1. Spirit Fanfics >
  2. ...Mas quem sabe agora? >
  3. Tudo vai ficar bem...

História ...Mas quem sabe agora? - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Desde já agradeço pela sua atenção e peço, antecipadamente, desculpas por qualquer erro aqui cometido.

Capítulo 3 - Tudo vai ficar bem...


          -Manhã seguinte-


Mark acordou com a cabeça dilatando e tudo ao redor rodando; estava de ressaca. O menor sentou na cama e começou a lembrar dos acontecimentos da noite anterior. Um gosto ruim lhe veio à garganta e os olhos comprimiram-se em raiva ao lembrar de Talisson.

-Bom dia. -Eddie falou entrando no quarto e Mark corou ao perceber que ele estava apenas de boxe.

-B-bom dia. -Gaguejou desviando o olhar.

Só naquele momento que Mark havia percebido o quão gostoso seu chefe era; Eddie tinha os músculos bem definidos e a pele branca, o sorriso era perfeito com os dentes branquinhos e a barba rala meio grisalha, meio castanho escuro, os cabelos eram no mesmo estilo(meio a meio) e o mais velho tinha dois furos com argolinhas em cada orelha, o que, de certa forma, o deixava mais atraente.

-Anjinho? -Eddie chamou estalando os dedos na frente do menor.

-Hum?

-O café está pronto. Vamos? -Falou apontando para a porta e Mark levantou-se.

-Ah, acho que vou trocar de roupas antes. -Disse olhando para seu corpo e Eddie riu.

-Eu não recomendaria usar as suas, elas estão fedendo a lixo e álcool. -O mais velho falou rindo. -Pode pegar uma muda minha, anjinho.

-Obrigado, chefe.

-Te espero lá embaixo.

Eddie saiu rumo à cozinha e Mark pôs-se a trocar de roupas. Assim que terminou, o menor desceu e encontrou com seu chefe, logo sendo convidado a sentar e o fazendo.

-Quer carona para a faculdade, anjinho? Ou vai ir direto para casa? -Eddie indagou bebendo o café da xícara.

-Não precisa se incomodar, chefe. O senhor já fez muito. -Mark falou envergonhado.

-Não é incômodo. E eu quero ter certeza de que você vai ficar bem, anjinho. E depois nós vamos dar queixa daquele seu ex-namorado maníaco. -O mais velho disse sério, cerrando a mão em raiva. -Eu não sei se deveria. Quer dizer... É difícil. -Mark falou receoso.

-Anjinho, eu vou com você e vou te apoiar de qualquer forma. Isso precisa ser feito. Agora, coma. Daqui a pouco nós saímos. -Disse sorrindo de leve para o menor e recebendo um aceno positivo.

Após terminarem o café, Mark arrumou suas coisas e Eddie o levou para a faculdade. Já que o menor não havia ido para casa na noite anterior e seus materiais estavam consigo, não precisou passar em casa. Mark apenas mandou uma mensagem para Camile e disse que iria direto e que se veriam mais tarde.



----''''----''''----''''----''''----''''----''''----



Mark já se encontrava na taberna, após ser arrastado por seu chefe até a delegacia e dar queixa de Talisson por agressão e ameaça. O menor estava consideravelmente mais aliviado por ter feito aquilo. Se sentia mais seguro. Mark estava perdido em pensamentos quando sentiu seus lábios pressionados por outros de repente.

-Chefe! -Exclamou envergonhado.

-Você estava com aquela expressão outra vez, anjinho. -Falou sorrindo e se divertindo com o embaraço do menor.

-M-mas por que o senhor...?

-Eu falei ontem, não lembra? Vou ser seu remédio até que eu só veja aqueles belos sorrisos no seu rosto outra vez. -Eddie disse se aproximando e acariciando o rosto do menor.

-I-isso é... -Mark gaguejou e Eddie riu, logo beijando sua bochecha.

-Você é um fofo! Agora vai se trocar, que seu turno já acabou por hoje. -Falou pegando o pano da mão do menor e o empurrando.

-Mas ainda é cedo. Não são nem oito horas da noite, chefe.

-Estou te dando um tempo maior em casa e você ainda reclama? Por deus, anjinho! -Eddie comentou colocando as mãos na cintura e fazendo pose de indignado.

-Desculpa e obrigado, chefe. O senhor é o melhor patrão! -Mark falou sorrindo alegremente e Eddie sorriu junto. -Mas não vai ficar apertado sem mim aqui? Digo, até o Tom chegar...

-Não se preocupa com isso, anjinho. O Tom tem que fazer as horas de ontem, então ele vai vir daqui a pouco. Agora vai se trocar. -Disse o empurrando e Mark foi.

O menor tirou a roupa do serviço e vestiu as que pegou com seu chefe de manhã, logo voltando para o bar.

-Chefe, eu já vou. -Mark falou receoso.

-Eu te acompanho. -Eddie disse animado e enroscou o braço do menor no seu.

