1. Spirit Fanfics >
  2. Manual de como ser um bom pai (Au! Changjin) >
  3. Lição um: não cutucar a barriga do bebê enquanto ele come

História Manual de como ser um bom pai (Au! Changjin) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


opa, eu pensei que ninguém ia ler isso aqui, chocada ksksksks
Obrigada por chegarem até aqui, divirtam-se
ps: se tiver erros eu vou corrigir depois

Capítulo 2 - Lição um: não cutucar a barriga do bebê enquanto ele come


Fanfic / Fanfiction Manual de como ser um bom pai (Au! Changjin) - Capítulo 2 - Lição um: não cutucar a barriga do bebê enquanto ele come

[Lição um: não cutucar a barriga do bebê enquanto ele come] 


Seo Changbin, 22 anos, sucessor do ex CEO Seo Hyunbin — Um importante e renomado arquiteto de Seul, e único filho. Changbin ajudava o pai com a sua empresa no horário em que não estava na universidade [Onde cursava Engenharia], ou na farra com seus amigos. Sua vida era agitada e normal para um adulto coreano de classe média. Desde pequeno sempre foi muito inteligente e focado nos estudos, é claro, substituiria seu pai nos negócios e precisava se preparar desde cedo. Durante seu ensino médio, não havia algo anormal, sempre foi calado, nunca discutia e nem se metia em confusão, era sempre ele e Hwang Hyunjin, cuidando um do outro. Mas no Ensino superior, fora onde conheceu os amigos farofeiros de hoje em dia. Primeiro veio Christopher Bang, seu colega de classe inteligente e bobo, que sempre fazia graça para todo mundo rir e carregava muitos pirulitos em seu bolso, os comendo quando estava nervoso. Sentavam ambos em cadeiras próximas e tudo começou por causa de uma caneta emprestada pelo Bang, Changbin, não negou, e desde então, eles eram dupla em tudo. O segundo foi quem trouxe foi Hyunjin, ele cursava dança na mesma universidade [Em blocos diferentes], e o apresentou Lee Minho junto do seu irmão Felix e também Han Jisung. Changbin havia ido com a cara deles imediatamente, então sempre que podiam, vadiavam juntos. O terceiro e último foi pelo destino, Woojin era estagiário na empresa do seu pai e também cursava letras na UNI. A amizade deles começou com o Kim zoando a altura do Seo que não conseguia alcançar o livro da prateleira, não havia gostado, é claro, nunca curtia piadinhas envolvendo a sua altura e achou o Woojin chato. Ele era um estagiário grudento e não calava a boca um minuto, mas apesar de tudo, servia como um ótimo conselheiro. Woojin de brinde presenteou o grupo com o seu irmão mais novo, Seungmin, o bebê do grupo ou cachorro pequeno que latia e mordia. Sério, Minie tinha a aparência fofa, mas cuidado, esse cão morde. E era desse jeito que o bonde ia se reunindo na casa de Changbin. Sempre saiam para comer juntos, dançavam juntos e bebiam juntos. Changbin raramente pegava alguém nas baladas da vida, só tinha olhos para o belo Hwang que nem parecia notar o seu penhasco ou ele fingia muito bem. Acontece que, por pura pressão dos amigos ridículos, ele foi desafiado a tentar chegar em Lisa. Changbin se surpreendeu com a garota legal daquela noite e resolveu ficar no bar para conversarem e beberem mais. Papo vai, papo vem, decidiram ir a casa do Seo, já que ele morava sozinho, mas Changbin não lembra se eles usaram ou não a droga do preservativo. 

O quão doido é uma garota aparecendo na sua porta quatro meses depois de ter parido e praticamente "largado" o bebê que nunca teve nenhum contato com o pai? 

Seo Changbin estava ferrado. 

— Mas que merda é essa? Felix onde você conseguiu essa criança? 

Hyunjin pergunta assustado ao ver seu Hyung desmaiando e um Lee com um bebê chorão erguido no ar. 

— Eu não sei de nada, Changbin foi quem pediu para eu segurar

O australiano dá de ombros e Hyunjin xinga baixo, pedindo ajuda dos sóbrios para ajudarem a carregar Changbin até o sofá. Woojin foi o único que conseguiu se mover

— Faz esse bebê parar de gritar, minha cabeça dói 

Christopher choraminga, se agarrando em Jisung e em Seungmin. 

