História Masquerade - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook
Tags Bias, Bts, Jungkook, Kpop
Visualizações 1.555
Palavras 2.783
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Ficção, Hentai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Claro que o imagine é para todas as leitoras lindas que amo, mas especialmente para a @KKyung , que eu amo mt, a Fernandinha, essa maravilhoooosa!!
FELIZ ANIVERSÁRIO, BB!!!

Boa leitura!!

Capítulo 1 - One-Shot


Fanfic / Fanfiction Masquerade - Capítulo 1 - One-Shot

Esse site é proibido para menores de 18 anos. Gostaria de continuar?
SIM / não

Já possui uma conta? 
Usuário: jeorabbit
Senha: 91jgk71 (mostrar senha ON/off)

Pesquisar(?): masquerade

 

            Era a terceira vez no dia que checava o meu site pornô favorito para ver se havia sido lançado um video novo. Aquele lugar era meu site preferido graças a uma pessoa: Masquerade. 

            Eu ficava completamente alucinado pelos seus videos, mesmo que não fossem dela com outros homens. Na verdade, Masquerade era uma verdadeira exibicionista. Nunca mostrava o rosto, apenas seus belos cabelos e corpo. Rebolava para a câmera muitas vezes, expunha-se e até seus videos apenas retirando a roupa eram bons, maravilhosos e sensuais. Como alguém conseguia me enlouquecer daquela forma? Certamente, se eu visse aquela garota na rua, reconheceria por suas curvas e cabelos, sem dúvidas, ninguém era como ela. Além do mais, eu sabia de cor cada uma das peças que já usou em gravações nas quais se despia.

            Infelizmente, nada tinha sido publicado no dia de hoje ainda, mesmo que a postagem anterior indicasse que iria sair um video novo. Para completar, ainda precisava terminar um trabalho da insuportável da minha universidade. Suspirei e acabei desistindo de esperar por Masquerade.

 

(Semana Seguinte)


            Acordei de bom humor, estava realmente radiante, mesmo sem motivo. Cheguei na sala de aula da universidade com um grande sorriso no rosto. Sentei-me no mesmo lugar de sempre e esperei o professor chegar. Nunca fui de ter amigos e isso nunca mudou, era realmente anti-social, as pessoas não gostavam muito de mim. Claro que alguns caras aproveitavam para me zuar, mas nunca dei muita importância.

            Tomei um grande susto quando vi uma garota entrar pela porta. Ajeitei meus óculos redondos, estilo Harry Potter, sem acreditar naquilo. Ela era nova ali, nunca tinha lhe visto. Seus cabelos eram idênticos ao de Masquerade, o corpo tinha as curvas delineadas, bem parecidas, e eu jurava conhecer aquelas sapatilhas, pareciam as que estavam jogadas num canto do quarto dela em um video.

            Ela subiu os degraus e entrou na mesma fileira que eu, vindo em minha direção até sentar-se ao meu lado. Estremeci. Seu perfume era inebriante. Seus cabelos eram lindos vistos de perto. Observei-lhe colocar a bolsa em cima da mesa e pegar um fichário branco. Seu nome estava escrito ali: s/n. Era um belo nome.

            Suspirei baixinho, estava me iludindo. Era só minha mente viciada me pregando uma peça. Além do mais, aquela garota maravilhosa e Masquerade podiam até ser a mesma pessoa, mas ninguém nunca descobriria de qualquer forma, muito menos um virjão como eu. Desviei o olhar, envergonhado. 

            – Ei, desculpe incomodar – senti uma mão tocar meu ombro e virei de imediato. era ela –, mas acabei de ser transferida para essa universidade e preciso de ajuda. Você tem os horários das aulas para que eu possa tirar uma foto?

            – T-Tenho s-sim – estupidamente, respondi como um gago.

            Ao pegar dentro de meu caderno a folha e lhe dar, vi-a tirar do bolso o celular de capinha preta. Aquela garota com certeza era Masquerade. Arregalei os olhos. Eu reconhecia seu celular.

