História Marotos - Capítulo 102


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Tags Harry Potter
Visualizações 35
Palavras 1.691
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Magia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 102 - Xadrez Bruxo


Depois do longo e tumultuado dia, os marotos saíram do salão principal conversando e seguiram até o salão comunal da Grifinória, onde ficaram batendo papo, até que Sirius teve uma ideia:

-Podíamos jogar xadrez bruxo, um campeonato entre nós quatro.

-Eu não vou jogar, falou Rabicho.

-Eu quero ler um livro antes de voltarmos domingo. Disse Remo.

-Aluado?! Acabou as provas! Vamos jogar! Você também Rabicho, pediu Sirius.

-Você querendo ou não Almofadinhas, eu vou ler. Disse Remo.

-Eu não to afim mesmo, falou Peter.

-Pontas?! Acorda! Vamos jogar eu e você? Perguntou Sirius agitando o garoto.

-Oi, o que? Joga o que? Disse Thiago voltando do seu transe.

-Xadrez bruxo, eu e você, os dois não querem. Respondeu Sirius.

-Vamos, falou Thiago, ele e Remo subiram as escadas, para pegarem o xadrez bruxo e o livro, respectivamente.

Depois que voltarem, Thiago se jogou em uma poltrona, Sirius na da frente, Peter e Remo uma em cada lateral.

-Tava sonhando com quem de pé Pontas? Perguntou Remo antes de abrir o livro.

-Procurando a Evans, mas ela não tá aqui. Respondeu ele.

-Deixa quieto Pontas, se pegou pesado, agora é ir com calma. Disse Remo.

-Eu vou conseguir conquista-la Aluado, marque o que eu tô falando. Falou Thiago.

-As duas meninas podem parar de fofocar? – Disse Sirius e Rabicho riu – Quero jogar.

-Vamos então logo Almofadinhas – Disse Thiago – Vou te vencer fácil.

-Nunca, disse Sirius.

-Vamos apostar então? Ofereceu Thiago.

-Fechado – Falou Sirius – O que apostaremos?

-Aquele que perder faz algo vergonhoso. Sugeriu Peter.

-Mas o que vergonhoso? Perguntou Thiago.

-Quem perder precisa sair pelado nos corredores. Respondeu Sirius.

-Nossa... Falava Thiago, que percebeu até Remo tirar o foco do livro para escutar.

-Tá com medo? Interrompeu Sirius.

-Nem um pouco, ganharei fácil demais – Disse Thiago – Sairá pelado, e irá pisar em todos os andares.

-Fechado, falou Sirius.

-Vocês são loucos, se forem pegos é expulsão na certa, alertou Remo.

-Ah Aluado lê seu livro vai. Disse Sirius.

-Quero ver quem vai ser o lerdo a sair pelado agora, falou Remo.

Thiago e Sirius então começaram um disputado confronto de xadrez, ambos sabiam que quem perdesse iria se humilhar muito com a aposta, portanto faziam o jogo mais pensado que eles já jogaram.

Os dois calculavam cada movimento que fariam, e já buscavam pensar 3 e até 4 movimentos mais adiante do amigo. Não havia nenhuma soberba pela dupla, que estava muito preocupada pela vitória.

Remo e Peter acompanhavam quietos o jogo, com os olhos vidrados, Remo que costumava jogar xadrez bruxo de vez em quando, mas sempre que podia ficava assistindo Thiago e Sirius, excelentes no jogo, para melhorar ainda mais o seu nível.

Por sua vez, Peter a cada vez que um dos dois matava uma peça adversaria, ele ficava em êxtase, e vibrava, indiferente se fosse Thiago ou Sirius, isso porque Peter não sabia jogar, já que algumas vezes, era necessário matar uma peça, para ser morta, algo que ele nunca entendeu o motivo disso no jogo.

E com o tempo passando, o jogo foi chegando ao fim, estava faltando apenas o Rei e um Peão para Thiago e para Sirius um Cavalo e o Rei, ou seja, Sirius estava em vantagem pelo Cavalo sobre o Peão.

