1. Spirit Fanfics >
  2. Mangas De Fora - Cellan >
  3. Capítulo único

História Mangas De Fora - Cellan - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


pode haver alguns erros, mas tá aí boa leitura ❤️🐦☕

Capítulo 1 - Capítulo único


Rafael

8:00

Hoje é meu aniversário, lembro de ficar a noite passada toda ansioso para isso, afinal era um dia especial pra mim.

Recebi várias felicitações no twitter, eu amo ter estas pessoas que se importam comigo, todas elas tem um lugar especial no meu coração.

Amigos próximos fizeram posts de fotos comigo com alguns textinhos, que realmente eram de amolecer o coração.

Mas nada do Alan... Ele não me mandou nenhuma mensagem sequer...

Mas pra ele não me mandar nada ele deve estar muito ocupado, ou se esqueceu...

Eu liguei pra ele.

Call on

- Alô? - ele perguntou com uma voz sonolenta.

- Amor, eu te acordei?

- Na verdade sim, eu fiquei fazendo live ontem até tarde e eu estou com muito sono.

- Você sabe que dia é hoje?

- Calma - ele olhou a data em seu celular- Ah sim hoje é seu aniversário! Feliz aniversário amor.

- Obrigado. Mas você não está esquecendo de outra coisinha?

- Ah sim tenho que te avisar, eu não vou poder ir passar o seu aniversário com você hoje, me desculpe. Me chamaram junto à outros streamers pra testar um jogo novo e eu não sei quando vou sair de lá.

- Oh... tudo bem, durma bem e faça o seu trabalho tranquilo, te amo.

- Eu também te amo.

Call Off

Wow... Aquilo meio que me magoou um pouco, eu pensei que íamos passar o dia todo juntos, como havíamos combinado, mas ele tem trabalho e eu o entendo, sei que ele deve fazer o certo para a carreira pessoal dele.

Só não gostei dele não ter lembrado de que hoje era um dia especial de nós dois.

Como não tinha muito o que fazer eu abri a live, decidi festejar junto com o chat e o Eredin.

Coloquei um chapéu de aniversário na minha cabeça e outro no Eredin e comecei a ver algumas coisas no Reddit que o chat fez pra mim.

~

Alan

13:00

Acordei e rapidamente me levantei indo tomar banho, faltava pouco tempo até a hora que eu deveria ir trabalhar.

Quando terminei de banhar coloquei um tênis branco da nike, calças jeans preta e um moleton cinza.

Saindo de casa fui num fast food e comi algo antes de ir para o local onde alguns dos streamers já deveriam ter chegado.

Quando cheguei lá era como de costume, tinham várias pessoas trabalhando e os computadores que iríamos usar.

Quando o intervalo do jogo chegou eu comecei a lembrar do Cellbit, hoje é o aniversário dele e eu nem ao menos pude passar com ele.

Eu nem consigo imaginar como ele está, mas pelo menos ele está fazendo live, algo que ele gosta.

Olhei algumas das nossas mensagens da gente planejando passar o dia na praia e aquilo me dava até um aperto no coração ver o quão empolgado ele estava...

Talvez eu devesse tentar ir mesmo sendo tarde, não conseguiríamos ir à praia, mas talvez eu passasse algum tempo com ele.

Decidi que quando acabasse eu iria sair rapidamente para casa e desmarcaria algumas coisas para passar o dia com o Rafa.

Era o que eu desejava, mas ao fim, Felps , me avisou que sairíamos para beber com o cara que nos chamou pra testar o jogo.

Eu quis recusar, é claro, mas eu não queria perder uma chance de trabalhar para a empresa dele como streamer oficial.

Cellbit

15:00

Tinha acabado de encerrar a live, acabei vendo alguns posts sobre mim e o Alan, na mesma hora o meu olho lacrimejou, eu tentei empedir, mas acabei deixando que as lágrimas rolassem por meu rosto.

Eredin rapidamente correu até mim e eu o ajudei a subir na cama, logo ele ficou olhando fotos nossas comigo.

- Ele não virá, somos só você e eu hoje meu amigo. - disse triste enquanto ele lambia meu rosto.

