História Mallow Shake and Pupo (ABO) - Capítulo 75


Escrita por:

Postado
Categorias Blackpink, EXO, Got7, Monsta X
Personagens BamBam, Byun Baek-hyun (Baekhyun), I'M, Jennie, Jinyoung, Jisoo, Ki Hyun, Lisa, Mark, Park Chan-yeol (Chanyeol), Rosé, Show Nu, Yugyeom
Tags Abo, Chanbaek, Changkyun Kids, Jensoo, Jinjen, Jinmark, Markjin, Marknior, Rosé Kids, Showki, Yugbam, Yugmark
Visualizações 34
Palavras 4.640
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Fluffy, Lemon, LGBT, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


(O cap ficou imenso quando escrevi por isso resolvi dividir... :v)

Perdão os erros, e desculpa se houver algum estresse com o enrolar da estória quanto a repetição e tals...

Obrigada pela compreensão, e boa leitura! :3

Capítulo 75 - Beijinhos.


- Eu não acredito no que eu estou ouvindo! – Interrompendo momento caloroso entre os mais novos, Kihyun resmunga pela sua ausência no instante do acontecimento do momento a qual os cinco discutiam.

Yugyeom e os tailandeses, principalmente os tailandeses, debatiam sobre Jinyoung ainda precisar pedir Mark em namoro, porquê tinha que ser tudo nos conformes como manda eles. E Mark dizia ser desnecessário, pois já tinham pulado aquela parte direto para o pedido de casório, mas eles rebatiam com ideias de que não tinham nada a ver com a coceira do acastanhado e queriam algo no mínimo digno de filme. Jinyoung ria ao mesmo tempo que olhava estreito para Yugyeom tendo este a lhe caçoar com piadinhas sobre o assunto, sendo este o único interesse do mais novo entre a discussão, achando uma ótima diversão atazanar o juízo do outro alfa, ambos não tendo mais controvérsias entre si.

- Pois é tio, Mark não quer aceitar o pedido de namoro do Jinyoung! – Bambam relatava com uma cara plena de desgosto, não passando de mais uma de suas cenas.

- Mas eu nem pedi ainda! – Rebatendo, entrando em defesa do agora noivo e de si mesmo, Jinyoung resmunga com os olhos arregalados para Bambam num aviso de “Olha aqui, você para.”

- Mas vai, ah se vai! – Era a vez de Lisa o olhar estreito como numa ameaça de que ou ele pede em dois segundos ou ele pede em um, ganhando uma troca do olhar dele, enquanto Mark se encolhia esperando para ver no que aquilo levaria.

- Omma... – Resmungando, ele chama, mas Kihyun já vinha com o olhar igual ao de Lisa só que direcionado a si.

- Nem vem com esse Omma! – Ele de vez enquanto limpava ou ao menos tentava limpar a boquinha de Chang por ter lhe dado um chocolatinho e ele ter se sujado, mas a criança começou a querer ir ao chão assim que ouviu a voz de Mark. – Pode refazer esse pedido de casamento, e nem adianta fazer bico, ainda vai fazer mais duas vez! – Kihyun sentencia fazendo o filho esconder o rosto no pescoço de Jinyoung, enquanto este ouvia os resmungos fofos, não deixando de achar uma ótima ideia a do tio. Ele iria fazer, tinha algo em mente, algo a altura de seu pequeno.... Não só aquilo, pois se dependesse de si, seus bebês seriam mimados com muitas surpresinhas... Por enquanto só iria ouvir e ver a bagunça.

- Ouça a voz da sabedoria, faremos o mesmo com o pedido de namoro senhor Jinyoung! – Bambam exige apontando para o alfa, tendo Isa a lhe acompanhar de braços cruzados usando do olhar para continuar com a postura “ameaçadora”, ambos arrancando do moreno uma rendição de mãos ao alto se virando logo em seguida para ajudar Mark a pegar Chang, aproveitando para dar um beijinho na bochecha do ômega que ainda resmungava.

- Oi, posso entrar? – Assim que a voz de Chanyeol fora ouvida e a figura do mesmo fora vista, os mais jovens de imediato mudaram suas expressões para sorrisos surpresos por vê-lo ali bem depois do que lhes fora relatado, em principal tinha-se Jinyoung com os olhinhos brilhantes na direção do pai.

