1. Spirit Fanfics >
  2. Maldição Doce >
  3. Reino frutinhas

História Maldição Doce - Capítulo 36


Escrita por:


Capítulo 36 - Reino frutinhas


Chiclete impulsionou seu poder para baixo. Todo o cenário envolta era gelo. Dominado por uma força maior, ele levantou uma pedra, o transformando em um gigante. E tudo o que encontrava pelo caminho, virava seu soldado.


Marshall Lee bateu contra a redoma invisível do reino Doce. Seu corpo lançado igual um bomerangue contra a floresta mais próxima atingiu chão com uma explosão. 

-Que diabo...

Daquele lado, sua audição ampliada escutava o tintilar de metal contra metal. Algo peculiar para o meio da madrugada. Ele se levantou sem dificuldades, flutuando sobre seus próprios pés.

Seguido pelo som, por seu instinto, Lee foi até aquela direção.


O céu ficou cada vez mais escuro, como se até as estrelas se escondessem do que Chiclete fazia. Os flocos de neve mais espesso, pesados, se transformaram em cubos, granito, rochas enormes de gelo maciço que caiam diretamente do céu. A temperatura ficava menos quente. A respiração de Chiclete saia em uma fumaça branca pelas narinas. Mas ele não se sentia intimidado. Ele não estava com frio. E nunca estaria.

Com o cajado, ele apontou para a direção norte, para o Reino de Fogo.



Marshall seguiu os sons. À sua frente, havia uma árvore que parecia um arbusto grande, completamente coberto de folhas verdes, agora cobertas por uma camada espessa de neve, o tronco era composto por um grupo de videiras grossas. Ao redor, havia vegetação plana, arbustos grossos, outras árvores menores com copas cheias. Lee adentrou no meio das folhas da grande árvore, a passagem para o Reino das Frutas.

De repente, seu nariz, muito sensível à cheiro, recebeu uma explosão de odores. Morango, melão, manga, uvas...

Aos seus pés, uma mistura de cores, líquidos coloridos e pegajosos. Sangue de frutinhas.

Toda área circundante pegava fogo ou estava destruída. Em direção ao castelo, Marshall entrou pela porta da frente. Não havia guardas, mas sabia pelo cheiro e pelo rastro do colorido, que estavam mortos.

-NÃO, NÃO, NÃO! ME SOLTEM! PAREM COM ISSO, PAREM!

Marshall olhou para as escadas que rodavam a arquitetura do local até a cobertura.

-PARA! -a voz masculina pediu mais uma vez. Lee seguiu, flutuou até o segundo andar.

-Olá, príncipe Frutinha.

A framboesa arregalou os olhos pretos. 

-O QUÊ... 

Marshall agiu rápido o suficiente para que ninguém conseguisse captar com os olhos. Todos os guardas que cercavam o governante do reino frutinhas foram aniquilados. Tinham os uniformes do reino doce. 

Seus braços verdes e finos rodearam a cintura de Marshall. Apavorado, ele tremia dos pés a cabeça. 

Lee olhou para baixo, para o cabo verde na cabeça com uma folha, a pequena coroa dourada no topo, com um cristal vermelho. 

-Você tem um lugar seguro? 

-Sim, tenho, tenho sim... - disse ele, se afastando, desconcertado. - Marshall. Obrigado por me salvar. 

Lee assentiu com a cabeça. 

-Foi o Chiclete que mandou... 

-Eu não sei. Espero que não 

Mas, Marshall sabia. Sabia que tinha sido Príncipe Doce a ordenar as mortes dos governantes das nações de toda Ooo. 





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...