Pelo menos ele estava alí para me consolar sempre que eu precisava...

Alan

16:00

Fomos para um bar próximo e pedimos umas cervejas, com o passar do tempo menos me interessava pelo papo do cara.

Enquanto sempre verificava o celular vi um lembrete, hoje era mais que o aniversário do Cellbit era também nosso aniversário de namoro... Como eu pude esquecer isso?!

- Eu gostei do trabalho de vocês e quero que vocês trabalhem comigo, o que acham de assinarem um contrato? - Perguntou o Homem de aproximadamente 45 anos, enquanto enchia outro copo com mais cerveja.

Não aguentando mais me levantei da mesa. - Não, obrigado. Eu tenho que ir agora até mais gente.

- Ei! Você não vai ter uma chance dessa de novo. - Dave, o cara que nos contratou, gritou da mesa do bar enquanto eu já saía pela porta.

Entrei no meu carro e dirigi até o meu apartamento, quando cheguei arrumei minha mala e pedi um uber para me levar ao aeroporto.

Estava impaciente no aeroporto, e ao mesmo tempo preocupado com Rafael, mas eu preferi deixar como surpresa a minha chegada.

O aeroporto estava bem lotado e olhei o horário dos vôos e o último pra lá sairia em 15 minutos!

Corri e tive que enfrentar uma pequena fila para comprar a passagem, até que chegou minha vez.

- Oh você deu sorte é uma das últimas passagens restantes, se quiser embarcar sugiro que se apresse.

- Obrigado! - Saí correndo para poder não perder o voo.

Os últimos passageiros ainda entravam no avião e consegui embarcar.

Sobrevoando o meu Estado comecei a ter algumas reflexões e talvez quisesse tomar uma decisão até que bem "Radical"

Pela primeira vez, eu percebi que o Cellbit era a minha real prioridade e talvez eu devesse apostar tudo no nosso amor.

Em meios meus pensamentos acabei caindo no sono.

20:00

Cellbit

Estava no parque junto com Tom e a namorada dele, estávamos passeando com nossos "filhos" e conversando.

Sair com eles realmente me deixou melhor, tomamos sorvete e jogamos muita conversa fora.

Estava ficando tarde então me despedi deles e voltei pra casa.

Desabei direto no sofá, eu tive um dia legalzinho, mas ainda sentia aquele vazio apertando em meu peito.

Logo ouço batidas na porta e vou lá abrir não estava esperando ninguém, mas tudo bem.

Quando abro a porta me surpreendo. - Alan! - Gritei surpreso quase dando um pulo em cima dele o abraçando.

- Eu também senti sua falta. - Ele falou abafado pois estava tentando me segurar junto à suas coisas.

- Não acredito! Como você conseguiu vir? - Disse descendo de seus braços.

- Eu cancelei algumas coisas e aqui estou eu, não poderia deixar esse dia passar em branco.

- Eu estou muito feliz que tenha desistido de suas coisas para vir ficar comigo, mas e o seu trampo como fica?

- Eu não decidi ainda, mas eu acho que não quero mais trabalhar lá, porém não se preocupe, vai dar tudo certo.

- Eu espero que sim, pode entrar. - Saí do caminho da porta e ele entrou no meu apartamento revestido de paredes brancas, passou direto para meu quarto deixando sua mala.

Ele logo veio e se sentou ao meu lado no meu sofá marrom na sala de estar.

- Sinto muito não ter vindo mais cedo. - ele disse fazendo carinho em meus cabelos enquanto eu descansava minha cabeça em seu ombro.

- Ta tudo bem, eu estou feliz que esteja aqui comigo.

- Me desculpa por não ter te dado feliz aniversário de namoro, eu estava com a cabeça tão cheia que acabei esquecendo

- Eu achei que você tivesse esquecido. - Eu disse e comecei a abraçar o lado direito do seu corpo.

- Sabe ainda são 20:00 horas ainda dá tempo de ir na praia. - Ele disse afagando meus cabelos.

- Tá falando sério?!

- Sim, eu sempre quis ir na praia de noite.

