História Mariana's Diary - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Diário, Diary, Mariana
Visualizações 20
Palavras 1.808
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia)
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


OOOOPOOOORAAA
Acredite, o capítulo não ia ser feliz assim, mas eu perdi metade do cap antigo enquanto o escrevia, aí o mandei pra p*p.

Sim, ia ser bem mais dramatico,_,

Se tem alguem aqui que shippa Gabriel e Mariana, esse cap e o proximo são pra vocês,_,

Aproveite:3

-Qualquer erro, AVISE!Meu teclado usa drogas, por isso ele adiciona palavras muito WTF no meio do texto e erra as palavras certas. Não seja o meu teclado.

Capítulo 10 - My Happy Bday (parte 1)


Sabe quando os anos são tão chatos que eles passam rápido demais, e você acaba nem percebendo que 365 dias passaram? 

Pois é, foi assim comigo. Finalmente, eu tinha 15 anos! 15 anos vividos de forma inútil, mas tudo bem. Decidi que iria fazer as coisas mudarem. Afinal, quando eu me tornar adulta, quero ter boas lembranças da minha adolescência. E esquecer aquele maldito dia, com aquele maldito homem. 

Coloquei meu travesseiro na cara, assim que percebi a Soffia abrindo a janela e começando um Parabéns Pra Você, bem alto e desafinado, mas eu estava tão feliz  que quase chorei. Bom, eu chorei, mas espero que ela não tenha visto.

Ela preparou meu café da manhã. Não só o meu, como também o dela e da tia Carol. Aliás, ela está namorando. Ainda não conheci o cara, mas minha tia parece mais feliz ultimamente. 

Eu estava ansiosa para ir pra escola. E sim, tinha um motivo especial pra isso, além do fato que era meu aniversário. 

Bem, como eu posso dizer isso...

Acho que estou gostando do Gabriel. 

Isso está ERRADO. Amigos NÃO foram feitos para gostarem uns dos outros. Mas está me fazendo feliz, então foda-se. 

Sim, tem rolado um clima entre nós. Algo meio diferente, que eu nunca senti. Mas não vou deixar ninguém saber disso ainda. Ei, foi difícil até pra mim (e pro meu orgulho) admitir que o moreno tinha me cativado! 

Enfim, cheguei na escola feliz da vida. Nem mesmo Giovana e suas seguidoras me encarando iriam destruir meu humor. 

Aí senti duas mãos cobrindo meu rosto.

-Adivinha quem é?

Obviamente, era o Gabriel. 

-Ooh, não faço idéia.

-Não reconhece as mãos de seu futuro marido? 

Sim, essa "brincadeira" ainda estava rolando. Tipo, gostamos um do outro, brincamos de casamento, mas não acontece nada de verdade. 

Tirei as mãos dele do meu rosto e sorri. 

-FELIZ ANIVERSÁRIO!--Ele me abraçou, e por um momento fiquei envergonhada, porque todo mundo olhou. 

-Obrigada, obrigada!--agradeci e em seguida recebi vários parabéns de pessoas que eu nem conhecia, mas obviamente eram da minha sala. 

Inclusive o Fábio, que me deu um abraço--ok, senhor, se não quer morrer, por favor me solte.--e a Giovana, que acenou pra mim.

Entrei na sala e larguei minha mochila lá, e senti os braços do Gabriel em mim de novo.

-Não consegui comprar seu presente.

Eu queria dizer que ele era meu presente, mas me desculpe, ainda não estou apaixonada ao ponto de dizer coisas assim. Isso é coisa de ficção. Ao invés de mostrar meus sentimentos na frente de um monte de gente que entrou na sala, falei:

-Tudo bem. Ei, a Soffia organizou uma festa na casa da Laryssa. Hoje a noite. Vamos dormir lá. Você pode ir? 

Sorri ao lembrar da Laryssa. E da Sara. Eram minhas melhores amigas, que na verdade eram da Soffia antes. Elas estavam em faculdades diferentes, bem longe daqui, por isso nunca mais vi elas. Mas eu estava com tantas saudades! 

-Hoje a noite? Hum, sabe, minha mãe e meu pai estão brigando de novo. Foi uma briga feia essa manhã, então... 

