1. Spirit Fanfics >
  2. Malfred : Love me like You do... >
  3. "Diga, que é só minha..."

História Malfred : Love me like You do... - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, queridos leitores!

Em primeiro lugar, quero agradecer por todos os comentários no capítulo anterior! Vocês não imaginam como fico feliz em saber que estão curtindo a história. Continuem me deixando suas opiniões lá nos comentários!

Para todos, que estavam esperando por um hot, voltei com um capítulo de molhar a calcinha🔥
Boa leitura!

Capítulo 18 - "Diga, que é só minha..."


O beijo do meu marido torna-se mais insistente, urgente, sexual. Ele continua segurando-me os pulsos na tentativa de imobilizar meus movimentos (e me controlar, suponho). Seu olhar faminto paira sobre meu corpo fitando-o com desejo, como antigamente.

Zé encara-me e abre um sorriso safado, suas mãos percorrem meu corpo desde os quadris até os seios levantando minha blusa (e tirando-a, em seguida) e deixando-me só de sutiã de renda.

Zé : Você tem idéia de quanto te desejo? - a ponta dos seus dedos acariciam minha barriga de cima para baixo, provocando-me arrepios pelo corpo inteiro...

Marta : Me mostra... - sorrio rasgando a camisa do Zé e deixando á mostra seu peito bem definido, deslizo a peça de roupa por seus ombros jogando-a num canto qualquer. Inverto as posições recuperando o controle e ficando sobre seu corpo com as pernas de cada lado, rebolo de leve sobre seu membro provocando-o. Aperto seu queixo entre os dedos e mordo seu lábio inferior, posso sentir seus hábeis dedos a procurar do fecho da minha saia, mas sem resultado, coisa que me provoca um ataque de riso.

Zé : Tá rindo do meu desespero, Imperatriz? - diz em tom de brincadeira.

Marta : O Comendador já foi mais hábil. - o provoco e não demoro a livrar-me da saia ficando só de lingerie.

Zé : Ah, é? - inverte as posições ficando sobre mim. - Resolveu me provocar? - pressiona minha cintura com as duas mãos, sem reparar na delicadeza. - Pode se arrepender depois...

Marta : E se assim for? O Comendador vai me castigar por isso? - passo as unhas por seus ombros deixando marcas avermelhadas por onde passar.

Zé : O que a Imperatriz deseja que eu faça? - abre um sorriso malicioso.

Marta : Quero um beijo...- mordo o lábio inferior, minhas mãos instintivamente cobrem meus seios massageando-os.

Zé : È o que estou pensando? - seu dedo traça um caminho desde o vale entre os seios e desliza em meu baixo ventre.

Marta : Não sei...me mostra em que está pensando... - ele abre mais um daqueles sorrisos cheios de segundas intenções.

Zé começa por abrir o fecho do meu sutiã (que encontram-se entre os seios) revelando meus mamilos já rígidos pela excitação. Não demora para abocanhá-los depositando leves sucções e mordidinhas, ele não deixa de observar minha reação a cada carícia sua. Eu fecho os olhos e passo a língua nos lábios em sinal do prazer, que está começando a se concentrar no meu baixo ventre. Minha reação esboça um sorriso nos lábios do meu marido e agora sua boca desliza pela minha barriga, trilhando um caminho de beijos molhados até chegar em meu baixo ventre onde também deposita mordidinhas. Minha respiração agita-se, contrações suaves se apoderam da minha intimidade molhando a calcinha de renda fina. 

Zé : Julgando pela sua reação, nossos pensamentos coincidem, Imperatriz...- sobe a parte interna das minhas coxas com leves mordidas se aproximando aos poucos da minha carne úmida (que, por sinal, já palpita de tesão).

Enquanto sua boca continua a me provocar com beijos e mordidas nas coxas, minha mão desliza parando na minha intimidade e tocando-a ainda sobre o tecido de renda. Mais um sorriso esboça-se no rosto do meu marido ao perceber minha ansiedade. Ele pega minha mão depositando sucções em meus dedos e umedecendo-os, para depois livrar-me da última peça de roupa restante entre ele e minha pele, e incentivando-me a acariciar-me já sem obstáculos. Eu começo por massagear o meu clítoris sentindo uma leve onda de prazer a se espalhar pelo meu corpo.

Mas de repente, Zé corta minhas ações substituindo o meu dedo com a sua boca, que literalmente me oferece um beijo de língua. Gemidos altos escapam dos meus lábios ao sentir sua língua a acariciar o meu clítoris para depois permitir aos seus lábios a depositarem sucções suaves (tanto no clítoris, quanto nos pequenos lábios), a doce tensão que formou-se no meu baixo ventre está cada vez mais prestes a achar o seu alívio. Minha respiração agita-se ao ponto de me faltar o alento, as pernas ficaram fracas, as mãos se entrelaçaram nos cabelos do Zé cortando qualquer tentativa de cessar as “maravilhas”, que está fazendo com o meu corpo...

Uma, dos, três carícias mais precisaram-se para que o meu corpo se deixe levar pela gostosa sensação, que apodera-se de mim, permitindo ao meu marido a degustar o sabor do meu prazer na sua boca. Um gemido alto solta-se dos meus lábios, permitindo ao meu corpo mole a relaxar sobre o sofá...

Zé sobe meu corpo com beijos até chegar em meus lábios e plantar um beijo suave nos mesmos. Ele tira uma mecha de cabelo da minha testa e encara-me sorrindo.

Zé : E aí, Imperatriz, o beijo está aprovado? - o sorriso safado não abandona sua face.

Marta : Foi bom, mas o Comendador poderia ser mais convincente...- abro a fivela de cinto e o fecho da sua calça deslizando a mão para dentro da peça e tocando seu membro sobre o tecido da cueca. Senti-lo tão ereto e saber, que é a consequência do seu desejo por mim aumenta ainda mais o meu próprio fogo.