Assim que verifiquei se havia colocado a água e comida para o Eredin eu saí com Alan caminhando.

Ao pisarmos na areia tiramos os tênis e os deixamos para trás enquanto caminhavamos em direção ao mar.

Sentido a areia com nossos pés andávamos um ao lado do outro sentindo a fria brisa da noite, até que Alan me dá a sua mão e aquele frio de antes parecia ser quase inexistente.

Ao caminharmos mais um pouco finalmente chegamos até o mar.

- Nossa tá bem fria! - Disse ele quando colocou os pés na água logo me puxando para entrar junto.

- Calma aí! Ta muito fria! - Eu gritei quase batendo nele por me fazer entrar de uma vez, o que só fez ele rir de mim.

- Sabe, eu também não pude estar aqui Contigo no Ano novo, então... e se a gente saltasse algumas dessas ondas. Está tarde para fazer isso mas podemos fazer usando um novo contexto.

- É mesmo e qual seria esse contexto?

- Quem pular as sete ondas primeiro ganha um desejo, e só pode revelar quando se realizar.

- Ok. - Disse e observamos algumas ondas que vínhamos e começamos a saltar, até que vinha a sétima.

- E se a gente pular junto nós dois conseguimos o desejo, sei uma maneira infalível de fazer isso dar certo.

- Tem - fui interrompido com o susto dele me pegando em seus braços e enfim saltando a última onda.

Logo pensei qual seria meu desejo, e claramente ele tinha a ver com alan e talvez o dele também tivesse a ver comigo, era decifrável pela maneira que nos olhávamos.

Até que ele me deu um beijo repleto de saudades e amor, quando nos separamos ele anda em direção a uma parte um pouco mais funda.

- Agora vem a última parte... Mergulhar!

- Ei espera! - mal me ouvindo ele me joga, junto com ele, dentro da água.

A água estava bem fria mas eu não estava ligando muito pra isso. - Eu preferia saber dessa parte antes. - disse tirando meus fios molhados da frente do meu rosto.

- Você fica bonito até molhado. - disse ele me abraçando por trás.

- Idiota... Eu te amo. - Disse enquanto olhava para luz da lua prateada refletida no mar.

- Eu também te amo. - Ele disse e eu virei o meu pescoço para dar-lhe um beijo.

Estava ficando frio e Alan me chamou para voltar para o meu apartamento, mas eu insisti para que ficássemos mais um pouco.

- Lembra aquele anel que você me deu ano passado, o ainda tenho guardado até hoje.

- Sério? - Ele perguntou sentando-se ao meu lado dele na areia.

- Sim olha, ele mostrou o anel que ainda estava novo embrulhado dentro de um saco plástico. - Você comprou dois mas o outro acabou quebrando e você reclamou por muito tempo daquela "fraude". - Relembrei rindo.

- Sim, eu me lembro muito bem.

- Bem nós nunca fizemos nossos votos de namoros por isso então, eu comprei outro pra você para que pudéssemos os fazer agora.

- Claro, vamos fazê-los agora. - disse e ele pegando o meu anel, logo ele sentou-se na minha frente e eu peguei o anel que eu colocaria em seu dedo.

- Eu vou primeiro! - Eu contestei rapidamente. - Ao colocar este anel no Dedo de Alan Ferreira, declaro meu amor inifinito por ele e desejo sempre estar com esse cara apaixonado. - Eu disse colocando o anel no seu dedo anelar.

- Bem, ao por este anel no dedo de Rafael Lange Severino, eu Desejo o fazer príncipe encantado mais feliz do mundo, e desejo sempre estar ao seu lado nos momentos bons ou ruins, felizes ou tristes. - ele disse colocando o anel em meu dedo e logo me beijando apaixonadamente.

- Sabe eu vou sentir muito a sua falta quando você embora. - Eu disse tristemente encostando minha cabeça no ombro. - Às vezes eu venho aqui e fico olhando essa mesma visão do mar anoite e me divido entre desejar que dê tudo certo pra você lá longe e querer que fique comigo.

- Na verdade eu tenho que dizer uma coisa, amanhã eu já tenho que voltar.

