História Master of Types: O Filme - The Curse of Snow White - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Pokémon
Tags Chander, Espíritos, Killian, Master Of Types, Pokémon, Rebecca, Universo Alternativo
Visualizações 36
Palavras 3.963
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Survival, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


O inverno não chegou exclusivamente para as colinas verdejantes do norte. Todo o reino de Éden corre perigo de se afundar no frio da morte.

Vamos ver como essa história vai terminar?

Capítulo 3 - 3 ATO


Fanfic / Fanfiction Master of Types: O Filme - The Curse of Snow White - Capítulo 3 - 3 ATO

3º ATO

Um Beartric liderava a tropa de ursinhos polares que saíam do Vale do Oeste. O vale que outrora era belo pelos belos pomares e flores, agora havia se tornado estéril por conta dos palmos e mais palmos de neve.

Os pobres Swaddles e Swadloons jaziam inertes no chão congelado e eram automaticamente enterrados pela geada que os cobriam. Até a Rainha Leavanny que já fora majestosa e imponente, agora jazia caída no centro de seus súditos que falharam em defender o seu território.

MASTER OF TYPES: O FILME.

Chander andava vagarosamente pela ala sul do castelo. Ele abraçava o próprio corpo na esperança de aquecer-se. Sua visão estava turva e por várias vezes, ele parou por se sentir tonto.

Chander respirou fundo e começou a elevar o seu poder. Sua aura estava no fim, mas ele sentia que ainda havia parte do poder solar dentro de si. Seus pés pararam de queimar em contato com o chão frio, ele pode largar o seu corpo e sua visão estabilizou.

O menino saiu do castelo e viu o jardim e a fonte que apontavam para a floresta de Éden. O menino sentiu algo remexendo dentro de si e pensou se por um momento, Treecko havia se arrependido de ter firmado um contrato com ele e preferia estar em casa.

Como Suzano havia dito, lá estava o labirinto de eras. O menino deus até tinha vontade de brincar lá dentro, de se aventurar, mas seu primo: Allone, sempre o advertiu de que era perigoso. Hoje, Chander não tinha opção. Precisava atravessá-lo.

Foi fácil. O menino saltou e ficou andando por cima das eras. Os galhos pareciam ganhar vida e formavam uma espécie de caminho firme que apontava para a saída. Chander contemplou o que deveria ser o farol, mas não era mais um farol, era um verdadeiro castelo congelado.

Ele parecia ter luz própria. O menino sentia uma energia poderosíssima sendo emanada dele e por um momento, o poder do sol que cobria o seu corpo tremulou por conta das ondas de frio que o castelo irradiava.

Chander aterrissou e nem ligou para o mar que estava a sua frente. A batalha final estava próxima de ser travada e o menino tinha plena certeza de que não poderia vencer Winter sozinho.

— Hum? - ele se colocou em guarda, quando sentiu o chão tremer.

Vários lugares do terreno irregular começaram a ceder e das fendas surgiram um exército de espíritos de gaia que também eram invernais. Eles pareciam um exército de porquinhos da índia sonolentos.

— Não será tão fácil quanto eu pensava, certo? - Chander foi obrigado a saltar de volta ao muro de eras, quando os Swinub resolveram atacá-lo com rajadas de ar frio. - Vocês são espírito de gaia, vão me servir muito bem!

Chander corria de um lado para o outro e sentia seus ferimentos se abrindo novamente por conta do esforço, foi então que o menino saltou no meio deles de braços abertos e usando a última massa de poder verdejante que ele possuía.

MEGA DRENO! - o garoto brilhou num verde-esmeralda e toda a área de circunferência que eles estavam, foi cercada por um vórtex verdejante. Os espíritos grunhiam ao ceder parte da sua energia vital ao deus das colinas verdejantes do norte.

Pouco a pouco, a dor de Chander foi diminuindo. Ele sentia o seu interior ser preenchido por uma energia vital intensa. Sentia o sangue estancando, suas pernas ganhando firmeza, seus órgãos internos e ossos voltando para o lugar e os ferimentos cicatrizando.

Fissura! - ele ouviu uma voz conhecida e um poder avassalador.

Caso estivesse distraído, ele não teria saltado e teria sido submerso junto com os espíritos de gaia. Chander aterrissou mais uma vez em cima do muro e observou estatelado, um pedaço do penhasco se desprender e precipitar-se no oceano.