— Eu não sei como, seu gado

Mais uma vez, Felix sacode o pobre bebê, enquanto Hyunjin e Woojin jogam o mais novo papai no sofá. O Hwang eleva as pernas do Seo acima do tórax, pede a woojin que vire a cabeça do Hyung para o lado e afrouxa suas roupas, vendo o Bin recobrar a consciência aos poucos. 

— Agora pega um pirulito do Channie hyung 

Com um sorrisinho, Woojin vasculha os bolsos da calça do Australiano que cai na risada, sentindo cócegas onde quer que o Kim apalpava. 

— Aqui

Hyunjin descasca todo o doce e ajuda Changbin sentar, colocando na boca dele logo em seguida. 

— Aish, eu não aguento mais esse bebê chorando

Minho reclama, meio sóbrio, meio doido, porém atento. 

— Lix, segura ele direito. Está desconfortável assim

E não era para tanto! O menino estava de cabeça para baixo, logo sendo erguido e colocado sentado sob o ombro do Australiano mais novo. 

— Okay, Changbin-ah, quem sou eu? 

Hyunjin segura os ombros do mais velho e finge não engolir o seco com o olhar profundo a qual lhe encarava. 

— Amor da minha vida… Digo...Meu dengo… Hyunjinnie (?) 

O Hwang sente as bochechas queimarem por conta das risadas dos outros e respira fundo, tentando não enche-lo de beijinhos. 

— Certo, e quem é aquele ali? 

Vagarosamente, Jin segura as duas bochechas do Seo e vira a sua cabeça na direção em que o bebê soluçava. Changbin imediatamente se afasta, estupefato ao ver que tudo era mesmo real. 

— O que foi? Quem é ele nanico? 

Menos doido, Minho questiona o que todo mundo queria saber, esperando a resposta ansioso. 

— Meu filho (?) 

— Não sei, é? 

— É? 

— Caralho, Changbin, para de graça e fala logo a verdade 

Chan estava começando a ficar nervoso e era por isso que chupava um pirulito atrás do outro. Felix ao ouvir o palavrão, tampou o ouvido do pequeno garoto que ficou confuso com a ação e parou de chorar por um tempinho. 

— Ei, respeitem o bebê! 

— COMO ASSIM O FILHO DA MÃE É PAI? 

Sungie grita se jogando em Changbin, que o estapeia e o empurra para fora do sofá. 

Jeongin começou a chorar novamente 

— Ai merda, minha cabeça não aguenta mais

Seungmin resmunga se escondendo no Lee mais velho e coloca o travesseiro sob a sua cabeça, a fim de não escutar mais nada. 

— O que é? Por que ele não para de chorar nunca? 

Woojin se questiona e faz Changbin se levantar. 

— Anda, Changbin, verifica a fralda e vê se há algum sinal de caquinha. 

Confuso, Binnie se aproxima do bebê e encara todo o corpinho dele, coberto por um pijama de jacarézinhos. 

— O que é fralda? 

— Mas tu é burro! 

Todos eles dizem em uníssono e pacientemente, Hyunjin pede que Changbin desça o feixe-clair que ficava na parte de trás da costa até o final da coluna. 

— Agora você afasta o elástico da fralda e dá uma olhadinha. 

Temendo, o Seo faz o que o melhor amigo pede. Ele tampa o nariz com uma mão e a outra puxa devagar o elástico da fralda, dando uma bisbilhotadinha. 

— Ufa, não tem nada. Se não é isso, o que é então? 

Ele se questiona e uma lâmpada acende na cabeça de Woojin em um piscar de olhos. 

— Já sei! Deve ser fome. É isso, Changbin você precisa explicar como essa loucura toda aconteceu, mas agora só alimente este garoto. 

— A gente pode dar pizza pra ele, ainda tem. Ou então, frango frito

Jisung dá ideia que é imediatamente negada, recebendo vários petelecos na testa por ser tão besta. 

— 'Tá doido? Ele parece tão novinho e nem tem dente. Isso não deve ser comida para ele ainda

Mesmo falando a verdade, Felix afasta o lábio do bebê para baixo, vendo somente a gengiva sem nenhum sinal de dentinho. 

— Olha, tem uma bolsa azul aqui, deve ser dele (?) 

Channie revira todo o objeto e tira de lá uma pequena sacola com a possível mamadeira e a massa de mingau do neném. 

— 'Tá, agora como é que faz isso? 

