1. Spirit Fanfics >
  2. Married With The Fame >
  3. Capítulo 2: O Golpe

História Married With The Fame - Capítulo 2


Escrita por: e Dreblack


Notas do Autor


Olá pessoal!
Primeiramente gostaríamos de começar agradecendo pelos comentários no capitulo anterior, para nós fois importante ter o feedback de vocês e agradecemos por isso. Em segundo lugar queremos pedir desculpa pela demora mas ambas fazemos faculdade e é tudo muito corrido, então inicialmente estamos com uma pequena dificuldade em organizar nosso tempo para escrever. Esperamos de coração que gostem deste capítulo também. Beijinhos!

Capítulo 2 - Capítulo 2: O Golpe


Fanfic / Fanfiction Married With The Fame - Capítulo 2 - Capítulo 2: O Golpe

12 Horas Antes...

Daenerys:

Observo meu reflexo no espelho do quarto de minha amiga Missandei, a imagem da jovem em seu vestido de noiva escolhido com tanto cuidado, os detalhes em renda na camada inferior do vestido com um tule na parte mais externa, as alças caídas sobre os ombros na altura dos meus seios enquanto que os meus fios de cabelos platinados e enrolados estavam parcialmente presos cobrindo assim quase toda as minhas costas, e em meu rosto uma maquiagem em tons claros combinando com o batom nude com um tom meio metálico nos lábios, em minhas mãos o buquê de flores orquídeas brancas, presas por um belo laço de ceda em tom nude que repousava sob a cama. Eu mal conseguia acreditar na imagem refletida no espelho, meu grande dia finalmente havia chegado, em pouco menos de uma hora me tornaria oficialmente a senhora Naharis.

Mexi nervosamente no anel de pérola que herdei da minha mãe, respirei fundo pensando o quanto gostaria que ela estivesse aqui ao meu lado neste dia tão especial, Rhaella e Aerys Targaryen meus pais mortos tragicamente em um acidente de carro a treze anos atrás, fazia tanto tempo no entanto em alguns momentos como esse por exemplo meu coração apertava, eu me via desejando desesperadamente a presença deles ao meu lado.

Minha mãe era uma mulher cheia de vida meu pai costumava chamá-la de seu pequeno raio de sol, sempre animada, capaz de nos arrancar sorrisos até nós momentos mais difíceis, papai era mais calmo um pouco fechado, e super protetor principalmente comigo, sua princesinha como ele costumava me chamar, algo me diz que ele teria resmungado por um bom tempo com a minha decisão de subir altar tão nova, aos vinte três anos, eu Daenerys Targaryen estava prestes a dizer sim ao homem que em pouco tempo se tornou meu Porto seguro, Daario sempre foi um companheiro atencioso cheio de uma auto confiança que me encantou, tudo com ele era no preto no branco, sem jogos, sem provocações, ou surpresas, ele era extremamente sério, como eu havia herdado um pouco do bom humor da minha mãe, confesso que tive moldar um pouco desse meu jeito brincalhona por ele, no entanto eu não me arrependo tudo que eu mais busquei desde a morte dos meus pais era segurança e estabilidade e foi exatamente o que Daario me ofereceu. Então casar com esse homem incrível que se dizia loucamente apaixonado por mim parecia a decisão mais correta da minha vida. Eu merecia ser feliz depois de todas as tragédias pelas quais passei.

Eu havia perdido meu irmão Viserys a pouco mais de três anos eu não o via a cerca de dois anos, meu irmão havia ficado perdido depois da morte de nossos pais, podre Viserys tinha acabado de completar quinze anos na época do acidente, meu doce e tímido irmão se tornou alguém irreconhecível, abandonou a escola começou a fazer uso de entorpecentes, a situação chegou ao extremo do nosso tio avó Aemon com quem fomos morar em dragostone após a morte de nossos pais ter que expulsa-lo de casa depois dele me agredir por causa de dinheiro, depois de torrar toda sua herança, tentou me obrigar a passar a minha parte para ele, tio Aemon não permitiu, então ele desapareceu de nossas vidas, então um belo dia dois policiais bateram em nossa porta, meu irmão havia sido morto por um agiota a quem ele devia muito dinheiro, lembro-me de chorar a noite inteira, pelo o garotinho que tinha sido único a me ensinar andar de bicicleta, jogar videogame, a verdade e que o meu irmão não tinha morrido naquela manhã, havia morrido naquela noite no acidente que levou nossos pais, todo que sobrou fora uma casca vazia, todos os dias eu lutava para que a perdas deles não fizesse o mesmo comigo.