- Sério? Mas quando você vai voltar pra me ver de novo. - Eu disse abraçando meus joelhos.

- Eu não sei... Mas eu quero voltar o mais rápido possível.

- De vez em quando eu tenho medo que você me deixe, eu tenho medo de não conseguir te dizer o que sinto por você.

- Eu nunca faria isso, eu sei que você me ama e eu também te amo.

- Não, eu não te amo... Eu te amo muito muito muito, e isso chega num nível que quando sinto saudades o meu coração aperta e eu choro, essa distância... Ela dói demais. - Eu Disse já perdendo um pouco do controle com os olhos marejados.

- Rafa... Me desculpa, eu sei como é, às vezes eu fico acordado até tarde trampando e sinto saudades de você, eu lembro da noite que a gente se conheceu e nem consigo controlar minhas emoções, isso porque eu também amo muito, muito, muito talvez nem exista uma palavra suficiente para descrever isso. - Quando ele terminou de falar logo lhe beijei

Alan

- Alan, você acha que vamos conseguir sustentar isso? - Ele Perguntou enquanto eu estava abraçado à ele.

- Isso vai depender da gente. - Eu disse e o apertei ainda mais em meus braços.

- Sabe, e se-

- Você quer terminar comigo? - Ele disse disse me interrompendo

- Não, claro que não! Eu estava pensando e se eu vir morar com você?

- Você tá falando sério? Não brinca com uma coisa dessas, é sério.

- Eu estou falando sério, só tenho que resolver algumas coisas.

- Eu nem consigo acreditar. - Ele disse e pulou em cima de mim e nos derrubou na areia.

- Acho que temos outro motivo para entrar na água mais uma vez. - Disse deixando um selinho em seus lábios.

~

Voltamos depois do frio começar a nos congelar, tomamos um banho quente e ficamos deitados em sua cama conversando.

- Quanto tempo faz que a gente não ficava só assim de bobeira? - Eu disse enquanto olhávamos pro teto.

- Muito... Nós nunca ficamos de bobeira, você sempre que vem me ver vai embora poucos tempo depois, mas eu fico feliz quando vem, mesmo quando seja pra passar apenas algumas horas.

- Eu sei e me desculpe por isso, você sabe muito trabalho pra lidar, mas isso vai mudar eu prometo. - Disse segurando sua mão.

- Eu não sei quando você vai vir de novo, então... e-eu quero aproveitar que hoje é nosso aniversário de namoro e... - Disse ele subindo em cima do meu colo enquanto eu continuava deitado o observando. - Então... Vamos fazer... Por favor. - Ele encerrou.

- Você quer fazer amor comigo? - Eu indaguei enquanto observava ele olhando para lado para não ter que me encarar. - Bem, você já deu o primeiro passo, você pode continuar.

- Tá... - Ele respondeu apertando meu minha camisa branca entre os dedos.

Ele começou tocando meu rosto com a ponta de seus dedos e logo me dando um beijo quente cheio de necessidade e desejo.

Ele desceu para meu pescoço o beijando e dando leve mordidas, me fazendo arfar, enquanto estava em meu pescoço uma de suas mãos desceu até a barra de minha camisa e eu o ajudei a retirá-la.

Ao deixar meu pescoço ele leva ambas suas mãos até o botão de minha calça com a intenção de desabotoa-la mas acaba hesitando.

- Vamos lá, não seja tímido. - Eu disse lhe provocando, mas fui calado por ele que deu um forte aperto no meu pênis, ainda por cima da calça, me fazendo gemer.

Então ele voltou abrindo o botão de minha bermuda cinza e abaixou a minha cueca o suficiente para que meu membro fosse liberto.

Eu elevei meu tronco ficando sentando enquanto sentia ele começar dar lambidas na base do meu pênis, logo ele começou a chupar, colocando a cabeça primeiro e descendo mais um pouco fazendo movimentos de sobe e desce com a boca.

Eu gemia rouco enquanto com a mão em seus cabelos empurrava sua cabeça para que ele colocasse mais e mais na sua boca quente.