Ele olhou na direção do castelo e achou que seus olhos estavam lhe pregando uma peça. Um garoto da sua estatura e idade, se levantava e limpava as mãos, batendo uma na outra. Em seu rosto havia um sorriso orgulhoso e saudoso.

Os olhos de Chander se encheram d'água quando ele percebeu que Kíllian Vangereth estava vivo.

THE CURSED OF SNOWHITE.

Kíllian contou tudo para Chander. Desde a revelação da senhorita Maria à conspiração do senhor Suzano e do conselho. Chander ouvia calado, mas estava muito mais atento a aura que fluía de Kíllian. Agora, ele também era um Master como ele.

— Você fez um contrato com um espírito de gaia?

— De nada! - o garoto torceu o nariz, desgostoso. - Eu quase morri e sabia que você corria perigo!

— Obrigado Kíllian! - Chander sorriu e o herdeiro dos Vangereth corou.

Eles chegaram as portas do castelo. Antes que pudessem bater, alguém atendera a porta. Os meninos se colocaram em guarda, quando viram que se tratava de um espírito invernal de forma humanoide. A sua pele era negra, seus cabelos eram loiros e escorridos. Ela usava um vestido vermelho tomara que caia que combinava com o batom nos lábios carnudos.

Jynx ergueu as suas mãos em sinal de rendição e com o dedo indicador, pediu que os meninos a seguissem. O castelo por dentro era ainda mais bonito do que por fora. Eles caminhavam por uma espécie de tapete gigante de pele de urso polar. Ao redor, tudo era feito de gelo: As armaduras encostadas nas paredes, os candelabros, os lustres, a louça sobre a mesa de jantar, tudo.

Os espíritos invernais estavam espalhados pelo castelo e pareciam não notar ou não se importar com a presença dos meninos. Jynx começou a subir uma escadaria e os meninos continuaram a segui-la.

— É uma armadilha!

— Ahhhhh gênio, descobriu sozinho? - Chander tinha total certeza agora, de que o grosso ao seu lado era Kíllian. - Sabe como selar aquela coisa?

— Não faço ideia!

— Acho que Treecko realmente errou de pessoa!

— Vá se...

Jynx pigarreou e liberou alguns cristais de gelo que voaram (graças a Arceus) por cima da cabeça dos meninos. Ela apresentou um portão que deveria ser o quarto de Winter. Os meninos se entreolharam e assim que chegaram perto da porta, a mesma se abriu.

Parecia que eles haviam acabado de adentrar uma gruta. O ambiente era escuro, frio e tenebroso. Eles sentiam que estavam correndo. Não sabiam se era atrás de alguém ou de alguém.

Até que eles avistaram o castelo e adentraram nele correndo. Chander e Kíllian estranhavam a visão que eles tinham do lugar. Parecia que estavam mais altos, mais velhos. Eles percorreram o exato caminho que acabaram de fazer e encontraram uma outra mulher, mas sabiam que aquela era Winter.

— É uma visão de dez anos atrás! - Chander concluiu.

— E se foi há dez anos, nós somos...

Eles aproveitaram um espelho redondo que refletia o corpo inteiro, devido ao seu tamanho. Chander era um rapaz que aparentava ter dezessete, dezoito anos. O corpo era magro, esguio, braços longos e fortes, pele negra, cabeça raspada e um bigode grosso e felpudo. Os olhos eram exatamente os mesmos.

Já Kíllian era mais baixo que Chander, pele clara, corpo esguio, cabelos cacheados que iam até pouco abaixo dos ombros.

— Agora Vicent!

— Não me mande fazer as coisas, Roger!

Os meninos se assustaram em ver seus reflexos conversarem, mesmo que eles não tivessem aberto suas bocas para falar. Logo em seguida, Vicent abriu as mãos e longas unhas apareceram, elas liberavam um brilho prateado. Já Roger liberava o mesmo brilho metálico das pernas.

A última coisa que eles viram, foram seus respectivos pais atacando aquela entidade.

--- Como é conhecer o seu pai, menino deus das colinas verdejantes do Norte?

Chander piscou e encarou a entidade que estava sentada num trono de gelo. Winter se colocou de pé e conjurou a sua espada. O vento frio começou a girar e ela mirou o Eleito com nítida intenção de matá-lo.

— Não se meta, filho de Vicent! Você assumirá o trono quando eu terminar aqui.