-Obrigado. -Agradeceu baixo e aliviado por não ter que ir sozinho até o ponto de ônibus.

Eles ficaram conversando até o ônibus de Mark chegar e logo o menor despediu-se de seu chefe, recebendo um leve selar nos lábios e corando com o ato. Assim que chegou em casa, foi logo recebido por Camile e Larissa, que assistiam algo na tevê.

-E como foi com o Dinni, anjo? -Camile indagou sugestiva e Mark suspirou.

-O que é isso no teu pescoço? Se machucou, Kaquinho? -Larissa indagou caminhando até o garoto e analisando seu pescoço.

-Foi o Talisson. -Mark falou baixo.

-O quê?!?!?! Quando?? O que ele fez?? -Camile perguntou com raiva e levantou-se, segurando o menor pelos ombros.

-Calma, Mile. Eu já resolvi isso; dei queixa dele na delegacia.

-O quê?? E o que aquele filho da puta fez dessa vez pra você chegar a isso?!

-Ele apareceu ontem quando eu tava saindo da taberna e me beijou à força e mordeu meu pescoço. -Mark falou com nojo mostrando uma ponta do machucado.

-Ele abriu com uma mordida?! -Larissa perguntou surpresa.

-Sim. E ainda falou que se eu não fosse dele, não seria de mais ninguém. -O menor disse com um suspiro pesado e logo sentou-se no sofá, sentindo um arrepio no corpo. -Foi horrível. Ele parecia louco, Mile.

-Ele é louco! Eu sempre desconfiei daquela cara de cínico que ele tinha. -Camile falou balançando a cabeça em negativa.

-Espera. Mas e o Dinni, Kaquinho? Você foi ver ele depois do Talisson aparecer? -Larissa perguntou ao notar as roupas diferentes que o menor usava.

-Não. Eu não quero que ele saiba dessas coisas. Estamos recém nos conhecendo, não posso sobrecarregá-lo com isso.

-E aonde o senhor dormiu, posso saber? -Camile indagou apreensiva e mandou um olhar desconfiado para Mark.

-N-na casa do meu chefe. -Mark falou envergonhado.

-Quê?? -Larissa exclamou surpresa e sorriu.

-Como assim? E por que não veio pra casa? -Camile indagou indignada.

-Eu não queria vir daquele jeito e ser bombardeado de perguntas! Ainda mais porque eu bebi um pouco... -Mark confessou olhando para o lado e Larissa sorriu travessa.

-Então quer dizer que você tá saindo com dois, Kaquinho? -Larissa indagou sugestiva e riu.

-Q-quê?! Não! Eu só dormi! -Mark falou se justificando, já com as bochechas vermelhas.

-E essas roupas? São do seu chefe, não são? -A garota continuou e riu mais do nervosismo de Mark.

-Larissa! Não aconteceu nada! -O garoto falou levantando-se. -Vou tomar um banho!

Mark saiu a passos apressados e foi para seu quarto pegar uma muda de roupas, logo se direcionando ao banheiro e fechando a porta. Enquanto isso, Larissa e Camile discutiam sobre a situação do garoto.

-Tenho certeza que houve algo entre eles! -Larissa falou convicta.

-Essa não é a questão, Larissa. Eu tô começando a me preocupar com o que o Talisson pode fazer. -Camile disse preocupada.

-Ele não vai fazer nada, meu amor. Fica tranquila, o Mark vai ficar bem.

-É o que eu espero. -Suspirou apoiando a cabeça no ombro da garota de cabelos negros.




-Ei, o que acha da gente ir lá pra cima, no quarto? Tenho uma coisa muito divertida pra fazermos. -Larissa comentou travessa, após alguns minutos de silêncio, Camile sorriu, logo beijando seu pescoço.

-E o que seria? -Perguntou apertando a cintura da garota e sorrindo próximo à sua boca.

-Aposto dez que é aquele quebra-cabeças que tá em cima da sua cama. -Mark falou secando os cabelos, já ao pé da escada.

-Droga, Mark! -Larissa praguejou.

-É sério? Um quebra-cabeças? -Camile indagou rindo.

-Achou que ia ser o quê? Pervertida. -Larissa falou rindo baixo e Camile a mordeu. -Ai!

-Culpa sua. -A garota disse sorrindente e beijou a boca da namorada em um selar suave. -E o que vamos fazer hoje, anjo?

-Vou assistir um filme com o Dionísio aqui. -Mark falou levando a toalha para a área lateral e a estendendo, logo voltando para a sala.

-E você vai ficar de pijama? -Larissa indagou apontando para as roupas do garoto.

-Não é pijama. São só roupas confortáveis que eu gosto de usar à noite em casa. -Mark falou se defendendo e indo para a cozinha. -Alguém quer café? -Gritou do cômodo e recebeu um duplo 'sim' das garotas, que logo foram para junto de si.

-E que filme vamos ver? -Larissa indagou sentando-se na cadeira.