Talvez fosse por isso que aceitei o pedido de casamento do Daario com apenas dois anos de namoro sem me importar que teria que deixar a minha vida em dragostone pra trás, pois o mesmo fora chamado para trabalhar numa agência de segurança aqui em Braavos, depois da morte do meu tio avó há um ano e dois meses atrás, Daario se tornou a pessoa mais importante da minha vida, Tio Aemon teve uma morte natural dormindo em sua cama, embora tenha me causado tristeza vê-lo partir, eu sabia que havia chegado a sua hora, e o mais importante meu tio avó viveu a vida do jeito que quis, trabalhando como médico ate perder sua visão, escrevendo suas lindas poesias uma das quais eu fiz questão de recitar em seu funeral dizia

Viver, cantar, dançar são o meu lema

Sorrir quando a vida te faz chorar o meu legado

Desistir, desta palavra desconheço o significado

Mas amar desta nunca me esqueço.

Daario havia achado bobo da minha parte porém não haviam palavras melhores para definir meu tio avó do que as palavras dele mesmo.

Mas voltando a mim e meu futuro marido eu conheci Daario durante o meu último ano da faculdade eu cursava um curso de tradutora eu falava seis idiomas, Daario me ouviu conversando em Valeriano com uma amiga num bar e havia ficado encantado com a minha fluência, então perguntou se eu poderia ensina-lo eu pagaria e claro eu topei depois de algumas semanas confessou que era fluente no idioma, ele só estava atrás de um pretexto para me conhecer melhorar, sua atitude foi tão fofa que aceitei, para ser sincera apesar de amar meu noivo eu nunca havia sentido uma paixão implacável por ele, mas sabe era até melhor assim, isso dava uma estabilidade a nossa relação que muitas pessoas com relacionamentos até mais longos provavelmente invejariam, respeitávamos uma ao outro e isso era o mais importante.

— Você esta tão linda minha amiga. – A voz de Missandei me tira de meus pensamentos, eu a conheci em um programa de intercâmbio da minha faculdade, mesmo depois que ela veio pra Braavos nunca perdemos contatos, minha amiga ficou radiante quando anunciei que me mudaria para cá, inclusive me ajudou a encontrar o apartamento perfeito, cujo eu paguei com o dinheiro da venda da pequena casa que meu tio avó havia me deixado.

Viro-me para observar minha melhor amiga em um vestido verde claro de pescoço e sem decotes porém o tecido da seda praticamente colava em seu corpo exibindo suas belas curvas, a pele morena em contraste com o tom claro do vestido e seus cabelos crespos e volumosos presos por uma bela tiara deixando os cachos armados atrás. Sorrio em sua direção, minha amiga fiel, minha madrinha, ela e Daario se tornaram minha única família, eu não sei o que seria de mim sem os dois ao meu lado.

Missandei vem até mim abraçando-me parecendo estar prestes a explodir em lágrimas.

— Eu tenho vontade de chorar toda vez que te vejo nesse vestido, você está tão linda Daario vai enfartar quando te ver. – Ela brinca se separando de mim abanando as mãos tentando não chorar.

— Nem brinque com uma coisas dessas, quero me casar na igreja não num hospital. – Digo ela ri.

— Acho que a gente pode ir né? -- pergunto pegando o buquê sobre a cama dela — Não quero atrasar muito

— Você é a noiva, pode e deve atrasar. Missandei brinca me fazendo girar os olhos, estou ansiosa demais para seguir essas tradições bobas.

— 10 minutos é tempo suficiente, Daario deve esta surtando com este atraso -- falo a puxando para fora do quarto enquanto ela ri alcançando sua bolsinha no sofá da sala, descemos a escadaria do apartamento que não tem elevador mas por sorte ela vivia no terceiro andar e eram somente seis lances de escada até a portaria onde o carro que nos levaria aguardava-nos, como estava a pouco tempo em Essos conhecia poucas pessoas e ligação forte somente havia com Missandei que conheço desde a faculdade então somente ela acompanhava-me no carro já que família de sangue os conhecidos estavam mortos e os desconhecidos, bom eles são desconhecidos se é que há algum Targaryen vivo por ai ainda.