Até que ele começou a engasgar e ficou sem ar logo se separando de meu membro com um fio de saliva escorrendo de sua boca, e esse foi uma das cenas mais excitantes que eu já vi.

- Eu já te deixei se divertir por tempo de mais, eu tomo controle daqui pra frente. - Disse e troquei nossas posições fazendo ele ficar embaixo de mim.

Lhe dei um selinho antes de começar a dar fortes chupões em seu pescoço alvo ouvindo-o suspirar, aquilo deixaria marcas roxas.

Retirei sua camisa de mangas compridas e logo ataquei seus botões rosados, passando a língua em um enquanto apertava o outro entre meus dedos e logo depois fazendo o mesmo com o outro enquanto ele se contorcia de prazer.

Logo retirei sua calça e cueca junto e Coloquei dois dedos em sua boca para que ele os lubrificasse com saliva, quando julguei molhados o suficiente comecei inserindo o meu dedo indicador seguido depois pelo dedo médio.

- Alan, eu quero te sentir... dentro de mim. - Ele disse gemendo arrastado enquanto eu o alargava com movimentos de tesoura.

- Você vai. - Cheguei próximo de seu ouvido. - E não vai querer mais parar de sentir. - Eu disse e deixei uma mordida no lóbulo de sua orelha ouvindo-o arfar.

Logo retirei meus dedos de dentro dele e me livrei do restante de minhas roupas de baixo, peguei um preservativo da carteira que estava em meu bolso e após abrir a embalagem coloquei em meu membro.

Logo o penetrei começando só pela cabeça enquanto ele apertava os lençóis pelo desconforto.

Eu o beijei para tentar distrai-lo enquanto entrava cada vez mais, aos poucos, até estar completamente dentro esperando algum tempo até que ele se acostumasse.

- Abre mais as pernas pra mim, amor. Eu disse rouco enquanto começava a me movimentar lentamente dentro dele.

- T...a. - Ele respondeu entre suspiros abrindo mais suas pernas me dando mais liberdade e controle sobre ele.

Ficando mais sobre ele podendo ver seu rosto abaixo do meu eu fixava meu olhar enquanto tirava tudo e colocava de novo lentamente o torturando.

- A...lan!

- Sim? - Perguntei sem deixar de continuar o torturando só iria parar quando ele pedisse.

- Vai...logo.

- Vai logo quê? Perguntei sabendo que era o estopim pra fazer ele falar.

- Vai mais... rápido porra! - Ele praticamente gritou olhando para o lado envergonhado.

- Acho que posso estar cumprindo seu pedido. - Eu disse aumentando a velocidade entre as estocadas o fazendo começar a soltar gemidos mais altos.

Com as duas mãos alisei a parte interna de ambas as suas coxas e desci mais começando a distribuir beijos em ambas, até me aproximar de seu membro e dar lambidas enquanto ele deitado olhava para mim entre suas pernas.

Logo ele começou a reprimir seus gemidos mordendo seu dedo indicador o que eu não aprovei.

- Ei! - Ele protestou quando prendi ambos seus braços acima de sua cabeça.

- Eu quero ouvir... você... - Eu pedi entre suspiros de prazer.

Deixei apenas uma de minhas mãos ainda prendendo as seus braços e dei-lhe um beijo quente e demorado intercalando alguns gemidos.

Eu acelerei ainda mais meus movimentos em busca de algo dentro dele e ao ouvir ele soltar um gemido mais alto que os outros eu sabia que tinha encontrado.

- Rafa... Eu... estou perto. - Disse entre alguns gemidos. - Venha... Comigo. - eu disse e procurei acertar mais vezes a sua próstata enquanto o marsturbava rapidamente com minha mão livre.

Enquanto sentia o meu limite se aproximando eu o penetrava cada vez mais rápido e intenso nos fazendo gemer em alto som.

- Eu estou... ahh - disse ao sentir meu esperma preenchendo a camisinha.

- Ala..n aaaahh! - Ele gemeu altamente quando eu o fiz ejacular sujando sua barriga

Rapidamente retirei a camisinha a amarrando e jogando no lixo e voltando para me deitar do lado de Rafael.

