História Match Me? - Yoonmin - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


I'm back :3

Ai gente, sorry se isso tá ficando ruim, eu tô realmente tentando ksksks :')

Pra todo caso, boa leitura e se divirtam ❤

Capítulo 6 - Capítulo 5


Aquilo era o tipo de situação que Park Jimin mais odiava na vida; toda a equipe de produção, marketing, figurino e afins juntos em uma enorme sala de reunião para discutirem sobre um assunto sério, e agora estava pior com sua cabeça doendo em nível extremo, chegou a pensar que negar o cumprimido que Yoongi ofereceu teria sido um erro, mas logo se arrependeu de o pensar, odiava aquele cara com todas as suas forças.

- Vocês devem saber porque os chamei aqui - disse Lee Hyun, um homem de uns trinta e quatro anos, com postura madura e profissional, seus olhos transmitiam frieza agora, o que era totalmente diferente de seu programa de comédia. - Estão rolando boatos absurdos sobre mim e informações que só minha equipe poderia ter acesso.

Jimim não se lembrava de nada, então pensou que não poderia ser ele. Qual era a chance de entre sete bilhões de pessoas no mundo, ele encontrar um jornalista fofoqueiro num bar quase na periferia da cidade? A não ser que o universo realmente quisesse ele na fossa, era algo impossível.

- Senhor Lee, acho que nenhum de nós da equipe de produção temos acesso à sua agenta - um dos funcionários disse.

- Temos que analisar todos aqui, a culpa pode ser de qualquer um, alguém está vazando essas informações. - respondeu a secretária de Lee.

- Por que não perguntam ao jornalista que iniciou a confusão? - Disse Jimin, do fundo da sala e todos olharam pra ele, que se encolheu na cadeira.

Lee Hyun fitou Jimin com seu olhar cortante, era óbvio que se Park não fosse um ótimo profissional, nem estaria mais trabalhando naquele lugar.

- As demandas são grandes, Park Jimin, não sabemos de onde veio o núcleo dessas fofocas, mas vamos notificar cada um. - respondeu o homem.

- Vocês precisam entender que se algum de vocês tiver alguma coisa haver com isso, perdem o emprego e pagam uma multa por liberar informações confidenciais. - interviu a secretária.

- E eu também posso perder o emprego, então todos ficariam desempregados. - completou Lee.

- E por que o senhor ficaria desempregado? É mesmo um mafioso? - novamente Jimin disse, fazendo com que todos rissem, menos Lee e sua secretária.

- Não, Park, posso perder meu emprego se essa história continuar circulando por aí e não for parada, as pessoas param de assistir meu programa e estamos totalmente ferrados. Todos nós! - exclamou.

Enquanto isso, nas periferias de Seoul, Yoongi anda de um lado pro outro lendo as notícias em seu celular.

Disseram que Lee Hyun So frequenta a cadeia diariamente e visita bairros suspeitos na cidade, com toda a sua fama e grandeza, seria o famoso Lee, um mafioso?
Kill é um nome citado pelos gângster e mafiosos presos, mas seu nome real nunca fora revelado, conhecidência?

- Yoongi, eu já disse que essa vingança não vai te levar à lugar nenhum, você precisa parar...

- Quem falou isso para Taehyung? - o mais velho perguntou.

- Yoongi...

- Quem!? - repetiu.

O semblante feliz de Suga havia sumido, sua raiva estava no nível máximo agora, se Lee fosse realmente Kill, poderia agora matá-lo e vingar seu pai, sentiu repulsa por ter assistido tantos programas daquele homem nojento, sentiu sua garganta fechar em lágrimas ao lembrar da vez que seus pais morreram bem na sua frente, tudo era culpa de Kill, tudo! A culpa de Jungkook ter perdido o pai, a culpa pelos pais de Yoongi terem morrido, a culpa por Jimin estar tão magoado, tudo poderia ser diferente se aquele homem perverso. Seus nervos ferviam, seu corpo agora era composto de ódio ao invés de DNA, estava quase cego.

- Park Jimin. - abaixou a cabeça. Jungkook sabia que não deveria ter falado sobre aquilo, mas sabia que Yoongi descobriria uma hora ou outra, era inevitável. Ver o amigo naquela situação doía, mas ele não queria ajuda, Jeon não podia fazer nada. Estava tudo pior com o retorno de Jimin, tudo parecia estar correndo para a beira do caos.