Observo pela janela a movimentação fora do veiculo enquanto ele segue ao caminho da pequena igreja que escolhemos nos casar. Era simples e tão acolhedora, perto do nosso apartamento onde meu noivo havia ficado para se arrumar e assim nossos vizinhos com quem tínhamos contato poderiam ir sem problemas, como eu disse Daario tinha esta estabilidade de casal e para nós não havia necessidade de ultrapassar limites e barreiras na relação, tudo era muito bom como era e um casamento em uma pequena igreja com poucos convidados, apenas pessoas próximas, um clima aconchegante, era o suficiente pra mim, para nós.

Missandei não morava longe da igreja mas eu não iria andando até a mesma para chegar suada e fedorenta no meu grande dia. Eram cerca de quatro quarteirões até estarmos na igreja e mais três até o conjunto de apartamentos onde eu dividia minha vida com Daario neste continente ha uns meses, assim que o veículo para em frente a igreja eu não consigo conter o sorriso, casar-se com um homem que te faz bem é o sonho de toda mulher, assim que o motorista e vizinho de Missandei abre a porta e minha amiga sai, Tessa a minha vizinha surge no exato momento que eu estou deixando o veiculo com auxilio de Hardin o meu motorista por hoje, eu sou tão grata a ele por me levar ao salão e depois a casa de Missandei e a igreja enfim, ele me salvou nesse dia tão especial.

— Você esta linda queria. --- A mesma me cumprimenta.

— Obrigada Tessa -- agradeço antes que eu tenha chance de retornar o elogio ela diz:

— Infelizmente o noivo esta atrasado também -- solta de uma vez, a mesma nunca foi de se controlar mesmo, mesmo sendo uma boa Pessoa, era a maior fofoqueira do condomínio.

— Atrasado? O Daario .. o cara que todo dia joga o lixo no mesmo horário ? -- questiono cética, Daario era neurótico com pontualidade um pequeno atraso era capaz de tira-lo do sério. Minha vizinha confirmar com a cabeça.

— Ele deve esta nervoso, pode ter perdido o horário, afinal não é todo dia que um cara casa com uma mulher tão fabulosa como você -- Missandei fala numa tentativa de me acalmar, concordo com minha amiga afinal todo mundo tem o direito de ficar nervoso em seu casamento, até o noivo. O padre me concede uma salinha aos fundos da igreja para aguardar, era até que confortável com um sofá de dois lugares cinza, uma planta ao canto próxima a janela de cortinas cinza, o piso de madeira escuro, duas cadeiras antigas e um belo lustre acima de mim.

Refaço todos os passos do meu dia até este momento, primeiramente eu acordei após uma noite no apartamento de Missandei, a colega de quarto de apartamento dela dormiu fora, para nos dar um pouco de liberdade na minha despedida de solteira que segundo a própria era "deprimente e tediosa" afinal minha amiga e eu assistimos filmes, comemos besteiras, bebemos um pouco e desmaiamos de cansaço poucas horas depois. E esta manhã ao acordar havia um café da manhã de casamento simples mas delicioso preparado por Missandei, e então eu tive que ir ao salão onde fizeram minhas unhas das mãos e dos pés, lavaram meu cabelo, secaram e fizeram um penteado que eu escolhi, nada extravagante, romântico para combinar com o vestido, e por ultimo fizeram minha maquiagem enquanto eu tinha que escutar as fofocas sobre pessoas que eu nem conhecia, algumas só de vista do bairro, outras nem de vista. E claro todas as mulheres estavam comentando sobre a produção de um novo disco de um cantor que minha amiga adora. Eu gostava de música no entanto nunca foi do tipo fã que acompanha tudo sobre o artistas, comprar todos os discos essas coisas e tudo mais que se encaixa em perfil de fãs. Após minha manhã de noiva eu retornei ao apartamento onde terminei de me preparar e segui já toda montada para a igreja ao encontro do meu noivo mas ele não estava aqui.

— Quer beber água?-- Missandei questiona observando eu andando de um lado pro outro pela salinha enquanto tento desesperadamente um contato com Daario mas o telefone nem chama.

— E se algo aconteceu no caminho? Algum acidente? -- Questiono imaginando o pior ignorando sua pergunta.