Mais uma vez, eles respiram fundo com as perguntas de Changbin. 

— Se o Changbin é pai mesmo e não sabe nem o que é uma fralda, esse garoto não vai sobreviver um dia

Seungmin tira graça do Hyung, que revira os olhos. 

— Hyunjin, segura o bebê, Changbin irá fazer o mingau logo, então por alguns minutos, tenta distrair ele. Daqui a pouco vamos ser denunciados pelos vizinhos que já devem estar pensando que estamos judiando do bebê porquê puta que pariu, esse garoto chora meu pai. E você, vem logo

Woojin aponta para o Seo que tem os ombros murchos e pega a sacolinha, indo até a cozinha, atrás do Hyung. 

— O que tenho que fazer, Woojin hyung? 

— Uh, primeiro, coloca um pouco de água em uma panela e põe para ferver

"oxi, fácil, fácil", foi o que Changbin pensou e separou uma panela pequena, enchendo com um pouco de água e levando até o fogão. 

— Pegue uma colher, um copão daquele que você sempre usa e faça a mistura da massa.

Changbin pega todos estes citados e Woojin tira as coisas da sacola, lavando a mamadeira e a colocando na secadora. 

— Changbin-ah, você precisa decorar essa ordem. Como aparentemente o bebê está sem a mãe para dar o leite materno, o jeito vai ser suprir com o mingau caseiro. Então, coloque quatro colheres de massa, depois o leite vegetal e misture bem. Depois que fizer isso, adicione a água morna. 

— Ok, certo, eu posso fazer isso. Mas… Não se pode adoçar? 

— Não é tão necessário ainda, ele é muito novinho para diferenciar os sabores ainda. 

Changbin murmura um "ok" e adiciona a água morna no copo, parando assim que Woojin achou que estava bom. 

— Mexa novamente e coloque este líquido dentro da mamadeira

— Eu pensei que seria aqui mesmo, hyung 

— Changbin, 'tá doido? Quantos meses ele tem? 

— Uh? Quatro

— É tudo na mamadeira, ouviu bem? Céus

Dando de ombros, o Seo faz tudo direitinho e já ia saindo da cozinha, mas logo fora barrado pelo puxão do Hyung em sua camisa. 

— O quê? O que foi agora? 

— Ainda não acabou. Você precisa testar se o mingau está muito quente. Quer queimar o seu bebê? 

— Ah, mas isso é moleza! 

Woojin gritou quando Changbin ia fazer menção de tomar o líquido e deu um tapa na sua mão, respirando fundo mil vezes para não matar o dongsaeng. 

— Você disse para eu testar! 

— Mas não desse jeito, anta. Você tem que pingar uma gota na costa da mão 

"aahhhhh", Changbin clareou mais a mente e sorriu amarelo para o Hyung. E enquanto os dois providenciavam o alimento do bebê, o povo aleatório da sala se desdobrava para fazê-lo rir. Christopher se aproximou como quem não queria nada e colocou um pirulito recém aberto próximo ao rosto do bebê que ergueu as mãozinhas para querer pegar. 

— Uma lambida

Ele sussurra e oferece ao bebê que receoso segura nas mãos do Australiano, fazendo careta ao sentir o gosto. 

— Chan Hyung! 

Lix e Hyunjin gritam juntos, fazendo cara feia para o loiro que mais morre de rir. 

— Qual é? Ele gostou, olha a cara dele. E tem mais, o garoto só triscou mesmo

Hyunjin revira os olhos e passa a mão pela costinha do bebê, acalmando-o, porém gostando de ver como suas bochechinhas eram fofas e vermelhinhas. Jisung começou a cantar uma musiquinha de ninar que havia acabado de criar na cabeça e Jeongin pareceu gostar da voz dele. 

— Aliás, qual o nome dele? 

Seungmin questiona 

— Eu escutei Jeongin, então deve ser esse

Quando Felix termina de falar, Changbin finalmente aparece com a mamadeira já feita e senta no sofá, estendendo-a para Woojin. 

— O quê? Você é o pai, você que lute

O Seo choraminga, se debatendo todo e faz bico como uma criança mimada. 

— Waaee? Hyung, eu não sei segurar uma criança e muito menos dar de mamar

A sala toda ri e Changbin bufa, colocando a mamadeira em cima da mesinha do abajur. 