Jungkook passou a mão direita por seus cabelos castanhos e suspirou.

- Yoongi, são só boatos, sabe-se lá o que Jimin disse enquanto estava bêbado - tentou amenizar a situação, mas não pareceu funcionar, Yoongi estava cego de ódio e esperança de finalmente poder se vingar.

Suga riu naquele momento, como se estivesse saindo de si, sentiu que finalmente o Universo o estava ajudando, encontrou Jimin, e agora Kill, quase na mesma semana, tinha certeza de que tudo fazia sentido, poderia vingar seu pai e se redimir.

- Está tudo conspirando ao meu favor, Jeon. - continuava andando pra lá e pra cá.

- Acho que é muito pelo contrário, hyung. Vai fazer o quê, agora? Usar Jimin pra pegar as informações sobre o Lee? Yoongi, matar Kill não vai te saciar, você não gosta nem de ver sangue, hyung, por favor... Perder meu pai já foi doloroso demais.

- Você perdeu seu pai por culpa do Kill - Yoongi gritou, virando-se para Jungkook, seus olhos estavam cheios de lágrimas, assim como os de Jeon, que nunca via o amigo daquele jeito. - E eu perdi a minha família por causa dele, Jungkook!

- Eu perdi meu pai porque ele era um drogado e se endividou com mafiosos, e você perdeu seu pai porque ele nos tentou proteger. Matar Kill não vai mudar isso, ele é assim, não vai se arrepender depois de morto, hyung, esqueça isso, ele vai pagar por isso sozinho - implorou. Agora Jungkook estava de pé em frente ao amigo, segurando seus ombros e olhando em seus olhos.

Yoongi encarava o chão, no fundo sabia que Jungkook estava certo, mas não podia desistir, só queria ver o sangue de Kill escorrer como o de seu pai, não tinha mais volta, estava com ódio demais.

- Nem que seja a última coisa que eu faça, eu vou matar aquele cara - e só ali encarou os olhos do amigo, tão intensamente, desejando que Jungkook entendesse o recado e entendeu, ele pegou seu casaco de couro, com lágrimas nos olhos e abriu os olhos.

- A nossa gangue não merece perder mais um líder, eu não mereço perder minha única família e Jimin não merece sofrer outra vez. - foram suas últimas palavras antes de fechar a porta.

Assim que a porta se fechou, Yoongi descontou o ódio nas garrafas em cima da sua mesa de centro e em seus livros, os derrubando, deu um grito de ódio e dor e socou a parede de sua sala. Estava cego, pensava que Jungkook era igênuo demais para entender o que estava acontecendo, essa era a única forma da culpa sair de suas costas, não havia mais jeito pra ele. De repente estava no sofá, com ambas as mãos na testa e chorando de soluçar. Queria mesmo ouvir seu amigo, queria desistir daquilo, mas não via outra saída, como vingar seu pai?

13 de Outubro de 2010


Eram oito horas quando Yoongi terminou de escrever a carta e pôr ela e a caixinha com os anéis de noivado no papel de presente, mesmo que fosse embora, ele e Jimin iriam se reencontrar e passar a vida toda juntos, estava decidido a largar a vida de gângster que o pai construiu e trabalhar duro para dar tudo do melhor pro seu garoto pink, estava feliz por finalmente amar alguém de verdade e estava feliz por restar apenas três anos para que o mais novo fizesse dezoito e eles casassem na praia, como Jimin sonhava e não importava o que acontecesse, Yoongi iria realizar esse sonho.

- Filho, nós temos que ir, arrume as suas coisas, rápido! - o pai disse, abrindo a porta de seu quarto. Era aquela típica expressão de medo nos olhos do pai, de antes deles fugirem da cidade pra nunca mais voltarem. Yoongi sabia que aconteceria, mas não tão cedo. Seu coração estava apertado, sempre ficava preocupado quando o pai fazia isso, mas agora tinha outras responsabilidades, tinha Park Jimin e ele não o deixaria ali antes de dizer adeus e pedir para que não o esquecesse, jamais.

- Não - disse, encarando o presente e surpreendendo o pai, que nunca ouvira essa palavra do filho. - Pai, eu preciso ir até a festa de Jimin e entregar o presente dele primeiro.

- Mas filho, é só...