            – Obrigada – sorriu.

            E eu conhecia esse sorriso! Puta que pariu! Estava exatamente do lado da mulher mais sexy do mundo e não podia fazer nada. Que... que merda!


(...)
(Sexta-Feira)


            Conforme os dias passavam, comecei a ficar cada vez mais viciado naquela garota. Sua última atualização no site mostrava que gravava em um local diferente, provavelmente graças a ter mudado de estado ou cidade. Foi impossível não me tornar um stalker. S/N era tão bonita e inteligente. Admito que a segui por corredores da universidade e, hoje, finalmente tomei coragem de, silenciosamente, "acompanhá-la" até sua casa para poder observá-la mais de perto. Felizmente, ela pareceu não me notar, alheia aos meus movimentos. Não era novidade o fato de que eu sempre fui invisível. Minha presença era inútil e desprezível.

            Após entrar num beco, acabei perdendo-a de vista. Suspirei. 

            – Que droga – murmurei sozinho – Como ela pôde sumir de uma hora para outra?

            – Me procurando, "jeorabbit"? 

            Dei um pulo ao ouvir sua voz. Virei-me para trás, encontrando-a com uma das sobrancelhas arqueadas e um sorriso no rosto. Ajeitei meus óculos com minhas mãos trêmulas.

            – O-O q-quê? – gaguejei, assustado, e recuei alguns passos.

            – Não se faça de sonso. Eu percebi você me perseguindo, descobri seu nome completo, idade, e, adivinhe, querido?! Encontrei seu usuário. E, claro, pude perceber sua preferência por meus videos. O que pretendia fazer? Me estuprar? Me abordar? Não acho que seja capaz disso, é só mais um nerd punheteiro no fim das contas. 

            Engoli seco e meus olhos marejaram. Aquilo era verdade e machucava muito.

            – E-Eu q-queria s-só te ver. V-Você é tão b-bonita – admiti, deixando uma lágrima escorrer – D-Desculpe, n-não i-irei mais te incomodar.

            Praticamente saí dali correndo. Não olhei para trás, mesmo que tenha lhe ouvido chamar meu nome algumas vezes.

 

(Semana Seguinte)


            Sentei no meu lugar habitual, tendo certeza de que s/n sentaria-se bem longe, mas ela não o fez, ficou na cadeira ao meu lado. Tentei ignorá-la, não fitá-la, apenas fiz minhas anotações durante as aulas.

            Na hora de sair da bancada, acabei esbarrando com s/n, pois há uma coisa chamada "azar" e disso eu entendo muito.

            – D-Desculpe – pedi, envergonhado.

            Minhas mãos tremiam e suavam. Arrumei o óculos em meu rosto e me abaixei para pegar algumas anotações que caíram do seu fichário para entregá-las logo em seguida.

            – Nós podemos conversar? – perguntou.

            Notei que éramos os únicos estudantes ali, o resto dos 68 alunos já tinham sumido, deixando o ambiente extremamente vazio.

            – P-Preciso i-ir embora – respondi baixinho, tentando passar por ela, porém, falhei, pois s/n bloqueou o caminho.

            – Não. Nós iremos conversar agora mesmo.

            Desviei meu olhar do seu imediatamente, sentindo-me intimidado.

            – Desculpe pelo que te disse no beco. Foi rude da minha parte.

            Arregalei os olhos e voltei a encará-la. S/N era tão superior a mim, ela não devia se desculpa, ela tinha dito a verdade.

            – Fiquei assustada com seu comportamento, já passei por problemas assim – suspirou – Por isso vim de Los Angeles para Orlando. Um cara maluco na minha universidade estava me perseguindo... (pausa) Aliás, como descobriu que eu era a Masquerade?

            Envergonhado, disse:

            – S-Seus cabelos, s-seu corpo... sua sapatilha e celular.

            – Meu Deus! Você é realmente meu fã, em, garoto?!

            Senti meu rosto queimar, devia estar extremamente corado, pois a vergonha me consumia.

