1. Spirit Fanfics >
  2. ;;MarkHyuck - olhos de vidro,, >
  3. ;;estranho,,

História ;;MarkHyuck - olhos de vidro,, - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - ;;estranho,,


<P.O.V Autora>

<Estranho>

-----


O sol já invadia o quarto pela janela, acordando os amigos. Haechan por receio, no meio da noite abraçou o travesseiro invés de abraçar Mark, e ficou encolhido em no outro lado da cama, enquanto Mark estava jogado, todo largado em cima da cama. Devido a claridade da luz do sol, o meninos foram acordando aos poucos.


- "Donghyuck... Donghyuck." - Balançou o garoto.


- "Hm... que?" - Se virou para o mais velho, esfregando os olhinhos.


- "acorda, já amanheceu." - Mark disse se sentando na cama.


- "problema do sol que quis aparecer..." - Abraçou de novo o travesseiro.


- "Anda, criança, levanta, vai tomar banho." - Falou depois de soltar uma risada baixa.


Com má vontade, Haechan se levantou, indo direto pro banheiro, atordoado e zonzo, mas como não escutou o som do chuveiro aberto, ficou na dúvida se Haechan tinha dormido no banheiro, então bateu na porta.


- "Haechan, você tá dormindo?" - Encostou a orelha na porta.


- "Tô não..." - Falou com a voz de sono.


- "Pois agiliza que eu também tenho que tomar banho." - Mark falou, e escutou os resmungos de Haechan, provavelmente o xingando.


Soltou uma risada encostando sua testa na porta, estava voltando a mesma amizade de sempre, talvez um pouco mais forte, já que alguns desentendimentos estavam sendo resolvidos. Gostava muito de Haechan, como um melhor amigo ou irmão, mas sempre foi difícil demonstrar seus próprios sentimentos, as vezes era grosso e frio com o menor, chegando a magoar o garoto ou deixar ele sem graça, ou quase chorar pensando que fez algo errado, deixava ele no vácuo, e não correspondia a algumas coisinhas que o garoto queria fazer. Era difícil demonstrar, era muito difícil amar pra ser sincero. Porém Donghyuck não se importava com Isso, eram amigos desde de pequenininhos, sabia que era o jeito de Mark, por isso não o culpava ou o julgava, mas se sentia um pouco triste, tanto que algumas coisas que costumava fazer com o Lee, nunca mais fez por causa da grosseria de Mark.

Nunca foi de demonstrar, mas tinha noção que Haechan era sensível, então algumas vezes deixava algumas coisas que o garoto gostava escapar. Mas, ainda tinha certa dificuldade, por isso nenhum de seus relacionamentos amorosos deu certo. Voltou pra cama, mexendo no celular, até Jeno mandar mensagem.

{Chat on}


Putenheiro:
Ei, Mark
Donghyuck tá melhor?


You:

Parece que sim

Você sabe alguma coisa sobre Jaehyun?


Putenheiro:
Sim
Ele foi expulso da escola depois de Jaemin ameaçar a processar a escola


You:

...

Por que você não controla seu namorado?


Putenheiro:
Ele não é meu namorado
...
Ainda


You:

Vish

Ala

Ele faz a paixão deleh

Mas pera

Eu lembro que você disse que não era gay


Putenheiro:
Cara
Eu não tô namorando justamente por isso
Porque eu não faço idéia sobre minha sexualidade
E mesmo tem esses negócio da minha família ser da igreja
Se minha mãe sonha que eu sou gay, ou pelo menos eu desconfio
É capaz dela me sentar o cabo de vassoura nas costas


You:

Por que o cabo de vassoura?

O certo não seria você ficar sem teto?


Putenheiro:
A mulher ainda me chama de bebê
Diz que eu sou o pitico dela
No máximo ela pega a vassoura pra querer me bater
Querer, porque ela não tem coragem
No máximo ela vai perguntar onde ela errou e me levar pra igreja


You:

Por que esse pessoal de religião é tão brisado?

Misericórdia


Putenheiro:
Você não pode falar nada, seu pai é pastor


You:

Ué, e oque eu tenho haver?

Deixa ele fazer as missa dele


Putenheiro:
A se ele descobre a ruma de viado que tu tem de amigo


You:

Aí sim quem vai ter um cabo de vassoura nas costa sou eu


{Chat off}


Haechan saiu do banheiro, com a toalha na cintura, secando o rosto com outra toalha.


- "Despertou o sono?" - Mark perguntou olhando pro garoto.


- "sim..." - terminou de secar os cabelos, vendo que Mark ainda estava na cama, mexendo no celular - "Não vai tomar banho?"


- "Vou, eu só estou conversando com o Jeno." - Mark disse.


Estava com um pouco de receio de se trocar na frente de Mark, afinal, estava com receio de fazer tudo depois de Mark ter se afastado.

