História Mark Lee, A Consciência (PD) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Chenle, Doyoung, Haechan, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Jungwoo, Kun, Lucas, Mark, Personagens Originais, RenJun, Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Tags Chenle, Doyoung, Haechan, Jaehyun, Jaemin, Jeno, Jisung, Johnny, Jungwoo, Kun, Lmac, Lucas, Mark, Mlac, Nct, Renjun, Taeil, Taeyong, Ten, Winwin, Yuta
Visualizações 14
Palavras 2.002
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Tortura, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Sorry pela demora de dois dias, espero que gostem!

Have a good read ^^

Capítulo 7 - Meu irmão - Capítulo 6


Fanfic / Fanfiction Mark Lee, A Consciência (PD) - Capítulo 7 - Meu irmão - Capítulo 6

‘3 novas notificações de JiSung ♥️’

Ei… — JiSung ♥️ PM 4:12

Eu quero falar com vc — PM 4:12

Noona… Me responde, pf — PM 4:12


Eu PM 6:27 — JiSung? Oq foi?

PM 6:28 — O appa te machucou?


Claro que nn, pq sempre pergunta isso? —JiSung ♥️ PM 6:28


Eu PM 6:28 — É só pra ter certeza

PM 6:28 — Oq foi?


Eu tenho uma notícia pra te dar — JiSung ♥️ PM 6:28

Conversei com o appa e eu vou morar aí! — PM 6:28

Já tá tudo pronto — PM 6:29

Consegui um apartamento e appa me emancipou pra eu morar sozinho — PM 6:29

Eu chego amanhã à tarde, agr eu tenho q pegar o avião — PM 6:29

Tudo bem? — PM 6:29

Noona? — PM 6:31


.   .   .


–O QUÃO IRRESPONSÁVEL É O PAI DESSE FILHO DA PUTA? - gritou mais uma vez indignado com a situação. Novamente sua mãe não dava sinais de estar em casa, como de costume.

Não se esqueça que ele é seu pai também. - Mark reforçou.

–QUE DROGA! SABE QUANTOS ANOS JISUNG TEM? JISUNG TEM QUINZE. QUINZE! COMO ELE PODE FAZER UMA PORRA DESSAS? O QUE ELE TEM NO CARALHO DAQUELE CÉREBRO DE AMEBA?

Ei, se acalma. Tenho certeza que não precisa exagerar assim.

–Até parece. Mark, JiSung é um bebê, não pode morar sozinho assim sem mais nem menos. Como ele vai saber o que fazer?

Você não sabe! Vai ver que ele não vai morar sozinho, sozinho mesmo. Às vezes ele vai ter alguma empregada que mora lá com ele também.

E por que ele não veio morar comigo e com a mamãe? Sabe explicar? - desafiou-o.

E com o pequeno hesito de Mark que ia responder Jae começou a rir, um riso de desespero, se é que podia rir em uma hora dessas.

Assim que seus pais separaram, o pai de ambos nem sequer ligou para o pequeno, ele apenas brigou na justiça pela guarda de JiSung, não ligando mais para sua filha mais velha. Praticamente foram separados a força já fazia quatro anos, não podiam conversar devido a proibição dos dois ex-cônjuges e JiSung sempre tinha que comprar um chip escondido para poder conversar com sua irmã. Com o passar dos anos foi ficando mais fácil, já que a mãe de Jae desde o primeiro momento não ficava lhe espionando, ela apenas tinha que mentir dizendo que não conversava com o irmão e tudo estaria bem.

Com o passar dos anos a saudade entre eles só aumentava cada vez mais, o irmão mais novo contando todas as experiências incríveis de ter rodado o mundo, chegando até a morar um ano em uma cidade diferente. Enquanto isso Jae apenas ficava em casa, ia pra escola, comia, se banhava e dormia. Se isolando completamente, sentindo o vazio de não tê-lo por perto ou até possuir alguma distração da rotina massante.

Mark mais do que ninguém sabia que grande parcela da infelicidade do menor era estar longe de seu irmãozinho, agora parecia que uma pontada havia sido enfiada em seu peito, o mais velho sentia o mesmo que ele, afinal eram praticamente a mesma pessoa, de certa forma.

Jae.. - chamou o pequeno que havia parado de rir e estava deitado no chão do quarto todo encolhido. –Jae. - o mais novo rolou para debaixo da cama. –Vem aqui.. Por favor…

–Não quero. - manhou ainda ali embaixo, a voz embargada.

Oppa vai cuidar de você pequeno, não precisa se preocupar. - desceu da cama e deitou no chão, olhando-o todo encolhido ali como um gatinho manhoso. –Vem aqui. - estendeu a mão.