- Eu sempre fui com o senhor sem questionar, eu nunca tive amigos, pai, minha vida sempre foi a sua vida, então por favor, deixa eu me despedir, é a única coisa que te peço, vou arrumar minhas coisas e entregar isso ao Park, depois nós vamos embora. - implorou, com os olhos marejados.

E se viu os olhos do pai que se sentia culpado, ele abaixou o olhar e respirou fundo para não chorar, sabia como Jimin era importante, até para ele. Era horrível ter que fugir todas as vezes com sua família, não deixando que concretizassem amizades e amores, e isso era culpa de Kanghae.

- Tudo bem. Mas volte logo, e pegue Jungkook na volta. - disse e fechou a porta.

(Quebra de tempo)

Após arrumar suas coisas, Yoongi saiu de casa feliz e determinado, com passos ligeiros para que não se atrasasse. A verdade é que até hoje não entendia bem porque sempre fugiam, até seus dezessete anos, o pai escondeu a maioria dos assuntos dele, então não sabia a grandeza da situação e nem queria pensar nisso agora. A pequena caixa estava em seu bolso e ele sempre conferia para ter certeza de que ela estava ali. Estava ansioso pra ver a surpresa que Jimin disse que tinha, a noite anterior fora um sonho, perdeu a virgindade com Jimin e tirou a dele, fizeram tudo meio desengonçados, mas foi mágico simplesmente por ser ele, seu coração doía por ir embora, mas no fundo sabia que se reencontrariam, estava uma hora atrasado para a festa e apertou ainda mais os passos quando viu em seu relógio que eram dez horas da noite. Ele estava quase virando a esquina da rua aonde rolava a festa, mas foi surpreendido pelo saco de pano sendo colocado em sua cabeça.

15 de Outubro de 2020


Jimin estava em seu apartamento, digitando o roteiro em seu computador, mas sua mente não estava ali realmente, a história de Yoongi ter voltado não se encaixava no seu cérebro, achava que sabia exatamente o que havia acontecido, mas havia dúvidas, diversas delas. Ele não conseguia perdoar o rapaz, mas também não conseguia parar de pensar no mesmo. Sem conseguir se concentrar, o loiro bufou e foi até a cozinha beber um copo de água e foi só ali que percebeu o curativo em sua mão. Pensou na noite daquele assalto, em como Min ainda parecia o mesmo valentão indelinquente, estourado e frio em quase todas as horas. De como ainda defendia os seus arduamente e procurava a justiça acima de tudo. Se perguntou no como o rapaz que vivia preocupado com a vida do pai e tinha sonhos bem maiores que aqueles, seguiu o mesmo caminho do homem, Yoongi seria mesmo alguém tão ruim? Por um segundo, Jimin esqueceu de seu ódio, como no momento lúcido de um louco, sorriu e se entregou à empolgação de rever seu grande amor. Mas logo em seguida, viu sangue novamente quando piscou e seu ódio voltou, fazendo seu sorriso desaparecer.

- Jimie! - Ouviu um grito feminino da sala, era So Raa. Ele ficou feliz ao ouvir a voz da amiga e foi em direção a ela.

- Hey, So Raa. Tá sumida, garota - abraçou a mesma, que parecia apreensiva.

- Hoseok te ligou o dia todo. O que aconteceu? - soltou-se do abraço.

- Ah, eu esqueci dele. Estava na emissora e já cheguei trabalhando. - acariciou os tímpanos - quer água? - foi em direção à cozinha.

- O que está acontecendo, Jimie? - perguntou So Raa, preocupada.

Jimin sabia que certamente a amiga havia percebido seu humor, ela não era como Hoseok, despercebida, diferente do irmão, sabia exatamente quando algo estava errado.

- Não aconteceu nada, é só estresse por causa desses boatos sobre o senhor Lee - riu, abrindo a geladeira e pegando a jarra d'água. Queria poupar todos ao seu redor de toda essa história, precisava esquecer também.

- Tem certeza? - perguntou, desconfiada.

- Sim - Riu novamente, entregando o copo com água, até que os dois ouviram o som da campanhia. - Aff, por que Hoseok insiste em esquecer a chave? Gastei dinheiro atoa fazendo aquela cópia - murmurou, enquanto seguia até a porta. E quando abriu, se deparou com ninguém mais, ninguém menos, que Min Yoongi. 


Notas Finais


Foi isso mores, deixem suas opiniões e críticas construtivas serã sempre bem-vindas ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...