- "Não vai se vestir?" - pergungku já que Haechan estava a uns cinco minutos parado olhando para o nada.

- "é que... Eu estou com um pouco de vergonha... de me trocar na sua frente." - Falou, tentando não fazer contato visual, e com medo da resposta.

- "A gente já tomou banho juntos, não tem nada Você se trocar na minha frente." - Voltou a olhar o celular.

Haechan apenas suspirou, pegando uma roupa sua, tinha roupa sua na casa do canadense, até porque praticamente morava ali, então tinha uma gavetinha de roupa sua, tinha roupas íntimas sua, e algumas blusas que esqueceu aqui, até mesmo calças moletom que procurava a séculos. Mark parou um pouco, olhando o corpo de Donghyuck, não poderia negar, era bonito, tinham traços perfeitos, e as coxas eram oque mais lhe atraía. Parou de analisar o pobre garoto envergonhado, indo pro banheiro, tomando um banho, assobiando uma música qualquer que lhe veio a mente, provavelmente tinha viciado na música e nem sabia o nome, estava quase pra dançar, mas tinha medo de cair. Saiu do banho, vendo Haechan abraçado em um dos travesseiros, assim que lhe viu, levantou, indo até a porta.

- "Aonde vai?" - Mark perguntou secando os cabelos.

- "Pra sala, vou esperar você se vestir." - Mark suspirou.

- "Já falei que não tem problema, a gente já tomou banho juntos em uma banheira, tu tá com medo de que?" - Haechan coçou a nuca, se sentando de novo na cama.

Começou a procurar uma roupa em seu guarda-roupa, tinha achado algumas blusas de Haechan, só agora percebendo o quão frequente era o coreano em sua casa. Enquanto se trocava, não percebeu nenhum olhar de Haechan sobre si, poxa, nenhum olharzinho? Talvez sua auto-estima estivesse um pouco baixa agora, mas só talvez, talvez o canadense quase tivesse chorado. Haechan estava bem envergonhado, estava perdendo a intimidade que tinha com o Mais velho, não queria, já que Mark era tudinho pra si.

Depois do de fios negros se trocar, foram comer, Mark ainda tinha aula, mas Haechan iria passar um tempo sem ir, mas não iria se desligar, Mark iria lhe passar as atividades e conteúdos, explicando exatamente como o professor explicou, mas o estrangeiro era preguiçoso, era capaz de esquecer tudo que o professor falou. Depois de um longo dia de aula, explicando para seus amigos a verdadeira história do que aconteceu, e uma dor de cabeça enorme pra entender tudo que o professor tinha falado, chegou em casa, vem do Haechan deitado no sofá, todo largado. Era sempre assim quando o Coreano faltava a escola.

- "Cheguei." - Mark disse abrindo a porta.

- "entendeu tudo que o professor falou?" - Olhou o canadense destruído.

- "Oi pra você também." - Se jogou no chão.

- "Desculpe, boa noite." - Olhou o canadense só o pó - "Vai tomar banho e comer, eu fiz a janta pra você." - O mais velho sorri.

- "Obrigado, porque se dependesse de mim e meu cansaço, a gente passaria fome." - Mark falou bem humorado.

- "Por isso mesmo que eu não dependo de você, eu tô muito jovem pra morrer." - Mark solta uma de suas risadas frouxas.

- "Eu vou te explicar essa caralhada de matéria mais a noite, que eu tô cansado e com a cabeça explodindo." - Mark falou se levantando.

- "tá bom, vai lá estudante." - Haechan falou vendo o garoto lhe mostrar o dedo do meio.

No final, quem acabou ensinando a matéria foi Haechan, já que Mark que tinha ido para as aulas estava perdido.

- "Entendeu porque essa letra virou um número?" - Haechan perguntou.

- "Aaah, entendi, entendi, nossa, é fácil." - Mark disse como se tivesse aprendido a coisa mais difícil do mundo.

- "Meu Deus.." - Haechan tira o óculos, passando a mão no rosto, meio cansado, já que estavam estudando a algumas horas.

- "Donghyuck." - Mark o chamou.

- "Diz." - colocou o óculos de novo, se encostando na cadeira.

- "por que você saiu da casa de seus pais tão cedo?" - Olhou o rosto de Haechan.

- "Eles não me aceitavam, independente se eu era filho deles ou não, minha escola e parte da despesas da minha casa são meus avós que pagam e me ajudam, depois que eles descobriram que eu sou gay, parece que o amor acabou."

Outra vez se sentia culpado por ter feito tão crueldade com o mais baixo, ver todos se afastando por causa de algo que se quer conseguiu escolher, era sem duvidas fatal, nem sabia porque se afastou, e se arrependia fortemente, só queria voltar no tempo e ter o apoiado quando precisou de ajuda, mas só fez dar as costas como se ele tivesse cometido um crime, se odiava imensamente por isso.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...