Passando Rosé para Kihyun, tendo esta a logo pedir para ir ao chão mesmo e ir até Yugyeom, Chanyeol não se demorou em ir até o filho e ganhar um tantinho de espaço cedido por Mark para abraçar o mais novo.

O ômega achou melhor sair para não atrapalhar o momento onde ambos se certificavam dentro do abraço se estava tudo bem, e devagarinho ele o fez usando da oportunidade para ir até o Omma, não deixando escapar de sua vista a olhada rápida de sua amiga ao celular aparentando estar ansiosa, o que era curioso, mas logo teria oportunidade de questionar sobre.

- Onde 'tá o Appa? – Ele pergunta recebendo os braços do Omma em seu entorno, ganhando também um beijinho em seu nariz, rindo pela euforia de Chang em apontar com dedinho para o seu próprio esperando receber também, ganhando sem demora seu desejado beijinho.

- Está com o tio Baek... – Kihyun relata no decorrer que separava um pouquinho da franja dele. O cabelo de Mark estava tão bagunçadinho, mas tão lindo que parecia que havia sido feito por ele, Kihyun, como quando iam a alguma festa, onde ele, dava um jeitinho de ficar cheio pra colocar uma tiarinha, separado a franja do restante. Seu bebê era muito bebê.

- Preciso ir vê-lo... – Mark confidencia com um sorriso pequeno, mas nostálgico pelo toque que o Omma fazia, dando a este também o entendimento de que se referia ao tio apesar de ter perguntado sobre o Appa.

Mais “atrás”, era a vez de Yani tomar o lugar de Chanyeol após este se “despedir” com um beijo demorado na testa do filho, ambos dizendo um pouquinho mais no ato que tudo ficaria bem e estariam um com o outro.

- Agora eu posso abraçar meus netos também? – O alfa mais velho ali, sugere olhando para o pequeno ômega agarrado ao Omma, tendo o sorrisinho do menor a ir de orelha a orelha todo bebê com a pergunta do tio. E Jinyoung mais atrás não podia estar mais feliz com o que via e ouvia.

- E eu não? – Mark brinca passando Chang para o Omma enquanto os mais velhos riam e logo os dois iam ao encontro um do outro com Mark tendo o maior cuidado do mundo para não machucar o braço engessado do tio.

- Obrigado... – O ômega ficou surpreso pelo agradecimento do tio, nem de longe imaginava o porquê de tal, pois ele é quem o devia fazer por dever tanto a ele, não só a ele como a todos que estavam naquele e quarto e fora dele. Mas apenas apertou um pouquinho mais o corpo do tio enquanto fechava os olhinhos para sentir o cheirinho de cravo com uma mescla de madeira e dia chuvoso, lembrando um pouco o de Jinyoung...

Já Chanyeol sabia exatamente o porquê de estar agradecendo e não era só por Mark ter estado com seu filho, cuidando dele por toda a noite anterior, mas por todo o englobado, pegando desde o início de tudo, sendo complexo demais para explicar a alheios.

- Olha só, eu- Kihyun ia falar algo, mas fora interrompido chegando até mesmo a esquecer o que ia dizer no momento em que tivera seu raciocínio cortado.

Jungkook batia na porta e a abria minimamente colocando um pouco do corpo para dentro obtendo a atenção e vários sorrisos, alguns felizes em vê-los e outros três apreensivos, por sorte passando despercebidos pelos dois “curiosos”. Kihyun e Mark.

- Boa tarde, posso entrar? – Ele questiona e não precisou de muito para ter sua resposta e ser mais do que bem-vindo.

- Espero que seus pais tenham descansado! – Kihyun já manda com olhos estreitos fazendo o médico rir e assentir como quem diz que com eles estava tudo bem.

- Como está o Jiminie? – Mark, ainda estando agarrado ao tio, ia fazer a pergunta primeiro, mas Bambam o faz tendo acabado de tirar os olhos de Isa que parecia falar com alguém discretamente no celular, o que fez Mark ter certeza de que tinha coisa ali.

- E o Yoongi?- Volta a si lembrando instantaneamente do bebê, deixando de lado o atento que tivera sobre os dois amigos, ficando animado em querer ter notícias dos dois.