- Fazia um tempo... que a gente não fazia? - eu disse ainda tentando regularizar minha respiração.

- ... - Recebi o seu silêncio como resposta quando vi ele tentando esconder o rosto no travesseiro.

- Ei, qual o problema? - Disse tentando tirar o travesseiro mas ele relutava em não deixar.

- N-não, para! - Ele suplicou até o travesseiro deslizar de suas mãos.

- Seu rosto está... Vermelho! você ainda cora quando fazemos amor.

- É claro que não. - Ele disse tentando esconder o rosto com os lençóis. - Fizemos amor... Nem acredito que agora eu uso essa palavra por sua causa. - Ele disse tirando os lençóis do rosto.

- Eu sou inspiração, pra muitos mesmo. - Disse me aproximando para dar um beijo nele.

- Não pra mim. - Ele respondeu me empurrando com pé me impedindo de beija-lo. - Eu vou tomar banho. - Ele saiu e antes de entrar no banheiro chamei sua atenção.

- Não quer banhar comigo? - Disse levantando as sobrancelhas fazendo uma insinuação.

- Eu... - Seu rosto retomou ao tom levemente rubro. - Eu ainda gosto de preservar minha privacidade! - Ele disse fechando a porta.

Cellbit

Quando terminei de tomar banho me Deitei na cama esperando o Alan que ligo saiu banhado do banheiro e com roupas confortáveis, assim como eu.

Ele logo deitou atrás de mim e me enlaçou com seu braço.

- Me dá um beijo. - Ele pediu me fazendo estremecer por ele estar falando rente ao meu ouvido. - Eu vou embora antes que acorde então...

- Tudo bem... - Eu disse me virando e colocando minhas mãos em seu rosto lhe dando um beijo apaixonado. - Boa noite. - Disse me virando pra dormir.

- Boa. - Ele disse me aproximando mais dele, colando seu queixo entre os meus fios loiros e então dormirmos de conchinha.

~

Foi como ele disse, eu acordei e estava sozinho na cama, ela não era tão grande, mas agora parecia tão vazia...

Nesse momento eu me lembrei de que fizemos amor... é nessas horas que eu cubro meu rosto com um travesseiro e fico me contorcendo de vergonha, eu tomei iniciativa pela primeira vez ontem nem sei de onde tirei coragem...

~

Passou-se mais uma semana, e eu havia mandado uma mensagem querendo saber como o Alan estava, mas ele não recebeu achei suspeito mas deixei quieto e fui dormir.

8:30

Ouço batidas na porta e sinto a luz do sol invadir a janela do meu apartamento acertando o meu rosto o que me fez levantar mais rápido.

- Já Vai! - Gritei enquanto ainda tentava me deixar apresentável, mas o sono ainda prevalecia então parei de enrolar e abri a porta.

- Bom dia! - Alan falou animado segurando mais malas do que a última vez.

- Alan!! - eu gritei e pulei em cima dele Derrubando ele no chão.

- Ei calma eu sei que eu sou incrível mas vai com calma!

- Cala a boca você ta aqui eu nem acredito! Eu disse apertando mais ele no meu abraço no chão.

- Eu não mereço um beijinho? - Ele Perguntou fazendo biquinho.

- Deixa eu ver... Não! Eu saí de cima dele e corri para dentro de casa.

- Você pode correr, mas não pode se esconder! - Alan gritou pegando suas coisas do chão e entrando.

Eu entrei no banheiro e tranquei a porta.

~

Alan

Guardei minhas coisas e fui até o banheiro onde Cellbit estava.

- Você não vai abrir? - Eu falei com uma voz triste. - Eu estou carente. - Disse tentando soar o mais manhoso possível.

- Desde quando? Haha você não me engana mais depois de tanto tempo, se eu abrir você vai me pegar!

- É sério, se você não abrir eu posso chorar...

- Tá bom, tá bom. - Ele abriu a porta só um pouquinho, nesse momento me preparei para o ataque abrindo a porta rapidamente e entrando

- Aí que susto caralho!

- Haahahahah peguei você. - Disse rindo da cara dele. - Agora o meu prêmio. - Eu pedi todo orgulhoso.

