História Manicômio - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias ASTRO, Bangtan Boys (BTS), Block B, Monsta X
Personagens B-Bomb, Eunwoo, Hyung Won, I'M, Jaehyo, J-hope, Jimin, Jin, Jinjin, Joo Heon, Jungkook, Ki Hyun, Kyung, Min Hyuk, MJ, Moonbin, P.O., Personagens Originais, Rap Monster, Rocky, Sanha, Show Nu, Suga, Taeil, U-Kwon, V, Won Ho, Zico
Tags Astro, Block B, Bts, Monsta X, Sadomasoquismo, Suspense, Tortura
Visualizações 61
Palavras 1.049
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Como prometido, aqui está a história do Yoongi na fic :3

Capítulo 10 - Lembranças PT1 - Min Yoongi


Fanfic / Fanfiction Manicômio - Capítulo 10 - Lembranças PT1 - Min Yoongi

[Yoongi pov]

Não tenho culpa de ser assim, um psicopata, um assassino, um sem coração. Nasci assim, e isso foi uma das coisas que o tempo nao curou.

Nasci no Japão e so depois de completar meus 16 anos me mudei para a Coreia por causa do intercâmbio, mas não é aí que começou meu pequeno problema mental.

Tinha apenas cinco anos quando descobri que minha mãe era uma  assassina descobri da pior forma possível.

~Lembrança on~

Estava andando pela minha antiga casa quando avistei uma porta aberta, como não estava fazendo nada entrei na mesma. A visão que tive não foi uma das melhores, tinha sangue espalhado peço chão, corpos pendurados, gaiolas com esqueletos e alguns objetos como facas, katanas, estiletes, algemas entre outros objetos de tortura.

Vi meu pai amarrado numa cadeira e no instante corri até ele. Meu appa estava acabado, sangue escorria de sua boca, seus olhos verdes tinham perdido o lindo brilho que tanto me encantava no mais velho.

- Appa? O que aconteceu?

- S-sua mãe... ela fez isso - ele me deu uma breve explicação sobre o que ela era - sua mãe matou muitas outras pessoas por mim.... mas dessa vez sou eu que vou morrer.

Ouvi um barulho na porta do porão.

- Se esconda - mandou meu pai e logo me escondi atrás de um armário com objetos de tortura.

- Ainda está vivo? - minha mãe perguntou na frente de meu pai.

- Vá a merda 

Minha mãe pegou uma faca e a enterrou na perna de meu pai. Logo depois pegou um estilete e cortou lentamente os pulsos do homem.

Após fazer vários cortes minha mãe pegou álcool e jogou nos braços do mesmo. Os gritos de dor de meu pai ecoavam pela sala escura e mal iluminada. Sem dizer alguma palavra, Minha mãe pegou uma outra faca e aproximou devagar de seus olhos, então, a enfiou no olho de meu pai Logo depois puxando a faca junto de um dos olhos verdes dele.

- Acho que nosso Yoongi vai adorar isso, o que acha? - Minha mãe deu um sorriso macabro.

A esse momento eu estava gostando de ver alguém ser torturado, estava gostando de ver alguém sofrer na mão de outro.

Minha mãe pegou outra faca e enfiou no coração de meu pai. Sorri de lado ao ver todo o sangue jorrando dele e seu olho verde perdendo o brilho e a vida.

Logo minha mãe solta o corpo acorrentado e o deixa no chão.

Aos poucos saio de trás do armário e sem querer assusto minha mãe.

- Yoongi o que você tá fazendo aqui?

- Eu só estava vendo você acabar com meu pai. - dou mais uma olhada no corpo dele e reviro os olhos. - Porque fez isso omma?

- Porque esse cafajeste me traiu com umazinha qualquer.

- Bem que ele mereceu. - digo me aproximando de minha omma - antes ele me disse que você matou outras pessoas pra ter ele, é verdade isso?

- Sim meu filho - ela me abraça e me pega no colo - Se você quiser eu posso até te ensinar a torturar e matar, assim você vai crescer fazer o que a mamãe faz.

- Eu quero - disse sorrindo - quero também sorvete de chocolate.

- Hoje você vai ter seu sorvete e amanhã eu te ensino as coisas que a mamãe aprendeu com a vida. - dei um sorriso largo com o que minha mãe disse.

Com o passar dos dias foi assim. Matar. Matar. Matar. Com o tempo aprimorei minhas "técnicas" sobre o assunto do tipo, esconder o corpo, limpar o sangue, não deixar pistas.

Anos se passaram e minha mãe arrumou outro homem, ao contrário de meu pai, ele tinha medo de minha mãe, fazia tudo o que ela mandava e nunca fazia nada sem pedir a mesma. Depois de meses juntos, eu havia completado meus dezesseis anos, o homem contou a Polícia sobre tudo que eu e minha mãe fazíamos e tínhamos feito.

Os policiais invadiram minha casa e apontaram uma arma para a gente, logo atiraram. Vi o corpo quase sem vida de minha mãe bater contra o chão quase morto. Corri em direção a ela e me ajoelhei ao seu lado.

- C-continue por mim - após suas últimas palavras ela morreu.

- Mão na cabeça - os policiais gritaram para mim e fiz o que eles pediram.

Fui levado até o carro e algemado por aqueles filhas da puta. Mas eu não iria ficar parado, eles mataram a única pessoa que eu amava.

O carro começou a andar, hora perfeita para executar meu plano.

Peguei um grampo que havia pego do cabelo de minha mãe e o usei para destravar as algemas.

Usei a algema para enforcar o policial e deixa-lo indefeso. Enquanto o outro pegava a arma dei um soco em sua cara e peguei sua arma e atirei no que dirigia e logo depois no que quase morria por conta da força que eu precionava em seu pescoço. 

Parei o carro, coloquei os dois corpos no Banco traseiro e dirigi até um rio mais próximo, em seguida os joguei e dirigi para fora de Tokyo.

Peguei um vôo para Seul e morei três anos lá até conhecer Zico, um outro estudante de direito na melhor faculdade da Coreia do Sul.

Após nós formarmos, nosso colega, MoonBin, tinha herdado um manicômio de seu pai então aproveitamos e pedimos um emprego lá. Mas como MoonBin não estava nada interessado em administrar esse manicômio, Zico tomou o poder sobre o prédio. E é assim até hoje.

O governo começou a fazer perguntas e mais perguntas sobre o que fazíamos nesse manicômio é o porquê pegavamos várias pessoas, adolescentes pra ser mais exato, mentimos falando que estávamos procurando a cura de algumas doenças sem cura na época.

Com o tempo a imprensa e o governo encheram meu saco perguntando o porquê de tantas mortes, mentimos novamente falando que eles se suicidavam logo que possível ou alguns tinham alergias a certas vacinas.

~Lembrança off~

Hoje em dia as coisas estão mais controladas, o governo nem vem mais aqui perguntar de coisa alguma, a Polícia não sabe de nada sobre o que fazemos aqui e espero que continue assim.


Notas Finais


Não sei se vou conseguir postar outro cap essa semana mas vou tentar fazer outras de outros personagens
Bjs no kokoro


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...