— Quando terminarmos aqui, você estará selada de novo!

— Entendo... - ela fechou os olhos, decepcionada. - Então só me resta aniquilar essa terra e garantir que ninguém a suceda.

— Obrigado Winter!

— O que está dizendo?

— Eu não fazia ideia de como meu pai era... - Chander parecia realmente agradecido. - Além do mais... Agora, eu sei como vou selá-la!

— Adeus Eleito!

Kíllian atacou com as garras metálicas e ela defendeu-se com a sua espada, não demorou para que ela abaixasse cabeça e evadisse um braço verdejante de Chander. Os meninos se entreolharam e atacaram com seus braços livres, até que ela desapareceu e eles se atacaram.

Uma explosão lançou cada um contra uma parede da câmara. Kíllian sentiu o ombro direito sangrar e Chander arregalou os olhos. Seu amigo era fraco contra poderes verdejantes.

— Parabéns pelo ataque em equipe, mas vocês acabam aqui! - ela sacou a espada e mirou o rosto de Chander. - Adeus!

Vanny... - um grunhido chamou a atenção da vilã.

Winter levantou sua espada, extintivamente, mas arregalou os olhos ao ver quem havia acabado de chegar. Chander arregalou os olhos, quando reconheceu a Rainha do Vale do Oeste - uma lagarta bípede que parecia estar vestida com um manto de folhas coberto de neve.

— Você devia estar... O que faz aqui?

Sem responder, Leavanny energizou o seu braço com poder verdejante e uma brutal disputa de lâminas começou. Chander engatinhou até Kíllian e pressionava o ferimento do amigo.

— Me esquece! A rainha Leavanny não é efetiva contra Winter... - Kill precisou respirar fundo para aguentar a dor. - Encontre um baú de prata! Era lá que ela estava selada!

— Mas Kill...

— AGORA!

Winter conseguiu forçar a rainha e jogá-la contra uma parede e aproveitou o impulso para atacar Chander. De repente a parede da câmara explodiu e uma cauda rochosa se colocou entre os dois inimigos. A espada voou da mão da vilã e logo em seguida, ela recebeu uma baforada esverdeada a queima roupa.

— Rei Onix... - Chander disse surpreso.

— Vai logo, Chander!

Chander deixou Kíllian a contragosto e Winter desesperou-se em ver o menino correr de volta ao castelo. Onix adentrou o castelo e bloqueava a visão da entidade, porém ela juntou dois dedos em sua boca e assoviou. Os espíritos invernais dentro do castelo abandonaram o que estavam fazendo e encararam o rei das colinas verdejantes do norte que havia chegado ao topo da escada.

— Errrr.... Oi, pessoal!

PEDEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!!!!! - o portão da frente explodiu e Chander se jogou no chão bem a tempo de evadir vários raios gelados.

Os espíritos invernais se surpreenderam quando uma lagarta roxa invadiu o castelo com um exército de espíritos letais. Serpentes, Águas-vivas, Sapos lutadores, Melecas pequenas e gigantes, etc... Eles lançavam dardos, gases e lamas tóxicas.

Chander decidiu ir procurar o tal baú antes que notassem a presença dele. O castelo era imenso e cheio de corredores, o menino não sabia para onde ir. Ele ainda se surpreendeu quando uma das paredes explodiu e ele viu o Rei Onix voar em direção ao hall lá em baixo, causando um grande estrondo.

Winter surgiu e parecia completamente exausta. Alguns ferimentos haviam surgido e seu quimono estava rasgado.

— Não serei derrotada!

— Sabia que nós somos inimigos, Winter?

A entidade arregalou os olhos e encarou Chander, A rainha Leavanny que estava caída dentro daquele cômodo e os reis Scolipede e Onix que lutavam no hall de baixo.

— A cadeia alimentar decidiu que cada um de nós fosse atrás do outro para impor a nossa natureza, mas existe algo muito mais forte que o nosso exinto.

— E o que é?

— O NOSSO AMOR POR ÉDEN! - Winter arregalou os olhos quando o menino deus elevou o seu poder ao máximo. - Somos completamente capazes de esquecer nossas diferenças para proteger a terra que amamos!

— ENTÃO MORRAM COM A TERRA DE VOCÊS! NEVASCA!