- Ontem ele fez charme colocando todos nós em alerta, mas ambos estão bem, obrigada! – Ele relata fazendo os que estavam por dentro do assunto rir com seu negar de cabeça.

Se imaginassem o furdunço que fora ter Jimin colocando a vizinhança toda pra acordar porque achou que estava na hora pela contração que sentira, tendo Taehyung mais desesperado que eles juntando as coisas só de pijama no meio da madrugada, botando-as juntamente ao namorado sonolento e alheio dentro do carro. Enquanto no decorrer, tiveram Jin e Namjoon a olhar a cena plenos e de roupão na porta de casa esperando o filho mais velho ter a ficha a cair e parar com o vexame, pois Jungkook já tinha pego certeza de que não era nada com o que se preocupar. Seu pequeno estava só um tanto apressado, logo daria as caras.

- Jinyoungie, esse é o Kook... – Se separando do tio e voltando para o moreno, Mark apresenta e ao chegar pertinho o suficiente para se sentar na cama, conclui com o ato. – Ele é o obstetra que cuidou de mim e é filho do tio Jin e do tio Nam! – Termina já falando com plena intimidade ganha para tal, aproveitando para deitar de maneira cuidadosa, sua cabeça sobre o peito já vestido do alfa.

Jinyoung olhou do ômega para o obstetra e só seu olhar já bastaria para o outro ver seu agradecimento estampados nele, mas o Park mais novo fez audível e seu pai foi quem deu ênfase pegando Jungkook de surpresa para um abraço.

- Tenho uma dívida sem tamanhos com você e seus pais! – Chanyeol dita se referindo ao que eles fizeram para salvar e ajudar sua família.

O obstetra devolveu o abraço com a mente vagando no que seus pais queriam dizer com ter o melhor trabalho do mundo.

- Nós é que agradecemos pela oportunidade de poder ajudar... – Trabalhar com gente é difícil, mas dependendo da situação sempre vai valer a pena, e se não valer, será mais um aprendizado para levar no decorrer de sua experiência e vida.

Eles separam o abraço e Jungkook passa a trocar cumprimentos com os demais, acabando por focar em Lisa e Yugyeom que lhes dirigia um olhar um tanto ansiosos, a menina deixando transparecer mais. E quando chegou em Bambam, viu um discreto ato dele feito com os dedos indicando algo como querer falar com ele depois.

Aparentemente o negócio era para ser entre eles já que os únicos a terem tais reações foram eles, então Jungkook deduziu que deveria ser tão discreto quanto. Então ele optou por se voltar a Mark, que lhe pedia para explicar sobre os bebês aos que ainda não tinham tanta abrangência ao assunto nas partes mais detalhadas.

Lisa fez questão em dar seu lugar no sofá para a vovó Yani, e Bambam foi ajudar o tio a tirar suas bagunças de cima da cadeira disposta para os visitantes ao lado da cama.

- Nem parece que foram criados por mim! – Kihyun resmunga indo ajudar com as sacolas e saquinhos de doces. – Vocês me matam de vergonha! – Os mais novos riem da carranca do mais velho e Bambam usufrui da oportunidade para cutucá-lo com um beijinho carinhoso na bochecha.

- Jungkook é de casa já... – Bambam brinca e manda uma piscadinha para o obstetra que ria não deixando de se divertir com as travessuras e loucuras daquele conjunto de pessoas que se tornavam queridas para si.

- Vai Kookie, diz... – Mark estava eufórico para poder ouvir ele falar novamente como funcionava o negócio dos lúpus. E se aconchegando um tantinho mais a Jinyoung, ele passou a ouvir tão curioso quanto o alfa, apesar deste estar mais calmo.

- Então... – E de muito boa vontade, Jungkook explicou tudo novamente, desde o porquê dos remédios não funcionarem, até o fato de não saber se os dois bebês seriam lúpus ou apenas um, acrescentando como funcionaria.

A primeira parte, sobre os remédios, fez Mark se encolher por vergonha e arrependimento, pois sempre soubera dos riscos que corria ao tomá-los, e ainda ganhou alguns puxões de orelha do Omma e dos amigos, com o tio ficando um tanto surpreso e preocupado, sendo acalentado em seguida pelas palavras do médico de que o organismo do ômega era forte, o que fez Kihyun mencionar que poderia ter vindo de Shownu aquela característica, tendo certa concordância por parte do obstetra que viu fundamento na sugestão.

