História Marcados - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Astoria Greengrass, Daphne Greengrass, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Horácio Slughorn, Luna Lovegood, Minerva Mcgonagall, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Personagens Originais, Ronald Weasley, Rúbeo Hagrid
Tags Draco, Dracoxhermione, Dramione, Harry Potter, Hermione
Visualizações 180
Palavras 3.002
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Luta, Magia, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Voltei amores! E voltei com uma one Dramione chamada "Pergaminho" quem puder passar lá agradeço.

Agradecendo aos favoritos:


madinha21
Gasai_Yuno123
alessandra_isa
JuliaSm05
LearaPrince
aninha_amore
Tooka

Boa leitura!

Capítulo 30 - Jantar


Fanfic / Fanfiction Marcados - Capítulo 30 - Jantar

Com seu recém-readquirido livro Hermione encaminhou-se para o seu quarto de hóspedes na casa de Draco.

Não foi surpresa para ela quando o descobriu imenso, como quase tudo naquela casa. Assim como o estilo dos demais cômodos ele era dotado de uma decoração sofisticada e moderna, clara e iluminada (neste momento por luzes douradas e brancas espalhadas pelo quarto). A cama possuía um dossel finíssimo que encontrava-se enrolado na parte superior do suporte já que no frio ele caía em desuso.

Parando para pensar Hermione notou que muitos dos detalhes decorativos lembravam bastante à arquitetura e design trouxas e perguntou-se se seria essa realmente a fonte que Draco usara. Balançou a cabeça com o pensamento, Draco ainda estava engatinhando no que se tratava do mundo trouxa.

Apesar de belo, o quarto de hóspedes era extremamente impessoal. Seria facilmente um modelo de quarto de hotel cinco estrelas, mas, como os mesmos, não trazia a lembrança de ninguém entre suas paredes.

Passou a mão pela seda dos lençóis e apoiou seu presente no criado mudo preto e branco ao lado da cama.

Ao fundo da cama observavam-se duas enormes portas de vidro que davam para sacadas. Hermione escolheu a da esquerda e a abriu saindo do quarto. A vista era incrível, “suas” sacadas davam de frente para os jardins iluminados do fundo e o bosque (o qual só conseguia enxergar o vulto depois que o sol sumiu no horizonte), ao longe ainda podia ver luzes bruxuleantes, provavelmente onde estava a biblioteca, com certeza qualquer trouxa que visse isso acreditaria nas velhas lendas dos espíritos da floresta.

- Gostou da vista? – ela ouviu a voz arrastada dele perguntando atrás de si.

Draco estava apoiado no batente da porta com um pacote de roupas em mãos. Parecia tão relaxado e a vontade apesar de estar impecavelmente arrumado, tão diferente da pessoa oprimida e tensa que ele era em Hogwarts desde que voltara, que Hermione não conseguiu deixar de sorrir ao vê-lo ali.

- Não te ensinaram a bater na porta? – ela atormentou-o, mas ele não mordeu a isca, apenas deu de ombros. – A vista é incrível, não entendo porque esse não é o seu quarto, duvido que qualquer lugar da casa tenha uma vista dessas.

Draco não respondeu a pergunta indireta, em vez disso falou o que o trouxe até ali.

- Temos um problema sobre suas roupas. – ele falou.

- Sim, temos. Elas não estão aqui, vou ter que esperar Leia chegar com a mala ou talvez aparatar na casa dela para busca-la antes do jantar. – mas, ao mesmo tempo em que falava, pensou que se Damien estivesse na casa da amiga não seria uma boa ideia literalmente aparecer no ar e mata-lo de susto.

- Eu separei algumas roupas minhas, você poderia usar um feitiço redutor para caber em você, mas... – e ele desviou os olhos para outro lado, não por vergonha, mas por saber a reação que viria da garota. – iria faltar peça de qualquer forma. Acho que vamos ter que ir buscar a Gardner mais cedo.

