1. Spirit Fanfics >
  2. Margaridas ao rapaz da arquibancada >
  3. Capítulo 04 - Sem paciência para joguinhos.

História Margaridas ao rapaz da arquibancada - Capítulo 5


Escrita por: deobisquad

Notas do Autor


@taehits 🌼

Capítulo 5 - Capítulo 04 - Sem paciência para joguinhos.


Fanfic / Fanfiction Margaridas ao rapaz da arquibancada - Capítulo 5 - Capítulo 04 - Sem paciência para joguinhos.

Talvez eu exagere na quantidade de palavras usadas neste capítulo se formos comparar a quantidade que estava usando nos anteriores, mas eu tenho motivos para isso, tendo em vista que as situações a seguir têm um significado muito grande não somente para mim, mas também para Youngjae.

Como já citado anteriormente, minha impulsividade ao conhecê-lo — ou trocar as primeiras palavras — foi constante, especialmente naquele primeiro dia, quando eu por um momento pensei que enviá-lo flores para demonstrar que não era somente ele a saber de mim, seria uma ideia maravilhosa, o que de certa forma acabou sendo, mas também o deixou assustado por eu saber seu endereço exato, no entanto, também tenho explicações para isso. Mas antes de dar continuidade aos acontecimentos naquele dia, voltarei um pouco no tempo para fazer-lhes entender o que seguirá diante daquele ponto, e para isso, precisamos voltar à minha ex namorada.

Jamais foi segredo para Ah-ri que eu também gostava de garotos, inclusive, por um momento, quem me ajudou a entender meus sentimentos referentes a um rapaz específico, foi ela.

Tudo deu início em um dia de jogo qualquer, enquanto ela estava na arquibancada torcendo por mim como sempre fazia, acompanhada de Chanhee e mais dois amigos que também torciam por mim — uma grande bobagem, considerando que não havia somente eu no time, mas de certa forma, compreensível — na fileira da frente, onde eu poderia enxergar muito bem se não fosse por um rapaz que sem motivo algum, concluiu que seria uma opção genial ficar parado em frente ao meu grupo de torcedores, me olhando com cara de quem não quer nada, e sem querer tomando toda minha atenção sem fazer esforço algum.

Por dias me senti culpado, mas logo deixei de lado, afinal de contas, em minha mente não passava de somente mais um homem bonito perdido em meio a tantos na arquibancada, mas as coisas não eram bem assim.

Eu jamais fui atrás dele, perguntei seu nome ou imaginei que em algum momento poderíamos nos aproximar, a partir dali ele se tornou apenas alguém que eu gostava de enxergar na arquibancada sempre que entrava em campo, e ele sempre estava lá, no mesmo lugar.

Em minhas conversas com Ah-ri, “o rapaz da arquibancada” sempre era um ponto a ser comentado, sem problema algum, pois para mim ele ainda era apenas alguém que eu gostava de admirar, até ouvir um “ei, você está apaixonado por ele, Juyeon” vindo de minha — naquele momento já — ex namorada.

É difícil aceitar esse tipo de situação, pelo menos para mim, pois eu sempre soube que gostava de garotos, mas jamais havia verdadeiramente me apaixonado por um, e eu também nem poderia chamar de paixão, pois nem sabia seu nome.

Mas a minha vida é tão ridícula que no mesmo dia eu descobri como ele se chamava, pois meu irmão caçula, ironicamente, também era amigo da irmã dele, e levá-lo até a porta da casa de Youngjae se tornou algo frequente, mas jamais cheguei a esbarrar com ele quando ia até lá.

O rapaz da arquibancada tomou minha atenção sem sequer se esforçar para isso, e o destino continuava me sacaneando o fazendo esbarrar em mim até mesmo quando não queria ser encontrado.

(...)

"Você sempre estava lá, e eu sempre estive te admirando. Desculpe não dizer nada antes, de coração."

Son Youngjae

Como você me envia flores assim do nada?

Son Youngjae

Meu deus! O seu bilhete... Como ousa me enviar margaridas?

Son Youngjae

Sério, eu estou bobo. Agora você vai ter que me beijar, lamento.

(...)

 

— Você é muito idiota, sabia? — disse Youngjae, jogando um travesseiro em minha cara.

Calma, calma. Isso não aconteceu tudo no mesmo dia, não sou tão impulsivo assim.

Foi no dia seguinte.

— Quem aceitou vir aqui foi você, nem adianta colocar a culpa na sua irmã dizendo que ela estava com saudades do Jungsu.

— Não irei colocar não, eu vim porque queria o meu beijo mesmo. Não vai me dar?

A pane no sistema de Lee Juyeon — eu mesmo — foi tão forte que nem sei muito bem como e no que eu pensei no momento, mas todos aqui já estão cientes que Lee Juyeon perto de Son Youngjae só funciona na base do “pensar para quê se eu posso fazer?” e ele estava na minha cama, olhando para minha cara pela honra e glória do senhor, eu posso ser besta, mas nem a base de paulada eu perderia essa oportunidade.

Youngjae estava sorrindo logo à minha frente, provavelmente pela minha expressão — levemente — nervosa e talvez assustada.

— Se você quer tanto esse beijo, então me beije. Eu estou bem aqui!

O Son simplesmente riu da minha cara sem motivo aparente, mordendo o lábio inferior e se posicionando de joelhos sobre a cama, o que acabou me deixando ainda mais paralisado, imóvel para ser mais exato. Logo não pude pensar demais, pois em um único impulso Youngjae pôs-se a frente e tocou seus lábios nos meus em um simples selar que sequer tocaram meus lábios verdadeiramente, com isso, em minha mente só passava que ele estava de sacanagem com a minha cara, pois não era possível que ele chamava aquilo de beijo.

Contudo, eu estava sem paciência para joguinhos.

Sem sequer dar-lhe a oportunidade de questionar se eu continuaria ou não, tornei a colar nossos lábios novamente em um beijo lento, apenas sentindo nossas línguas se entrelaçarem vez ou outra, enquanto ouvia em baixo tom gemidos abafados que Youngjae soltava involuntariamente durante o beijo. Todavia, eu estava me aproveitando daquela lentidão e adoraria que ele continuasse a se expor daquela maneira a mim, mas eu sabia exatamente onde aquilo ia parar e ainda não era momento para isso, ao menos não para mim.

Foi então que senti suas mãos descerem a minha cintura e segurarem firme ali, me puxando para juntar meu corpo ao seu, sendo acompanhado por um suspiro alto o suficiente para ser ouvido caso alguém estivesse por perto.

— Não respira muito forte também, pelo amor de deus.


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Até depois de amanhã 🌼🤍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...