Uma coisa impressionante para Jae era o fato de Mark saber exatamente como sua cabeça estava com relação ao seu gênero, utilizando palavras no masculino e feminino ao mesmo tempo para fazer aquilo mais neutro. Na verdade esse era o principal motivo de seu Hyung estar ali, por mais que não saiba disso. Mark é seu inconsciente, sabe que o pequeno inventou uma desculpa para si apenas para não dizer o real motivo de tê-lo criado, mas de certa forma o Hyung ajudava em toda situação, então sua função não era mais somente essa.

Pegou a mão do mais velho e este o puxou para fora, logo o pegando no colo e colocando-o na cama. Agarrou-se no peitoral de Mark que deitou-se, começando a sentir o seu cheiro tão doce e característico, as mãos quentes do outro que lhe abraçavam a cintura e acariciavam seus cabelos pretos e levemente bagunçados.

–Mark?

Hm?

–Por que você tem que ser tão perfeito? - divagou.

Para ele o Hyung era perfeito, não tinha brechas que deixassem transparecer que errava, ou que tentasse lhe decepcionar sem motivo algum. Mark cuidava de si, visava por ele mais do que a si mesmo, como um nobre cavalheiro em um conto de fadas.

Eu não sou perfeito. - respondeu calmo.

–É sim. - levantou de seu peito para lhe encarar. –É o homem mais perfeito que eu já conheci até hoje.

E novamente, lá estava ele em uma situação cruel. Jae estava começando a fazer justamente o que o outro temia à algumas horas atrás, esquecia-se que não era real, esquecia-se de como Mark apareceu em sua vida. O que deveria fazer? Deveria lembrá-lo e estragar seu momento? Deveria mentir?

Aposto que vão existir mais pessoas como eu que vá conhecer um dia, não me considere tão único assim. - sentou na cama e o menor passou os braços por seu pescoço, sentando em seu colo. –Tudo pode mudar um dia, pode namorar alguém, se casar e viver sua vida sem mim.

–Eu não quero que vá embora Hyung. - o fundo de sua voz era chorosa. –Não quero que me deixe sozinho.

E eu não vou embora nunca enquanto precisar de mim. Eu sou seu MinJae, nada vai mudar isso. - assegurou.

–Vai dormir aqui em casa hoje ou você vai embora? - lembrou do antigo episódio que o Hyung simplesmente saiu pela porta lhe deixando só. 

Pois é, talvez o Lee se arrependesse de sua escolha no futuro, mas agora não importava, tinha que entrar no jogo de esquecer.

Vou ficar com você essa noite. - sorriu. –Você precisa do Hyung, não precisa?

–Muito. - assentiu.

Mark lhe deu um beijo na pontinha do nariz, logo distribuindo mais desses por todo seu rosto, deixando sua boca intacta. Mesmo suas influências sendo grandes em toques, não acha que consiga fazer o outro sentir seus lábios nos dele e mais que isso, não acha que consiga beijá-lo assim tão intimamente.

Jae sentia o peito do Hyung subir e descer calmo com a respiração, sentir os jeans do outro abaixo de si, seu cheiro lhe agraciar, os dedos lhe tocarem. Não era possível que conseguiu conhecer alguém como Mark, alguém tão incrível e atencioso.

–Talvez eu também ame você Hyung. - confessou com o rosto na curvatura do pescoço do outro.

Aquilo já estava saindo do controle, Mark sabia bem disso.

Isso é bom.


.   .   .


As horas passaram mais rápido do que poderia prever desde que acordou às nove, dormira tão tarde esperando sua mãe voltar que acabou perdendo o horário do ônibus de manhã, então apenas decidiu esperar a tarde chegar. Contudo, eram apenas meio-dia, era provável que chegasse a partir das quatro.

–MinJae? - ouviu a voz de sua mãe pela primeira vez em três dias.

–Eu estou aqui. - respondeu do quarto, Mark havia saído.

–Pensei que estivesse na escola. - disse quando abrira a porta. –Não foi?

–Estava me sentindo mal de manhã.

–Tudo bem, mas amanhã você vai, em.

–Ta bom. - respondeu sem interesse.

–Eu só vim almoçar e já vou sair, vem comer. - saiu do cômodo.

Sua mãe havia se tornado tão distante e diferente, já não lhe dava beijos de boa noite, rejeitava sempre todo e qualquer tipo de afeto. Não era à toa que ainda se sentia magoado por dentro, só queria um pouco de atenção, era tão ruim assim?

Saiu do quarto e encontrou sua mãe na sala, o prato com pouco comida no colo e a TV ligada em um canal qualquer. Foi até a cozinha e pegou o seu, voltando ao eu quarto. 

Devia ser sincero, não estava com um pingo de fome, muito menos vontade de comer. Queria apenas ver JiSung o quanto antes, poder encher o menor de amor e xingar muito seu pai por deixá-lo morar sozinho,. Principalmente questioná-lo neste assunto também.