E Hermione enrubesceu ao acompanhar o pensamento do loiro, não havia nenhuma peça de lingerie que pudesse substituir a que estava em seu corpo.

- Acho que sim, eu posso ir com Teddy enquanto você toma um banho e descansa um pouco. – ela ofereceu.

- Claro. – ele respondeu e apertou um pouco mais os dedos nas roupas que trouxera e trazendo-as mais perto de si. – Tudo bem.

Ele já estava se virando para o corredor quando Hermione chamou-o de volta. Algo dizia a ela que não estava tudo bem.

- Será que eu poderia ficar com o colete de lã? Não tem nenhum suéter na minha mala. – ela falou dando um passo em direção a ele.

Ele deu um ínfimo, mas notável sorriso de lado.

- Claro, ele é bem quente mesmo sem as mangas. – Draco falou e se sentiu um idiota por dizer algo tão óbvio.

- Obrigada. – ela respondeu tirando a peça cinza chumbo das mãos dele. – Teddy está com a Aysha?

- Sim, na sala dormindo, acho que nem precisa leva-lo, está frio lá fora, se ele acordar eu posso ficar com o chorão até você voltar. – o rapaz respondeu.

- Eu consigo aparatar diretamente daqui? – ela perguntou.

- Sim, mas quando vier vai precisar aparatar Leia com você ou os feitiços de proteção irão jogá-la longe.

- Certo, nos vemos em meia hora. – e com isso Hermione desapareceu no ar ao fechar os olhos.

Quando a morena abriu-os novamente estava no quarto da amiga.

- Leia? – chamou baixinho, não sabendo se a amiga estaria com visitas ou não.

Não obtendo resposta começou a recolher com o braço bom seus sapatos que estavam embaixo da cama da amiga e abriu a mala.

Jogou seu próprio suéter vinho no fundo da mala de onde não o retiraria nos próximos dias. Enfiou os sapatos em um saquinho plástico e colocou-os na mala fechando-a.

- Meu deus! – ela ouviu antes das luzes serem acesas.

Leia estava enrolada em sua toalha de banho com os cabelos molhados pingando no tapete do quarto, como Hermione ouvira a mãe dela falar para a mesma não fazer na noite anterior.

- Desculpe, não sabia se seu irmão estava em casa e eu precisava pegar a mala. – Hermione falou quando a amiga abaixou a varinha. – E pare de molhar o tapete ou sua mãe vai enlouquecer.

Leia pegou a varinha e secou seus cabelos de uma forma invejável para Hermione, que nunca vira na adolescência a necessidade de aprender tais feitiços, agora ela achava que deveria aprender alguns ao menos.

- Vou me arrumar rapidinho. Vai ficar na casa dele então? – Leia presumiu já que ela realmente viera buscar a mala.

- Você vai ver o tamanho do problema quando chegar lá. – Hermione sorriu ao pensar o quanto Leia atormentaria Draco pelo seu motivo de emergência.

A lufana trancou a porta do quarto e começou a se trocar apressada.

- Será que esse vestido está bom? – Leia perguntou mostrando um vestido preto com babadinhos.

- Leia é só um jantar na casa do Draco, seremos apenas nós três, eu vou vestir jeans e blusa. – Hermione falou rindo.

- Eu sei, mas é diferente. – ela respondeu.

- Não vejo como.

- Apenas diga, o vestido está bom ou não? – Leia perguntou não querendo esclarecer algo que não lhe pertencia.

- Você vai ficar linda nele. – Hermione respondeu sinceramente. – Mas se colocar saltos vou bater em você.

Leia riu em resposta e puxou um all star vermelho do guarda-roupa.

Quando as meninas finalmente desaparataram no hall da casa de Draco, o cheiro maravilhoso do jantar já podia ser sentido.

- Ele deve estar na sala de estar. – Hermione apontou para o cômodo ao lado enquanto subia a escada com a mala. – Vá dar um oi para ele e para o problema urgente, eu já venho vou tomar um banho.