— Pois irá aprender agora. Senta direito. Hyunjin, traga o bebê 

Os dongsaengs ficam maravilhados quando Woojin comanda tudo e riem de Changbin pegando o bebê de um jeito torto. 

— Cuidado com a cabeça dele, Bin-ah

Hyunjin ajeita Jeongin nos braços do pai e coloca a fralda de pano abaixo de seu pescoço para não sujar. 

— Beleza, agora é só abrir a mamadeira e ver se ele gosta. 

Changbin se sentiu estranho ao ter aquele pequeno ser em seus braços, olhando-lhe com seus pequeninos olhos brilhantes ao que abocanhava o bico da mamadeira. 

— Nossa, que calafrio, nunca pensei que iria presenciar isto

Jisung passa as mãos pelos braços e chacoalha a cabeça. Os meninos estavam vidrados em Changbin dando de mamar ao pequeno, cada um se sentindo de um jeito. Hyunjin sorria feliz, por algum motivo, sentia seu coração esquentar com a cena. 

— Uau, ele acabou tudinho. Só podia ser filho do Changbin nanico mesmo

É claro, Minho não perdia uma oportunidade. 

— Agora que ele terminou, apoie-o no seu ombro e peitoral, e bata levemente na costinha dele, com a mão aberta até ele arrotar. Não o sacuda ou então ele vai vomitar em você 

Changbin faz careta e faz o que o Hyung havia dito, suspirando quando o neném arrota rapidamente. 

— 'Tá, agora é aquela hora em que o Changbin explica o por quê de ter um bebê aqui

Channie inicia o debate e cada um deles senta um do ladinho do outro, a fim de ouvi-lo. 

— Eu não sei, ok? É tudo muito confuso ainda. Lembram da Sooyeon? Aquela do cabelinho picotadinho que vocês me desafiaram a puxar conversa no bar? 

Alguns emitem um "Lembro", outros apenas resmungam "Não faço ideia de quem é essa". Esse último foi o Hyunjin. 

— Então, ela veio aqui hoje me entregar o Jeongin. Disse que fizemos coisas sem proteção e quando foi ver, estava grávida do Jeongin. Ele só tem quatro meses e a bicha disse que já o aguentou por muito tempo. Então ela largou ele aqui e é isto

— Mas que filha da puta! 

Seungmin estava bravo 

— Quem tem coragem de deixar o próprio filho com o Changbin? 

Minho pensa alto e é calado por uma pescotapa de Christopher, choramingando por que havia doído. 

— Oh, Hyung, ele dormiu 

Felix sussurra baixinho, ajeitando o cabelinho do pitico. 

— Certo, vamos fazer o mesmo. Está tarde e o domingo vai ser longo

Changbin boceja e levanta cuidadosamente com o bebê ainda no mesmo local de antes. Cada um se despede do dono da casa e vão até o segundo andar para pegar os colchonetes já que dormir na sala era tradição. Changbin iria dormir com o bebê no quarto para evitar aborrecimento e choro aos seus amigos. Hyunjin o acompanhou, carregando consigo as coisas que a mãe doida havia deixado. 

— Espere um pouquinho, eu vou ajeitar aqui, hyung. 

Hyunjin deixa as coisas em um canto no quarto e puxa as cobertas da enorme cama, fazendo um montinho para o bebê. Quando tudo está pronto, desajeitadamente, Changbin coloca-o bem no meio e Hyunjin cerca o bebê com o travesseiros pois vai que Deus o livre, ele rolasse e rolasse até cair. Cruzes

— Woah, estou cansado

Bin senta na beirada da cama e sente seus ombros serem massageados pelo dongsaeng. 

— O que você vai fazer agora? 

— Não tenho ideia, eu não sou muito novo para ser pai? E se ele for meu mesmo? Jinnie, eu não sirvo para isso, eu nunca sequer me aproximei de crianças. Minhas perguntas são tão idiotas, mas é porque eu não tenho ideia para onde vai. Não tem um manual de como ser pai, não? 

— Se acalme, uh? Nós vamos te ajudar, não se preocupe. Não existe manual de como ser um bom pai ou ser uma boa mãe, as pessoas só aprendem com o tempo. Você vai fazer o teste?

— Só quero ter certeza, apesar de que ele parece muito comigo quando eu era pequeno

— Isso é verdade 

Os dois riem por um momento e Changbin acaricia o rosto do dongsaeng. 

