1. Spirit Fanfics >
  2. Marcas de guerra >
  3. Cortes e cicatrizes

História Marcas de guerra - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Bem-vindos à obra "Marcas de Guerra". O capítulo em questão passou por revisão/betagem pela própria autora, @Mounike. Desejo uma boa leitura.

Capítulo 1 - Cortes e cicatrizes


Algumas marcas não são (só) físicas. Outras penetram a sua mente e lá ficam, te atormentando até o último dia da sua vida.

E você decide se vai suportá-las ou ceder à elas e desistir de tudo.

Após a WW2, em 1998, e a queda de Voldemort, foi um declínio e uma sucessão de maus acontecimentos — para ele — e vitórias — para o mundo bruxo.

Os seus amigos foram caçados, um por um, tendo os pais e eles mesmos, sendo mandados à Azkaban, ou até mortos.

E ele seria também. Todos os dias se lembra de como foi vaiado ao entrar no tribunal; de como o juiz listou cada crime cometido por ele e a sua vergonha; de como foi tratado como renegado.

Os seus pais não estavam mais lá para isentá-lo ou subornar o juri para que o salvasse.

Mas alguém estava.

O tão proclamado Eleito. Foi ele quem o salvou, das dores e da ausência de cores.

Não criam, o júri e tampouco o próprio Draco, que seria ele a depor a favor de si.

Logo quem havia perseguido e maltratado por toda a sua [breve] vida. Com insultos e "piadas" que, na época, realmente achava engraçadas.

Deveria ser grato afinal, mas estava capaz apenas de sentir arrependimento, culpa. Não era digno de pena, muito menos da dele. Merecia ser punido, não?

Mas as suas marcas já eram punição suficiente, tamanha dor que lhe infligia.

O ano é 2000 e Draco já se habituou aos olhares julgadores. Mas aquilo não o incomodava mais — tanto — como antes. A única pessoa a qual queria agradar era Harry.

Mas, novamente, se sentia incapacitado disto. Já se passaram dois longos anos. E, todas as noites, quando ia tentar dormir, se lembrava.

Os gritos, a dor, as mortes, a guerra.

E ele estava feliz (?) ao lado de Potter, pois estavam juntos. Mas era merecedor daquela felicidade? Quando tantos outros sofriam ainda pelas perdas?

Também perdera. Mas ele mereceu, diferente dos outros.

Bem, Harry dizia o contrário.

Não só dizia, ele também fazia o contrário.

Segurava sutilmente o seu braço e selava os lábios na pele pálida que se arrepiava conforme os beijos sucediam.

Descia, percorria o antebraço, e ia devagar ao pulso onde estava a marca negra, tão fraca quanto o próprio Draco.

Beijava. Por cima da marca e das cicatrizes dos cortes que ele mesmo fizera entre um ou outro surto que era sempre Harry a ajudá-lo.

Vê-lo amando-o, mesmo quando o fizera tão mal... Os seus olhos cinzentos se encheram de lágrimas e ele não lutou para contê-las.

Num sussurro, ouviu dele;

"Deixe-me marcá-lo com meu amor".

E ele anuiu.

As marcas de seus beijos eram muito melhores que as marcas de guerra que carregava.


Notas Finais


Aceito sugestões, conselhos e críticas construtivas. Comentários sempre me deixam motivada a continuar! Nox.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...