Hermione se despiu e aplicou um feitiço impermeabilizante nas faixas do ombro que havia sido deslocado se perguntando se mesmo com magia ele demoraria para ficar bom. Tomou um banho bem quente, daqueles que deixavam a pele rosa, afinal estivera fora da casa aquecida por magia usando apenas uma blusinha fina e já estava com muito frio quando voltaram.

Por fim vestiu-se com uma jeans e uma camisa de mangas compridas cor cinza claro. Por cima colocou o sweater cinza escuro de lã. O perfume de Draco encheu seu nariz, mas ela não se importou.

Quentinha e limpa, foi assim que Hermione desceu para jantar com seus amigos.

- Sério que essa era a emergência dele? Você devia tê-lo deixado sofrer pelo menos mais um dia Hermione. – Leia riu quando viu que a amiga voltara.

- Você é cruel Gardner, se visse como ele é acordado quando ela não está aqui. – Draco falou olhando para dentro do carrinho checando se o pequeno realmente dormia bem. – Nem os aurores queriam mais ficar perto de casa.

- E esse vestido de lã? Cadê seu sweater vinho? – Leia perguntou ao ver a amiga sentando em uma poltrona do outro lado do carrinho.

- Achei que tinha colocado na mala, mas ontem me dei conta que não. – Hermione mentiu e Leia fingiu acreditar. – Draco me emprestou o dele.

- Pode encolhê-lo se quiser. – ele falou.

- Está bom assim, não precisa. – Hermione respondeu.

Os três então engataram em uma conversa amena sobre coisas simples e planos em curto prazo do que fariam no futuro e sobre o N.I.E.M.’s que logo estaria aí, planejaram até mesmo estudar juntos, o que fez os olhos de Leia brilharem ao pensar no reforço de poções maravilhoso que ambos haviam dado para ela.

Então um som estranho tocou e Draco olhou para os lados procurando a origem até perceber que vinha de um objeto retangular que Hermione levava ao ouvido.

- Oi Harry. – ela falou para o espanto de Draco que ouviu um zumbido que lembrava uma voz abafada vindo do objeto. – Não, eu não estou em casa, dormi na Leia na última noite, o que houve?

Devia ser alguma espécie de espelho de comunicação trouxa? Draco nunca vira aquilo.

Enquanto Hermione ouvia o que seja lá que Potter falava do outro lado da linha ela olhou para Draco com uma cara que mostrava nervosismo.

- Quer dizer que Andrômeda viajou e deixou o Teddy com o Draco? – ela perguntou mais para contar ao loiro o que se passava do que para confirmar o que seu amigo contava pelo celular. – E você quer saber se eu sei o endereço dele porque quer ver se ele está bem?

Draco fechou a cara. Potter achava que ele não podia cuidar de seu primo?

Apenas com os lábios Draco falou “que venha” ao que Hermione respondeu “não sei seu endereço”.

Draco revirou os olhos e esticou o braço pedindo o tijolinho com antena. Hermione suspirou resignada e o entregou para o rapaz.

- Potter aqui é o Malfoy. – ele falou e Hermione percebeu que houve silêncio do outro lado da linha. – Minha casa fica ao norte de Alnwick em Northumberland. Não tem nome de rua ou número, não tenho vizinhos em quilômetros. Aparate com sua vassoura, quando sobrevoar uma casa grande no meio do nada vai saber que é a minha.

Harry estava respondendo algo do outro lado da linha.

- Vamos espera-lo, traga a ruiva esquentadinha se quiser. – Draco finalizou antes de entregar o objeto para Hermione que notou no visor que Harry já havia desligado. – Aysha.

- Sim meu senhor. – a elfa que vestia um vestido verde florido desta vez apareceu na sala.

- Mudança nos planos, jantar para quatro ou cinco pessoas.

A elfa acenou com a cabeça e desapareceu para aumentar a refeição.

- E lá se vai nosso jantar agradável. – Draco falou.