— Eu vou te ajudar em tudo o que precisar, acredite. Já que ele está aqui, vai receber todo o amor do mundo. Agora, chega de pensamentos negativos, tome um banho e vamos dormir, por favor 

Sorrindo, Changbin assente e deixa um selo tímido nos lábios bonitos do Hwang. 

— Obrigado por tudo


(...) 


O casal de melhores amigos conseguiu dormir por algumas horas, e quando deu 6 da manhã, Jeongin acordou choramingando, sentindo-se incomodado e atolado. Hyunjin que estava dormindo nos braços do Seo, bateu nele para que acordasse rapidamente, antes que o choro se intensificasse ainda mais. O baixinho um tanto desorientado, levantou-se do colchonete em que estava e andou até a cama principal, pegando o bebê no colo com apenas um olho aberto. Changbin bocejou e encarou o pequeno chorão a sua frente. 

— Você poderia acordar mais tarde, uh? É de madrugada ainda. O que foi dessa vez? 

Hyunjin queria rir do diálogo do Hyung com o bebê, mas achou fofo demais para simplesmente interromper. 

— o quê? Por quê está fazendo essas caretas estranhas e repetindo "eh, eh"? Jinnie, será que ele 'tá passando mal? 

Hyunjin levanta e vai até os dois, vendo o desconforto do bebê e suas caretas irritadas. 

— Ah, ele deve estar irritado com algo. Será que fez cocô? 

— Ai não, amor. Eu vou ter que limpar a caquinha de bebê? Não quero. 

Changbin faz tanta birra que nem se toca do que havia chamado Hyunjin. Por outro lado, o garoto sorriu tímido e suspirou. 

— Mas é o seu bebê. Ele vai chorar mais se não for limpo. Vem, eu te ajudo

— Aish

E reclamando, Changbin segue Hyunjin até o banheiro, colocando o bebê em pé sob a pia de mármore e tendo ajuda para retirar sua roupinha. 

— Ai jesus

Ele murmura. Os dedos tremendo ao rasgar a lateral da fralda poko e o cenho franzido, temendo encontrar algo estranho e fedorento. 

— Puta que pariu, garoto!

Changbin faz menção de vomitar, mas Hyunjin e o bebê só dão risada da cara dele. 

— Deixa de besteira, hyung. O cocô nem fede. Tira logo essa fralda antes que ele se suje ainda mais

Changbin entorta o nariz e enrola toda a fralda suja, jogando-a no lixo. Hyunjin imediatamente ergue o bebê no ar para ele pegar. 

— Agora tem que lavar

— Me livra dessa, vai? 

— Não mesmo, hyung. Você precisa aprender

Aff, Changbin pega o garoto e Hyunjin afasta o vidro do box para que os dois pudessem entrar. Usando a ducha, Changbin apoia Jeongin na sua perna e faz careta ao ver toda a sujeira ir ralo abaixo. Hyunjin entrega o sabonete líquido infantil que havia nas coisinhas do Jeon, e pede que Changbin o lave com cuidado. 

— Changbin hyung, nunca pensei que te veria desse jeito, mas é bem fofo

Hyunjin diz baixinho, o que faz Changbin sorrir e lhe olhar

— É estranho, não é? Eu sei, fico ótimo na posição de pai, uh? Me diga, eu estou bonito? 

— Horrível, e tem baba seca na sua bochecha

O Hwang ri da cara de tacho do Seo e pega uma toalha limpa, enrolando Jeongin ali quando ele termina o banho. Aparentemente, o bebê estava tranquilo agora que não sentia mais nenhum desconforto. 

— Você é mais bonito quando não chora 

Changbin pincela o nariz do pequeno que agarra seu dedo, deixando o suposto papai sem reação. 

— Changbin-ah, tem algumas roupinhas aqui, mas você vai ter que providenciar as coisinhas para ele o quanto antes. Aqui, vista-o

Hyunjin deixa separado um par de roupas em cima da cama, junto da fralda, pomada para assadura e o talco. 

— O que é tudo isso? 

— Isso é uma fralda calção, para você não ter tanta dificuldade com as comuns, é só vestir nele como se fosse um mini calção. Isso aqui é pomada para assadura. Está vendo essas dobrinhas de gorduras que ele tem? Você passa aqui e espalha nessas marcações da virilha. Após isso, vem o talco, você joga um pouquinho e depois finaliza, colocando a fralda nele. Decorou? 

