1. Spirit Fanfics >
  2. Manicômio para normais >
  3. Prólogo - Dia zero.

História Manicômio para normais - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, cença~
Eu tive essa ideia ontem de madrugada e resolvi escrever 👉🏻👈🏻
Não sei se tá bom, mas espero que gostem

Capítulo 1 - Prólogo - Dia zero.


 — Onde eu 'tô? — perguntei. Eu estava zonzo e numa sala toda branca, tentei levantar mas estava preso à uma maca.

Virei a cabeça 'pra olhar a sala, era branca, grande e vazia... vazia e solitária, mas eu não me sentia só. Tinha alguém me observando.

Procurei por câmeras, tinha duas nas extremidades da sala e uma em cima da porta, estavam camufladas, provavelmente para ninguém notar.

Eu sentia frio e minha boca seca, tinha cabelo na minha cara e eu consegui sentir gosto de sangue também. Fiquei parado e tentei me distrair, mas eu ouvia gritos e aquilo me perturbava.

Respirei fundo, procurei aliviar a tensão. Mas eu estava suando. Suando muito.

— Tem alguém aí? — falei alto e esperei uma resposta, de repente ouvi um estrondo, eu congelei na hora.

Quando um barulho agonizante preencheu a sala eu desejei não ter ouvidos, aquilo doeu no meu corpo todo, parecia uma tortura.

"Bem vindo ao dia zero! Na sua rota você deverá sobreviver durante o tempo que ficar aqui! Se sobreviver, estará livre, se não sobreviver… bom você já deve ter entendido"

— Dia zero? Rota? Sobreviver? Do que você 'tá falando? — comecei a perguntar desesperado por respostas.

"Hahahaha! Parece que encontramos uma presa curiosa! Que doce, ele não faz ideia de onde está"

— Quem é você? — droga, estou suando novamente. Isso está me dando calafrios.

"Não deve saber. Mas me diga, inocente criança, qual seu nome?"

— Não deve saber. — retribui a resposta, mas fiquei com medo logo depois de dizer.

"Hm, garoto esperto… cabelo de brócolis, você não deveria ser mais paciente considerando a situação que está?"

— Cabelo de brócolis? Isso é o que um sequestro ou uma sessão de bullying dos anos 90? — por que de repente eu tenho coragem 'pra falar nesse tom?

"Hahahaha! Você paga de corajoso, mas eu sei que no fundo 'tá com o cu tão trancado que não passa nem sinal de wi-fi"

— Quando foi que as coisas partiram pro lado de falar informal assim? — eu estava começando à criar mil e uma paranóias na cabeça, mas tentava manter a calma.

Geralmente quando estou nervoso murmuro sozinho para encontrar uma solução, mas isso nem solução tem, eu 'tô literalmente acorrentado numa maca dentro de uma sala com um louco brincando com a minha mente.

"Ah, não seja careta! Temos quase todos a mesma idade. Mas eu não te devo satisfações, só o que vou dizer é que alguém virá aí para te dar as instruções de circulação. Boa sorte, cabelo de brócolis"

Instruções?

A porta abriu, e lá uma mulher apareceu sorrindo 'pra mim.

— Seja bem vindo ao nosso lar! Oops, parece que você está machucado… não te trataram bem? — tem sangue na roupa dela, por que parece tão calma com isso? — AH, não me apresentei! Eu sou Himiko Toga e vim passar as instruções!

— Instruções de circulação? — perguntei quando vi ela se aproximar.

— Uhum, uhum… você é esperto! E tem uma pele muito delicada… parece… porcelana! — a tal Himiko parecia admirada com a minha pele de porcelana, até começou a acariciar meu rosto.

— Ahn, obrigado? Mas por que você veio dar as instruções? Você trabalha aqui, Himiko? — eu tinha que ser cuidadoso Toga parecia instável.

— Aaah, não, não, não! Eu sou como você! Só que hoje eles me escolheram para te ajudar! E eu 'tô muito feliz por ser escolhida! — Toga deu pulinhos de alegria, sorriu e riu enquanto eu a encarava curioso.

— Eles quem?

— Oops, falei de mais por hoje! A minha única tarefa hoje é te tirar da sala e passar as instruções, nada mais! — acho que fiz besteira, ela parecia brava. — Não tente me manipular, porcelana! Eu posso te machucar!

— Eu n-nem pensaria nisso… — fiquei ainda mais nervoso quando ela apontou uma faca 'pra mim.

Que tipo de lugar é esse?

— Ah, então 'tá bom! Então agora vou tirar você daí, porcelana. — ela me soltou sorrindo. Alegre de novo? Interessante… — Prontinho! — me ajudou a levantar.

Mas eu continuo zonzo então não consegui ficar de pé sozinho.

— Por que você tá no chão, porcelana? O caminho não é aí! Sua habilidade é comer chão? Tira a boca aí é sujo! — ela me levantou e me levou até a porta.

Não tinha ninguém nos corredores, não tinha ninguém em lugar nenhum… Himiko me levou até uma outra sala e me mandou entrar.

— Aqui toma um banho e troca a roupa pela farda, você tá fedendo tanto que parece um gato morto! — depois que ela falou me entregou uma muda de roupas e me empurrou 'pra dentro da sala.

Uma farda… então estou num internato? Nem começou e já quero sair, esse lugar me dá arrepios...


Notas Finais


Então foi isso, neah
Obrigado pra quem leu ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...