Chander saltou do segundo andar e se surpreendeu que o Rei Onix ofereceu a sua cabeça para que ele aterrissasse. Chander correu pelo corpo da serpente de pedra e saltou sobre as costas do Rei Scolipede. A lagarta o encarou com uma sobrancelha sobressaltada, mas correu a uma velocidade incrível.

Winter tentou avançar, mas foi atingida em cheio por uma bola de massa gosmenta e ficou presa a uma parede numa espécie de teia. Ela encarou o orifício na parede e viu a Rainha Leavanny sorrindo.

Scolipede corria a uma velocidade incrível, mas Chander precisava abaixar a cabeça de vez em quando, para não virar um cubo de gelo. Foi então que uma montanha de gelo atravessou o cabelo deles.

Era como se um iceberg quadrúpede os convidasse para uma briga. Scolipede levantou a sua traseira ainda em alta velocidade e lançou Chander por cima do inimigo. O pedregulho tentou atacar o rei verdejante, mas foi envolvido pelas correntes elétricas e letais do rei lagarta.

Chander caiu de qualquer jeito e rolou pelo chão frio. Ele encarou a batalha às suas costas e um feixe de esperança começou a invadir o seu coração. Ele voltou a correr sem saber direito para onde estava indo, até que sua mente sofreu um lampejo.

Seus olhos não eram mais dele, mas sim, de Roger. Ele via o pai correndo e começou a segui-lo. Ele sentia os sentimentos do seu pai, podia ler os seus pensamentos. O menino paralisou quando viu a sua mãe, dez anos mais nova, com uma barriga enorme. Ela era linda. Tinha longos cabelos cacheados que vinham até metade das costas.

Roger queria salvar seus amigos, o vilarejo, sua família, seu filho. Chander sentiu um orgulho imenso de seu pai e sentiu paz em perceber que tinha mais coisas em comum com ele do que imaginava.

— Achei! - disse o menino vendo o baú prateado que irradiava uma poderosa aura.

Bola Sombria! - Chander sentiu o ataque explodir em suas costas e ele foi lançado contra o baú, derrubando-o. - Eu já disse que vocês todos vão morrer, hoje!

Eu também já disse... - Winter se virou, bradando a sua espada. Porém o herdeiro dos Vangereth a repeliu com suas garras e em seguida cuspiu um jato lameado que atingiu o rosto da entidade.

Vanny! - A rainha do vale do Oeste saltou sobre a cabeça de Kíllian e atingiu Winter com uma sessão de lâminas de folhas, arrancando urros de dor dela.

Logo em seguida, foi a vez do Rei Onix atravessar a parede e açular a sua cauda brilhante e atingir a inimiga que subiu e colidindo contra o teto. A rainha lagarta e Kíllian precisaram se abaixar, quando ouviram algo cortando o ar. Sincronizadamente, quando Winter caiu em direção ao chão, uma saraivada de dardos envenenados atingiu o seu corpo e ela colidiu contra a parede ao lado de Chander.

O menino deus abriu os olhos e se surpreendeu ao ver a inimiga caida sentada. Um sangue roxo fluía da sua boca e ela parecia incrivelmente assustada.

— E-eu... fui derrotada?

Chander abriu um sorriso vermelho por conta do sangue em sua boca, porém seus olhos se arregalaram quando o corpo de Winter começou a brilhar e de repente algo se desprendeu do corpo da senhorita maria.

Um espírito macabro flutuava no ar. Ele era branco e seu corpo tremulava como uma cortina sob uma corrente de ar. Seus braços saiam da cabeça e eram longos. Sua cabeça ficava dentro de uma espécie de manto branco com dois diamantes. Um de cada lado.

Frossless!

A rainha Leavanny se adiantou e lançou a sua teia que agarrou o espírito. Chander encarou Kíllian e eles sabiam que essa era a hora. Cada um estimulou a sua aura ao máximo e fechando os olhos, tentaram reproduzir os poderes de seus pais.

— GARRA DE METAL! - bradou o herdeiro dos Vangereths.

— CAUDA DE FERRO! - bradou o rei das colinas verdejantes do norte.

Kíllian saltou empunhando as suas garras e Chander saltou dando uma cambalhota para frente e descendo com sua perna direita como uma espada metálica brilhante.

Sele-me, mas lhe mostrarei o seu destino, rei das colinas verdejantes do Norte.

— Hum? - disse Chander tendo um lampejo.