Hyunjin explicava tudo, apontando para cada coisinha com cuidado, fazendo Changbin decorar os três principais elementos. 

— Bem, acho que sim. Deixa eu ver, primeiro a pomada, ok

Concentrado no pai, Jeongin segura os fios de cabelo dele e os puxa, fazendo-o reclamar e tirar suas mãozinhas dali. 

— Seu pestinha! 

Hyunjin dá risada e arregala os olhos quando Changbin aperta o frasco de talco forte demais, deixando uma grande quantidade cair. 

— Hyung! Era só um pouco, aish. 

Hyunjin ajuda a espalhar o talco por todo o corpinho do bebê e Changbin enfim coloca a fralda nele, junto do macacão amarelo depois. 

— Ele é muito fofinho, não é? Qualquer roupinha fica boa nele

Hyunjin comenta, pegando o pequeno no colo e lhe esmagando em um abraço. 

— Ok, fica com ele um pouco. Preciso de um banho pra despertar e eww, meu hálito cruzes

— Hahaha, eu não ia comentar nada né 

— Nem vem, Hwang 

Changbin murmura, voltando para o banheiro e Hyunjin brinca com as mãozinhas de Jeongin, se derretendo todo pelas bochechinhas dele. 

— Certo, você deve estar com fome, uh? Mas o que um bebê de quatro meses come? 

Hyunjin se assusta quando o bebê ri, provavelmente por causa da sua cara confusa e logo sorri. 

— Aigoo, Aigoo, tão fofinho. Vamos lá, vamos preparar algo

Ele pega o celular em cima da mesinha, um brinquedo molengo que havia encontrado na bolsa do bebê, e caminha para o andar debaixo, dando de cara com o embolado de corpos no chão da sala. Hmm, parece que Jisung gostava de dormir grudadinho no Felix hehe. Hyunjin com certeza iria tirar graça com eles dois depois. O Hwang senta na cadeira e apoia o bebê em seu colo, procurando o que eles deveriam dar a um bebê de quatro meses que já não tinha mais o leite materno para lhe suprir. 

— Oh, papinha doces podem ser inseridas na sua alimentação, bebê. 'Tá ai, é fácil e com certeza o Hyung deve ter bananas por aqui 

Hyunjin segura o bebê de lado em um só braço e se levanta para lavar a mão. Logo em seguida, ele vai até a geladeira e tira de lá um cacho de banana, depositando em cima da bancada junto de uma tigela e um gargo. 

Ele apoia uma das bananas na mão ocupada com o bebê e com a outra começa a descascar, sentindo Jeongin lhe abraçar pelo pescoço e deitar a cabeça em seu ombro. 

— Oh… É confortável, não é? 

Hyunjin sorri bobo e amassa as bananas com o gargo até que ficasse cremosa e sem grumos. Isso demorou um tempinho já que o jovem só usava uma mão, mas quando ficou pronto, ele ficou satisfeito. 

— Espero que você goste 

Novamente, Hyunjin senta o bebê de lado em seu colo e pega um pouco da consistência na pequena colher fazendo aviãozinho. Jeongin ri encantado e abocanha a papinha, fazendo yummy yummy, aparentemente gostando. 

— Gostou né? Eu sou incrível, diz aí 

Changbin estava derretendo de amor ao ver a cena, encostado na porta da cozinha. Como que Hyunjin podia ser tão perfeito assim? Ele realmente é único

— Changbin-ah, olha só, eu fiz papinha e ele gostou

Hyunjin olha para trás e vê o Seo parado lá, chamando-o para que visse de perto. 

— Iti que ele come muito bem

Hyunjin faz mimos para Jeongin e ele pensa que o bebê já gosta dele só pela forma como olha-o. Jeongin era curioso e gostava de olhar ao redor, prestava atenção nos detalhes minúsculos e se ele gostasse de você, ele segurava o dedo da sua mão. Bem, pelo menos era o que Hyunjin havia notado nas últimas horas. 

— Ele é tão fofo

Changbin murmura, cutucando a barriguinha do bebê que inesperadamente cospe papinha no seu rosto. 

— Hyunjin-ah, esse bebê não gosta de mim! 


E tudo o que o Hwang fez fora rir de seu Hyung que se limpava, enquanto o próprio Jeongin soltava gritinhos animados. 

Está incluso no manual de ser pai levar papinha cuspida no rosto? 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...