— Se fosse algo assim já teríamos recebido a noticia Dany, noticia ruim vem a cavalo não é esse o ditado ?—Diz então tenta me acalmar conforme eu sigo ligando para o celular do meu noivo.

— Quer saber eu vou até o apartamento ou vou refazer o caminho de casa e ver se ele não esta por ai machucado, eu não consigo ficar parada aqui sem ter nenhuma notícia, eu não acredito que isso está acontecendo comigo. -- anuncio mas ela não me deixa sair da sala — Sai da frente Missandei de Narth. – Digo grosseiramente quando minha amiga se coloca na frente da porta tentando me impedir de sair.

— Eu não posso deixar você sair por aí nesse estado, espere mais um pouco o Daario vai chegar – Diz enquanto me direciona até o sofá se sentando comigo. Aguardamos por cerca de mais meia hora até que eu a convenço de pedir a Hardin para refazer o caminho com o carro em busca de Daario, e então aguardamos pelo retorno do mesmo com noticias.

— Ele só precisava vestir o terno e vim pra cá, pelos deuses onde Daario se enfiou?-- questiono levantando já impaciente e ouço batidas na porta, em seguida Hardin enfia a cabeça para dentro da sala após abrir um pouco a mesma — E ai, onde ele esta ?

—Eu não o achei em nenhum canto, no condomínio quando interfonei o porteiro disse que ele deixou o local a um par de horas -- Hardin responde

— Obrigada Hardin, de verdade -- agradeço e pego meu buquê sobre o sofá saindo da sala em seguida e entro na igreja pela lateral do altar chamando atenção dos convidados presentes que estavam cansados de esperar pelo noivo que aparentemente não chegaria — O casamento foi cancelado, não conseguimos achar o Daario, talvez tenha ocorrido algum incidente em algum lugar ele não conseguiu entrar em contato, eu vou sair a procura dele mas por hoje não haverá casamento, desculpe os fazer esperar e obrigado por compreenderem.

Após explicar isso saio da igreja pela porta da frente, pela qual eu deveria estar entrando e não saindo dessa forma horrível sem saber o que tinha acontecido acontecendo. Onde Daario estava? Se ele estava bem? Eram tantas perguntas me rondando a mente no momento, buquê de flores em minhas mãos balançavam já que comecei a tremer nervosamente, mas tentei manter uma expressão de calma absoluta, afinal deveria existir uma explicação plausível para este homem ter sumido assim logo no dia do nosso casamento Daario me amava, e ele me diria tudo quando o encontrasse e ficaria tudo bem, depois resolveríamos este probleminha e nós casaríamos.

— Obrigada Missy e Hardin . - digo quando paramos em frente ao meu prédio.

— Tem certeza que não quer ajuda Dany? – minha amiga oferece quando afirmo que subirei sozinha.

— Eu tenho, só vou trocar de roupa e sair a procura de Daario, ele deve estar precisando de mim -- falo então deixo o carro, subo a escadaria com seis degraus até chegar a entrada do prédio e observo Roman nosso porteiro em seu posto e assim que atravesso as portas da recepção ele vem ao meu alcance.

— Senhorita Targaryen, Daario pediu que lhe entregasse suas coisas -- Ele aponta para meu conjunto de malas ao lado do balcão da recepção onde ele costumava ficar atrás do mesmo deixando-me totalmente confusa — Os novos moradores chegaram essa manhã.

— O que ? Do que estas a falar Roman? – Questiono certa de que há algum engano aqui.

— O apartamento, os novos moradores chegaram esta manhã e eles desceram suas malas a pedido de Daario -- ele explica e encaro sem entender.

— Pelos deuses novos e antigos Roman, o que esta falando?--- pergunto irritada enquanto aperto o botão do elevador e subo ao sexto andar onde ficava meu apartamento com Daario. Assim que as portas do elevador se abriram posso ver caixas no corredor e um homem entrando no meu apartamento carregando algumas delas, caminho até o mesmo incrivelmente irritada, eu tremia de raiva feito um pinscher se fosse comparar, entro no apartamento assustando a mulher que estava retirando alguns objetos da caixa, sobre o meu sofá estava um jogo de almofadas novos e tantas outras coisas, alguns móveis ali ainda eram meus mas a grande maioria eu não reconhecia — Saiam da minha casa agora ou eu chamo a policia. – Ameaço certa de que se trata de algum tipo de invasão.