Froslass foi atingida primeiro por Chander com um poderoso golpe de calcanhar que a jogou para Kíllian, logo em seguida, Kíllian a rebateu com suas garras e ela voou diretamente para dentro do baú que se fechou automaticamente, conjurando novas correntes que selaram o espírito lá dentro.

Os meninos aterrissaram no chão e pareciam exaustos. Eles se entreolharam quando um forte tremor chacoalhou todo o castelo. Kíllian subiu no corpo de Onix, enquanto Chander lançou-se às costas de Scolipede. Os espíritos invernais pareciam derreter como o gelo em alta temperatura e o castelo ia para o mesmo caminho.

Os quatro reis saíram ilesos do castelo que desmoronou e precipitou-se no mar. Demorou um pouco para Chander perceber, mas a tempestade havia passado. As nuvens no céu pareciam que estavam se dispersando e já podia-se ver algumas estrelas. O menino caiu de joelhos e chorou. Eles haviam cumprido a sua missão.

— Chander! Olhe!

O menino não deu muita atenção no início, mas uma luz familiar chamou a sua atenção. Chander encarou o horizonte e viu que algo parecia emergir das águas, liberando uma luz pura, quente e amada. O sol estava nascendo dando origem a um novo dia.

Os três reis pareciam aproveitar a vista e o momento. Até que um por um começou a se afastar e seguir o seu caminho. A partir daquele momento voltariam a ser inimigos e passariam a eternidade tentando tomar o território, um do outro.

Chander acenou para eles, mas eles não olharam para ele. Kíllian levantou a mão para o ar, esperando uma saudação, mas Chander passou por ele com uma feição séria. O amigo nada entendeu e apenas o seguiu de volta ao castelo.

 

MASTER OF TYPES: O FILME.

O palácio estava em grande festa. Todo o vilarejo das colinas verdejantes do Norte havia sido convidado para festa. O sol brilhava intensamente no céu e pouco a pouco derretia toda a neve conjurada por Winter.

Os levitas cantavam e tocavam, haviam danças e shows pirotécnicos. Muita comida foi liberada da reserva do castelo e todos ainda trouxeram de casa seus últimos mantimentos.

Chander havia colocado uma bata real para festa e estava adornado com ouro e esmeralda. A cor da aura verdejante. Em contato com o sol, ele brilhava intensamente e todos viam uma divindade no pequeno menino de dez anos.

Chander se pôs de pé e a música parou. Os servos também pararam de servir e todos encararam o jovem rei. Seu tio e Kíllian estavam sentados ao seu lado do trono e sorriam orgulhosos para o menino.

— O dia nasceu mais uma vez nas Colinas verdejantes do Norte. - o povo explodiu em salva de palmas e gritos. Chander deixou por alguns segundos e depois pediu que todos se calassem. - Winter não se libertou sozinha! Existia uma conspiração na minha própria corte que visava o fim do nosso reino. Eu quase fui morto. Tive improváveis ajudas que garantiram a minha sobrevivência. Os Reis: Onix, Leavanny e Scolipede lutaram ao meu lado e eu lhes serei eternamente grato por isso. A partir de hoje, oferecerei sacrifícios mensais de meus companheiros verdejantes ou criminosos do reino a eles.

Um burburinho começou e eles viam a seriedade no rosto do seu rei.

— Se todos amam o reino de Éden, não tem do que se preocupar. Como eu ia dizendo, houve uma conspiração do meu próprio conselho contra o reino e cada um deles foi entregue aos outros reis desta terra em sacrifício! - Chander foi aplaudido. - Porém, eu tenho mais um anúncio a fazer!

Kíllian ficou surpreso quando Chander estendeu a sua mão para ele. O Tio de Chander ergueu uma sobrancelha e não sabia o que o sobrinho-neto tinha em mente.

— Kíllian Vangereth faz parte de uma linhagem que durante séculos assolou o reino de Éden!

— Chander... - disse o menino assustado. - O que está fazendo?

— Kíllian lutou bravamente ao meu lado e sem ele, eu jamais teria vencido e selado, Winter. Porém, ele quebrou uma das leis que lhe foram impostas: ele sincronizou com o mesmo tipo de espírito que guiou a sua família.

— FOI PRA TE PROTEGER!

— E eu o agradeço! - Chander olhou dentro do olhos do amigo e pela primeira vez, Kíllian temeu o rei. - Mas eu entendo que enquanto você viver no castelo, seu sangue sempre será a chave que quebrará o lacre que prende aquela entidade maligna.