Para a surpresa de Remo, que assistia atento, Thiago tinha isso planejado, a posição que ficou o bispo ao matar a torre do apanhador, era perfeita para Thiago mata-lo com o Rei. Sobrando apenas um Rei para Sirius e um Peão e um Rei com Thiago.

Depois dessa jogada planejada por Thiago, Sirius precisou usar uma estratégia defensiva, de apenas deixar o seu Rei longe das peças de Thiago, com isso já mostrava que a vitória estava encaminhada para Thiago, mas que ele não desistiria.

Enquanto Sirius buscava deixar o Rei longe dos problemas, o Peão de Thiago se transformou na Rainha ao fazê-lo chegar na última linha do tabuleiro bruxo. Ficando então um Rei e uma Rainha do apanhador contra um Rei solitário do batedor.

A Rainha de Thiago fez toda a diferença no jogo, com seus movimentos totais sendo possíveis, deixou Sirius em uma posição bem complicada. Ele sabia que não duraria muito, mas não pretendia desistir.

Sirius sempre que conseguia uma brecha, afastava o Rei de perto de Thiago, mas a estratégia, como já imaginada, não segurou Thiago por muito tempo, que brincava com a Rainha para o desespero de Sirius.

Quando Thiago finalmente conseguiu dar o xeque-mate em Sirius, ele comemorou bastante, enquanto o moreno sabia que agora ele estaria ferrado.

Thiago fez tanto barulho vibrando por sua vitória, que chamou atenção de todo o salão comunal. E logo em seguida, Remo desejou boa sorte para Sirius, pois não seria nada fácil cumprir a aposta.

-Pronto para o seu passeio Almofadinhas? Perguntou Thiago com um sorriso maroto.

-Claro que não, mas eu apostei, vou cumprir. Disse Sirius.

-Assim que se fala Almofadinhas. Disse Peter.

-Que horas será o show de horrores? Perguntou Remo.

-Quando formos os últimos aqui nos saímos, disse Sirius.

-Você que vai, nós não. Falou Thiago.

-Vocês vão juntos sim, além de me verem nu, tem que conferir que cumpri a aposta de passar por todos os andares. Cobrou Sirius.

-Podia ser agora com outros alunos pelos corredores. Disse Thiago.

-Nem fudendo. Falou Sirius.

-Tá bom vai, seria mancada também. Disse Thiago.

Thiago ficou o tempo todo pesando sobre Sirius do castigo que ele teria que pagar, enquanto Peter ficava rindo do que Thiago falava, e comendo seus doces, e Remo, enfim lia seu livro.

Quando era por volta de uma da manhã, o último aluno da Grifinória, que não era um maroto, saiu do salão comunal, restando ali apenas os quatro, prontos para verem Sirius passar a maior vergonha dele na vida, e provavelmente a coisa mais humilhante que já fora feito em Hogwarts, nesses mil anos.

-Pronto Almofadinhas? Perguntou Peter risonho.

-Calado Rabicho, disse Sirius.

-Não vai desistir né, falou Thiago.

-Claro que não, me colocaram na Grifinória, pela coragem. Respondeu Sirius firme.

-Vamos logo então. Disse Thiago.

-Aluado qualquer coisa fique embaixo da capa, lembra do que a Minerva disse se você for pego, perderá a posição de monitor. Lembrou Thiago tirando a capa de invisibilidade do bolso.

-Se formos pegos, eu serei também, não deixarei vocês pagarem sozinhos. Falou Remo e Thiago fingiu que concordou.

-Vamos então. Falou Thiago.

-As donzelas irão ver o mais bonito de Hogwarts pelado, disse Sirius começando a tirar a roupa.

-Espera. Disse Remo.

-O que Aluado? Perguntou Thiago.

-Não vamos ver o Almofadinhas pelado – Disse Remo – Vamos transfigurar esses dois pergaminhos em penas para você sair assim, daí não sofreremos tanto.