Sem necessidade de mais palavras, num movimento rápido Zé faz-me deitar de bruços, o meu corpo palpita na anticipação das ações a seguir. Posso ouvir o som da fivela de cinto ao encontrar o chão e sorrio ao sentir o corpo do Zé já completamente nú a se inclinar sobre o meu.

Nossas peles nuas se tocam provocando arrepios em ambos os corpos. Zé começa a plantar beijos em meu pescoço, ombros e descendo lentamente por minhas costas, sua barba roça minha pele...aquele bode velho sabe quanto isso me agrada! Ao chegar até o lombar sobe o caminho já trilhado e deposita mordidinhas suaves em meu pescoço subindo até minha orelha direita. Ele traça um caminho molhado trás minha orelha depositando uma modidinha no topo da mesma depois. Um arrepio ainda mais forte percorre-me o corpo.

Eu elevo os quadris apoiando-me nos cotovelos e posso sentir seu membro a roçar minha umidade, a mão do Zé passa por minhas costas até chegar em minha bunda onde posso sentir uma leve tapa a sentar sobre minha pele. A ansiedade por senti-lo torna-se cada vez mais insuportável! Zé roça seu membro na minha apertura continuando a atiçar o meu desejo, ele inclina-se sobre mim fazendo-me virar o rosto e capturando minha boca num beijo de línguas. Finalmente, o sinto a deslizar dentro de mim preenchendo-me fundo, eu gemo na sua boca mordendo-lhe o lábio inferior.

O membro do Zé acaricia meus músculos mantendo um ritmo lentro e torturante, seus mãos massageam meus seios, sua boca explora meu pescoço com beijos molhados... As sensações, que insistem em me percorrer são deliciosas demais para serem suportadas por muito tempo. O meu corpo inteiro “grita” por um alívio iminente... Minha mão direita entrelaça-se entre os cabelos do Zé puxando-os sem delicadeza alguma.

Marta : Para! Você sabe, que está me torturando! - seus movimentos lentros tornam-se torturantes demais. Zé puxa-me para si fazendo-nos a ficar na mesma altura (de joelhos), uma das suas mãos envolve-me pela cintura e a outra pelo pescoço.

Zé : Diga, que você é só minha e eu vou lhe dar o que tanto quer...- sussura, posso sentir o som da sua respiração acelerada a invadir meu ouvido. Suas estocadas são lentas e profundas, provocando uma insistente tensão prazerosa dentro de mim...

Marta : Você me conheçe, Comendador...- torno a puxar seus cabelos. - Eu vou conseguir o que quero de qualquer jeito! - digo com a boca colada na dele. - Então acho melhor você fazer o que deve ou será você quem vai se arrepender por ter me provocado. - minha mão desliza entre os corpos capturando seus “países baixos”, o som da sua respiração é trocado pelo som de um gemido de dor e prazer ao mesmo tempo...

Ficando sem opção, Zé acelera as estocadas dentro de mim soltando o meu corpo e me permitindo a voltar na posição inicial. Suas mãos param em meus quardris segurando-me firme.

Marta : Isso, não para...- ambos sentimos o ápice a chegar, nossas respirações se agitam ao máximo e os gemidos são cada vez mais audíveis, a tensão que habitava em nossos corpos, finalmente, encontra sua saída... O meu corpo é o primeiro a se deixar levar pela avalache do prazer, que cobre-me por inteiro. Seguido pelo corpo do meu marido, que deixá-me sentir o seu prazer quente a se derramar dentro de mim.

Vencidos pelo prazer desabamos sobre o sofá um ao lado do outro, os braços do Zé se fecham ao redor do meu corpo, abraçando-me de conchinha.

Zé : Uma coisa não mudou e é que você continua igual de gostosa...- roça seus lábios em meus ombros, eu viro ficando de frente para ele e repousando minha perna sobre seu quadril.

Marta : Igual? - puxo seu lábio inferior.

Zé : Pensando bem, ficou ainda mais gostosa...- sua mão sobe minha perna até chegar em minhas nádegas e apertando-os de leve.

Marta : E para sua sorte, me tornei mais insaciável, Comendador.

Zé : Eu te amo! - encara-me fundo nos olhos, outra vez conseguindo a deixar-me sem reação por uns instantes.

Marta : Nem durante a nossa lua de mel te ouvi dize-lo tanto, quanto hoje em algumas horas...

Zé : Nunca antes te amei tanto quanto agora. - acaricia minha face. - Foi um amor imaturo, movido pelo ímpetu...e agora é um amor maduro, construido em certezas e por isso mais forte do que nunca.

Marta : Outra vez está sendo romântico demais comigo...

Zé : A Imperatriz não gosta de romance? - abraça-me mais forte como se quisesse me convencer da sinceridade de suas palavras.

Marta : Gosto...mas gosto ainda mais do Comendador sendo fogoso comigo. - roço meus lábios nos dele. Num movimento ágil, Zé levanta ficando sentado e incentivando-me a ficar sobre seu corpo.

Zé : Que tal um segundo round?

Marta : Que tal uma chuveirada antes?

Zé : Eu acho, que a gente pode dar um jeito de combinar aos dois...- levanto puxando-o pela mão e indo em direção do meu quarto.


Notas Finais


Obrigada por acompanhar o capítulo!
Espero ter preenchido suas expectativas quanto ao hot.🤞
Me digam nos comentários o que acharam. Sei que não gostam muito de comentar os hots, mas espero que desta vez comentem😉
Também podem me dizer se não querem mais hots ou talvez não querem hots tão detalhados.🤔 Vou tentar satisfazer todos os pedidos.

Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...