Ah, eu conhecia muito bem as brigas dos pais dele. O pai dele não bebia, mas mesmo assim, bate na mãe dele sempre que discutem.

É claro que eu me preocupo por ele viver nesse tipo de ambiente. Mas em geral, não há muito que eu possa fazer. 

-Por favoooor--implorei-- Você precisa ir! Vai te distrair, vai deixar seus pais à sós e eles até podem se resolver. 

Ele pensou por um momento, como se resolvesse um cálculo muito difícil de cabeça. 

-Tudo bem, eu vou.--ele disse, por fim.--mas só porque é o aniversário de alguém muito especial.

-Me sinto honrada!

As aulas demoraram anos pra acabar. Ou talvez fosse só o fato que agora as matérias estão mais difíceis, porque estamos no nono ano, o último, eu espero, e os professores não querem ver nossa cara mais por aqui. Estão passando a matéria o mais rápido possível, pra se livrar de nós. 

Não era só porque era meu aniversário que eu ia me dar ao luxo de não copiar aquelas coisas super importantes. Assim sendo, foquei em todas aquelas palavras difíceis e fiz todos os números entrarem na minha cabeça na aula de matemática. 

Quando a aula acabou, guardei meu material o mais rápido possível. 

-Gabriel, quer que eu passe na sua casa pra convencer sua mãe? 

-Não precisa, ela quer mesmo que eu saia de casa. Aliás, quer que eu saia de lá e vá morar sozinho.Talvez esteja na hora de eu mandar ela e meu pai saírem de lá. 

Tudo bem, essa piada dele foi muito ruim, vamos prosseguir. 

-Hahah, como você é engraçado. Preciso mesmo ir pra casa. Só pra você saber, a Soffia quer que você almoce com a gente hoje. Ela deve estar fazendo comida demais.

Ele concordou em passar o dia todo com a gente. Ia ser divertido. Todos os meus amigos, juntos! Na casa da Laryssa! A melhor casa do mundo, depois da minha. 

Corri até meu lar, doce lar, e pude sentir o cheiro da comida que a Soffia estava cozinhando. Estava prestes a elogiar, aí vi ela e a Yasmin, compartilhando um demorado beijo, bem ali, na cozinha, pra todo mundo ver. Ok, só alguém que entra sem avisar como eu iria ver aquela cena.

-Olá!--Falei, bem alto, e acabei assustando elas. 

Se a Soffia e a Yasmin ficassem coradas, tenho certeza que naquele momento já teriam morrido devido a falta de sangue de tanto corar. Não que isso que eu disse faça algum sentido. Tenho certeza que é uma das maiores idiotices que você já leu, então ignore. 

Tudo o que aconteceu, porém, foi que elas fingiram que NÃO ESTAVAM fazendo nada além da comida. 

-Liana, nós vamos fazer uma festa do pijama, tudo bem? Os pais da Laryssa vão viajar hoje, deixando a casa só pra nós. O irmão dela vai estar lá. Chamou o Gabriel?--Soffia disse, sem parar nem pra respirar.

Nem deu tempo de responder, porque a Yasmin também estava empolgada. 

-Uma festa de quinze anos de PIJAMA! Vai ser tão legal quando você e o Gabriel dançarem valsa pela sala enorme da Lary, vestindo roupas fofas de dormir.--e então acrescentou, baixinho:--garotos usam pijama? 

-Olha, vocês estão mais animadas do que eu. Não, eu não vou dançar valsa com o Gabriel no meio da sala enorme da Lary. E sim, os garotos usam pijama. Eu acho... 

-Não se faz 15 anos todo dia, mona, portanto, a valsa é única também.--disse a Soffia, sonhadora. 

-Tanto faz, tá? O Gabriel vai passar o dia aqui com a gente. Os pais dele brigaram de novo, ou algo assim. De qualquer jeito, não me façam passar vergonha. 

-Ui, pode deixar.

Nem tomei banho, só vesti uma calça jeans velha, com uma blusa vermelha que devia ser da Soffia quando tinha minha idade. E amarrei meu cabelo num coque alto. Ficou ridículo. Nas fanfics, isso sempre te faz achar o amor da sua vida. Faça um coque, vá para o Starbucks e espere o BTS ou One Direction esbarrar com você e te achar linda. 