            – Bem, já que você é um cara bonito, não tentou me ameaçar, nem nada, vou te dar uma chance. 

            Arregalei meus olhos e franzi o cenho, sem acreditar no que tinha ouvido. Como assim? Me dar uma chance?! O que s/n quis dizer com aquilo?!

            – É, cara, isso mesmo. Te dar uma chance. Agora, vem logo comigo, eu estou afim de ir numa cafeteria e você vai ser meu acompanhante. Aliás, tem dinheiro aí, né?

            Assenti freneticamente, inebriado pela sensação de poder ter um encontro com Masquerade.

            – Ótimo, então você paga.

 

            Fomos juntos até uma cafeteria que ficava em frente à faculdade. Como esperado, estava lotada de estudantes. Vi algumas pessoas me olharem estranho, talvez por ser um cara anti-social e bem nerd ao lado de uma garota absurdamente linda.

            Sentamos numa mesa para dois apenas, de frente um para o outro.

            – Vou querer um chocolate quente, por favor, e um pedaço de Red Velvet. E você, Jungkook?

            – Um cappuccino apenas.

            Depois da garçonete sair, fiquei apenas encarando s/n, enquanto ela fazia o mesmo comigo. Aos poucos, começamos a conversar e, cada vez mais, eu podia perceber que aquela garota não era só "Masquerade", uma atriz, ela era, de fato, alguém, uma pessoa real, uma garota linda e incrível, estudante de (insira o que você quer cursar/cursa/cursou).

            – Sabe, Jungkook, você deve se perguntar o porquê de fazer aqueles videos – sorriu – Eu sou exibicionista, isso não é novidade. Desisti de relacionamentos e comecei a brincar de ser outra pessoa naquele site.

            – D-Desistiu? P-Por quê? – perguntei baixinho, ajeitando meu óculos.

            – Fale mais alto, não precisa ter medo de mim – riu – Eu desisti sim. Envolvi-me com caras de tirar o fôlego, mas sem inteligência alguma. Não tinham conteúdo, muito infantis e babacas. Por isso, te chamei para sair. Você parece diferente. O único problema é que vai ver só a Masquerade, eu s...

            – Você é a s/n – tomei coragem e lhe cortei – e eu quero conhecer a s/n também.

            Ela abriu um lindo sorriso, era inebriante.

            – Acho que vamos nos dar muito bem, Jungkook – seu sorriso se tornou malicioso – E também acho que você merece um show exclusivo da Masquerade depois desse café.

            Diante de sua declaração, senti meu ventre formigar. Minhas mãos ficaram repletas de suor e meu coração começou a bater acelerado.

            Conforme conversávamos coisas banais, o tempo passava depressa. Logo já eram dez da noite e eu não podia deixá-la andar sozinha à noite, não mesmo, seria rude.

            – Eu te levo até sua casa – falei, sentindo minhas bochechas arderem.

            – Na verdade, eu queria ir para a sua casa – sorriu maliciosa –, mas hoje não vai rolar. Algum problema, Jungkook?

            Senti meu rosto voltar a pegar fogo e, muito envergonhado, acenei negativamente com a cabeça, ajeitando meu óculos redondo de armação fina. Masquerade aumentou o sorriso malicioso, fazendo meu interior esquentar de forma desigual. Aquilo era um desejo se tornando realidade.

            Paguei a conta com as mãos trêmulas, extremamente nervoso. Era meu dia de sorte com certeza.

            – Nós iremos a pé – avisou – , siga-me – riu –, aliás, me seguir é o que você faz de melhor.

            Deixar-me sem jeito parecia ser sua maior diversão. Seus olhos tinham um brilho brincalhão, indicando uma provocação.

            Mantivemos uma conversa saudável até chegarmos em um prédio de porte médio, bonitinho. O porteiro permitiu nossa entrada e s/n o cumprimentou com um sorriso de tirar o fôlego, depois, subimos até o 2º andar usando o elevador e seguimos até seu apartamento. Após entrarmos, ela trancou a porta sem pressa alguma. Levou-me até seu quarto então e, ao entrar ali, senti meu interior vibrar. Meu Deus! Estava no mesmo local do último video seu publicado, estava no quarto de Masquerade!

