folga. – Gritou Rafinha.

 

[...]

 

Dortmund, 16h59min terça-feira, sete de agosto de 2018.

 

 Lela Pov.

 

Havia se passado muito tempo desde o meu término com Ousmane e eu sinceramente? Ainda não o esqueci. Minha vida profissional e parte dela pessoal está ótima. Eu amo meu trabalho e meu amor pelo Borussia só cresce. A galera do time, as meninas são fantásticas. Inclusive Scarlett é madrinha da minha filha e Reus o padrinho que se tiver uma breve oportunidade ‘’estraga’’ a bebê com besteiras.

 Eloá é a minha salvação. Ela á minha luz. Ela está completando um ano e hoje por ter a tarde livre, faria uma pequena comemoração com o pessoal na casa dos Götze. Tinha acabado de entregar as pesquisas feitas sobre os jogadores que estariam no mercado na próxima janela de transferências para Zorc e Rauball, e depois volto para minha sala.

 O tempo passa e tudo o que tinha que fazer no trabalho já tinha feito e inclusive ganhei elogios de Rauball por ter acertado dois grandes reforços para o time nessa temporada, sendo eles o Axel Witsel ex Tianjin Quanjian, da China e Achraf Hakimi, o lateral marroquino por empréstimo do Real Madrid.

 Arrumo minhas coisas e sigo meu rumo com destino certo. O clube não era longe da casa de Mario e Ann, então nem demorou muito para que eu chegasse à grande residência. Pego minha bolsa e quando saio do carro noto alguns balões rosa na entrada e sorrio ao pensar que foi tudo obra das meninas.

  Bato na porta e sou recebida por Pulisic...

 

 - Olá capitão América. – Digo lhe dando um abraço que foi retribuído na mesma hora e adentro na casa.

 - Olá brasileira. – Diz ele sorridente. – Estão todos na sala.

 

 Disse ele e fomos em direção à sala, os vendo na maior alegria...

 

 - Olá família! – Falo animada. – Onde está minha princesa? – Pergunto procurando pela a minha filha e ouço a voz da última pessoa que acharia que fosse ouvir.

 - Está aqui. – Respondeu-me ele e na mesma hora virei olhando em sua direção.

 - Ousmane? – Falo num sussurro sem acreditar.

 - Oi. – Responde-me com Eloá sorrindo banguela para ele em seu colo.

 

 Eu não acreditava que aquilo estava acontecendo. Não conseguia me mexer. Estava meio desnorteada e a única coisa que eu fazia era o encarar...

 

 - Preciso conversar com você. – Disse ele e eu apenas assinto. Na verdade eu nem sabia o que estava fazendo. Ainda estava em choque.

 - Depois não é mesmo? Agora temos um aniversário para comemorar. – Disse Ann tentando cortar aquele clima.

 

 Assim fizemos. Comemoramos o aniversário da minha bebê da melhor forma possível. O parabéns foi cantando em alemão por causa de Mario que me encheu a paciência nesses últimos dias. O pessoal tirava várias fotos com Eloá e algumas das fotos Scarlett insistiu para que fosse só eu, Eloá e Ousmane. Elas até que saíram boas.

 Ao decorrer do tempo à festa foi acabando e cada um seguiu seu rumo. Eu fiquei para arrumar as coisas com Ann e Scarlett, enquanto os homens desmontavam a cama elástica e o escorregador inflável. Durante a festa eu tentei ao máximo ter como foco só a Eloá. Eu tentei ao máximo não conversar com o Ousmane, porém agora acho que não tem saída.

 

 - Feliz aniversário minha princesa. – Digo sussurrando no ouvido de Eloá que já dormia em meu colo e sinto-o sentar ao meu lado. – Ah, Oi Ousmane. – Falo sem jeito e olho na mesma direção que ele olha, no pessoal nos olhando curiosos.

 - Oh, claro que podem conversar a sós no nosso jardim, né amor? – Disse Ann a Mario que só assentia. Ela falou de um jeito tão engraçado que eu não aguentei e muito menos o pai da minha filha.

 - Obrigado. – Falou ele alto e o pessoal saiu resmungando. – Eles ainda são loucos. – Diz ele.

 - Pois é...

 

 Por assim ficamos. Longos minutos em silêncio. Parecia que estávamos numa disputa para ver quem teria coragem de falar primeiro e se for assim, perdi, pois ele logo se manifestou...

 

 - Eu sinto sua falta. – Disse ele e eu o olhei.

 - Quando foi que chegou? E como soube que Eloá... – Digo confusa e logo minha expressão muda ao lembrar-me de algo. –Ah, foi o Rafinha quem lhe contou não é? – O pergunto.

 - Eu cheguei um pouco antes de você e sobre a Eloá, eu ouvi Rafinha e Coutinho conversando sobre. –Responde-me e apenas assinto.  – Como você está? – Pergunto-me receoso.

 - Estou bem, quer dizer, só um pouco confusa. E você? –O Pergunto cobrindo a bebê.

 - Bem. – Com um pequeno sorriso responde-me.

 - Isso é bom. Eu acho... – Falo e do nada começou a tocar A Drop In The Ocean do Ron Pope. Na hora sorrimos. – Ai meu Deus que vergonha.

 - Nossa música. Toda vez que a escutava e ainda escuto... Lembro-me da gente. A primeira vez que nos vimos. A primeira vez que ficamos. A primeira vez que tiramos fotos nossas, que ainda tenho guardadas.  Acha mesmo que eu não viria atrás de você depois de tudo o que vivemos juntos? – Diz ele e eu o olho supresa.

 - E as gringas? Deve ter conquistado o coração de várias. Fala a verdade. –Falo desconfiada.

 - Algumas ficaram no meu pé, mas eu nunca te esqueci e nada, nem ninguém vai tomar o seu lugar. – Falava ele e eu abaixei a cabeça permitindo que algumas lágrimas descessem.

 - O que você viu em mim? – O pergunto do nada.

 - A mulher da minha vida. – Respondeu-me sem pensar.

 - Então, por favor, não pare de ver. – Digo chorosa e ele sorri.

 - Jamais. – Falou ele se aproximando mais. – Perdoa-me por tudo? Por favor? – Perguntava ele com nossas testas juntas.

 - Se você cometer um deslize eu arranco sua cabeça e não disse qual. – O respondo firme e ele ri.

 - O meu deslize favorito é o da sua pele deslizando na a minha. – Dizia ele contra meus lábios e eu sorri com isso. É o mesmo Ousmane de sempre...

 - Agora é a hora de recomeçar e finalmente sermos felizes de um jeito novo. Afinal, o que passou, passou. – Falo e em seguida o beijo. O nosso beijo.

 

 As coisas mudam, e as pessoas também. O amor pode ser complicado, doloroso, pode te decepcionar, te destruir, mas sempre saiba que quando esse amor for verdadeiro, todas as tempestades serão apenas pequenas chuvas de verão e que quando você opta por perdoar o outro, você o ama melhor. Ainda tá escrito, Maktub...

 


Notas Finais


É nós!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...