Na verdade, só fiz o coque porque estava calor, mesmo. E até onde eu sei, não tem nenhum Starbucks aqui por perto. 

Ouvi a voz do Gabriel na cozinha, falando com a Yasmin. 

Saí do quarto, acenei pra ele (fala sério, eu já tinha visto o cara hoje, não precisava dizer "oi, tudo bem, como está sua vida desde que nos vimos pela última vez, 26 minutos atrás?" nem nada disso),e fui pro banheiro. Infelizmente, a Soffia estava lá, e ela sempre monopoliza o banheiro. E ela NUNCA está fazendo suas necessidades. Ela só fica lá pelo prazer de nos ver implorando pra abrir a porta. Nem um pouco sadista. 

-Por favor, eu passei horas naquela escola sem usar o banheiro porque não podia perder a matéria. 

-Podia ter ido no recreio! --ela vai usar "recreio" até quando estiver morrendo. 

-Eu estava ocupada! 

-Então agora faça xixi no mato! 

-Acontece que eu NÃO sou um menino, sua louca! 

-Garotos não fazem xixi no mato!--o Gabriel gritou, lá da cozinha. 

-Então você não é um garoto!--Soffia brincou, abrindo a porta do banheiro, finalmente.--e você pode fazer xixi no mato sim, é só se agachar. 

-Agradeço aos céus pelo momento que o vaso sanitário foi criado.--Falei, finalmente entrando no bendito banheiro. 

Só para o caso de você se importar, eu lavei SIM as mãos. Mas a Soffia não acreditou. 

-De que cor era o sabonete? 

-Hum, rosa?Desculpa, eu não fico admirando o sabonete.

-Errou, vá lavar as mãos.

De fato, o sabonete não era rosa. Era verde. 

Devoramos a comida e decidimos quem ia lavar a louça. Decidi ser gentil e lavar tudo, enquanto eles fofocavam ou o que quer que fossem fazer. 

Só o Gabriel ficou comigo. Acho que ele sentiu pena por eu ter que lavar tantas panelas e pratos, então ficou lá pra ajudar.

-Que romântico, lavando a louça juntos! -- Soffia provocou, e quando percebi, a Yasmin já tinha tirado meia duzia de fotos. Ela tem essa mania de tirar varias fotos pra escolher uma boa de verdade no fim. A verdade é que todas acabam feias.

-Muito romântico, mesmo. Vai ser mais romântico ainda quando estivermos fazendo isso na nossa própria casa. Né, Mariana?

-Não viaja, Gabriel. Não viaja.

A Yasmin e a Soffia se olharam e deram risadinhas. Eu sabia que elas estavam nos shippando. Depois, foram pra sala namorar. Nunca entendi o que os casais fazem sozinhos. Eles se abraçam. E aí se olham. Sussurram coisas que não consigo ouvir. Selam os lábios. Se olham de novo.

Revirei os olhos, porque acabei me imaginando nessas cenas com o Gabriel.

Finalmente, terminamos de lavar a louça. Ele parecia estar com sono, daí mandei a Soffia tirar a perna enorme dela de metade do sofá (bem delicada) e falei pra ele deitar lá e dormir. Ele disse que preferia dormir no outro sofá comigo. Poxa, obrigada por me deixar sem saber o que fazer.

Enfim, deitei metade do meu corpo lá (isso faz algum sentido?) e olhei pra tv, que estava num canal sobre animais. Achei que o Gabriel fosse se sentar na outra metade do móvel, mas ele colocou a cabeça no meu colo e ficou lá deitado.

-Folgado.--dei uma risadinha. Ele estava meio fofo.

Quando percebi, todo mundo ja estava dormindo. A única coisa em mim que estava adormecida era minha perna. Ignorei e tentei cochilar. Nada. Eu estava muito ansiosa pra festa do pijama.
Passei as mãos no cabelo do Gabriel. Ele devia estar meio acordado ou algo assim, porque puxou minha outra mão e a segurou bem forte.

-....--fiquei sem saber o que dizer de novo.

Acho que a tia Carol não ia ficar feliz de ver todo mundo dormindo na sala nos sofás dela com a TV ligada quando ela chegasse. Mas acabei ficando com sono, fazer o quê. 








Notas Finais


Até semana que vem:3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...