- Ele só está com saudades do afilhado, não precisa achar que ele vai fazer um escândalo. – Hermione defendeu o melhor amigo, apesar de duvidar das próprias palavras.

Poucos minutos se passaram com os três em silêncio. Draco estava evidentemente contrariado com as ideias que Harry Potter tinha sobre seus cuidados para com Teddy.

A campainha tocou e Hermione saltou de sua poltrona para atender, mesmo sabendo que Aysha já estaria na porta.

Era mesmo Harry e sua Firebolt como Draco havia recomendado. Ele não parecia contente, mas mesmo assim sorriu ao ver Hermione e abraçou-a. Gina não estava lá e isso mostrou para Hermione o quanto seu amigo ainda tinha receios com Draco.

- O que raios você está fazendo aqui afinal? – ele falou depois de colocar sua vassoura no armário embutido na parede.

- Ela e Leia vieram me visitar. – Draco falou aparecendo no hall. – Pode entrar Potter eu não mordo.

Harry revirou os olhos e caminhou com sua amiga até a sala de estar onde Teddy dormia tranquilo em seu carrinho. Leia cumprimentou o grifinoro, mas mais nada disse quando sentiu a tensão no ar.

- Como ele está? – perguntou para o rapaz.

- Comeu bem, dormiu bem, está tudo certo Potter.

- É verdade Harry, estou aqui desde o almoço, Teddy está sendo muito bem cuidado. – Hermione falou sem explicar o porquê viera parar ali, não entregaria Draco, que estava se esforçando.

- O jantar está servido. – Aysha anunciou.

- Teddy está dormindo, deveria comer conosco ele deve acordar nesse meio tempo e então poderá vê-lo. – Draco falou já seguindo para a sala de jantar levando Leia como um bom anfitrião faria.

Os quatro sentaram-se à mesa e serviram-se do jantar maravilhoso que Aysha havia preparado.

Tentando quebrar a tensão Hermione conversava com todos e Leia tentava ajudar a amiga a segurar as pontas mantendo Draco e Harry numa mesma conversa civilizada. Harry comera pouco e sentiu-se aliviado quando ouviu Teddy chorar dando-lhe uma desculpa para sair da mesa.

O moreno pegou o afilhado nos braços e começou a conversar com o mesmo. Draco considerou uma traição gigantesca quando viu Teddy todo sorrisinho para o Potter enquanto demorara tanto para deixa-lo pegar o mesmo no colo sem chorar.

Quando Aysha chegou com uma mamadeira aquecida Hermione tomou o bebê dos braços de Harry e alimentou-o, logo o pequeno dorminhoco já se encontrava nas terras de Morfeu novamente.

Sem ter o que apontar sobre a tranquilidade eminente em que se encontrava seu afilhado, Harry sentiu que não restava escolha a não ser voltar para A Toca, mas antes pediu uma conversa em particular com a amiga.

Draco indicou seu escritório e sentou-se novamente na sala com Leia respirando fundo. Potter se comportara como Hermione prometera e não pediu para levar o garoto. Conversou com Leia que tentava arduamente distraí-lo do que Potter poderia estar falando no escritório.

 

- O que foi Harry? – Hermione perguntou quando encostou a porta do escritório.

- Eu não sei. – o amigo falou passando a mão pelos cabelos.

- Você ainda desconfia dele.

- E você não? – Harry perguntou com os olhos verdes brilhando.

- Não, eu estou lá todos os dias Harry, nas aulas, nas entrevistas, nas delações. O meu passado com o Draco é apenas isso agora: passado. No presente, ele está se tornando uma pessoa melhor e você devia dar um voto de confiança, ele só quer estar com o que sobrou da família dele, tanto eu quanto você sabemos o que é isso. – ela falou fitando-o.

- Droga Hermione. – Harry falou com os ombros caídos. - Como consegue me convencer tão rápido? Se você confia nele, vou dar um voto de confiança para ele também, afinal nunca tem como estar certo não concordando com você, o Teddy fica.