Jinyoung tivera a mesma reação do pai, com uma dorzinha no peito por seu pequeno ter feito aquilo, lembrando-se que explicava o porquê do sangue no dia em que o tomou pela primeira vez.

Como de praxe, os ômegas machos tinham dois canais, um excretor e outro que se dilatava fechando o primeiro para poder receber o membro do parceiro, e quando a dilatação era penetrada pela primeira vez, ocorria o sangramento assim como nas mulheres em sua primeira vez. O que vinha a significar que Mark não havia se tocado tão profundamente...

Mas optando por conversar com o mais novo em um momento mais importuno, ele só o acolheu numa forma de dizer que ficaria tudo bem.

Jungkook explicou que a medicina ainda não havia encontrado as origens certas para a formação de um lúpus. Explicando também como mais ou menos funcionava, sendo o bebê um tipo de ligação idêntico ao de uma marca desde seu primeiro dia de formação, sendo tudo mais adiantado, ligando com o fato do ômega ter tido alguns sintomas, uns mais aparentes que outros, mais cedo que a maioria, tendo seu cheiro como prova, cujo qual os alfas do quarto, com exceção de Jungkook, e Kihyun por ser Omma, puderam sentir mais forte, inebriante para o alfa, ainda sendo necessário ser aspirado com atenção para ser de fato sentindo, mas não demoraria para estar disperso livremente.

- Por isso Jinyoung ficou daquele jeito? – Kihyun pergunta deixando nas entrelinhas para pegarem sua deixa de não entrarem no assunto das mulheres, pois não queria se estressar e teria tempo, ainda mais sabendo que elas passaram dessa para uma melhor, aliás, tinha que dar aquela notícia, mas só depois que a explicação terminasse.

Jungkook concordou e logo era a vez de Mark novamente se surpreender com o conto já mencionado pela amiga, sobre Jinyoung ter sentido tudo o que ele sentiu, mas eles não deixaram o assunto aprofundar vendo o rostinho de Mark entristecer.

Então eles pularam para a parte em que de fato se fala sobre a possibilidade incerta dos dois bebês já nascerem com suas classes definidas ou somente um, sabendo com plena certeza, até aonde a ciência tinha ciência, que este ou esta seria alfa.

- Eu ainda penso em como que vai caber... – Com a mão no queixo, pensativo, Bambam interrompe o momento fazendo todos rirem, Mark em principal olhando para sua barriguinha e a imaginando imensa.

- Vai 'fitar uma bolinha... - Chang se pronuncia da forma mais inocente possível pegando-os de surpresa tanto pela fofura quanto pela esperteza do pequeno que até então parecia alheio observando Rosé jogar um joguinho de frutinhas no celular de Yugyeom. Mal sabiam os adultos que os peruanos tinham um ouvido lá e ou cá. Atentos a tudo, mas tendo um interesse maior em passar de fase.

- É, vai ficar uma bolinha... – Jinyoung fala todo apaixonado deixando Mark todo vermelhinho e mais bebê do que todas as vezes que estivera naquele dia, adorando o cheirinho delicado que recebia em seus cabelos com a junção de um beijinho em sua têmpora, tornando-os fofos nas visões alheias.

- Depois eu vou fazer um teste pra vê se não pari e tive perda de memória... – Kihyun comenta com o olhar estreito intercalando entre os dois pequenos que se fingiam de desentendidos, fazendo eles rirem um pouquinho mais, tornando o momento uma vibe gostosa, os livrando de dar chances a seus cérebros de passearem por outros momentos desnecessários.

- Como está tudo bem por aqui, vou pedir para que tragam o almoço, até mesmo pesso desculpas porquê já está além do horário... - Argumenta olhando o relógio de pulso, após dar uma olha na prancheta quw não tinha sido servidor a refeição a eles. Anotando mentalmente de se certificar qual teria sido o motivo do atraso, pois algum problema poderia ter acontecido e ele queria evitar que atingisse outros pacientes. - E que vejam como anda a cicatrização e se não há qualquer indício de infecção... – Jungkook conclui recebendo concordância e obrigado de todos, menos de Mark, que negava lembrando da sopa terrível que teve o desprazer de lhe sugerirem na noite anterior, fazendo o obstetra rir também lembrando da careta que ele fez ao colocar a primeira colherada na boca, desistindo logo em seguida e tendo passe do médico para comer algo de sua preferência, mas que fosse favorável a seu estado.