— Quem chamará a policia somos nós senhora, este apartamento é nosso -- O homem responde irritado, me deixando ainda mais chateada.

— Onde esta o Daario?-- questiono entrando em todos os cômodos mas estavam vazios, não havia vestígios de que o apartamento fora ocupado a meses, exceto pelo meu belo sofá vermelho na sala e o aparador da mesma cor, a televisão que eu demorei meses a pagar somente para ter uma com acesso a internet para assistir series com aquele fodido do Daario — Quem são.. como .. quando?

Não conseguia nem finalizar as perguntas que eu tinha em mente. Daario me abandonou no altar e ainda por cima tomou tudo que era meu, me deixou na ruína total e fugiu como um covarde, um bandido e covarde, como eu fui estúpida, pelos deuses o que será de mim agora? O que fiz para merecer tanta dor assim?

— O contrato foi fechado a um mês, demos a vocês um mês para remover o que não nos serviria -- O homem fala com os braços cruzados encarando-me enquanto sento no sofá sem nem perguntar se podia, eu sentia que era meu ainda, mas não era.

—Eu não vendi nada, era tudo meu e eu não vendi nada -- Me exalto gritando com ele enquanto as lágrimas acumulam-se em meus olhos e molham minha face, que se dane a maquiagem eu não iria ter mais casamento, minha vida estava arruinada.

— Temos as assinaturas necessárias moça, da compra do apartamento com alguns móveis -- A senhora fala mais calma que o marido e então ele some e quando volta tem em mãos a pasta com documentos todos assinados e rubricados por Daario e por mim, mas não me recordo de ter assinado nada disso.

— Eu não .. o que eu assinei não foi isso, eu assinei um documento dando a ele representatividade dos meus bens .. que estupida eu fui -- falo acertando um tapa em minha testa e devolvo o documento ao senhor que o guarda.

—É tudo nosso agora, o que sobrou nós mandamos descer -- Ele fala sério e eu levanto-me do meu antigo sofá totalmente envergonhada e humilhada

— Esta bem querida? Parece que esta passando mal -- A senhora comenta seguindo-me até a porta conforme eu ando ainda atordoada após tudo isso e eu apenas confirmo, coloco na mão dela o meu buquê de flores e fecho seus dedos em torno dele.

— Para sua nova casa. – Consigo dizer em meio as lágrimas.

Saio do apartamento sem olhar para trás e quando estou no elevador grito altamente tentando colocar para fora toda a raiva que eu estava sentindo, não havia câmeras dentro dele mesmo, ninguém veria meu pequeno ataque, eu mataria Daario com minhas próprias mãos se o visse de novo. Saio do elevador e ignoro os comentários de Roman sobre minha malas enquanto ele me segue para fora do apartamento ansioso e nervoso por saber da situação atual em que me encontro, era o meu pico de humilhação ouvir Roman falar que Daario não me deixou nenhuma carta ou aviso.

— Que ele se exploda -- grito com o porteiro descontando nele minha raiva e ele dá um passo para trás quando estamos na calcada do prédio de cor verde, dou as costas a ele e sigo andando.

— Sua malas Srta. Targaryen -- ele grita para que eu o escute do outro lado da rua

— Eu pego depois caramba, pelo amor dos Deuses será que não percebeu ainda que foi largada no altar? – questiono antes de dar as costas pra ele.

Continuo andando conforme ele grita que só poderá mantê-las até amanhã sigo ignoro cada grito dele, o mesmo ainda pergunta se eu não quero que ele ligue para alguém, da calçada do outro lado da rua eu olho para o prédio mais uma vez e lá estava a senhora olhando-me da pequena sacada onde estava já lotada de flores, eles são rápidos eu admito e o salafráio do Daario foi um ninja em me dar o golpe, nem desconfiei que aquele imbecil, filho da puta tava vendendo tudo que era meu para me abandonar hoje, no dia do nosso casamento. Que ódio eu sinto de mim, por confiar tanto nele assim, mas como eu não confiaria? O conheci aos meus 20 anos, nos relacionamos desde então, três anos de relação para acabar dessa forma, será que desde o inicio ele planejava fazer algo desse tipo comigo? Todas as suas promessas, suas juras de amor foram falsas?