Ela abriu um sorriso para o amigo.

- Obrigada. Além disso, eu vou dormir aqui hoje, não precisa se preocupar. – ela falou segurando as mãos do moreno.

- Você vai dormir aqui? Rony não vai gostar nada disso. – ele falou ajeitando os óculos preocupado com a dor de cabeça que teria parar explicar toda a situação que encontrou na casa do Malfoy.

- Rony não tem que gostar de nada. – Hermione falou em um tom claramente magoado desviando o olhar. Suspirou. Harry não tinha ideia do que acontecera, não do todo. – Eu estou aqui como amiga dele, é o mesmo que dormir no Largo Grimmauld com você, além disso, ele pode precisar de ajuda de noite com o pequeno Teddy.

- Está bem, está bem. – Harry respondeu não muito animado com a ideia mesmo assim.

- Não conte o endereço ou ele virá aqui.

- Não gosto de mentir para o meu melhor amigo.

- Mas pode contar um segredo da melhor amiga? – ela questionou erguendo uma sobrancelha.

- Argh, não, não posso. Você sabe, qualquer coisa me ligue ou mande um sinal pelo espelho ou aparate.

- Harry...

- Tá bom, tá bom, ele não vai usar o bebê para um sacrifício e você não é donzela indefesa. – ele falou rindo minimamente acalmando a si e a melhor amiga. – Só se cuide ok? Eu prefiro não dar tchau pessoalmente para a fantástica doninha saltitante, diga que me despedi. Accio Firebolt.

A vassoura veio voando até Harry e isso trouxe a memória para ambos de como esse feitiço havia sido crucial para salvar a vida dele de uma mãe dragão feroz. Ambos sorriram e Harry seguiu para o hall, abriu a porta e desapareceu noite adentro.

Hermione retornou a sala onde Leia e Draco conversavam amenidades.

- Cadê o cica... o Potter? – Draco questionou ao perceber que a garota estava retornando só.

- Já foi embora, agradeceu o jantar e mandou um tchau para vocês. – Hermione falou por fim se jogando na poltrona.

Draco nada disse sobre isso (mesmo achando uma falta de educação) e os três voltaram a conversar e só terminaram depois que Leia e Hermione convenceram o rapaz que ele precisava ir ao cinema qualquer dia para conhecer seja lá o que ele lugar tinha de fantátisco.

Depois disso a lufana também se despediu de ambos e aparatou.

Draco que já havia dispensado Aysha por aquela noite apagou todas as luzes da casa enquanto Hermione tirava Teddy do carrinho. Ambos subiram juntos a escadaria que levava ao andar superior e desejaram um mútuo boa noite.

Porém na penumbra de seus quartos nenhum dos dois conseguiu dormir de imediato.

Para Hermione era estranho dormir tão... só. Sempre dividira o quarto com Gina n’A Toca, a barraca com os meninos, o quarto da Grifinória com as meninas, o corredor com Leia ao lado e o próprio quarto tinha tantas coisas de si que era quase como uma presença própria. O quarto impessoal a incomodava.

Pegou o pequeno livro no criado mudo e apertou-o contra si pensando no quanto isso era ridículo, ela já era adulta afinal. Encolheu-se nas cobertas tanto quanto Bichento quando queria caber numa caixa minúscula e aquilo pareceu tranquiliza-la e ela não percebeu o quanto o fraco resquício do perfume de Draco preso no sweater ajudou-a a dormir.

Já para Draco a noite não foi tão fácil. Quando Teddy acordou de madrugada ele já estava sentado na beira da cama tentando entender o que estava acontecendo.


Notas Finais


Potter chegou pra zoar o jantar kkkkk não me odeiem nem a ele vai kkkk

E alguém reconhecue Alnwick? Quem não: https://mapadelondres.org/castelo-de-hogwarts-na-inglaterra/

Espero que tenham gostado e assim que eu puder tô de volta! Beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...