História Maldito presente - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Itachi Uchiha
Tags Comedia, Itahina, Naruto
Visualizações 70
Palavras 1.100
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Indiretas maldosas


Estava exausta depois de uma longa manhã e tarde no serviço, mas não podia deixar de visitar o hospital da cidade. E não, não fui fazer uma visita surpresa ao Uchiha, nem que isso aumentasse 50% do meu salário.  Estava no hospital, ala da maternidade com naruto, sakura e o novo ser saky.

Hinata: parabéns ao casal – entreguei o buque de flores no uzumaki e sentei na cama do hospital – mas o trabalho todo é dessa guerreira aqui

Naruto: obrigada pela consideração. Pelo menos eu ofereci algo de jeito a minha filha

Hinata: outch!

Sakura: naruto foge

Hinata: é nesses momentos que – o peguei pela gola do casaco e o elevei – agradeço por usar saltos altos inquebráveis a qualquer tipo de peso, criação de Pain

Naruto: e a força bruta? – questionou já perdendo o ar

Hinata: treinos sobre a guarda do capitão – o movi freneticamente – pesas tanto como uma criança

Sakura: pessoal estamos num hospital – sussurrou na nossa direção

Hinata: mas um motivo para mandar-lhe para as urgências, poupamos a viagem

Naruto: não queres mandar outra pessoa, para as urgências? Deves ficar muito fofa com aquele pijama

Hinata: a convivência com o sasuke, está tornar-te cada vez mais baka – o apertei ainda mais

Naruto: eu sei que estas com o distintivo, não pode bater num civil

Hinata: é essa a tua saída. Eu deixei-o no serviço hoje, dá-me agora outro motivo para não te socar

Sakura: a tua amiga está implorando

Itachi: e porque estamos num hospital publico

Itachi fechou a porta do quarto, entrando e caminhando até a cama do hospital, entregando o buque volumoso de flores.

Itachi: de toda equipe do hospital

Sakura: obrigada

Itachi: hinata pouse-o no chão – encarou-me seriamente e decidi devolver na mesma moeda, maldita guerra de olhares entre Uchiha e Hyuuga – largue-o

Hinata: pronto – soltei seu casaco e o mesmo afastou-se até a rosada – deve ser o excesso de cafeína

Itachi: eu disse que elas fazem-te mal, estás com a pressão irregular ultimamente

“Acredite, não é o excesso de cafeína que está a pôr a minha pressão irregular ultimamente” andei até o pequeno sofá perto da parede, sentei e fechei os olhos, tentando relaxar e armazenar forças para voltar em casa.

Itachi: onde está o teu celular?

Hinata: com os técnicos de informática do setor – abri os olhos para encara-lo assim que agachou-se na minha frente – um criminoso atirou-o para longe e quebrou, então está a ser arranjado

Itachi: podes ficar com o meu, enquanto arranjamos outro para você – colocou a mão no bolso, até pegar seu celular e colocar na minha mão

“Não teria essa necessidade, se eu tivesse um novo celular resistente como todos”

Hinata: obrigado, mas não – coloquei em seu bolso – depositei minhas confianças naqueles rapazes, eles farão o impossível para arranja-los

Naruto: enquanto isso como as pessoas vão te contatar?

Hinata: procurando-me seu baka. Não é que de repente, irei aceitar tuas chamadas, nem visitas

Itachi: ou podes comprar um novo, não há nada que te prenda aquele aparelho hina

“Filho da mãe” será que ele está fazendo de propósito. Se até o baka do naruto, já percebeu a indireta e pôs-se a rir

No meu primeiro dia como agente, recebi um caso que denominei como o beijo da morte, uma viúva de 40 anos, beijava suas vítimas antes de morrerem. Quando a detive, ela disse que um beijo carregado com as mais profundas e negativas emoções ao alvo certo, transmitia todas as suas emoções até leva-lo a loucura.

Coloquei as duas mãos no seu rosto, aproximei meu rosto ao seu, até fechar o ultimo espaço possível, depositando um beijo em seus lábios. Foi quando recuei de volta para o apoio do sofá, que disse para mim mesma, as palavras que proferi para sasuke quando apanhei aquela mulher.

“Beijo da morte não existe...ou não afeta a todos”

Hinata: encontramo-nos em casa – passei a mão no seu rosto e levantei

Itachi: foi por isso que estava a ligar-te. Hoje terei que ficar no hospital, vou cobrir o turno de um amigo

Hinata: não faz mal, eu compreendo. Mesmo assim não deixaremos de nos encontrar em casa

Itachi: queres uma boleia? Eu posso pedir para harumi levar-te

Hinata: quem é a Harumi?

Itachi: uma das enfermeiras aqui do bloco

Sakura: não posso acreditar, ela finalmente conseguiu comprar o carro dos seus sonhos?

Itachi: quase – olhou para a colega – o marido ofereceu-lhe semana passada

“Que sortuda, o meu oferece-me pijama com desenho de Lua”

Itachi: ela vive perto da nossa rua. Vou pedir que te leve

Hinata: não incomode mulher do outro. Vou chamar um taxi

Coloquei a mão no bolso da minha calça, procurando meu aparelho mas não o achava, friamente lembrei-me o porquê dessa ausência.

Hinata: maldição – passei a mão, no pescoço, massageando lentamente para dissipar o estresse – naruto chame um taxi para mim

Eu podia pedir para ele, mas quanto menos sentir a presença dele, melhor será para mim.

~~

Hinata apoiou a cabeça no sofá, tentando diminuir os nervos e recuperar as forças, enquanto esperava o taxi. Naruto saiu do quarto para o refeitório do hospital e Itachi foi auxiliar seus colegas noutra secção.

Horas depois o loiro entrou no quarto, com uma bandeja de comida para a rosada, depois de pousar na cama, caminhou até a senhora Uchiha para a despertar.

Sakura: o taxi chegou?

Naruto: sim, Itachi foi buscar a carteira no escritório para pagar a viagem – ajoelhou a frente da azulada, balançando suavemente seu braço – hinata acorda, o transporte chegou, hinata

Sakura: deve estar mesmo cansada

Naruto: pode descansar em casa – pegou nos ombros da morena, a balançando fortemente – esse é o único sofá da quarto e serei eu a dormir nele. Acorde Hinata

Sakura: baka – jogou a garrafa de agua na cabeça do marido – vais partir-lhe o pescoço

Naruto: ai! Então o que faço? Já sei

Pegou na amiga, pôs-se a andar com ela fora do quarto, mesmo sobre os protestos da esposa. Desceu as escadas até a recepção, encontrando Itachi no balcão o encarando.

Itachi: o que aconteceu?

Naruto: ela adormeceu. Por isso peguei nela e vou coloca-la dentro do taxi

Itachi: e depois quem lhe tira do taxi, para lhe levar na cama?

Naruto: ela vai acabar por acordar

Itachi: não, não vai. Queres saber como sei que ela não vai acordar hoje? – viu o loiro acenar – porque bateste a cabeça dela na parede quatro vezes e mesmo assim não acordou

Recebeu a esposa dos braços do loiro, fazendo uma breve analise.

Itachi: naruto dispense o taxi. Mei verifique os quartos vagos que temos e peça para a doutora tsunade analisar a paciente.


Notas Finais


Coitada da hina, sofrendo indiretas de todos os cantos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...