Caminho entre as pessoas pela rua e elas me olham como se eu fosse alguma aberração e a este ponto não consigo nem conter as minhas lágrimas tamanha vergonha e humilhação eu sentia por ter passado por tudo aquilo. Primeiramente abandonada no altar e depois descubro que nem casa tenho mais, como eu fui estupida pelos deuses, tio Aemon deve esta a se revirar no túmulo envergonhado pela minha estupidez enquanto Viserys provavelmente esta rindo da burra que me tornei.

Continuo a caminhar em linha reta pela calçada me afastando cada vez mais do prédio e da minha rua. Não tinha planos de voltar mesmo e na verdade eu nem tinha plano nenhum no momento, eu só queria sumir do mapa tamanho o constrangimento e dor que sentia, eu tinha sido uma vitima daquele vigarista e não deveria me envergonhar pelo que sofri mas sinto-me assim e não consigo evitar, eu choro copiosamente por um longo tempo enquanto caminho até que minhas lágrimas secam e eu apenas sigo em frente retiro meus sapatos quando os pés começam a reclamar do aperto dos calçados e os mantenho em minhas mãos enquanto sirvo de distração para algumas pessoas que passavam por mim na calçada, olho-me no reflexo de uma vitrine e por mais que as lágrimas tenham marcado minhas bochechas e meus olhos estarem vermelhos, a maquiagem estava intacta por ser a prova d'água, havia esquecido desse fato mas pouco me importava sinceramente.

Continuo minha caminhada sem direção, já estava andando a horas, no entanto me sentia sozinha e perdida, apenas queria seguir sem rumo e por a cabeça no lugar, cruzar os limites da cidade talvez e mudar de identidade para que ninguém saiba o que aconteceu comigo, nunca mais me deixar enganar por um homem novamente.

No dia seguinte.....

Acordo sentindo minha cabeça doer então fecho os olhos rapidamente para reverter a tontura, e em milésimos de segundo eu percebo que não reconheço o quarto onde estou, para começar não me lembro de muita coisa, abro novamente os olhos um pouco mais lentamente e não reconheço o lustre suspenso lindamente no meio do quarto, na verdade nunca vi um objeto tão caro assim em minha vida, viro-me lentamente na cama cabeça martelando profundamente prendo o grito ao ver uma figura dormindo ao meu lado, estava de barriga para baixo com o rosto virado para o outro lado e tudo que eu via era seus cabelos escuros e enrolados.

— Definitivamente essa pessoa não era minha melhor amiga.

o estranho se mexe quando eu sento na cama ignorando os protestos do meu corpo que doía, minha cabeça parecia que iria explodir meu estômago estava revirando e eu tinha um gosto horrível na boca, olhando para o meu corpo vejo que estava apenas com o conjunto de lingerie de renda branca que tinha escolhido especial mente para minha noite de núpcias, passo a mão nervosamente pelos meus cabelos que estão agora completamente soltos e penso comigo mesma pelos deuses o que eu fiz? Sentada como estava ainda consigo ver a aliança no dedo dele, puta merda ele ainda é casado sua idiota, ótimo Daario me transformou numa puta, não basta ter tido seu casamento destruído Daenerys agora você quer fazer o mesmo com os outros. é o que eu pensava enquanto esfregava meu rosto com as duas mãos tentando não surtar quando olho para minha palma esquerda noto uma aliança no meu dedo, então volto olhar para mão do estranho a aliança eram sem dúvidas um par, arregalo os olhos chocada, que porra essa? Penso então arrasto-me pelo grande e confortável colchão enquanto observo a figura masculina temendo que o acorda-lo mas não calculei que em dois movimentos estava caindo no chão feito uma fruta madura fazendo o estranho acordar.

— Droga, eu nunca mais bebo desse jeito. Ele resmunga sentado na cama e parece não ter me notado ainda até olhar em volta e me ver ali sentada no chão ao lado da cama o olhando desconfiada e desnorteada. Ele era lindo parecendo a reencarnação do próprio Adônis.

— O que você está fazendo aí nesse chão floco de neve? – Questiona franzindo o cenho, espera ele acabou de me chamar de quê?