E ele fez, mas só a parte da preferência, com dedos de Lisa a lhe regrar lhe dando uvinhas no decorrer dos três filmes que optaram por assistir ao invés de ver as notícias, tendo um cálculo feito pelo ômega de que para cada uma uvinha e um Moranguinho, três jujubinhas seriam perfeitas para equilibrar, nada menos justo. Claro que ele amava frutas, mas não mais que balinhas e docinhos. 

- Soube que andou comendo algumas coisinhas além do permitido, então teremos de recompensar... – O médico semeia inocentemente a discórdia efetuada no olhar que Mark mandava a Lisa, que deu descaradamente de ombros.

- E nem adianta tentar fugir, eu é quem vou dar! – Kihyun dita fazendo o filho resmungar cruzando os braços e fazendo um biquinho, deixando Jinyoung impossivelmente mais apaixonado por ele.

- Eu não sou mais bebê Omma! – Em própria defesa, ele rebate, no entanto só trouxe risos de deboche de todos inclusive do que deveria lhe apoiar. Calúnia contra sua pessoa.

- Aliás, 'tá na hora desses dois aqui também comerem alguma coisa além de doces... – Kihyun sugere se referindo aos duas crianças, tendo Chang quase de cabeça para baixo somente para tentar ver a irmãzinha jogar, se recusando a ir para o chão. Fazer o quê se também era bebê?

Jungkook sorriu de um jeito fofo para a cena se imaginando com o seu.

- E Mark, se sentir enjoos ou alguma dor, é só chamar, okay? – O médico novamente deixa como aviso, apesar de saber que Mark estando com o alfa não ocorreria tantos ou qualquer “problema”. O pequeno assentiu várias vezes de forma fofa fazendo-o rir.

A gargantinha do ômega quando o encontrou e fez os primeiros exames, estava tão debilitada quanto o corpinho por falta de nutrientes e líquido, havia sinais nela e no estômago de que o pequeno teria vomitado além do que seu corpo tinha a oferecer. No entanto, tudo voltou para os eixos por conta da ligação, por ambos estando perto um do outro novamente, além é claro das vitaminas que dera a ele, levando a recuperação a ser demasiadamente rápida.

E quando Jungkook se atentou em ter que ir, foi parado por Jinyoung o chamando.

- Obrigado... – Novamente, tão agradecido quanto antes, Jinyoung o agradece enquanto enlaçava seus dedos aos de Mark, deixando suas alianças se tocarem e cintilarem. O obstetra assentiu emanando seus sentimentos de felicidade por estar a “serviço” deles e também pelo seus parceiros de noivado.

Mark também o agradecia com os olhos e os lábios sorrindo, passeando sua mãozinha pela barriguinha e apertando o enlace da outra, quebrando o contato para trocar um selinho com o noivo.

Todos ali, principalmente Lisa e Kihyun, se sentiam orgulhosos do pequeno e imensamente felizes. A tailandesa estando realizada. Não era ela ali no lugar de Jinyoung, mas estava satisfeita de que fosse ele. Talvez tenham tido os papéis invertidos, ela era a irmãzinha, assim como Bambam, Yug, Chang, Rosé... Jinyoung era “só” o Jinyoungie...

- Vamos? – Jungkook chama e Kihyun assente.

- Eu vou também! – Chanyeol se pronuncia já ficando de pé tendo o total entendimento de todos eles, principalmente do filho que até mesmo o incentivou com o olhar. Jinyoung assim que pudesse, tinha em mente ir ver seu Omma.

- Vou ajudar Kihyun com os pequenos! – Yani também se põe em pauta observando a dificuldade do filho em guiar Rosé para fora do quarto, esta não dando a mínima para o dono do celular, tendo este a rir e deixar ela ir.