-Só não pode ser romance. -Camile falou revirando os olhos e sentou-se.

-Você não gosta? Poderia ter me dito a tempos, assim não iríamos tanto no cinema. -Larissa falou chateada e Camile se xingou mentalmente.

-Não é que eu não gosto, meu amor. Eu só acho que nós vemos bastante, não acha? -Camile indagou passando as mãos pela cintura da garota e recebendo um olhar frio.

-E por que não falou antes? Fiz papel de idiota esse tempo todo te levando pra ver filmes que você não gosta. -Falou emburrada.

-Lissa, não é pelo filme que eu vou com você ao cinema, é pra te ver contente. Eu te amo, minha linda. Assisto qualquer coisa de bom grado com você. -Camile disse sorrindo e Larissa cedeu.

-Tá. Me convenceu. Mas da próxima vez quem escolhe o filme é você.

-Tudo bem.

-Já acabaram aí? -Mark indagou pegando a jarra da cafeteira e servindo em três xícaras. -Vamos assistir um filme de ação e ficção, eu acho.

-Qual o nome? -Larissa indagou pegando uma xícara.

-O Predestinado. Só é meio antigo. -Mark terminou de falar e ouviu batidas na porta.

O menor caminhou calmamente até a porta e, antes de abrir, deu uma boa olhada no espelho e suspirou ao ver o curativo sobre o pescoço. Respirou fundo e girou a maçaneta, vendo o maior à sua frente.

-Oi. -Mark falou sorrindo e Dionísio sorriu em resposta, logo abaixando-se e selando os lábios do menor.

-Oi.

-Entra. -Mark disse dando passagem para o maior entrar e ele assim o fez.

-Oi, Dinni! Já faz um tempo, hein! -Larissa cumprimentou sorrindo.

-Oi, Larissa, Camile.

-E aí, grandão. Sinta-se à vontade! Quer um café?

-Claro. Obrigado. -Dionísio falou sorrindo e logo se sentou.

-Como é educado. -Larissa comentou e riu. -A gente vai te estragar, Dinni.

-Tenta. -Disse confiante e sorriu.

-É um desafio?

-Chega, chega. Aqui o café. -Camile falou lhe entregando uma xícara.

-Obrigado, Camile.

-Vou fazer a pipoca. -Mark disse indo para a cozinha.

-Deixa que a gente faz, anjo. -Camile falou puxando Larissa pelo braço. -Fica aqui e conversa com o grandão.

-Tudo bem. -Mark concordou e sentou-se.

Larissa e Camile logo foram para a cozinha e deixaram os garotos à sós.

-Desculpa por ter furado ontem.

-Tudo bem, Mark. Eu quem peço desculpas se atrapalhei seu serviço.

-Não atrapalhou. Não se preocupe. -Disse sorrindo e Dionísio se aproximou, deixando a xícara na mesa em frente ao sofá.

O maior segurou o rosto de Mark com suavidade e acariciou, logo beijando-o e pedindo passagem com a língua. Dionísio segurou na cintura de Mark com a mão livre e o puxou para si, sentindo as mãos do menor em sua nuca, puxando seu cabelo.

-Eu senti saudades, sabia? -Dionísio sussurrou rente à boca de Mark após o ósculo cessar.

-Eu também. -Mark confessou ofegante e sorriu.

-Você se machucou? -Perguntou preocupado ao ver o curativo no pescoço do menor, que logo se afastou colocando a mão sobre o local.

-S-sim. Eu cortei sem querer no serviço. -Mark falou nervoso.

-Não foi fundo? Está tudo bem, mesmo? -Indagou se aproximando e tocando o rosto do menor.

-Não. Tá tudo bem. Sério. -Falou sorrindo para tranquilizar o maior.

-Quer um beijinho para curar? -Dionísio perguntou com um sorriso no canto dos lábios.

-Quero, mas tem que ser na boca. -Mark disse aproximando-se do maior e selando seus lábios.

-A pipoca tá pronta! -Larissa falou entrando na sala e carregando a bacia de pipoca.

-E aqui tem suco, porque refrigerante dá diabetes. -Camile comentou com a garrafa na mão e quatro copos.

-Vamos começar, então? -Larissa indagou se ajeitando no sofá.

-Vou pegar uma coberta! -Mark falou levantando-se.

-Pega para nós também, anjo! -Camile pediu antes que o garoto subisse as escadas.

-Já volto. -Mark falou subindo e logo pegou duas cobertas, as levando para baixo e entregando uma à Camile. -Vamos começar! -Disse se ajeitando no sofá e cobrindo Dionísio e a si.

Dionísio passou o braço pelos ombros do menor e o puxou para perto de si, o aconchegando em seu corpo para assistirem ao filme. Camile deitou no colo de Larissa e sorriu ao ver a cena do casal ao lado, pensando em como o amigo parecia feliz.


Notas Finais


Novamente agradeço pela sua atenção e peço desculpas por qualquer erro aqui cometido.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...