Deixou o prato na escrivaninha e pegou seu celular que havia apitado de repente.


‘3 novas notificações de três conversas’


Desculpe, tive que mandar as no… (8) — JaeMin 🐥 (SOPA) PM 12:42


MinMina, pq nn veio hoje? (1) — JeNo 🌸 (SOPA) PM 12:37


Hey, aconteceu alguma coisa? (2) — RenJun 💙 (SOPA) AM 8:40


Nada de JiSung… Então abriu a primeira notificação sem pensar muito.


Desculpe, tive que mandar as notas sem digitalizar hoje, tenho um compromisso e nn vou ter tempo depois — JaeMin 🐥 (SOPA) PM 12:42

JaeMin 🐥 (SOPA) lhe mandou 5 imagens – PM 12:42

Aliás, sentimos sua falta hoje, tudo bem? — PM 12:42

RenJun está preocupado, fale com ele — PM 12:42


Tudo bem JaeMin, obrigada pelas notas ♥️ — PM 12:43

Eu já vou falar com ele, eu tô bem, nn precisa se preocupar —PM 12:43


–Próxima conversa~ - cantarolou baixinho.


MinMina, pq nn veio hoje? — JeNo 🌸 (SOPA) PM 12:37


Nada de mais, eu só perdi a hora —PM 12:43


E prontamente lhe mandou uma resposta.


Ficamos preocupados, nn avisou nada — JeNo 🌸 (SOPA) PM 12:43


Eu esqueci, desculpa rs — PM 12:43


Tudo bem ^^ — JeNo 🌸 (SOPA) PM 12:44


Para ser mais preciso, ele nem se quer pensava que os garotos ficariam preocupados com sua ausência, muito menos que praticamente todos eles lhe mandassem mensagens perguntando sobre.


Hey, aconteceu alguma coisa? — RenJun 💙 (SOPA) PM 8:40

Nn vai vir hoje? — AM 8:40


Nn pude, desculpa nn ter avisado —PM 12:44

Eu acabei perdendo a hora — PM 12:44


Ah… Eu realmente não sirvo pra isso, pensou consigo. Não gostava tanto de responder mensagens, a não ser que essas fossem bem interessantes, não era por querer ignorar as pessoas, apenas não gostava tanto.

Ouviu o portão da frente batendo. Sozinho de novo. Suspirou pesado e Mark lhe abraçou. 


.   .   .


Esperava seu irmão no desembarque do aeroporto, e honestamente nem pergunte como chegou lá. Mark estava ao seu lado, lindo de morrer se me deixa dizer, agradecia mentalmente por ninguém estar o olhando.

O voo de JiSung já estava em terra, algumas pessoas saiam de dentro do enorme pássaro de ferro e passavam pelo corredor. Perguntava-se mentalmente se o mais novo viria com mais alguém, ou se simplesmente o que ele havia dito sobre “sozinho” seja realmente a verdade. Mais ainda, queria entender o porquê de JiSung ter parado de colocar fotos de perfil, Será que ele ficou feio? Indagou.

–NOONA! - saiu do transe com o grito. A voz era mais grave que o usual, mas obviamente era ele.

Se virou tentando o encontrar, porém de longe não estava enxergando direito quem era, os cabelos loiros lhe confundiram muito.

–JISUNG? - gritou assim que o mais novo chegou perto o bastante, lhe agarrando em um abraço. Com direito a rolar no chão e chorar.

–Noona eu senti tanto a sua falta. - a voz embargada e grossa dizia.

–Eu também Mochisung.

Mark pensava em diversas coisas agora, sua consciência praticamente girava em busca de informações sobre o irmão de seu pequeno. Entretando não encontrava nada, nem sequer um resquício bruto e arcaico. 

JiSung era, em outras palavras generalizadas, um estranho para Mark neste primeiro momento. E isso o fazia questionar ainda mais o porquê de não ter acesso às informações sobre o loiro. 

Devia que admitir que os dois se amavam muito, assim como fisicamente eram bem parecidos e mesmo sabendo de sua existência antes nunca lhe viu o rosto, já que nas memórias em que viu, JiSung estava todo borrado e defigurado. Irreconhecível. 

Agora restava a ele descobrir o "novamente" nem tão novamente assim... 

“Notas mentais de Mark #1: Mochisung está de volta, e eu não tenho a menor ideia de quem ele é”


Notas Finais


EU JURO QUE NÃO FOI PROPOSITAL!
EU CONSEGUI A ZOEIRA DE COMBINAR AS PALAVRAS COM O NASCIMENTO DO JISUNG MAS EU JURO QUE EU SÓ VI AGORA.
O choque é real, mas espero que tenham um bom final de semana!

A kiss for you little one ♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...