- Eu tenho que ir ver minhas crias! – Bambam relata se referindo a Coco e ao Milo, enquanto suspirava como uma bela trabalhadora e dona do lar se virando nos trinta, ocupada demais com seus filhos, estressada demais com o dia a dia, ainda mantendo o charme, mas deixando claro que logo quem assumiria aquela posição seria Yugyeom porquê não era obrigado a absolutamente nada.

- Eu vou junto, meus pais vão chegar hoje de viagem... – O alfa loiro relata suspirando imaginando a conversa que teria com ambos sobre a revelação de seu namoro com Bambam, que a ver do outro assunto, seria a parte mais fácil. Não que seus pais não gostassem de Bambam, tiveram poucos encontros para chegar a alguma conclusão, mas eles eram reservados e não seria muito bem visto por eles seu ômega morando praticamente sozinho ainda tão novo. Mas Yugyeom não se daria por vencido caso viesse a ocorrer alguma relutância da parte deles.

- Boa sorte e diga que mandei abraços...- Mark deseja e pede, este tendo tido um contato maior com os pais do alfa, sendo também muito bem falado pelos mais velhos, que vez ou outra sugeriam algo, com cinco ou seis anos alegando querer ter um almoço entre as famílias para se conhecerem, mas como estavam sempre viajando, tornara-se impossível. Yugyeom não reclamava. Até porque até dias atrás, Shownu o botava para correr somente abaixo de olhares.

- Pode deixar! – O alfa abraça Bambam de lado e se colocar a sair do quarto. – E Jinyoung, acho bom você pedir logo Mark em namoro, tem muito enfermeiro assanhadinho por aí... – Yugyeom cutuca de graça, o outro alfa “inocente” lhe mandava “tchau” e recebeu a afronta com um rosnar baixinho.

Ao fechar a porta os namorados encontram com Jungkook do lado de fora com o celular na mão aparentando verificar alguma mensagem de texto.

- Vocês tem certeza que querem fazer isso? – Meio incerto sobre dever aceitar o pedido deles para falar com seus pais para quando algum dos tios, (com exceção de Shownu), Yani, Mark ou Jinyoung perguntarem sobre as mulheres, dizer que elas foram encontradas sem vida.

Nesse momento, antes dos dois mais jovens se pronunciarem, Isa abre a porta dando sua presença a eles, fechando-a logo em seguida para que os que estavam lá dentro não ouvissem.

- Temos... -

....

Estando sozinhos novamente, os dois, Mark e Jinyoung, voltaram a trocar carícias, viciados demais um no outro e com anseios de recuperar o tempo que suas bocas ficaram separadas uma da outra.

O gosto de seus lábios juntos, da textura deles se misturando com a saliva e suas línguas, o contato de seus dígitos passeando por suas bochechas, cintura, braços... A sensação gostosa de arrepio parecia melhorar a cada nova onda de uma forma extasiante.

- Não me canso de dizer o quanto isso é tão bom... – Separando o beijo minimamente só para poder fazer tal confissão, Mark morde o lábio inferior enquanto um sorriso teimoso e imparável passeava por sua boca.

- Não sei como pude ficar tanto tempo longe, me impedindo de sentir você, de te tocar assim... – Quase impaciente numa mesma mistura de delicadeza, Jinyoung finda a repetida fala para si mesmo, voltando a beijá-lo com volúpia o trazendo para dar profundidade no beijo o qual o acastanhado estava adorado deixar-se ser guiado.

Mark nem queria imaginar quantas bocas tiveram que tocar as de seu alfa, ou lembrar qual tinha certeza que tocara, antes de si.

E dando ênfase a última parte do dizer, Jinyoung levou a mão no mesmo rompante até a cintura do ômega apertando-a e fazendo ele soltar um suspiro entrecortado entre o beijo.

- E-eu também não sei... – Separando novamente o beijo, Mark sorria com os olhos semiabertos ao falar acariciando os lábios vermelhinhos e inchados do moreno, aquela pequena bagunça causada por si. – Mas prometo que nada nem ninguém, nunca mais vai nos separar ou nos impedir de ter um ao outro... – Com o nariz cogitando ficar vermelhinho pela emoção e os hormônios, Mark finda e junta seus lábios novamente num selinho demorado.

- Nada, nem ninguém... – Jinyoung repete com a quebra do selo, levando sua mão a acariciar os braços finos, mas um tanto torneados do menor, fazendo o mesmo que ele ao beijá-lo outra vez só com a diferença do contato sendo mais rápido, pois ele fizera uma trilha.