            – Sente-se na cama, onde costumo colocar a câmera – ordenou e fechou a porta –, e preste bastante atenção. Sem máscaras hoje, Jeon. Por favor, tire o casaco e a camisa.

            Senti um arrepio percorrer meu corpo ao sentar-me e receber aquele pedido. Nunca liguei muito para meu corpo, apesar de me manter em forma, pois continuava um nerd virjão que não pegava ninguém. Ao retirar minha camisa, vi-a morder o lábio inferior, encarando meu peitoral e abdômen.

            – Você tem um corpo bonito – elogiou-me, fazendo meu coração acelerar e minha auto-estima subir –, gostei dele e ainda mais das suas coxas grossas.

            Corei pela décima vez no dia, sem jeito por estar sendo julgado de forma positiva pela mulher dos sonhos de qualquer cara, a bela Masquerade.

            Virou-se de frente para mim, começando a tirar vagarosamente sua roupa, assim como fazia em todos os videos. Primeiro, jogou num canto seu blusão quente e preto sem se preocupar com nada. Desabotoou a blusa branca que usava com calma, olhando de forma fixa para um ponto dentro dos meus olhos. Depois, arrancou-a e também retirou as botas pretas sem salto. Observei seu corpo maravilhoso, focando mais em seus seios, os quais pareciam 10 vezes mais bonitos ao vivo. Senti uma fisgada em meu pau e, após esta, vieram várias, uma atrás da outra. Quando o sutiã e a calça foram parar sabia se lá onde, já estava completamente duro, louco para me masturbar.

            A calcinha era a última peça que faltava. Encontrava-me muito ansioso. Caso ela tirasse, não haveria mais jeito de segurar minhas mãos, precisaria buscar por alívio imediatamente. Soltei um gemido sôfrego e baixo pelo calor que se alastrava por todo meu corpo, louco de tesão.

            – O que você quer, Jungkook? – perguntou com um olhar inocente.

            Quase delirando, respondi:

            – Tire a calcinha.

            – Repita.

            – Tire essa calcinha para mim, s/n, por favor.

            – E o que mais? – sorriu largo.

            – Me beija – falei num momento de pura insanidade.

            Então, Masquerade veio em minha direção, posicionando-se bem na minha frente. Retirou a calcinha, fazendo-me arfar e, sem deixar-me reagir direito, tomou minha boca para si. Sua língua invadiu-a sem piedade alguma, sugando a minha e também explorando todos os cantos de minha boca. Sentou-se em meu colo, bem em cima do meu membro duro. Ambos gememos em meio ao beijo, ela tinha tocado num ponto extremamente sensível e estava nua, completamente nua. Suas pernas ficaram cada uma de um lado do meu corpo até quebrarmos o ósculo, enquanto rebolava em mim.

            – Você já recebeu um boquete, Jeon? – perguntou bem próxima ao meu ouvido com um tom de voz sexy.

            Meus pelos da nuca arrepiaram e fiquei envergonhado. Apenas neguei com a cabeça, sem coragem de admitir que era a porra de um virjão em voz alta.

            – Ah, você é virgem, com certeza... mas isso não é algo ruim. Eu vou te ensinar tudo direitinho, querido.

            Ótimo, minha auto-estima estava voltando e minha extrema felicidade também. 

            Soltei um muxoxo ao vê-la sair de meu colo, mas voltei ao empolgar-me ao perceber que tinha se ajoelhado na minha frente. S/N retirou minhas botas, meias e calça, deixando-me apenas de cueca. Ela brincou com a pontinha do meu membro, fazendo-me gemer alto e contorcer-me, por cima da cueca, a qual estava molhada bem ali.

            – Qual será seu gosto, Jeon? – arqueou uma sobrancelha, sorrindo sapeca.

