1. Spirit Fanfics >
  2. Manhã de canções >
  3. Sobre cotidianos, fantasias e suas cores

História Manhã de canções - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


oi :D olha só quem apareceu em meio a esse hiato tão furado.
eu não sei ao certo como só agora eu fui escrever minha primeira fic de clc, sendo que esse é o grupo que mais me faz perder tempo no youtube vendo compilação de moments gays e caóticos. ao menos, eu posso falar que a minha primeira fic delas é super especial, porque é um presente pra biscoitinho sapatão mais preciosa desse site, a @Ellkie ♡♡♡

que ainda tenhamos muitas eunkies, yeelkies e 2seungs no nosso futuro, amém.

quero também fazer um shoutout pra cor mais linda de todas as paletas, a @daeho, por ter feito essa capinha linda, ter me ajudado a alimentar nossa bianca e por sempre ser um brilho precioso em minha vida, eu te amo demais! ♡♡♡

no mais, tenham uma boa leitura. ♡

Capítulo 1 - Sobre cotidianos, fantasias e suas cores


Tingyan suspirou cansada quando abriu os olhos e viu um teto encardido com a mesma lâmpada feia que ela sempre quis trocar. Às vezes, ao acordar, ela não abria os olhos e os deixava fechados com bastante força na esperança de que, ao abri-los, ela estaria em uma floresta com cheirinho de petricor e iluminada pelas flores fluerescentes, sozinha e com nada além de seu pijama, cobertas e a chance de explorar uma nova vida; ou talvez Tingyan estivesse em um castelo da dinastia Qing e suas roupas fossem da seda mais cara de todo oriente, ela também teria uma confidente que trabalharia para si que entraria no quarto, abriria as cortinas e daria bom dia à Chong, dizendo-lhe os planos do dia e o que havia para o café da manhã; quem sabe Tingyan não estivesse nas nuvens, em seu particular palácio de algodão e não precisasse se preocupar com nada além de flutuar pelo infinito celeste e aproveitar o suave carinho solar equilibrado com uma calma brisa.

Mas não, Tingyan ainda estava em seu micro apartamento em Seul.

Ela ainda estava no mesmo apartamento onde fora dormir na noite anterior, com o mesmo teto que era pra ser branco e a mesma falta de luz natural que não permitia que ela criasse plantas em seu lar.

O chão gelado a cumprimentou com um choque, como sempre; o chuveiro demorou para esquentar e ela teve que aguentar o frio do azulejo por mais tempo que gostaria, como sempre; Tingyan não sabia o que vestir, porque nada parecia ser apropriado para combinar com o que ela queria transmitir e, ao mesmo tempo, com suas obrigações cotidianas, como sempre; e, quando Chong estava prestes a sair do quarto, ela ouviu Eunbin cantarolando junto ao rádio conforme ela bagunçava a cozinha, como sempre.

A cozinha cheirava a café e carinho, então não foi de forma diferente que Eunbin recebeu Tingyan. Antes de oferecer uma xícara cheia de café quentinho para acompanhá-la na manhã nublada, Kwon acariciou o rosto de Tingyan, massageando as olheiras que agradeciam pelo calor do toque, assim como Chong. Eunbin riu da namorada quando ela afagou seu rosto contra as mãos como se fosse um gatinho, e o som tão doce quanto o açúcar que poria no café se mesclou com o comercial do rádio e com a chuva fina do lado de fora.

O petricor subia em seus sentidos, mas Chong se esqueceu de que ele era parte de uma de suas fantasias; a cozinha havia tornado-se, naquele instante, o lugar favorito de Tingyan.

Um micro-apartamento com sensação de microcosmo ao lado dela.

Elas, contragosto, separaram-se. Chong tinha que comer antes que se atrasasse e Eunbin queria terminar de lavar a louça e a bagunça matinal da cozinha, por mais que soubesse que não daria tempo — nunca dava. O problema nos planos apressados da Tingyan era que ela nunca parava de se encantar com a existência de Kwon.

Acabou que Tingyan só tomou o seu café enquanto admirava as cores de Eunbin, enquanto a Kwon cantava mais uma vez junto do pequeno rádio depois de ter desistido de lavar a bancada. Elas bebericavam da bebida no conforto dos timbres de Eunbin, mesmo que soubessem que, depois, o senhor Park do apartamento do lado fosse reclamar da barulheira mais uma vez. 

Ela fica tão linda com esse delineador azul e blusa amarela foi o que Tingyan pensou antes de se despedirem na porta do apartamento com o último beijo da manhã. Contaminada com toda a sutil paleta de Eunbin, Tingyan estava pronta para dar o seu melhor naquele dia, como sempre.


Notas Finais


era pra eu ter dado uma última revisada antes de postar, mas fiquei com preguicinha, ahdisuahdsa.

❀ଓ caso queiram interagir comigo:
https://curiouscat.me/akaiyoru


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...