Primeiro no cantinho do sorriso alheio, depois pelo queixo, um roçar no pescoço se divertindo com todos os pelinhos da região eriçados, se inebriando com o cheirinho dele. E por fim trazendo risadas ao menor ao enchê-lo de beijinhos pelo rosto.

E ao parar, eles trocaram um contato intenso através dos olhares com a mistura dos mais deliciosos sentimentos.

- Eu te amo! – Ambos falam juntos rendendo mais risos e um abraço gostoso, mas um tanto cômico pela posição, pois Mark estava a seu lado.

- Vai machucar você... – O ômega fala se desesperando pelo ato do alfa em o erguer com um braço só para poder colocá-lo ainda de lado, mas agora em seu colo. O alfa fez uma careta, no entanto foi só para ver a carinha de seu ômega todo preocupado.

- Não se preocupe, sei que vou receber beijinhos e vai passar... – Jinyoung dita todo convencido fechando os olhos a espera, segurando o sorriso tendo a certeza de que Mark o olhava com uma sobrancelha arqueada analisando sua “audácia”.

E logo estava todo bobo, o alfa a receber e o ômega a distribuir beijinhos e mais beijinhos, com alguns bônus depositados no lábios do moreno, que tinha seu lobo cheio a cada novo sugar que ele recebia nos lábios.

- Com licença... – São interrompidos por duas batidinhas na porta efetuadas por uma enfermeira que ia entrando alheia ao que poderia estar acontecendo, e tanto ela quanto Mark ficam vermelhinhos. O menor até tentou sair do colo do alfa, mas sua cintura fora chantageada o obrigando a ficar.

- Desculpe, eu posso voltar daqui a pouco! – Ela sugere um tanto embaraçada, apesar de tê-los achado fofos, e já se punha a sair quando Mark disse que estava tudo bem, ela podia entrar. O que o levou a ser obrigado a fazer seu alfa, sob resmungos, lhe deixar sair.

Ela assentiu e entrou de cabeça baixa e Jinyoung, só então tomando vergonha na cara, coçando a nuca, pediu desculpas. A moça, sorriu e disse que estava tudo bem.

Enquanto isso, Mark tentava descobrir o que ela trazia e nem sob tapas de seu Omma ele iria colocar aquela gororoba na boca de novo.

- Jinyoungie... – Chamando discretamente, com um sorriso amarelo, fazendo o mínimo de movimento possível com a boca ao fala, ele tem a atenção do alfa. – Lembra que eu disse que nada nem ninguém irá nós separar? – Ele pergunta e Jinyoung ria apesar da confusão da cena que o pequeno fazia. – Desculpa amor, mas essa papa aí é exceção!

E mais rápido do que a velocidade da luz, Mark foi até ele, e então o ômega praticamente correu para fora do quarto, deixando o alfa para trás sem saber como se respirava.

O coração do moreno estava em disparada como se houvesse acabado de percorrer uma maratona por horas.

- Mark! – Ele chama querendo explicações no mínimo plausíveis do pequeno por tê-lo deixado desnorteado com aquela simples palavrinha que fora usada para se referir a si, saindo sem nem sequer lhe dar satisfações. Absurdo....

Seu lobo uivava por dentro e seu sorriso brincava maroto em seus lábios, deixando com o âmago embrulhado com a sensação incrível tida tanto por aquele novo adendo como também pelas risadinhas travessas que ouvia do outro lado da porta...

A enfermeira ria contida por conta da fofura enquanto pegava os utensílios para realizar a troca do curativo....

Jinyoung negou ouvindo a risadinha parar aos poucos assim como o afastamento do cheirinho de seus pequenos.

E foi olhando para aliança em seu dedo, que ele se aprofundou nas lembranças de sua infância, mesmo sendo passado, não deixava de tornar o presente e futuro menos divertido e interessante...

               ....Continua....


Notas Finais


Xau, vou tentar terminar a outra parte pra vir logo!

(Dividi em três partes :3 a terceira será a próxima.)

E antes que me esqueça:

https://youtu.be/4mbXE5CUW6o

https://youtu.be/xQI9oZEY-B0

Deem views nesses hinos🤧


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...