- Calma, calma você quer tirar uma foto?

- Claro.

Ficamos de frente ao espelho retangular do banheiro, deixei meu braço por cima do seu ombro o aproximando de mim, enquanto ele segurava minha cintura de lado e o bejei, logo levantando a câmera do celular e a tirando a foto.

- Deixa eu ver. - Dei o celular pra ele olhar a foto. - Eu amei. - Ele disse me devolvendo o celular e me dando um beijo na bochecha.

- Eu quero caminhar com você, na praia, pra sabe conversar um pouco.

- Tá bom. - Ele disse saindo do banheiro.

~

Saímos do apartamento e com um Uber chegamos lá, o dia como sempre estava ensolarado e é como se estivesse na medida certa com aquela brisa da manhã e a areia aquecida.

Andamos de mãos dadas pela areia enquanto conversávamos.

- Sabe eu acho que me sinto mais feliz aqui com você, eu vou poder continuar fazendo live e talvez eu arrume até novas oportunidades por aqui.

- É difícil de acreditar, Meu maior medo é te perder.

- Não se preocupa, eu vou morar com você agora não é? - Eu parei de frente pra ele. - Olha agora morando juntos nós com certeza vamos brigar e ficar chateados um com o outro, mais do que antes, mas eu quero que saiba que independente de qualquer que seja a situação eu sempre vou te amar muito, muito mais que tudo.

- Obrigado, Por me amar, Você sempre sabe o que dizer pra mim... Eu sempre a

me enrolo nos meus próprios pensamentos e não digo muito coisa pra você, mas você sabe que eu te amo incondicionalmente... Talvez eu esteja muito apegado, mas eu confio em você, desde que você também confie em mim.

- Eu confio e muito. - Eu disse pegando ambos os seus punhos juntos e os beijando.

Eu fiquei emocionado e deixei uma lágrima teimosa escorrer.

- Nós estamos em público para de chorar, seu marica. - Ele ficou de costas pra mim falando.

- Você fala como se não estivesse enxugando as suas lágrimas aí. - Eu disse enxugando as minhas próprias.

Ele ainda persistia em ficar de costas então fui lá e o abracei por trás logo sussurrando em seu ouvido.

- Eu estou com sono da viagem, e se a gente voltar pra casa e dormir um pouquinho?

- Eu topo. - Ele disse se desvencilhando dos meus braços.

- Vamos? - dei minha mão para ele segurar.

- Vamos. - Ele soltou uma risada segurando minha mão e logo voltamos de mãos dadas pra casa.

Um tempo antes estava ensolarado, mas uma chuva repentina logo ameaçou cair.

~

A chuva nos pegou antes de chegarmos no apartamento e tivemos que nos esconder debaixo de uma tenda de uma loja que já estava fechada.

- Porque você se trancou no banheiro e não queria abrir a porta mesmo? - Perguntei quando descansamos encostados no portão de metal da loja.

- Porque eu não tinha escovado ainda e não queria te dar um beijo ruim.

- Você é muito fofo sabia? Eu quero te dar um bom beijo agora. - Disse fazendo ele corar.

- Eu... Quero te perguntar uma coisa antes. - Ele disse com seu olhar voltado para o chão. - O que você Desejou naquele dia na praia?

- O mesmo que você. - Disse levantando seu queixo para que ele me olhasse. - Poder realizar meu sonho de morar com você. - Finalizei deixando que ele baixa-se seu olhar novamente.

- Alan, eu realmente te amo... - Ele disse escondendo seu rosto no meu pescoço.

- Eu sei disso, e eu digo com certeza que eu também te amo. - Quando termino de falar ele enlaça meu pescoço com seus braços e me puxa para um beijo, que com prazer retribuo segurando sua cintura delicadamente.

Quando eu estou com o Rafael eu sinto como se não me importasse com mais nada, acho que é por isso que por ele não tem medo de sentir arrepios e nem de viver desafios, por ele eu sempre ponho minhas Mangas de fora.

~ Fim ~


Notas Finais


Uffa! finalmente postado, o que acharam? 🐦☕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...