— Eu sinto muito.. eu .. quem é você? – Pergunto me levantando puxando o lençol numa tentativa de cobrir o meu corpo, não me importo se nós transamos, eu não me lembrava de nada então não iria ficar só de roupas íntimas na sua frente, mesmo que ele já tivesse visto o que tinha em baixo, aí meu Deus eu queria cair mortinha ali mesmo, eu tinha passado a noite com um estranho, um lindo estranho, mas ainda sim alguém que eu não fazia ideia de quem era. Ele levanta, então caminha na minha direção eu devia me mover no entanto a visão dele usando apenas uma cueca Boxer preta rouba minha atenção seu corpo era todo músculo, mais não aquele músculos exagerados do tipo que caras viciados em academia costumam ter, seus músculos eram proporcionais a sua altura, e eu estava tentando não prender o meu olhar naquele área proibida, no entanto era difícil ignorar todo aquele volume em sua cueca, Daario com certeza ficaria com inveja.

— O que não me diga que você não se lembra de nada? Ontem foi uma das noites mais divertidas da minha vida, embora eu devo confessar que não me lembro de muito coisa depois que chegamos aqui, não deveríamos ter bebido aquela champanhe, uma pena. – Lamenta descendo sua mão até o meu quadril dando um daqueles sorrisos molha calcinha que eu só tinha visto nos filmes, me deixando levemente desnorteada.

— Mais podemos corrigir isso o que acha? Sei de algumas coisas que podem nos ajudar a lembrar. – Diz de forma provocativa mordendo sensualmente o seu lábio inferior, deuses ele era uma porra sexy eu não podia negar, sinto sua barba contra o meu pescoço me arrepiando, seu cheiro masculino me deixando inebriada.

— Jon Snow abre a porta

A voz masculina berra do outro lado da porta me fazendo saltar para longe dele, oh não, não, a voz lá fora tinha acabado de dizer Jon Snow? Porra alguma chance dessa história ficar pior?

— Jon Snow, o cantor Jon Snow? - Pergunta incrédula provavelmente parecendo uma louca.

— Sim, eu mesmo -- responde colocando um conjunto de moletom preto.

— Eu .. minha nossa a Missandei vai dizer que eu delirei – falo apertando firmemente o lençol em meu corpo e ele ri

— Lembro de você ter dito isso ontem Daenerys -- ele comenta e vai ate a porta.

— Jon Snow eu sei que esta ai -- O homem grita novamente fazendo Jon revirar os olhos, ele olha-me dos pés a cabeça.

— Precisa vestir algo, ou Davos a verá assim. - diz me fazendo franzir o cenho.

— Quem é Davos ? E eu nem tenho roupa além daquele vestido de noiva imundo e rasgado -- falo apontando a peça no chão só o trapo, ele abre o armário do quarto, um mini closet para evitar que roupas fiquem amassadas nas malas, quanto luxo admito, e em seguida ele lança-me um moletom seu, agarro o mesmo e o lençol cai, então escondo-me atrás da roupa — Fecha os olhos

— Serio Daenerys? -- resmunga mas faz o que digo quando percebe que não vou mover um músculo enquanto não fazer o que peço, então me visto rapidamente e ele abre a porta. Um homem de estatura baixa, um pouco cheinho e calvo entra no quarto feito furacão sendo seguido por um mais jovem com óculos escuro escondendo parte do rosto.

— Que história é essa de casamento Jon? --- ele esbraveja — Eu decido desligar meu telefone por um noite crente que você e Robb saberiam se virar e acordo com as imagens que seu irmão tirou do seu casamento repentino com esta jovem desconhecida.

— Casamento? -- Grito em histérica me lembrando de repente da aliança em meu dedo, o estranho que agora eu descobrir ser apenas um dos maiores astros da música dos últimos tempos me encara confuso.

— Que maravilha, parece que dos dois lembra de nada, é tudo que me faltava um casamento e os noivos tem amnésia, vai ser uma manchete maravilhosa para sua carreira Jon Snow -- o homem surta caminhando de um lado a outro enquanto eu ainda estou paralisada processando a informação que havia explodido em nós como uma bomba, isso era real? Eu estava casada com um famoso? De repente o quarto começou a girar então tudo escureceu rapidamente.


Notas Finais


Isso é tudo pessoal!
Esperamos pelo feedback de vocês e que tenham gostado do capitulo assim como gostaram do primeiro. Beijinhos.

Trailer da fanfic:
https://youtu.be/1DY_d8AIexM


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...