-Apoio o Aluado. Falou Peter.

-Apoiado – Disse Thiago, pegando dois pergaminhos quaisquer colocados no mural da Grifinória, e tocou neles com a varinha e sibilou o feitiço, transfigurando-os em duas penas brancas, e entregou a Sirius – Vamos pegar o mapa do maroto lá no quarto, não queremos ver você colocando as penas.

-Vocês querem ver, admitam. Disse Sirius, mas os três não ligaram, e ambos seguiram em direção ao dormitório, enquanto o moreno já começou a tirar a roupa.

3 minutos depois, os três marotos saíram do quarto, e foram para o centro do salão comunal, onde se depararam com Sirius Black sentado sensualmente em uma poltrona, nu, que tinha apenas uma pena cobrindo seu órgão genital.

-Que nojo Almofadinhas. - Disse Thiago - Me lembrem de queimar essa poltrona quando voltarmos.

-Queimar todas porque não sabemos onde mais ele ficou. Disse Remo.

-Vocês querem esse corpo - Disse Sirius mexendo em seu cabelo moreno, sensualmente, provocando os amigos - Vamos logo, estou morrendo de frio.

Sirius então levantou e eles viram que as duas penas, uma cobrindo a frente e outra atrás, estavam entrelaçadas para evitar possíveis e constrangedoras quedas das mesmas.

Os quatro grifinórios então saíram do salão comunal, Thiago, Remo e Peter embaixo da capa, e Sirius saiu nu do retrato da Mulher Gorda, que reprovou a atitude de Sirius, além de tapar os olhos, mas entre um dedo e outro, em um pequeno espaço, onde ela via o corpo do moreno.

Eles estavam dando muita risada embaixo da capa, principalmente Peter, enquanto os outros dois também riam da situação de Sirius, que virava e mexia escutava repreensões dos quadros.

Quando já havia chego no quarto andar, foi a vez deles se surpreenderem, uma mulher de um dos quadros começou a berrar, assustando-os. Eles ficaram com medo e tentaram retornar ao salão comunal rapidamente.

Enquanto eles voltavam, os demais quadros aproveitaram o início dos primeiros berros no quarto andar, e entraram no embalo, ficaram muito eufóricos, fazendo em segundos, Thiago, Sirius e Remo escutaram um som que não era dos quadros, ou seja, alguém podia estar chegando, e Peter não parava de rir.

Rabicho então não se aguentava, portanto acabou saindo da capa de invisibilidade, ficando as claras, como Sirius. Thiago saiu para puxar Peter não ser pego e puxar Sirius também. Porém quando ele foi puxá-los, uma luz apareceu no início do corredor, ou seja, algum aluno ou professor havia chego.

Peter logo aproveitou sua forma animaga ser um rato, e logo se transformou, Thiago estava fora da capa, e viu que Remo estava saindo então sussurrou apontando a varinha:

-Petrificus Totalus!

Remo então ficou petrificado, embaixo da capa, onde não seria pego, ficando na visão do estranho apenas Thiago e Sirius, ainda nu, e logo escutaram:

-Fiquem parados – Ordenou a voz, logo reconhecida por eles, sendo da Professora de Transfiguração – Quem está aí?

-Iremos admitir professora – Falou Thiago e a Professora logo reconheceu quem era – Sou eu Thiago e o Sirius, porém recomendo que a Senhora abaixe a luz, e se puder conjurar um roupão seria melhor.

-Como assim? – Perguntou McGonagall, que vestia um roupão rosa, sobre seu pijama, e ela abusou da orientação, e levantando a luz nos dois garotos e logo em seguida soltou um leve grito e abaixou a luz, apagando-a, e sussurrou umas palavras e um roupão foi conjurado – Vista-se Black!

Sirius pegou o roupão, vestiu-o e disse:

-Já vesti.

Ela acendeu novamente, vendo o garoto moreno, de roupão e Thiago Potter, ao lado.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...