Kíllian começou a chorar.

— Kíllian Vangereth! Eu o destituo de todos os seus direitos reais! A partir de hoje, eu revogo a descendência real dos Vangereths! Você servirá ao Reino como um pastor do aprisco dos Cottonee. Eles serão criados para produção de agasalhos para o próximo inverno. Você pagará parte da sua dívida de sua família para com o reino!

— Mas... Mas.... Nós somos amigos!

— Após a festa, você pode voltar para as terras de sua família... Amanhã seu ofício começa!

Chander virou as costas e saiu do grande salão. Kíllian tentou ir atrás dele, mas os guardas o conteram. Ele começou a gritar, chorar, xingar, enquanto Chander caminhava sem olhar para trás.

Quando ele virou o corredor, estava livre para correr e chorar. Chander correu até o seu quarto e chorou alto. Ele lançava os travesseiros e tudo que via pela frente. Se odiava do fundo do coração, mas não conseguia olhar mais na cara de Kíllian.

Não depois do que Frosslass mostrou a ele.

THE CURSED OF SNOWHITE.

Chander se lembrou de segundos antes de acertar o espírito macabro e invernal. Frosslass olhou nos olhos do jovem rei e por um momento a sua mente voou dali.

Chander assistia o final da batalha. Seu pai e o futuro rei Vicent estavam caídos no chão, esgotados, mas felizes. Eles riam um do outro e trocavam tapas implicantes.

— Conseguimos, Vi! - disse o pai de Chander sem acreditar. - Meu filho vai poder nascer numa terra abençoada com o sol...

Chander notou que seu pai encarava o teto com um ar sonhador e não percebeu quando o Rei Vicent pegou um pedaço de gelo pontiagudo. Vicent carregava culpa no seu rosto e chorava bastante.

— Eu sinto muito!

— Porque você está.... - os olhos de Roger se arregalaram quando o seu melhor amigo empalou seu estômago com aquela estaca de gelo. - Vicent...

Vicent chorava copiosamente. Roger tentava estancar o sangue, inutilmente e acabou caindo no colo do amigo traidor.

— Eu vou cuidar da Kala... Ela não terá seu filho, ele precisará morrer também! Eu vou gerar um novo Eleito e os Vangereths reinarão para sempre...

Vicent ainda passou o sangue de seu melhor amigo no cadeado e o mesmo liberou uma grande luz.

— O sangue do traidor te libertará... Ainda que aja um novo eleito, Winter! Ainda que eu falhe, você não falhará, garanta o sucesso da minha linhagem.

Chander gritou de ódio. Ele tentou correr para salvar seu pai, mas no segundo seguinte, ele se viu morto no colo de Kíllian.

O menino só despertou quando acertou a cabeça de Frosslass.

 

MASTER OF TYPES: O FILME.

THE CURSE OF SNOWHITE.

O sol estava para se pôr. Kíllian Vangereth subia uma colina e podia ver o castelo onde passou a vida inteira. Seus olhos estavam inchados de tanto chorar e agora ele apenas encarava aquele reino com rancor.

Em seu ombro havia apenas uma trouxa de roupas em um saco. Ele então mirou um casebre de pau a pique com alguns buracos, marcas de pedra, provavelmente. O menino caminhou até ele e encarou o umbral da porta com nítida vergonha.

O brasão da família estava empalado na madeira podre e isso arrancou mais lágrimas revoltadas do ex-príncipe.

— Você me paga, Chander... Eu juro que você, me paga! - praguejou o menino, antes de entrar em casa.


Notas Finais


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ THE END ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Muito obrigado a todos que contemplaram a minha obra. Masters é muito importante pra mim e esse projeto foi uma forma de homenagea-la. Espero que tenham curtido essa aventura. Sei que algumas pulgas ficaram atrás de vossas orelhas e desde já anunciam que elas serão respondidas, na próxima saga: " Stop the pendulum" ou comumente conhecida como: " A saga do passado".

Ela será uma sub-saga da saga que virá após a saga Revenge que já está caminhando para o seu fim.
Espero que tenham curtido esse trabalho e se você que caiu aqui de paraquedas e não conhece Masters, deixarei o link.

Obrigado pessoal: http://fics.me/3736512
Fiquem com Arceus.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...