            Apenas em me imaginar em sua boca, já revirei meus olhos de prazer. Depois que retirou minha cueca, envolveu a base de meu membro com a mão direita, enquanto a esquerda castigava minhas coxas com suas unhas afiadas. Gemi alto, jogando a cabeça para trás. Sua boca envolveu somente minha cabecinha de início, provocando reações maravilhosas por todo meu corpo, espasmos deliciosos. 

            – S-S/N! A-Aah – gemi, afoito.

            Ela engoliu tudo que conseguiu do meu pau, porém, ainda faltou uma parte, então, tirou e disse:

            – Cacete, é cheio de veias, é tão grande... ah, Jungkook, você escondeu isso de mim todo esse tempo, devia se envergonhar!

            Voltou a engolir-me, dessa vez, sugou-me com mais força e apertou a base do meu membro na parte em que não conseguia atingir. Ele já batia em sua garganta, s/n o chupava como ninguém, fazendo movimentos de vai e vem.

            – P-Porra – quase gritei de prazer.

            Sua mão esquerda arranhou meu abdômen e senti uma absurda vontade de abusar de seu corpo também, porém, deixaria para depois. S/N permaneceu com o boquete delicioso, arrancando de mim diversos gemidos, provocando-me ao máximo e raspando os dentes em minha cabecinha propositalmente. O pré-gozo estava presente em seus lábios e pude ver isso de forma clara quando parou e se afastou de mim. Soltei um gemido descontente, sem entender.

            – Eu acho que tenho um lugar melhor para você gozar, Jeon – riu maldosa – Me dê carinho.

            Sentou na minha coxa esquerda com sua boceta molhada, deixando o seu líquido entrar em contato com minha pele quente e causando uma sensação estranha em nós dois. Levei minhas mãos aos seus seios, castigando-os sem dó, nem piedade, e aproveitei para distribuir beijos por toda a extensão de seu pescoço, causando arrepios nela.

            – J-Já chega – interrompeu-me – Queria brincar, mas não aguento mais, Jungkook, mete logo em mim!

            Meu corpo vibrou com seu pedido, principalmente meu pau, o qual estava tão duro que doía. Ela pulou de meu colo para a cama e deitou-se com as pernas abertas. Fui em sua direção engatinhando e s/n apoiou suas pernas em meus ombros, uma posição extremamente excitante, a qual deixou-me com ainda mais tesão (isso se era possível). 
            
            Pincelei sua entrada com a cabecinha de meu membro e, ao ouvi-la gemer manhosa, não aguentei mais, invadi-a com tudo. 

            – J-Jeon! A-Aahh! A-Anda logo, cacete!

            Comecei as estocadas com lentidão e já fui pegando o jeito, assim, pude aumentar a velocidade cada vez mais. S/N parecia delirar e eu ia mais fundo à cada investida, fazendo nossos corpos se chocarem de forma que causasse um barulho ainda mais excitante quando combinado aos gemidos que soltávamos, um som erótico e delicioso.

            – S/N, a-ah, tão apertada...

            Ao senti-la se contrair ao redor do meu pau, não aguentei. Uma onda de espasmos se espalhou por todo meu corpo e gozei intensamente, chegando num clímax que me fez delirar.

            Tirei suas pernas de meus ombros e deixei meu corpo cair ao lado do dela, sorrindo bobo ao notar o que tinha acontecido. Transei com Masquerade e ganhei a oportunidade de conhecê-la melhor, tudo no mesmo dia! 

            – Eu só queria dizer – falou com a respiração ainda descompassada, fazendo-me virar para encará-la – que eu não acho que me arrependerei de te dar essa chance.

            – Farei com que não se arrependa – respondi, mesmo que envergonhado.

            E aquilo era uma promessa, não apenas uma fala qualquer.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, especialmente vc, Fernandinha! ❤️❤️❤️ Te amo, sua MARAVILHOSA! VC É LINDAAAA, PERFEITA AAAAA

XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...